Flu­xo in­ter­rem­pi­do

Conheça al­gu­mas do­en­ças que po­dem sur­gir se o flu­xo de san­gue es­ti­ver com­pro­me­ti­do!

Coleção Almanaque da Saúde - - EDITORIAL -

Conheça ou­tras do­en­ças de cir­cu­la­ção que po­dem pre­ju­di­car a saú­de

Além do incô­mo­do das va­ri­zes, o ce­ná­rio po­de fi­car pi­or quan­do a cir­cu­la­ção san­guí­nea não an­da mui­to bem: pro­ble­mas co­mo aci­den­te vas­cu­lar ce­re­bral (AVC), trom­bo­se, ar­rit­mia e ou­tras do­en­ças se de­sen­vol­vem com mais fa­ci­li­da­de. En­ten­da um pou­co mais so­bre elas e sai­ba co­mo evi­tá-las!

AVC

O aci­den­te vas­cu­lar ce­re­bral é uma das prin­ci­pais cau­sas de mor­tes no mun­do. Po­pu­lar­men­te co­nhe­ci­da co­mo der­ra­me, es­sa do­en­ça es­tá en­tre as mais le­tais e atin­ge 16 mi­lhões de pes­so­as a ca­da ano. Des­tes, seis mi­lhões mor­rem. Já no Bra­sil, o Mi­nis­té­rio da Saú­de aler­ta pa­ra os pe­ri­gos da do­en­ça, que che­ga a qu­a­se 100 mil ví­ti­mas fa­tais no país. Atu­al­men­te, o pro­ble­ma es­tá en­tre as prin-

ci­pais cau­sas de mor­tes re­gis­tra­das em ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. Por is­so, é ne­ces­sá­rio que as pes­so­as pas­sem a ado­tar há­bi­tos de vi­da mais sau­dá­veis que pre­vi­nam o apa­re­ci­men­to de do­en­ças co­mo o AVC. “O aci­den­te vas­cu­lar ce­re­bral é quan­do ocor­re uma in­ter­rup­ção agu­da do flu­xo san­guí­neo pa­ra os neurô­ni­os, se­cun­dá­rio a uma obs­tru­ção, a is­que­mia, ou rom­pi­men­to de al­gum va­so, a he­mor­ra­gia”, ex­pli­ca o neu­ro­lo­gis­ta Le­o­nar­do Me­dei­ros. Ou se­ja, po­de ser de­fi­ni­do co­mo o sur­gi­men­to de uma fa­lha neu­ro­ló­gi­ca sú­bi­ta cau­sa­da por um pro­ble­ma nos va­sos san­guí­ne­os do sis­te­ma ner­vo­so cen­tral. Ati­tu­des co­mo con­tro­lar a pres­são ar­te­ri­al, não fu­mar, man­ter o pe­so no ín­di­ce re­co­men­da­do e ter bons há­bi­tos ali­men­ta­res já são su­fi­ci­en­tes pa­ra re­du­zir as chan­ces de so­frer um AVC. Se­gun­do a So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Do­en­ças Ce­re­bro­vas­cu­la­res, apro­xi­ma­da­men­te, 70% das pes­so­as não re­tor­nam ao tra­ba­lho após um AVC de­vi­do às se­que­las, e 50% fi­cam de­pen­den­tes de ou­tras pes­so­as no dia a dia

Trom­bo­se

Vo­cê já de­ve ter se cor­ta­do al­gu­ma vez ao lon­go da vi­da, não é? Nes­sa si­tu­a­ção, se tu­do es­ta­va bem com a sua saú­de, o san­gra­men­to es­tan­cou so­zi­nho em ques­tão de mi­nu­tos. Is­so acon­te­ce por­que as pla­que­tas for­mam um trom­bo (coá­gu­lo) no lo­cal do fe­ri­men­to pa­ra im­pe­dir que o san­gue con­ti­nue es­cor­ren­do. De­pois de um tem­po, o co­mum é que es­se trom­bo se dis­sol­va e a cir­cu­la­ção vol­te ao nor­mal. En­tre­tan­to, al­gu­mas pes­so­as apre­sen­tam dis­túr­bi­os ca­pa­zes de for­mar um coá­gu­lo em lo­cais que não têm san­gra­men­to - e é exa­ta­men­te aí que as com­pli­ca­ções apa­re­cem. Ain­da es­tá con­fu­so so­bre o que é a trom­bo­se? O neu­ro­lo­gis­ta e co­or­de­na­dor do Nú­cleo de Aten­ção e Tra­ta­men­to da Es­cle­ro­se Múl­ti­pla (NATEM) do Hos­pi­tal Ban­dei­ran­tes, Felipe Au­gus­to Vi­ga­ri­nho, aju­da com es­sa ex­pli­ca­ção: “A trom­bo­se é o pro­ces­so de co­a­gu­la­ção do san­gue den­tro de um va­so san­guí­neo ou den­tro do co­ra­ção, formando trom­bos. Po­de ser ar­te­ri­al (ocor­rer em uma ar­té­ria, va­so que le­va san­gue aos ór­gãos) ou ve­no­sa (ocor­rer em uma veia, va­so que re­ti­ra san­gue dos ór­gãos)”. A do­en­ça é mais pro­pen­sa em pes­so­as que apre­sen­tam uma pre­dis­po­si­ção ge­né­ti­ca, mas al­guns cui­da­dos bá­si­cos po­dem ga­ran­tir pro­te­ção o or­ga­nis­mo, co­mo não fu­mar, pra­ti­car ati­vi­da­de fí­si­ca pa­ra evi­tar a obe­si­da­de e in­ge­rir bas­tan­te água ao lon­go do dia.

An­gi­na es­tá­vel

É um ti­po de dor no pei­to pro­vo­ca­da pe­la re­du­ção do flu­xo san­guí­neo pa­ra o mús­cu­lo car­día­co, o que dei­xa o co­ra­ção sem oxi­gê­nio su­fi­ci­en­te pa­ra de­sem­pe­nhar a sua fun­ção. A do­en­ça é co­nhe­ci­da por seu aper­to ou pres­são co­mo for­ma de dor no pei­to. É um mal re­la­ti­va­men­te co­mum, mas di­fí­cil de ser iden­ti­fi­ca­do, pois po­de ser con­fun­di­do com ou­tros pro­ble­mas, co­mo uma in­di­ges­tão, por exem­plo.

Ar­rit­mia

Ca­rac­te­ri­za-se co­mo um dis­túr­bio da ve­lo­ci­da­de e do rit­mo em que o co­ra­ção ba­te. Se mui­to ace­le­ra­da, a ar­rit­mia é de­no­mi­na­da ta­qui­car­dia. Se mui­to len­ta, bra­di­car­dia. En­tre as cau­sas do dis­túr­bio es­tão o es­tres­se, o con­su­mo de be­bi­das al­coó­li­cas, os ci­gar­ros e ou­tros ti­pos de dro­gas, a uti­li­za­ção de al­guns re­mé­di­os e até ca­feí­na. Por­tan­to, man­te­nha bons há­bi­tos ali­men­ta­res e fu­ja de ví­ci­os pa­ra dri­blar es­sa do­en­ça.

Em­bo­lia pul­mo­nar

Ca­rac­te­ri­za­da pe­la obs­tru­ção de uma ou mais ar­té­ri­as pul­mo­na­res de­vi­do à pre­sen­ça de um coá­gu­lo, a em­bo­lia é bas­tan­te sé­ria e pre­ci­sa ser ava­li­a­da e tra­ta­da por um es­pe­ci­a­lis­ta. “A trom­bo­se é cau­sa­da por uma for­ma­ção agu­da de coá­gu­los em vei­as pro­fun­das dos mem­bros (mais co­mum nos in­fe­ri­o­res) e cos­tu­mam cau­sar dor e in­cha­ço. Ela po­de re­sul­tar em em­bo­lia pul­mo­nar pe­lo des­pren­di­men­to e mi­gra­ção dos coá­gu­los pa­ra os pul­mões”, des­ta­ca o or­to­pe­dis­ta Mau­rí­cio Pó­voa Bar­bo­sa. Den­tre os sintomas prin­ci­pais da em­bo­lia pul­mo­nar, po­de-se des­ta­car: tos­se re­pen­ti­na, ex­pec­to­ran­do san­gue ou es­car­ro san­gren­to; frequên­cia car­día­ca al­ta; res­pi­ra­ção rá­pi­da; bai­xa pres­são san­guí­nea; ton­tu­ra ou des­maio; e co­lo­ra­ção azu­la­da da pe­le (ci­a­no­se). Quan­do exis­te a sus­pei­ta da do­en­ça, é co­mum que o mé­di­co pe­ça al­guns exa­mes es­pe­cí­fi­cos pa­ra cer­ti­fi­car-se de que se tra­ta mes­mo des­se qua­dro, já que o di­ag­nós­ti­co é di­fí­cil de fa­zer com ba­se so­men­te na ob­ser­va­ção de sintomas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.