DESVENDE A DO­EN­ÇA

Co­nhe­ça um pou­co mais so­bre a do­en­ça, su­as cau­sas e sin­to­mas

Coleção Almanaque da Saúde - - ÍNDICE - Tex­to PAU­LA SAN­TA­NA E VIC­TOR MOU­RA/CO­LA­BO­RA­DOR De­sign DI­E­GO DI­AS

Des­cu­bra quais são os ti­pos de di­a­be­tes que exis­tem e os seus prin­ci­pais sin­to­mas

ODIABETES MELLITUS É UMA DO­EN­ÇA QUE SE CA­RAC­TE­RI­ZA POR NÍ­VEIS ELE­VA­DOS DE GLI­CO­SE NO SAN­GUE (HIPERGLICE­MIA) e dis­fun­ções do me­ta­bo­lis­mo de gor­du­ras e pro­teí­nas. Se­gun­do da­dos da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saúde (OMS), um em ca­da 11 adul­tos é por­ta­dor da do­en­ça e mais de 3,5 milhões de pes­so­as mor­rem por ano em de­cor­rên­cia de su­as com­pli­ca­ções. “O pro­ble­ma po­de se de­sen­vol­ver de­vi­do a de­fei­tos na se­cre­ção ou na ação do hormô­nio in­su­li­na, que é pro­du­zi­do no pân­cre­as, pe­las cha­ma­das cé­lu­las-be­ta. A fun­ção prin­ci­pal da in­su­li­na é pro­mo­ver a en­tra­da de gli­co­se pa­ra as cé­lu­las do or­ga­nis­mo de for­ma que ela pos­sa ser apro­vei­ta­da pa­ra as di­ver­sas ati­vi­da­des celulares”, ex­pli­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta Mô­ni­ca Bey­rut. Quan­do al­go es­tá er­ra­do com a in­su­li­na, a gli­co­se aca­ba se acu­mu­lan­do no san­gue. E é aí que o pro­ble­ma co­me­ça.

VA­RI­A­ÇÕES DO DI­A­BE­TES

Pes­so­as di­a­bé­ti­cas po­dem ser di­vi­di­das em gru­pos com di­fe­ren­tes ti­pos da do­en­ça. Co­nhe­ça os prin­ci­pais:

Ti­po 1: pre­do­mi­na a de­fi­ci­ên­cia de in­su­li­na e ocor­re, ge­ral­men­te, em cri­an­ças e ado­les­cen­te, mas po­de ser de­sen­ca­de­a­do em qual­quer fai­xa etá­ria. “É um pro­ces­so au­toi­mu­ne, em que o pró­prio or­ga­nis­mo des­trói as cé­lu­las-be­ta do pân­cre­as pro­du­to­ras de in­su­li­na. Por is­so, as pes­so­as ne­ces­si­tam to­mar vá­ri­as do­ses do hormô­nio por dia pa­ra man­te­rem sua glicemia no ní­vel ade­qua­do. Es­se ti­po com­pre­en­de me­nos de 10% dos ca­sos de di­a­be­tes. Seu di­ag­nós­ti­co é fei­to pe­las ma­ni­fes­ta­ções clí­ni­cas in­ten­sas - ema­gre­ci­men­to e de­si­dra­ta­ção - e do­sa­gem de an­ti­cor­pos contra pro­teí­nas das cé­lu­las-be­ta, co­mo o an­ti­cor­po an­ti-in­su­li­na, an­ti-GAD (an­ti­des­car­bo­xi­la­se do áci­do glu­tâ­mi­co) e an­ti-IA2 (ti­ro­si­na fos­fa­ta­se)”, ex­pli­ca a en­do­cri­no­lo­gis­ta, es­pe­ci­a­lis­ta em di­a­be­tes, Ma­ria Eli­za­beth Ros­si da Silva.

Ti­po 2: é o ti­po mais co­mum, cer­ca de 80% dos ca­sos, e ocor­re, ge­ral­men­te, após os 40 anos de ida­de, ten­do al­guns fa­to­res de ris­co, co­mo: hi­per­ten­são, obe­si­da­de, ín­di­ce de co­les­te­rol e tri­gli­cé­ri­des ele­va­do. Nor­mal­men­te, há vá­ri­as pes­so­as aco­me­ti­das com a do­en­ça na mes­ma fa­mí­lia. Nes­ses pa­ci­en­tes, a in­su­li­na é pro­du­zi­da pe­las cé­lu­las be­ta pan­creá­ti­cas, po­rém sua ação es­tá di­fi­cul­ta­da, ca­rac­te­ri­zan­do um qua­dro de re­sis­tên­cia in­su­lí­ni­ca. Is­so vai le­var a um au­men­to da pro­du­ção da subs­tân­cia pa­ra ten­tar man­ter a gli­co­se em ní­veis nor­mais. Ob­ser­va-se, ca­da vez mais, o de­sen­vol­vi­men­to do qua­dro em adul­tos jo­vens e até cri­an­ças. Is­so se de­ve, prin­ci­pal­men­te, pe­lo au­men­to do con­su­mo de gor­du­ras e car­boi­dra­tos ali­a­dos ao se­den­ta­ris­mo.

LADA: é uma do­en­ça au­toi­mu­ne, as­sim co­mo o ti­po 1. Po­rém, o LADA atin­ge adul­tos a par­tir dos 35 anos de ida­de. “O

pro­ces­so de des­trui­ção das cé­lu­las-be­ta nos por­ta­do­res do ti­po LADA é mais len­to que no di­a­be­tes ti­po 1 e, se iden­ti­fi­ca­do e tra­ta­do pre­co­ce­men­te, os pa­ci­en­tes ain­da con­se­guem pro­du­zir in­su­li­na, sen­do pos­sí­veis os tra­ta­men­tos com hi­po­gli­ce­mi­an­tes orais du­ran­te um pe­río­do de seis me­ses a al­guns anos”, co­men­ta a en­do­cri­no­lo­gis­ta. MODY: “Nes­se ti­po, ocor­rem de­fei­tos ge­né­ti­cos da fun­ção nas cé­lu­las-be­ta pro­du­to­ras de in­su­li­na. A apre­sen­ta­ção clí­ni­ca ini­ci­al mais co­mum é a hiperglice­mia le­ve, sem sin­to­mas, que não re­quer in­su­li­na, em cri­an­ças, ado­les­cen­tes e adul­tos jo­vens não obe­sos, com his­tó­ri­co na fa­mí­lia”, ex­pli­ca Ma­ria Eli­za­beth.

Prin­ci­pais sin­to­mas

Uri­na em ex­ces­so: “O ex­ces­so de uri­na é um dos pri­mei­ros sin­to­mas do di­a­be­tes. Quan­do há uma ele­va­da con­cen­tra­ção de gli­co­se no san­gue, o cor­po pre­ci­sa eli­mi­nar es­se ex­ces­so, e o ca­mi­nho mais fá­cil é pe­los rins, por meio da uri­na.

Mui­ta se­de: co­mo o pa­ci­en­te uri­na em ex­ces­so, ele per­de­rá mais água, o que po­de dei­xá-lo de­si­dra­ta­do.

Per­da de pe­so: é mais fre­quen­te no ti­po 1 da do­en­ça, pois ne­le há au­sên­cia de in­su­li­na, que é res­pon­sá­vel pe­lo ar­ma­ze­na­men­to de gor­du­ra e sín­te­se de pro­teí­nas no or­ga­nis­mo.

Pro­ble­ma de ci­ca­tri­za­ção: de­vi­do à cir­cu­la­ção san­guí­nea pre­ju­di­ca­da (gra­ças aos al­tos ín­di­ces de gli­co­se), ma­chu­ca­dos e fe­ri­das se tor­nam difíceis de se­rem ci­ca­tri­za­dos, pre­ju­di­can­do o fun­ci­o­na­men­to de te­ci­dos e cé­lu­las.

CON­SUL­TO­RIA Ma­ria Eli­za­beth Ros­si da Silva, en­do­cri­no­lo­gis­ta e Mô­ni­ca Bey­rut, nu­tri­ci­o­nis­ta FOTOS Shut­ters­tock Ima­ges

A gli­co­se pre­sen­te no or­ga­nis­mo é ad­qui­ri­da por meio da ali­men­ta­ção. A subs­tân­cia tem o pa­pel de for­ne­cer ener­gia ao cor­po. A in­su­li­na, pro­du­zi­da no pân­cre­as, é a subs­tân­cia res­pon­sá­vel em trans­for­mar a gli­co­se dos ali­men­tos em ener­gia. O di­a­be­tes...

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.