me­di­ca­men­tO cOm mO­de­ra­çãO

São re­co­men­da­dos ape­nas em ca­sos mais gra­ves en­ten­da por quê

Coleção Almanaque da Saúde - - ÍNDICE - TexTo Guilherme luis/Co­la­bo­ra­dor Design ana mas­sa/Colaborado­ra

Já fi­cou cla­ro que as ma­nei­ras mais in­di­ca­das de se de­fen­der da es­te­a­to­se he­pá­ti­ca in­clu­em mu­dan­ças de há­bi­tos com fo­co na per­da de pe­so, re­for­mu­la­ção do pla­no ali­men­tar, re­du­ção do con­su­mo de ál­co­ol e prá­ti­ca de exer­cí­ci­os fí­si­cos. En­tre­tan­to, em ca­sos es­pe­cí­fi­cos, tal­vez se­ja ne­ces­sá­rio tra­tar o pro­ble­ma com o uso de re­mé­di­os. “O ma­ne­jo da es­te­a­to­se re­quer um di­ag­nós­ti­co ade­qua­do e um tra­ta­men­to es­pe­cí­fi­co con­tra a cau­sa da in­fil­tra­ção gor­du­ro­sa, bem co­mo uma ava­li­a­ção e ori­en­ta­ção de um es­pe­ci­a­lis­ta”, ori­en­ta o he­pa­to­lo­gis­ta Wil­li­am Abrão Sa­ad. En­ten­da, a se­guir, co­mo es­ses re­mé­di­os agem no or­ga­nis­mo, se sua efi­cá­cia é com­pro­va­da ci­en­ti­fi­ca­men­te e quais as prin­ci­pais con­train­di­ca­ções.

met­for­mi­na: co­nhe­ci­da co­mo um sen­si­bi­li­za­dor de in­su­li­na, é, na ver­da­de, um ini­bi­dor da pro­du­ção he­pá­ti­ca de gli­co­se, de acor­do com o en­do­cri­no­lo­gis­ta Lu­cas Pal­mi­ro. Por ser um ini­bi­dor da gli­co­se, aca­ba re­du­zin­do a in­su­li­na e a sín­dro­me me­ta­bó­li­ca - es­se é seu gran­de trun­fo. “Há ou­tras van­ta­gens na uti­li­za­ção da met­for­mi­na, co­mo a re­du­ção de 4% a 8% do pe­so, di­mi­nui­ção no ris­co de de­sen­vol­vi­men­to de di­a­be­tes, as­sim co­mo do ris­co de com­pli­ca­ções car­di­o­vas­cu­la­res”, adi­ci­o­na o en­do­cri­no­lo­gis­ta Hen­ri­que Pas­sos. Ain­da se­gun­do o es­pe­ci­a­lis­ta, po­dem ocor­rer efei­tos co­la­te­rais, co­mo náu­se­as, des­con­for­to ab­do­mi­nal e di­ar­reia. Con­tu­do, é im­por­tan­te men­ci­o­nar que a met­for­mi­na ain­da não é au­to­ri­za­da pela So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de En­do­cri­no­lo­gia e Me­ta­bo­lo­gia (SBEM) pa­ra o uso con­tra gor­du­ra no fí­ga­do, sen­do mais co­mu­men­te in­di­ca­da pa­ra di­a­bé­ti­cos.

Pi­o­gli­ta­zo­na: tam­bém é usa­da con­tra di­a­be­tes, mas, nes­se ca­so, é au­to­ri­za­da no com­ba­te à es­te­a­to­se he­pá­ti­ca pela SBEM. Age di­mi­nuin­do a quan­ti­da­de de açú­car na cir­cu­la­ção san­guí­nea e au­men­ta a oxi­da­ção de áci­dos gra­xos. “Des­se mo­do, ocor­re a re­dis­tri­bui­ção da gor­du­ra pa­ra o te­ci­do adi­po­so, au­men­tan­do a sen­si­bi­li­da­de do fí­ga­do à ação da in­su­li­na”, ex­pli­ca Hen­ri­que. A cé­lu­la do fí­ga­do fi­ca com uma di­fe­ren­ci­a­ção bar­ra­da e aca­ba acu­mu­lan­do me­nos gor­du­ra. “O ris­co prin­ci­pal é o au­men­to das chan­ces de cân­cer de be­xi­ga, mas, co­mo é usa­da por um pe­río­do cur­to, os be­ne­fí­ci­os se so­bres­sa­em”, co­men­ta Lu­cas.

Vi­ta­mi­na e: é au­to­ri­za­da no tra­ta­men­to des­sa en­fer­mi­da­de pela SBEM. Os he­pa­tó­ci­tos (cé­lu­las do fí­ga­do res­pon­sá­veis pela sin­te­ti­za­ção de pro­teí­nas) são es­ti­mu­la­dos pe­lo au­men­to da con­cen­tra­ção des­sa vi­ta­mi­na no fí­ga­do e agem a fa­vor da eli­mi­na­ção da gor­du­ra. Além des­se efei­to be­né­fi­co, a vi­ta­mi­na E me­lho­ra a qua­li­da­de da pe­le e aju­da na pre­ven­ção de do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res. Fi­que aten­to, pois o seu con­su­mo em ex­ces­so po­de cau­sar efei­tos co­la­te­rais!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.