Como Cultivar Orquídeas Especial

Em ris­co de ex­tin­ção

- Ecology · Rio de Janeiro · Rio de Janeiro · Carl Linnaeus · Brazilian Institute of Environment and Renewable Natural Resources · Mary J. Blige · Fribourg · Como

Em 1838, o bo­tâ­ni­co e ta­xo­no­mis­ta in­glês John Lin­dley foi apre­sen­ta­do a uma plan­ta ori­gi­ná­ria do Rio de Ja­nei­ro e a des­cre­veu co­mo Cat­tleya per­ri­nii. Qua­tro anos de­pois, des­co­briu o en­ga­no e a trans­fe­riu pa­ra o gê­ne­ro La­e­lia.

O ha­bi­tat da L. per­ri­nii se es­ten­de pe­los es­ta­dos do Es­pí­ri­to San­to, Rio de Ja­nei­ro e Mi­nas Ge­rais, es­pe­ci­al­men­te na Ma­ta Atlân­ti­ca, em ár­vo­res de pe­que­no a mé­dio por­te si­tu­a­das em al­ti­tu­des de 300 a 1 mil m aci­ma do ní­vel do mar. Em­bo­ra mais ra­ro, tam­bém po­de ser ru­pí­co­la, ve­ge­tan­do so­bre pe­drei­ras re­co­ber­tas por li­mo e de­tri­tos ve­ge­tais.

Em con­sequên­cia das dé­ca­das de ex­tra­ti­vis­mo de­sen­fre­a­do que re­sul­tou na des­trui­ção de gran­de par­te da Ma­ta Atlân­ti­ca, es­ta es­pé­cie cor­re pe­ri­go de de­sa­pa­re­cer e es­tá na lis­ta ofi­ci­al da flo­ra bra­si­lei­ra ame­a­ça­da de ex­tin­ção do Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro do Meio Am­bi­en­te e dos Re­cur­sos Na­tu­rais Re­no­vá­veis (Iba­ma).

Nor­mal­men­te, apre­sen­ta pseu­do­bul­bos acha­ta­dos com uma úni­ca fo­lha. As flo­res cha­mam a aten­ção pe­lo for­ma­to bas­tan­te di­fe­ren­ci­a­do em com­pa­ra­ção às outras La­e­lia. Elas pos­su­em sé­pa­la dor­sal lon­ga e es­trei­ta e o tu­bo do la­be­lo tam­bém é bem es­trei­to. “Um de­ta­lhe in­te­res­san­te é que en­quan­to os exem­pla­res de flo­res de to­na­li­da­des cla­ras têm pseu­do­bul­bos e fo­lhas ver­des, nas va­ri­e­da­des de flo­ra­das mais es­cu­ras, es­sas es­tru­tu­ras con­tam com co­lo­ra­ção ar­ro­xe­a­da”, afir­ma o or­qui­dó­fi­lo Fre­de­ri­co Pou­bel Bas­tos, de No­va Fri­bur­go, RJ.

Além dis­so, emi­te três ou qua­tro flo­res por has­te en­tre os me­ses de mar­ço e abril. “Ela é ca­rac­te­ri­za­da por um re­pou­so in­ver­nal, vol­tan­do a bro­tar na Pri­ma­ve­ra”, com­ple­ta o es­pe­ci­a­lis­ta.

O cul­ti­vo es­con­de al­gu­mas par­ti­cu­la­ri­da­des, co­mo a fra­gi­li­da­de das flo­res. “São mui­to de­li­ca­das e de subs­tân­cia frá­gil, por is­so, qual­quer des­cui­do po­de man­chá-las ou da­ni­fi­cá-las, até mes­mo a água da chu­va ou da re­ga”, aler­ta. Por es­se mo­ti­vo, sua du­ra­bi­li­da­de fi­ca re­du­zi­da a três ou qua­tro di­as. E es­ta ca­rac­te­rís­ti­ca tam­bém a des­va­lo­ri­za pa­ra hi­bri­da­ções.

Cui­da­dos bá­si­cos

Por ser ori­gi­ná­ria da Ma­ta Atlân­ti­ca, gos­ta de boa umi­da­de am­bi­en­te e lu­mi­no­si­da­de en­tre mo­de­ra­da e al­ta, em es­pe­ci­al, do sol da ma­nhã. Além dis­so, é exi­gen­te em re­la­ção à dre­na­gem e ven­ti­la­ção. “Co­mo não gos­ta de fi­car com as raí­zes mo­lha­das por mui­to tem­po, é me­lhor dar pre­fe­rên­cia a subs­tra­tos dre­nan­tes, co­mo a mis­tu­ra de cas­ca de pi­nus com car­vão e bri­ta. Tam­bém se de­sen­vol­ve bem qu­an­do é fi­xa­da em tron­cos de ár­vo­res”, en­si­na Bas­tos.

Ou­tro cui­da­do é evi­tar mu­dá-la de lu­gar. “A L. per­ri­nii não to­le­ra es­tres­se. Bas­ta tro­car o va­so de lo­cal no or­qui­dá­rio pa­ra ter a flo­ra­ção pre­ju­di­ca­da”, aler­ta.

Pa­ra não per­der plan­tas por apo­dre­ci­men­to de raí­zes, além de ga­ran­tir uma dre­na­gem ade­qua­da, é pre­ci­so cui­da­do na ir­ri­ga­ção. A frequên­cia da re­ga vai de­pen­der do am­bi­en­te de cul­ti­vo e do re­gi­me de chu­vas, mas, via de re­gra, o ide­al é dei­xar o subs­tra­to se­car an­tes de mo­lhar no­va­men­te.

O pro­du­to e a pe­ri­o­di­ci­da­de da adu­ba­ção va­ri­am de acor­do com as pre­fe­rên­ci­as de ca­da co­le­ci­o­na­dor. O or­qui­dó­fi­lo flu­mi­nen­se uti­li­za adu­bo fo­li­ar NPK 20-20-20 se­ma­nal­men­te, sen­do uma co­lher (chá) di­luí­da em 2 de água.

Por ter raí­zes mui­to de­li­ca­das, de­ve-se ter aten­ção ao re­plan­tio. Qu­an­do fei­to em mo­men­to er­ra­do po­de cul­mi­nar na mor­te da plan­ta. Bas­tos su­ge­re que o pro­ces­so se­ja re­a­li­za­do no fi­nal do In­ver­no, épo­ca em que ela sai da dor­mên­cia, ou no iní­cio da Pri­ma­ve­ra e, pre­fe­ren­ci­al­men­te, qu­an­do es­te­ja emi­tin­do raí­zes no­vas.

A di­vi­são de mu­das se­gue as mes­mas par­ti­cu­la­ri­da­des, sem­pre to­man­do o cui­da­do de es­te­ri­li­zar as te­sou­ras e ou­tros ma­te­ri­ais uti­li­za­dos no cor­te. Ge­ral­men­te, en­tre três e qua­tro bul­bos são su­fi­ci­en­tes pa­ra for­mar um no­vo exem­plar.

Es­ta es­pé­cie não di­fe­re das outras orquí­de­as qu­an­to ao ris­co de ser aco­me­ti­da por pra­gas e do­en­ças, ex­ce­to pe­la ten­dên­cia de so­frer pro­ble­mas fún­gi­cos se for cul­ti­va­da em subs­tra­to mal dre­na­do. Nes­te ca­so, é re­co­men­da­do con­sul­tar um en­ge­nhei­ro agrô­no­mo pa­ra di­ag­nos­ti­car o fun­go e re­cei­tar um de­fen­si­vo.

Va­ri­e­da­des

Por não se­rem mui­to co­muns em co­le­ções, as va­ri­e­da­des da L. per­ri­nii cos­tu­mam ser ra­ras. O or­qui­dó­fi­lo de No­va Igua­çu de­fi­ne as ca­rac­te­rís­ti­cas de ca­da uma de­las:

al­ba: apre­sen­ta to­dos os seg­men­tos flo­rais bran­cos, com o in­te­ri­or do la­be­lo le­ve­men­te ama­re­la­do.

al­bes­cens: tem so­pros ró­se­os nos seg­men­tos, sem qual­quer mar­ca ou es­tria de ou­tra co­lo­ra­ção.

ame­si­a­na: pos­sui pé­ta­las e sé­pa­las to­tal­men­te bran­cas e a par­te api­cal do la­be­lo le­ve­men­te ro­sa­da.

co­e­ru­lea: con­ta com os seg­men­tos bran­cos ou le­ve­men­te tin­gi­dos de azul-acin­zen­ta­do, com a par­te api­cal do la­be­lo azu­la­da. con­co­lor: tem os seg­men­tos em tom pá­li­do de ró­seo. se­mi-al­ba: to­dos os seg­men­tos são bran­cos ou le­ve­men­te ro­sa­dos com a par­te api­cal do la­be­lo tin­gi­da de vi­nho.

ti­po: apre­sen­ta seg­men­tos ro­sa­dos com a par­te api­cal do la­be­lo em tom de vi­nho.

 ??  ?? L. per­ri­nii co­e­ru­lea
L. per­ri­nii co­e­ru­lea
 ??  ?? L. per­ri­nii co­e­ru­lea
L. per­ri­nii co­e­ru­lea
 ?? Tex­to Ca­mi­la Luc­che­si Edi­ção Renata Pu­ti­nat­ti Fo­tos Ta­ti­a­na Vil­la ?? La­e­lia per­ri­nii
Tex­to Ca­mi­la Luc­che­si Edi­ção Renata Pu­ti­nat­ti Fo­tos Ta­ti­a­na Vil­la La­e­lia per­ri­nii
 ??  ?? L. per­ri­nii co­e­ru­lea
L. per­ri­nii co­e­ru­lea
 ??  ?? L. per­ri­nii ti­po
L. per­ri­nii ti­po
 ??  ?? L. per­ri­nii co­e­ru­lea
L. per­ri­nii co­e­ru­lea
 ??  ?? L. per­ri­nii se­mi-al­ba
L. per­ri­nii se­mi-al­ba
 ??  ?? L. per­ri­nii se­mi-al­ba
L. per­ri­nii se­mi-al­ba

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil