DI­CAS PA­RA CO­MER ME­LHOR

É pre­ci­so mu­dar al­guns há­bi­tos pa­ra ema­gre­cer com saú­de

Coleção Almanaque da Saúde - - ÍNDICE -

Qu­an­ta água pre­ci­so be­ber? Qual a quan­tia de sal ide­al pa­ra mi­nhas re­fei­ções? Con­fi­ra es­sas e ou­tras res­pos­tas!

AGORDURINHA SOBRANDO NA CIN­TU­RA IN­CO­MO­DA E VO­CÊ DE­CI­DE PER­DER PE­SO CUI­DAN­DO DO QUE SE LE­VA AO PRA­TO.

Mui­to bem! No en­tan­to, an­tes de tu­do, é pre­ci­so en­ten­der que não é um ali­men­to ou ou­tro que aju­da­rá na me­ta de ter a cin­tu­ra fi­na, mas sim uma boa ali­men­ta­ção, is­to é, equi­li­bra­da e sau­dá­vel. “Pa­ra que a eli­mi­na­ção da gor­du­ra acu­mu­la­da ocor­ra de for­ma na­tu­ral, é fun­da­men­tal as­se­gu­rar pa­ra o cé­re­bro que es­tá tu­do bem com a ali­men­ta­ção e que os di­ver­sos nu­tri­en­tes en­con­tra­dos nos ali­men­tos es­te­jam pre­sen­tes no dia a dia”, es­cla­re­ce a nu­tri­ci­o­nis­ta Lu­a­na Vas­con­ce­los. Por is­so, an­tes de cor­rer pa­ra o hor­ti­frú­ti, con­fi­ra co­mo se ali­men­tar bem:

FRACIONE

A per­da de pe­so es­tá di­re­ta­men­te li­ga­da ao nú­me­ro de ve­zes em que se co­me di­a­ri­a­men­te. Is­so mes­mo! Mais va­le co­mer vá­ri­as por­ções de pra­tos sau­dá­veis do que dois su­per­ca­ló­ri­cos. O in­di­ca­do é se ali­men­tar de três em três ho­ras. Gran­des in­ter­va­los en­tre as re­fei­ções dei­xam o me­ta­bo­lis­mo len­to, o que pre­ju­di­ca a ab­sor­ção dos car­boi­dra­tos, que se­rão de­po­si­ta­dos na for­ma de gor­du­ra. As­sim, o ide­al é fa­zer pe­que­nos lan­ches en­tre as prin­ci­pais re­fei­ções - ca­fé da ma­nhã, al­mo­ço e jan­tar.

ÁGUA TO­DO DIA

Além de hi­dra­tar o or­ga­nis­mo, a água tam­bém de­sem­pe­nha um pa­pel fun­da­men­tal no me­ta­bo­lis­mo: aju­dar no trans­por­te dos nu­tri­en­tes dos ali­men­tos. As­sim, pa­ra que a ali­men­ta­ção exer­ça to­dos os be­ne­fí­ci­os à saú­de, é pre­ci­so adi­ci­o­nar o con­su­mo re­gu­lar e abun­dan­te de água na ro­ti­na. “Ela é es­sen­ci­al à vi­da, con­tri­bui e par­ti­ci­pa de mui­tas fun­ções no or­ga­nis­mo. Sua in­ges­tão diá­ria é cru­ci­al pa­ra a saú­de”, des­ta­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta Ga­bri­e­la Mar­ce­li­no. Quan­do o as­sun­to é su­mir com a bar­ri­gui­nha sa­li­en­te, o lí­qui­do cris­ta­li­no me­re­ce aten­ção. É com o au­xí­lio da água que as fi­bras - im­por­tan­tes pa­ra o bom fun­ci­o­na­men­to do in­tes­ti­no, evi­tan­do cons­ti­pa­ção - se mo­vi­men­tam me­lhor du­ran­te to­da a di­ges­tão. Além dis­so, elas têm gran­de po­der de ab­sor­ção, o que faz com que cres­çam no estô­ma­go e ge­rem sa­ci­e­da­de. O con­su­mo de mui­tas fi­bras em um cor­po de­si­dra­ta­do ge­ra o efei­to con­trá­rio, is­to é, elas se amon­to­am, co­la­bo­ran­do pa­ra a pri­são de ven­tre. Ou­tra van­ta­gem na bus­ca pe­la cin­tu­ra en­xu­ta é o com­ba­te a in­cha­ços. “A água é o ali­men­to mais im­por­tan­te pa­ra o com­ba­te aos in­cha­ços, pois aju­da a fil­trar o san­gue, eli­mi­nan­do com mais fa­ci­li­da­de o só­dio in­ge­ri­do”, ex­pli­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta Ca­mi­la Ca­vi­chi­o­li dos San­tos.

TRO­CAS ESPERTAS

Mui­to do que se le­va à me­sa po­de ser subs­ti­tuí­do por ver­sões mais sau­dá­veis. É o ca­so da car­ne: a de pei­xe é mais ma­gra e nu­tri­ti­va que a ver­me­lha. O pão­zi­nho tam­bém en­tra na mu­dan­ça e for­ne­ce mais nu­tri­en­tes na ver­são in­te­gral. Al­gu­mas fri­tu­ras, co­mo ba­ta­ta fri­ta e fi­lé a mi­la­ne­sa, fi­cam mais le­ves sem per­der a cro­cân­cia se fo­rem as­sa­dos. Já os quei­jos ama­re­los de­vem ser tro­ca­dos pe­los bran­cos, co­mo quei­jo-de-mi­nas e cot­ta­ge. Ou­tra di­ca é o lei­te, uma vez que o des­na­ta­do con­ser­va o cál­cio e dis­pen­sa a gor­du­ra do in­te­gral, que não aju­da em na­da a afi­nar a cin­tu­ra!

MA­NEI­RE NO SAL

Ele es­tá pre­sen­te em qua­se to­das as re­fei­ções, po­rém, po­de tra­zer pro­ble­mas gra­ves de saú­de. O só­dio pre­sen­te no sal, quan­do con­su­mi­do em ex­ces­so, co­la­bo­ra pa­ra o sur­gi­men­to de do­en­ças crô­ni­cas, co­mo a hi­per­ten­são, além de afe­tar o bom fun­ci­o­na­men­to do or­ga­nis­mo, ge­ran­do in­cha­ços, por exem­plo. A Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS) in­di­ca me­nos de 5g do tem­pe­ro por dia - o que equi­va­le a me­nos de 1 co­lher (chá) ra­sa. No en­tan­to, é pre­ci­so lem­brar que ali­men­tos industrializados já tra­zem gran­des quan­ti­da­des de sal, pois ele fun­ci­o­na co­mo con­ser­van­te. “To­dos os ali­men­tos pos­su­em sal, cha­ma­do sal in­trín­se­co. Co­mo nos di­as de ho­je o con­su­mo de industrializados e em­bu­ti­dos é mui­to gran­de, até mes­mo se não co­lo­car­mos sal na co­mi­da o con­su­mo diá­rio já ul­tra­pas­sa o in­di­ca­do”. A de­cla­ra­ção da nu­tri­ci­o­nis­ta Paula Cas­ti­lho não de­ve ser in­ter­pre­ta­da co­mo uma des­mo­ti­va­ção e sim co­mo um aler­ta. É im­pos­sí­vel fu­gir do só­dio (aliás, nem é in­di­ca­do, já que ele co­la­bo­ra pa­ra o equi­lí­brio das cé­lu­las), mas há al­gu­mas ati­tu­des pa­ra dri­blar o só­dio ocul­to, co­mo pre­fe­rir ali­men­tos na­tu­rais aos industrializados, re­du­zir o con­su­mo de tem­pe­ros pron­tos e dar lu­gar aos na­tu­rais, co­mo ce­bo­la, alho e er­vas fi­nas.

FO­TOS Shut­ters­tock Ima­ges e Thinks­tock/Getty Ima­ges

CON­SUL­TO­RIA Ca­mi­la Ca­vi­chi­o­li dos San­tos, Ga­bri­e­la Mar­ce­li­no, Lu­a­na Vas­con­ce­los e Paula Cas­ti­lho, nu­tri­ci­o­nis­tas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.