REEDUCANDO COM SA­BOR!

Ado­tar uma re­e­du­ca­ção ali­men­tar se faz ne­ces­sá­rio quan­do o as­sun­to é qua­li­da­de de vi­da

Coleção Almanaque da Saúde - - ÍNDICE -

Apren­da os de­graus da re­e­du­ca­ção ali­men­tar e trans­for­me sua vi­da

AS ROU­PAS NÃO SER­VEM MAIS, OS NÍ­VEIS DE CO­LES­TE­ROL E DE GLICEMIA es­tão al­te­ra­dos e a sua dis­po­si­ção já não é a mes­ma? Pois saiba que uma re­e­du­ca­ção ali­men­tar po­de mu­dar es­sa re­a­li­da­de, tra­zen­do de vol­ta a saú­de e a qua­li­da­de de vi­da. “Sim­ples­men­te pe­lo fa­to de vo­cê re­e­du­car a ali­men­ta­ção e dei­xar de la­do os maus há­bi­tos, o fun­ci­o­na­men­to do seu or­ga­nis­mo é oti­mi­za­do, sen­do as­sim, as pes­so­as têm mais ten­dên­cia a se sen­ti­rem dis­pos­tas e com mai­or sen­sa­ção de bem-es­tar”, co­men­ta a ge­ne­ti­cis­ta Cla­ra Ku­bel­ka.

DI­E­TA, NUN­CA MAIS!

A mai­o­ria das di­e­tas cos­tu­ma res­trin­gir di­ver­sos ali­men­tos do car­dá­pio, fa­zen­do com que a pes­soa não con­si­ga se­gui-la por mui­to tem­po. A re­e­du­ca­ção, por sua vez, ava­lia que to­dos os ali­men­tos po­dem es­tar pre­sen­tes no car­dá­pio, des­de que con­su­mi­dos com mo­de­ra­ção. “A di­e­ta, na ver­da­de, é uma res­tri­ção, que po­de ser de só­dio, no ca­so de um pa­ci­en­te com hi­per­ten­são ar­te­ri­al, ou de açú­car quan­do a pes­soa é di­a­bé­ti­ca. Tam­bém po­de ser de ca­lo­ri­as pa­ra o ema­gre­ci­men­to. Além dis­so, a di­e­ta tem pro­pos­ta de ter iní­cio e fim, ao con­trá­rio da re­e­du­ca­ção ali­men­tar, que vi­sa não só o ema­gre­ci­men­to, mas uma ma­nu­ten­ção do pe­so. A re­e­du­ca­ção ali­men­tar se adap­ta me­lhor à ro­ti­na, às pre­fe­rên­ci­as da pes­soa e tor­na mais fá­cil a ade­são ao tra­ta­men­to”, afir­ma a nu­tri­ci­o­nis­ta Ana Ra­quel Bu­car.

FO­CO É NE­CES­SÁ­RIO

O pro­ces­so de re­e­du­ca­ção ali­men­tar po­de ser um tan­to quan­to de­mo­ra­do e, por is­so, é pre­ci­so ter fo­co pa­ra não de­sis­tir no meio do ca­mi­nho. “É im­por­tan­te di­zer que não é do dia pa­ra noi­te que a pes­soa vai con­se­guir o re­sul­ta­do de­se­ja­do. É uma lu­ta diá­ria con­tra a balança e a pa­ci­ên­cia é fun­da­men­tal pa­ra não de­sa­ni­mar e al­can­çar o ob­je­ti­vo. Ali­a­da a um ali­men­ta­ção ba­lan­ce­a­da, a per­sis­tên­cia e a dis­ci­pli­na con­tri­bu­em pa­ra su­pe­rar os de­sa­fi­os”, re­for­ça o nu­tró­lo­go Ha­mil­ton Fu­nes.

CO­MO CO­ME­ÇAR?

Se vo­cê é da­que­las pes­so­as que não con­se­guem en­ca­rar uma di­e­ta res­tri­ti­va, co­me­çar uma re­e­du­ca­ção po­de ser uma óti­ma al­ter­na­ti­va, já que é pos­sí­vel dar iní­cio aos no­vos há­bi­tos ali­men­ta­res com ati­tu­des sim­ples. Con­fi­ra!

Mas­ti­gue da for­ma correta

Po­de até não pa­re­cer, mas mas­ti­gar bem os ali­men­tos faz to­da a di­fe­ren­ça no pro­ces­so de ema­gre­ci­men­to. “Um dos prin­ci­pais pon­tos da re­e­du­ca­ção ali­men­tar es­tá na pri­mei­ra fa­se da di­ges­tão, ou se­ja, na mas­ti­ga­ção. É tam­bém com ela que o me­ca­nis­mo de sa­ci­e­da­de é aci­o­na­do, fa­zen­do, por­tan­to, com que a in­ges­tão ca­ló­ri­ca se­ja mais equi­li­bra­da du­ran­te a ali­men­ta­ção. Se vo­cê se ali­men­ta com cal­ma, ati­va o me­ca­nis­mo de sa­ci­e­da­de e se sa­tis­faz com me­nos quan­ti­da­de de ali­men­to, o que con­tri­bui pa­ra o pro­ces­so de per­da de pe­so”, re­ve­la a nu­tri­ci­o­nis­ta Paula dos San­tos Ri­bei­ro. Des­sa for­ma, é pre­ci­so con­tro­lar a ve­lo­ci­da­de com que se in­ge­re o ali­men­to. “Mas­ti­gue ca­da gar­fa­da de ali­men­to 15 ve­zes an­tes de en­go­lir e au­men­te gra­da­ti­va­men­te; des­can­se os ta­lhe­res no pra­to en­tre ca­da por­ção de ali­men­to in­ge­ri­do; es­pe­re 15 se­gun­dos en­tre ca­da por­ção de ali­men­to e re­pi­ta”, en­si­na Paula.

Sem res­tri­ções, mas com mo­de­ra­ção

É nor­mal es­ca­par da di­e­ta nos fins de se­ma­na — e em uma re­e­du­ca­ção ali­men­tar, is­so po­de acon­te­cer. No en­tan­to, é pre­ci­so ter cui­da­do pa­ra não jo­gar por água abai­xo to­dos os ga­nhos ad­qui­ri­dos du­ran­te a se­ma­na. “As ‘es­ca­pa­di­nhas’ acon­te­cem, mas o fa­to é que um fi­nal de se­ma­na sem fo­co po­de atra­pa­lhar tu­do o que vo­cê con­quis­tou ao lon­go da se­ma­na. En­tão, fa­ça ape­nas um mo­men­to ‘li­xo’, em vez de um fi­nal de se­ma­na in­tei­ro. Se não man­ti­ver o fo­co, ima­gi­ne só, se­rão qua­se três di­as fo­ra da di­e­ta”, res­sal­ta Paula.

Não pu­le re­fei­ções

En­ga­na-se quem pen­sa que fi­car lon­gos pe­río­dos sem co­mer co­la­bo­ra pa­ra o ema­gre­ci­men­to. Pe­lo con­trá­rio. Es­sa ati­tu­de, além de pre­ju­di­car o me­ta­bo­lis­mo, faz com que vo­cê te­nha mais fo­me na pró­xi­ma re­fei­ção e aca­be co­men­do mais do que de­ve­ria. Por is­so, con­su­ma pe­que­nos lan­ches en­tre as re­fei­ções prin­ci­pais e, de pre­fe­rên­cia, co­ma de três em três ho­ras.

Be­ba água

Pa­re­ce cli­chê, mas pa­ra que uma re­e­du­ca­ção ali­men­tar ob­te­nha su­ces­so, é in­dis­pen­sá­vel o con­su­mo de água. Is­so por­que, além de hi­dra­tar, ela aju­da no bom fun­ci­o­na­men­to do or­ga­nis­mo, eli­mi­na­do as to­xi­nas, que são ini­mi­gas do pro­ces­so de ema­gre­ci­men­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.