Tendinite

Exa­mes de raio-x, res­so­nân­cia mag­né­ti­ca e ul­tras­so­no­gra­fia po­dem au­xi­li­ar na iden­ti­fi­ca­ção do pro­ble­ma

Coleção Almanaque da Saúde - - ÍNDICE -

Sai­ba co­mo des­co­brir se vo­cê es­tá com pro­ble­ma nos ten­dões

É co­mum ou­vir pes­so­as di­zen­do que, após um pe­río­do car­re­gan­do pe­so em ex­ces­so ou de­sem­pe­nhan­do mo­vi­men­tos re­pe­ti­ti­vos, aca­ba­ram de­sen­vol­ven­do tendinite. Mas vo­cê sa­be quais áre­as do cor­po o pro­ble­ma cos­tu­ma atin­gir e co­mo tra­tá-lo? É is­so o que vo­cê con­fe­re nas li­nhas se­guin­tes.

O que é o pro­ble­ma?

Pa­ra en­ten­der me­lhor, ima­gi­ne uma es­pé­cie de cor­da, que li­ga o mús­cu­lo ao os­so, pa­ra que os mo­vi­men­tos se tor­nem pos­sí­veis. Es­sa cor­da é cha­ma­da de ten­dão, que é uma es­tru­tu­ra fi­bro­sa pre­sen­te em to­do o cor­po e, a tendinite, na­da mais é do que a in­fla­ma­ção des­se ele­men­to, que po­de acon­te­cer ca­so al­gum es­for­ço mui­to gran­de se­ja re­a­li­za­do. “Ela é uma do­en­ça que en­vol­ve o ten­dão dos mús­cu­los, que es­tão lo­ca­li­za­dos so­bre as ar­ti­cu­la­ções. As cau­sas se dão por mo­vi­men­tos re­pe­ti­ti­vos ou por car­re­gar pe­so du­ran­te mui­to tem­po. A do­en­ça cau­sa dores for­tes, prin­ci­pal­men­te, du­ran­te a noi­te”, es­cla­re­ce a reu­ma­to­lo­gis­ta Ta­ti­a­na Mo­li­nas Ha­se­gawa.

Per­ce­ba al­guns si­nais

A di­fi­cul­da­de nos mo­vi­men­tos é o prin­ci­pal sin­to­ma da tendinite, que é acom­pa­nha­da de dor e mui­to incô­mo­do ao car­re­gar pe­so. Ca­lor, ver­me­lhi­dão ou in­cha­ço na área tam­bém são al­guns dos si­nais do pro­ble­ma.

Di­ag­nós­ti­co e tra­ta­men­to

o mé­di­co, as­sim co­mo um exa­me fí­si­co, já é pos­sí­vel de­tec­tar se a tendinite se faz pre­sen­te. No en­tan­to, al­guns es­pe­ci­a­lis­tas ain­da po­dem pe­dir exa­mes de ima­gem pa­ra se cer­ti­fi­ca­rem do qua­dro e, com is­so, de­tec­ta­rem o grau na qual a in­fla­ma­ção se en­con­tra. O tra­ta­men­to é fei­to à ba­se de me­di­ca­men­tos an­ti-in­fla­ma­tó­ri­os pres­cri­tos pe­lo mé­di­co, além de ses­sões de fi­si­o­te­ra­pia. Em al­guns ca­sos, o re­pou­so da área afe­ta­da, as­sim co­mo sua imo­bi­li­za­ção, tam­bém po­dem ser ne­ces­sá­ri­os.

Tem pre­ven­ção?

Pa­ra afas­tar o pro­ble­ma, al­gu­mas me­di­das sim­ples po­dem ser to­ma­das, co­mo evi­tar fi­car mui­to tem­po na mes­ma po­si­ção, não car­re­gar pe­so ex­ces­si­vo, re­a­li­zar re­gu­lar­men­te ati­vi­da­des fí­si­cas, fa­zer a gi­nás­ti­ca la­bo­ral no lo­cal de tra­ba­lho (além de uti­li­zar os equi­pa­men­tos bá­si­cos de con­for­to du­ran­te o ex­pe­di­en­te, co­mo ca­dei­ra ade­qua­da, apoio pa­ra pés, en­tre ou­tros) e to­mar cui­da­do com a pos­tu­ra em to­dos os mo­men­tos do dia. De acor­do com os sin­to­mas des­cri­tos pa­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.