No­men­cla­tu­ra

Como Cultivar Orquídeas Especial - - ÍNDICE - Tex­to Re­na­ta Pu­ti­nat­ti Fo­tos Shut­ters­tock

O MUN­DO DAS ORQUÍ­DE­AS exi­ge es­tu­do e de­di­ca­ção, sen­do pre­ci­so co­nhe­cer as de­fi­ni­ções que iden­ti­fi­cam es­pé­ci­es, hí­bri­dos, clo­nes (ou me­ris­te­mas) e hí­bri­dos na­tu­rais e as re­gras de no­men­cla­tu­ra. “Os no­mes são da­dos em la­tim ou grego clás­si­co – lín­guas mor­tas – pa­ra que se­jam iguais no mun­do to­do”, ex­pli­ca Lú­cia Mo­ri­mo­to, pro­pri­e­tá­ria do Co­li­bri Orquí­de­as, de São Lou­ren­ço da Ser­ra, SP.

Es­pé­ci­es

São plan­tas que apre­sen­tam de­ter­mi­na­das ca­rac­te­rís­ti­cas mor­fo­ló­gi­cas e ge­né­ti­cas que per­mi­tem se­rem clas­si­fi­ca­das co­mo pu­ras do pon­to de vis­ta bo­tâ­ni­co. De acor­do com Lú­cia, sua de­no­mi­na­ção le­va pri­mei­ra­men­te o gê­ne­ro (Cat­tleya, La­e­lia, On­ci­dium etc), es­cri­to em itá­li­co e ini­ci­al maiús­cu­la, e de­pois o no­me da es­pé­cie (pur­pu­ra­ta, la­bi­a­ta, an­ceps etc) gra­fa­do em mi­nús­cu­lo e itá­li­co. O gê­ne­ro sem­pre é usa­do no sin­gu­lar, mes­mo quan­do há re­fe­rên­cia a mais de um exem­plar.

Roland Bro­oks Co­o­ke, en­ge­nhei­ro agrô­no­mo e pro­pri­e­tá­rio do Or­chid­cas­tle Agrí­co­la, de Pe­tró­po­lis, RJ, diz que al­gu­mas orquí­de­as apre­sen­tam va­ri­a­ções que não são su­fi­ci­en­te­men­te dis­tin­tas pa­ra jus­ti­fi­car a des­cri­ção de uma no­va es­pé­cie, sen­do clas­si­fi­ca­das co­mo va­ri­e­da­des. Al­ba, se­mi-al­ba, co­e­ru­lea, es­tri­a­ta e ou­tros ter­mos de­sig­nam uma va­ri­e­da­de e pre­ci­sam es­tar em itá­li­co.

“Quan­do uma plan­ta se des­ta­ca pe­la qu­a­li­da­de e por ca­rac­te­rís­ti­cas mui­to bo­as é lí­ci­to que seu pos­sui­dor acres­cen­te um co­di­no­me clo­nal pa­ra dis­tin­gui-la, cu­jo uso é me­ra­men­te hor­ti­cul­tu­ral, não sen­do vá­li­do pa­ra a clas­si­fi­ca­ção bo­tâ­ni­ca”, adi­ci­o­na Co­o­ke. Es­se ter­mo é gra­fa­do com ini­ci­al maiús­cu­la, sem itá­li­co e en­tre as­pas sim­ples, sen­do que o exem­plar tam­bém é con­si­de­ra­do es­pé­cie.

Exis­tem ain­da dois ca­sos de cru­za­men­tos que re­sul­tam em es­pé­cie: au­to­fe­cun­da­ção (fe­cun­da­ção com o pó­len da mes­ma plan­ta) e in­tra­es­pe­cí­fi­co (en­tre exem­pla­res da mes­ma es­pé­cie).

O pri­mei­ro é re­pre­sen­ta­do pe­la pa­la­vra self, por exem­plo, Cat­tleya la­bi­a­ta se­mi-al­ba 'Ma­ri­na' x self, sen­do re­a­li­za­do pa­ra ten­tar pro­du­zir orquí­de­as bas­tan­te se­me­lhan­tes à plan­ta-mãe. Lú­cia re­cor­da que a pro­le de­ve re­ce­ber um no­me di­fe­ren­te da plan­ta-mãe, pois não se­rá to­tal­men­te aná­lo­ga a ela – efei­to al­can­ça­do ape­nas na clo­na­gem.

O en­ge­nhei­ro agrô­no­mo elu­ci­da que o se­gun­do ca­so é fei­to com o in­tui­to de me­lho­rar, atra­vés de se­le­ção, o pa­drão das plan­tas das ge­ra­ções sub­se­quen­tes sem per­der a con­di­ção de se­rem es­pé­ci­es.

Hí­bri­dos

O pro­du­to do cru­za­men­to de du­as ou mais or­qui­dá­ce­as de es­pé­ci­es ou gê­ne­ros di­fe­ren­tes é sem­pre um hí­bri­do. Na com­bi­na­ção Cat­tleya in­ter­me­dia com Cat­tleya lu­te­o­la se tem um hí­bri­do mes­mo que am­bas as ma­tri­zes se­jam do gê­ne­ro Cat­tleya.

Sua no­men­cla­tu­ra se­gue ou­tra re­gra: o gê­ne­ro con­ti­nua gra­fa­do em itá­li­co e com a pri­mei­ra le­tra maiús­cu­la, po­rém, o no­me do hí­bri­do é co­lo­ca­do no lu­gar da es­pé­cie e es­cri­to com ini­ci­al maiús­cu­la e sem ita­li­za­ção. “Tem a Cat­tleya Por­tia var. co­e­ru­lea, em que Por­tia é a de­no­mi­na­ção do hí­bri­do”, diz a pro­pri­e­tá­ria do Co­li­bri Orquí­de­as. To­da­via, ele po­de re­ce­ber um ter­cei­ro no­me, co­mo Cat­tleya gut­ta­ta x Cat­tleya Penny Ku­ro­da, co­nhe­ci­do por Cat­tleya Hawai­i­an Va­ri­a­ble.

De acor­do com Co­o­ke, os no­mes dos hí­bri­dos não se­guem um pa­drão, sen­do es­co­lhi­dos li­vre­men­te pe­lo hi­bri­da­dor, que de­ve re­gis­trar sua cri­a­ção na Royal Hor­ti­cul­tu­ral So­ci­ety (RHS), en­ti­da­de in­gle­sa res­pon­sá­vel por agru­par os re­gis­tros do mun­do in­tei­ro.

Ain­da exis­tem os hí­bri­dos in­ter­ge­né­ri­cos (que en­vol­vem mais de um gê­ne­ro), des­sa for­ma, a no­men­cla­tu­ra do gê­ne­ro re­sul­tan­te tam­bém pre­ci­sa ser re­gis­tra­da e quan­do com­pos­ta por dois gê­ne­ros de­ve fa­zer re­fe­rên­cia a su­as ma­tri­zes, por exem­plo, o fru­to de uma La­e­lia com uma Cat­tleya é a La­e­li­o­cat­tleya.

Po­rém, quan­do es­tão en­vol­vi­dos três gê­ne­ros ou mais, de­ve-se cri­ar um no­vo no­me e adi­ci­o­nar o su­fi­xo ara. “Fi­ca­ria di­fí­cil ler o hí­bri­do for­ma­do por La­e­lia x Cat­tleya x Soph­ro­ni­tis x Bras­sa­vo­la, en­tão o pri­mei­ro a ob­tê-lo o re­gis­trou co­mo Po­ti­na­ra”, de­cla­ra o pro­pri­e­tá­rio do Or­chid­cas­tle Agrí­co­la.

Hí­bri­dos na­tu­rais

Eles ocor­rem na na­tu­re­za co­mo pro­du­to da fe­cun­da­ção inad­ver­ti­da da flor de uma es­pé­cie com o pó­len de ou­tra. “Sua de­no­mi­na­ção co­me­ça com o gê­ne­ro e de­pois apa­re­ce seu no­me com le­tra mi­nús­cu­la e em itá­li­co, co­mo se fos­se uma es­pé­cie, po­rém, de­ve-se co­lo­car um ‘x’ en­tre eles pa­ra in­di­car que é um hí­bri­do. O hí­bri­do na­tu­ral en­tre Cat­tleya gut­ta­ta e Cat­tleya for­be­sii recebe o no­me de Cat­tleya x daya­na. Tam­bém é pos­sí­vel abo­lir o ‘x’ e ini­ci­ar com maiús­cu­la, co­mo Cat­tleya Daya­na”, exem­pli­fi­ca Co­o­ke.

Is­so mos­tra que o fa­to de uma plan­ta ser oriun­da da ma­ta não é, em hi­pó­te­se al­gu­ma, pro­va de que se­ja uma es­pé­cie.

Clo­nes ou me­ris­te­mas

A clo­na­gem é uma técnica de la­bo­ra­tó­rio na qu­al é ex­traí­da uma par­te do bro­to da orquí­dea, cha­ma­da te­ci­do me­ris­te­má­ti­co, que tem ca­pa­ci­da­de de se mul­ti­pli­car ori­gi­nan­do mi­lha­res de clo­nes idên­ti­cos à plan­ta-mãe.

Se­gun­do o pro­fis­si­o­nal do Or­chid­cas­tle Agrí­co­la, as plan­tas clo­na­das são cha­ma­das de me­ri­clo­nes, pois são ob­ti­das de for­ma as­se­xu­a­da, sem re­com­bi­na­ção ge­né­ti­ca. A pro­le re­sul­tan­te recebe o mes­mo no­me da plan­ta-mãe, já que te­o­ri­ca­men­te é exa­ta­men­te igual à ma­triz.

Pro­nún­cia

•AE tem som de E.

Por exem­plo, La­e­lia (lê-se lé­lia)

•OE tem som de E.

Por exem­plo, Co­e­logy­ne (lê-se ce­lo­gi­ne) •PH tem som de F.

Por exem­plo, Pha­la­e­nop­sis (lê-se fa­le­nop­sis)

•X tem som de CS.

Por exem­plo, Xanthi­na (lê-se csan­ti­na)

•CH tem som de K.

Por exem­plo, Cho­co­en­sis (lê-se ko­co­en­sis)

•TI se­gui­do de vo­gal tem som de CI, ex­ce­to quan­do pre­ce­di­do de S, T ou X. Por exem­plo, Cons­tan­tia (lê-se cons­tan­cia) e Pabs­tia (lê-se Pa­bis­tia)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.