Op­ções de so­bra!

É pos­sí­vel en­con­trar, em vá­ri­os ali­men­tos, nu­tri­en­tes que fa­ci­li­tam a per­da de gor­du­ra ab­do­mi­nal e afi­nam a cin­tu­ra

Coleção Almanaque da Saúde - - ÍNDICE -

ALÉM DAS FI­BRAS, ÔMEGAS E DAS PROPRIEDADES TERMOGÊNICAS PRE­SEN­TES EM CER­TOS ALI­MEN­TOS, EXIS­TEM OU­TROS NU­TRI­EN­TES QUE TAM­BÉM SÃO CA­PA­ZES DE COM­BA­TER AS INCÔ­MO­DAS GORDURINHAS DA BAR­RI­GA. Eles são en­con­tra­dos em ali­men­tos co­mu­men­te con­su­mi­dos no dia a dia e mui­ta gen­te des­co­nhe­ce as su­as ações ema­gre­ce­do­ras. Abai­xo, co­nhe­ça al­guns de­les e apro­vei­te mais es­ta fon­te de saú­de!

ÁCIDO OLEICO

Ele na­da mas é do que um com­pos­to de gor­du­ras mo­noin­sa­tu­ra­das, que de­sem­pe­nham as mais di­ver­sas ações vi­tais ao cor­po. “As gor­du­ras for­ne­cem ener­gia ao or­ga­nis­mo, são es­sen­ci­ais pa­ra o cres­ci­men­to e re­no­va­ção ce­lu­lar, dão su­por­te e pro­te­ção aos ór­gãos por se­rem res­pon­sá­veis pe­lo trans­por­te das vi­ta­mi­nas A, D, E e K, e pe­la ab­sor­ção des­sas vi­ta­mi­nas pe­lo or­ga­nis­mo. A gor­du­ra mo­noin­sa­tu­ra­da re­duz os ní­veis do co­les­te­rol ruim (LDL) e po­de ser in­ge­ri­da por meio do azei­te, abacate, no­zes e se­men­tes, co­mo a de gi­ras­sol”, con­ta o nu­tró­lo­go e car­di­o­lo­gis­ta Daniel Mag­no­ni. Es­te ti­po de gor­du­ra, por ser sau­dá­vel, po­de sim ser con­su­mi­da, des­de que não se­ja em quan­ti­da­des exa­ge­ra­das. Ela aju­da a con­tro­lar a sa­ci­e­da­de, e no ca­so do abacate, se une aos de­mais nu­tri­en­tes que con­têm propriedades com­ba­ten­tes ao acú­mu­lo de gor­du­ras, co­mo as fi­bras. “A gor­du­ra mo­noin­sa­tu­ra­da é uti­li­za­da pe­lo or­ga­nis­mo pa­ra for­mar hormô­ni­os, neu­ro­trans­mis­so­res e con­tri­bui pa­ra a re­du­ção dos pro­ces­sos in­fla­ma­tó­ri­os re­la­ci­o­na­dos ao ex­ces­so de pe­so”, com­ple­ta o nu­tró­lo­go Ma­xi­mo Asi­ne­li.

AMI­DO RE­SIS­TEN­TE

En­con­tra­do em ali­men­tos co­mo ba­na­na ver­de e ba­ta­ta, ele é um com­po­nen­te pre­sen­te nos car­boi­dra­tos “do bem”. Ami­go da sa­ci­e­da­de, o ami­do re­sis­ten­te pas­sa pe­la flo­ra in­tes­ti­nal sem ser di­ge­ri­do, o que con­tri­bui pa­ra que o bo­lo fe­cal te­nha seu trân­si­to fa­ci­li­ta­do. Além dis­so, pes­qui­sas com­pro­vam ain­da o au­xí­lio que ele de­sem­pe­nha na lu­ta con­tra a di­mi­nui­ção do co­les­te­rol ruim (LDL) no or­ga­nis­mo.

CÁL­CIO

Ele não es­tá pre­sen­te ape­nas no lei­te: hor­ta­li­ças co­mo a cou­ve e o brócolis tam­bém agre­gam o nu­tri­en­te em sua com­po­si­ção. Sua ação mais co­nhe­ci­da é a do for­ta­le­ci­men­to da mas­sa ós­sea, po­rém, o cál­cio tam­bém po­de aju­dar a ema­gre­cer. Pes­qui­sas com­pro­va­ram que o mi­ne­ral con­tri­bui pa­ra que as en­zi­mas que se en­car­re­gam de pro­du­zir as cé­lu­las de gor­du­ra no or­ga­nis­mo te­nham su­as ati­vi­da­des di­mi­nuí­das. Além dis­so, quem man­tém uma di­e­ta ri­ca em cál­cio pre­ser­va as cé­lu­las mais sau­dá­veis, já que, na pre­sen­ça do mi­ne­ral, elas pas­sam a eli­mi­nar a gor­du­ra que en­con­tra-se ar­ma­ze­na­da en­tre elas.

CAR­BOI­DRA­TOS COM­PLE­XOS

Em­bo­ra mui­ta gen­te pen­se que os car­boi­dra­tos são os vi­lões de uma di­e­ta sau­dá­vel, os do ti­po com­ple­xos são mui­to bem-vin­dos no car­dá­pio de quem bus­ca pe­lo ema­gre­ci­men­to. Is­to por­que a sua es­tru­tu­ra mo­le­cu­lar per­mi­te que eles se­jam di­ge­ri­dos len­ta­men­te, fa­zen­do com que a sa­ci­e­da­de se­ja pre­ser­va­da por mais tem­po. Além dis­so, eles tam­bém con­tri­bu­em pa­ra que os ní­veis de co­les­te­rol e tri­gli­cé­ri­des se­jam re­gu­la­dos no or­ga­nis­mo e pro­mo­vem o bom fun­ci­o­na­men­to do in­tes­ti­no. Po­de-se en­con­trar o nu­tri­en­te em ali­men­tos co­mo: aveia, qui­noa, gra­no­la, man­di­o­ca e ba­ta­ta-do­ce.

PO­TÁS­SIO

O mi­ne­ral, co­nhe­ci­do por es­tar pre­sen­te na ba­na­na, tam­bém é en­con­tra­do em ou­tros ali­men­tos, tais co­mo abó­bo­ra, cas­ta­nha, es­pi­na­fre, to­ma­te, len­ti­lha, e em ver­du­ras di­ver­sas. Além de ser mui­to im­por­tan­te pa­ra a saú­de do sis­te­ma car­di­o­vas­cu­lar por atu­ar na pro­te­ção das cé­lu­las e na re­gu­la­gem da pres­são ar­te­ri­al, o po­tás­sio tam­bém de­sem­pe­nha uma im­por­tan­te ação na quei­ma dos car­boi­dra­tos, o que con­tro­la os ní­veis de açú­car na cor­ren­te san­guí­nea.

SELÊNIO

Além de pro­te­ger o co­ra­ção e ser um pra­to cheio pa­ra a ele­va­ção do sis­te­ma imu­no­ló­gi­co, o selênio ain­da aju­da no ema­gre­ci­men­to por meio de su­as ações an­ti­o­xi­dan­tes, pro­te­gen­do o cor­po das ati­vi­da­des ne­ga­ti­vas dos ra­di­cais li­vres. Alface, cas­ta­nha-do-pa­rá, ge­ma de ovo e re­po­lho são al­guns ali­men­tos ri­cos no mi­ne­ral.

ZINCO

Ele age na ab­sor­ção das in­de­se­já­veis gordurinhas ex­tras no or­ga­nis­mo, além de au­xi­li­ar no me­lhor fun­ci­o­na­men­to do sis­te­ma me­ta­bó­li­co. Du­as ra­zões mais do que su­fi­ci­en­tes pa­ra mos­trar que o zinco é um nu­tri­en­te ami­go da balança. Além dis­so, ele tam­bém atua na re­du­ção dos ra­di­cais li­vres, por meio de su­as ações an­ti­o­xi­dan­tes no or­ga­nis­mo. É pos­sí­vel en­con­trar o mi­ne­ral em ali­men­tos co­mo ri­co­ta, no­zes, ar­roz in­te­gral e lei­te.

CON­SUL­TO­RIA Daniel Mag­no­ni, nu­tró­lo­go e car­di­o­lo­gis­ta; Ma­xi­mo Asi­ne­li, nu­tró­lo­go FO­TOS Shut­ters­tock Ima­ges

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.