Va­ri­zes

Coleção Almanaque da Saúde - - EDITORIAL -

Além de cau­sa­rem pa­vor nas mu­lhe­res, elas são um si­nal de que al­go es­tá er­ra­do com o or­ga­nis­mo

Ape­sar de po­de­rem apa­re­cer em ou­tras par­tes do cor­po, as va­ri­zes qu­a­se sem­pre afe­tam as per­nas. Ba­si­ca­men­te, is­so acon­te­ce por uma ques­tão ló­gi­ca: o san­gue das per­nas é bom­be­a­do pa­ra ci­ma, con­tra a lei da gra­vi­da­de, as­sim, pa­ra não vol­tar, al­guns va­sos san­guí­ne­os pos­su­em um me­ca­nis­mo in­ter­no que fun­ci­o­na co­mo vál­vu­las, abrin­do pa­ra que o san­gue su­ba e fe­chan­do a se­guir. O pro­ble­ma sur­ge quan­do es­sas vei­as são mui­to pres­si­o­na­das e se di­la­tam. Quan­do ul­tra­pas­sam um di­â­me­tro (uma es­pes­su­ra) mai­or do que 3mm, pas­sam a ser cha­ma­das de va­ri­zes. “É um si­nal de com­pro­me­ti­men­to da cir­cu­la­ção ve­no­sa no Além de o efei­to es­té­ti­co cau­sar des­con­for­to ao pú­bli­co fe­mi­ni­no, es­se pro­ble­ma po­de pre­ju­di­car o bom fun­ci­o­na­men­to do or­ga­nis­mo. Veja por quê! mem­bro in­fe­ri­or. Mas is­so não quer di­zer que se­ja um pro­ble­ma gra­ve, mas sim que os va­sos di­la­ta­dos não es­tão nor­mais”, es­cla­re­ce o ci­rur­gião vas­cu­lar Cel­so Ri­car­do Bre­gal­da Ne­ves. Por­tan­to, re­pre­sen­tam um pro­ble­ma de saú­de que ne­ces­si­ta o de­vi­do cui­da­do.

De olho no al­vo

Ape­sar de po­der sur­gir em qual­quer ida­de, in­de­pen­den­te­men­te de se­xo, al­guns fa­to­res de ris­co aca­bam por tor­nar gru­pos mais sus­ce­tí­veis a de­sen­vol­ver o pro­ble­ma. “ He­re­di­ta­ri­e­da­de: a in­ci­dên­cia de va­ri­zes na fa­mí­lia au­men­ta as chan­ces de a pes­soa ter o pro­ble­ma Obe­si­da­de: o ex­ces­so de pe­so au­men­ta a pres­são so­bre as vei­as, que não con­se­guem fa­zer com que o san­gue cir­cu­le nor­mal­men­te Ta­ba­gis­mo: as subs­tân­ci­as tó­xi­cas do ci­gar­ro da­ni­fi­cam a pa­re­de dos va­sos, pre­ju­di­can­do a cir­cu­la­ção do san­gue

Re­co­nhe­ça os si­nais

Os sintomas po­dem ser va­ri­a­dos, bem co­mo sua in­ten­si­da­de. As­sim, é im­por­tan­te es­tar aler­ta pa­ra pre­ve­nir o agra­va­men­to. “As va­ri­zes po­dem cau­sar dor, ge­ral­men­te no fim do dia, pois a pes­soa já fi­cou mui­to tem­po em pé. Não são

do­res mui­to for­tes e os pa­ci­en­tes cos­tu­mam ca­rac­te­ri­zá-la co­mo ‘um pe­so na per­na’. Tam­bém po­dem cau­sar in­cha­ço, cãi­bras ou for­mi­ga­men­to. Em ca­sos gra­ves e avan­ça­dos po­dem apa­re­cer man­chas e até fe­ri­das na per­na, que são cha­ma­das de úl­ce­ra va­ri­co­sa”, de­ta­lha Ne­ves. A mai­o­ria dos ca­sos não evo­lui pa­ra na­da gra­ve, es­pe­ci­al­men­te quan­do se ado­tam me­di­das pre­ven­ti­vas. Mas os sintomas po­dem ser mais se­ve­ros. “Po­dem apre­sen­tar san­gra­men­to e, mais ra­ra­men­te, até fle­bi­te, que é a in­fla­ma­ção da veia pe­la for­ma­ção de um coá­gu­lo den­tro de­la”, aler­ta o ci­rur­gião.

Lu­tan­do con­tra o ini­mi­go

Mes­mo com to­dos os cui­da­dos, é pos­sí­vel que ha­ja um agra­va­men­to do qua­dro ou as va­ri­zes po­dem pas­sar a in­co­mo­dar es­te­ti­ca­men­te. Mas is­so não é mo­ti­vo pa­ra mui­tas pre­o­cu­pa­ções, pois há tra­ta­men­tos bas­tan­te se­gu­ros pa­ra se re­sol­ver o pro­ble­ma. “Em ge­ral, as va­ri­zes são re­ti­ra­das por meio de ci­rur­gia, mas po­dem ser tam­bém tra­ta­das com la­ser, mi­cro­es­pu­ma ou ra­di­o­frequên­cia. A me­lhor op­ção de­pen­de de vá­ri­os fa­to­res, co­mo os sintomas do pa­ci­en­te, o ris­co do pro­ce­di­men­to etc. De­pois de con­fir­ma­do o di­ag­nós­ti­co, po­rém, não há tra­ta­men­to que eli­mi­ne as va­ri­zes em de­fi­ni­ti­vo que não se­ja in­ter­ven­ci­o­nis­ta. O tra­ta­men­to clí­ni­co con­tro­la e di­mi­nui os sintomas, mas não eli­mi­na va­ri­zes em de­fi­ni­ti­vo”, com­ple­men­ta o ci­rur­gião.

Me­lhor pre­ve­nir

“De ma­nei­ra ge­ral, é pos­sí­vel pre­ve­nir ten­do uma vi­da ati­va, sau­dá­vel, con­tro­lan­do e tra­tan­do qual­quer do­en­ça que apa­re­ça, man­ten­do-se hi­dra­ta­do, sem fu­mar, sem ex­ces­so de pe­so e fa­zen­do ava­li­a­ções mé­di­cas pe­rió­di­cas”, acon­se­lha Ne­ves. Em ou­tras pa­la­vras, pa­ra que o san­gue flua nor­mal­men­te e as va­ri­zes não apa­re­çam ou não se agra­vem, é pre­ci­so to­mar al­guns cui­da­dos bá­si­cos: Evi­te fi­car sen­ta­da ou em pé por mui­to tem­po Pra­ti­que exer­cí­ci­os le­ves, co­mo ca­mi­nha­da e na­ta­ção, que es­ti­mu­lam a cir­cu­la­ção san­guí­nea e com­ba­tem o ex­ces­so de pe­so Não se ex­po­nha ao sol ou a ba­nhos quen­tes por tem­po pro­lon­ga­do, pois a al­ta tem­pe­ra­tu­ra po­de di­la­tar as vei­as To­dos os di­as, du­ran­te al­guns mi­nu­tos (10 a 15), dei­te-se com as per­nas ele­va­das num ân­gu­lo de 45º Evi­te o ci­gar­ro! As subs­tân­ci­as tó­xi­cas pre­sen­tes ne­le da­ni­fi­cam a pa­re­de dos va­sos san­guí­ne­os e au­men­tam a co­a­gu­la­ção do san­gue

En­ten­da co­mo se for­mam as va­ri­zes

As vei­as são va­sos san­guí­ne­os res­pon­sá­veis por le­var o san­gue de vol­ta ao co­ra­ção. Co­mo as per­nas es­tão bas­tan­te dis­tan­tes do co­ra­ção, as vei­as pos­su­em uma es­tru­tu­ra que fun­ci­o­na co­mo uma bom­ba pa­ra em­pur­rar o san­gue pa­ra ci­ma. “Nas vei­as das per­nas, exis­tem vál­vu­las que são es­tru­tu­ras lo­ca­li­za­das no in­te­ri­or das vei­as e têm co­mo ob­je­ti­vo o di­re­ci­o­na­men­to do san­gue pa­ra o co­ra­ção”, des­ta­ca o car­di­o­lo­gis­ta Mar­co Antô­nio de Mat­tos.

É ofe­re­ci­do pe­lo SUS

Dá pa­ra fa­zer pe­lo Sis­te­ma Úni­co de Saú­de! O pri­mei­ro pas­so é pro­cu­rar um pos­to de saú­de e agen­dar uma con­sul­ta mé­di­ca. Após o aten­di­men­to, al­guns exa­mes te­rão de ser re­a­li­za­dos, e é pre­ci­so es­pe­rar que os re­sul­ta­dos fi­quem pron­tos pa­ra dar an­da­men­to o tra­ta­men­to in­di­ca­do pe­lo es­pe­ci­a­lis­ta. É im­por­tan­te res­sal­tar que tra­ta­men­to de va­ri­zes gra­tui­to pe­lo SUS é, atu­al­men­te, um di­rei­to do ci­da­dão bra­si­lei­ro. En­tão, apro­vei­te es­sa opor­tu­ni­da­de!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.