Como Cultivar Orquídeas Especial

União de co­lo­ri­do e exu­be­rân­cia

- Gardening · Hobbies · Mary J. Blige · Vale · Yuan Empire

O HÍ­BRI­DO Po­ti­na­ra DE­RI­VA do cru­za­men­to dos gê­ne­ros Bras­sa­vo­la, Soph­ro­ni­tis, Cat­tleya e La­e­lia. A exu­be­rân­cia das co­res de su­as flo­res o trans­for­mou em um dos pre­fe­ri­dos dos pro­du­to­res co­mer­ci­ais. La­ran­ja, ver­me­lha e ama­re­la são as to­na­li­da­des pre­do­mi­nan­tes, em­bo­ra a di­ver­si­da­de se­ja gran­de de­vi­do às inú­me­ras hi­bri­da­ções, de on­de sur­gem va­ri­a­das mis­tu­ras de tons.

Se­gun­do Mar­cio de Mat­tos Va­ni­que Cos­ta, en­ge­nhei­ro agrô­no­mo e pro­pri­e­tá­rio do Or­qui­dá­rio Re­can­to, de Ana­lân­dia, SP, exis­tem or­qui­dó­fi­los que di­re­ci­o­nam su­as co­le­ções es­pe­ci­fi­ca­men­te pa­ra as Po­ti­na­ra. “Su­as flo­res são mui­to du­rá­veis, prin­ci­pal­men­te as cha­ma­das mi­di (de di­â­me­tro de mé­dio a pe­que­no), que têm co­mo ca­rac­te­rís­ti­ca flo­ra­ções se­quen­tes, che­gan­do até a três ve­zes no ano. Além dis­so, es­sas es­tru­tu­ras apa­re­cem pre­co­ce­men­te se com­pa­ra­do ao tem­po de flo­res­ci­men­to de outras orquí­de­as. Al­gu­mas ain­da apre­sen­tam flo­res que mu­dam de cor no de­cor­rer da ma­tu­ra­ção”, afir­ma.

Em re­la­ção ao aro­ma, ele ex­pli­ca que de­pen­de das plan­tas cru­za­das. “As de­no­mi­na­das flo­res es­tre­la­das, ou se­ja, se­me­lhan­tes às Bras­sa­vo­la, nor­mal­men­te não exa­lam chei­ro. Em con­tra­par­ti­da, as de flo­res gran­des ge­ral­men­te são per­fu­ma­das, por exem­plo, a Pot. Haw Yu­an Gold ‘YK 2’, que pos­sui lin­dís­si­mas es­tru­tu­ras la­ran­jas e aro­ma ma­ra­vi­lho­so.”

O nú­me­ro de flo­res tam­bém va­ria con­for­me as ma­tri­zes. Há Po­ti­na­ra que po­de pu­xar pe­la Soph­ro­ni­tis e ter uma ou du­as por has­te, co­mo tam­bém po­de her­dar atri­bu­tos da Bras­sa­vo­la, sur­gin­do cer­ca de dez por has­te, co­mo acon­te­ce com a Pot. Ho­ku Gem.

Pa­ra Car­los Koi­ti Ito Ha­ne­da, pro­pri­e­tá­rio do Or­qui­dá­rio Ha­ne­da, de Ita­pe­ti­nin­ga, no in­te­ri­or pau­lis­ta, den­tre as va­ri­e­da­des mais pro­cu­ra­das es­tão Pot. Twe­enty Four Ca­rat ‘Lea’, Pot. Exo­tic Dream, Pot. Su­san Fen­der ‘Cin­na­mon Stick’, Pot. Red Crab ‘Ku­an Mi­ao’, Pot. Lit­tle Toshie ‘H&R’ e tam­bém Pot. Bu­ra­na Be­auty ‘Bu­ra­na’.

Cos­ta acres­cen­ta à lis­ta ou­tros hí­bri­dos fa­mo­sos, co­mo Pot. Ching Hua Fla­me ‘Red Ro­se’, com flo­res de ver­me­lho tão in­ten­so que à noi­te, em luz ar­ti­fi­ci­al, pa­re­cem pre­tas; Pot. Ho­ku Gem ‘Frec­kles’, com flo­ra­ção se­quen­ci­al, sur­gin­do es­tru­tu­ras em for­ma de es­tre­la que abrem ver­me­lhas e se tor­nam ama­re­las bem for­tes qu­an­do ma­du­ras; e Pot. Red Crab ‘Un­cle Wang’, de flo­res gran­des na cor ver­me­lha ave­lu­da­da.

Uma par­ti­cu­la­ri­da­de que cha­ma aten­ção dos co­le­ci­o­na­do­res é o cres­ci­men­to vi­go­ro­so e rá­pi­do des­tas plan­tas. “As úni­cas que apre­sen­tam cer­ta di­fi­cul­da­de no de­sen­vol­vi­men­to são as si­mi­la­res às Soph­ro­ni­tis, que cres­cem ir­re­gu­lar­men­te e não fi­cam com apa­rên­cia mui­to bo­ni­ta”, re­ve­la o pro­pri­e­tá­rio do Or­qui­dá­rio Re­can­to.

As pre­fe­rên­ci­as

De mo­do ge­ral, os hí­bri­dos são me­nos exi­gen­tes que as es­pé­ci­es. E es­se é um dos pon­tos po­si­ti­vos das Po­ti­na­ra: são plan­tas sem mis­té­rio de cul­ti­vo. O úni­co de­ta­lhe que às ve­zes di­fi­cul­ta seu de­sen­vol­vi­men­to é o ca­lor ex­ces­si­vo. As que apre­sen­tam ca­rac­te­rís­ti­cas mor­fo­ló­gi­cas se­me­lhan­tes a Soph­ro­ni­tis po­dem ter flo­ra­ção li­mi­ta­da em re­giões sem mui­ta os­ci­la­ção de tem­pe­ra­tu­ra.

Se­gun­do Ha­ne­da, há ca­sos es­pe­ci­ais nos quais o exem­plar pre­ci­sa de mais ou de me­nos lu­mi­no­si­da­de, cli­ma frio ou mais quen­te, en­tre ou­tros as­pec­tos. “Po­rém, a mai­o­ria não tem ne­ces­si­da­des es­pe­cí­fi­cas, de­ven­do re­ce­ber re­gas mo­de­ra­das, lu­mi­no­si­da­de em tor­no de 60% e ain­da ser man­ti­da em lo­cal com tem­pe­ra­tu­ra ame­na e boa ven­ti­la­ção”, re­su­me.

Cos­ta aler­ta que ir­ri­ga­ção fre­quen­te po­de com­pro­me­ter o sis­te­ma ra­di­cu­lar e acar­re­tar da­nos, co­mo seu apo­dre­ci­men­to. Sen­do as­sim, o in­di­ca­do é mo­lhar ape­nas qu­an­do o subs­tra­to se­car. “A umi­da­de do ar é uma gran­de ri­val no meu ca­so, por­que mi­nha pro­du­ção es­tá lo­ca­li­za­da em uma re­gião de Cer­ra­do. Nos pe­río­dos de se­ca, é im­por­tan­te ter con­tro­le, mo­lhan­do o chão pa­ra ele­vá-la. Va­le lem­brar que boa umi­da­de re­la­ti­va é di­fe­ren­te de plan­ta en­char­ca­da.”

Pa­ra man­ter a saú­de e a be­le­za das orquí­de­as des­te gê­ne­ro, ele re­co­men­da dois ti­pos de adu­ba­ção: a quí­mi­ca e a or­gâ­ni­ca. Na quí­mi­ca, po­de-se uti­li­zar se­ma­nal­men­te NPK 10-30-20 e 20-20-20, in­ter­ca­lan­do-os. “Te­nho o há­bi­to de di­luir bem. Re­co­men­do 6 g pa­ra 10 de água. Pa­ra fa­vo­re­cer uma ab­sor­ção mai­or, a di­ca é mo­lhar bem as plan­tas com água lim­pa e, de­pois de al­gu­mas ho­ras, apli­car o adu­bo. O pro­ce­di­men­to de­ve acon­te­cer sem­pre no fi­nal da tar­de pa­ra evi­tar a eva­po­ra­ção ex­ces­si­va”, ori­en­ta. Com re­la­ção à or­gâ­ni­ca, ele acon­se­lha o uso do bo­kashi, sen­do uma co­lher (so­bre­me­sa) cheia a ca­da três me­ses.

O se­gre­do da flo­ra­ção exu­be­ran­te das Po­ti­na­ra es­tá jus­ta­men­te na boa adu­ba­ção e no cor­re­to for­ne­ci­men­to de luz. “O prin­ci­pal er­ro dos co­le­ci­o­na­do­res é a ex­po­si­ção a um pe­río­do mui­to cur­to de sol, pre­ju­di­can­do as flo­ra­das. O ide­al é, no mí­ni­mo, cin­co ho­ras por dia, evi­tan­do in­so­la­ção di­re­ta, que po­de acar­re­tar quei­ma­du­ras nas fo­lhas”, con­ta o en­ge­nhei­ro agrô­no­mo.

O pro­fis­si­o­nal do Or­qui­dá­rio Ha­ne­da ga­ran­te que elas apre­sen­tam me­lhor de­sen­vol­vi­men­to em subs­tra­tos bem dre­na­dos, por exem­plo, o mis­to de cas­ca de pi­nus, iso­por e pe­dra.

Po­rém, Cos­ta diz que es­ta é uma ques­tão bas­tan­te par­ti­cu­lar. Al­gu­mas pes­so­as al­can­çam re­tor­no po­si­ti­vo com fi­bra de co­co e outras aca­bam per­den­do exem­pla­res usan­do es­se subs­tra­to. “Tes­tei di­ver­sos ma­te­ri­ais e ob­ti­ve di­fe­ren­tes re­sul­ta­dos. Ho­je, op­to por du­as mis­tu­ras: a de mus­go com iso­por e a de mus­go com cas­ca de ma­ca­dâ­mia. A van­ta­gem da se­gun­da so­bre a pri­mei­ra é o pe­so. Al­gu­mas Po­ti­na­ra apre­sen­tam por­te gran­de, dei­xan­do o va­so ins­tá­vel e, co­mo a ma­ca­dâ­mia é den­sa (pe­sa­da), es­ta­bi­li­za o re­ci­pi­en­te. O úni­co in­con­ve­ni­en­te do mus­go é seu al­to po­der de ab­sor­ção, po­den­do en­char­car com fa­ci­li­da­de. Outras al­ter­na­ti­vas de subs­tra­to são a cas­ca de pi­nus com car­vão (re­co­men­da-se a cas­ca de ta­ma­nho gran­de pa­ra dre­nar bem a água) e a cas­ca de co­co”, ava­lia.

Sem­pre te­mi­das

As pra­gas que mais aco­me­tem es­te gê­ne­ro são tri­pes e co­cho­ni­lha. O tri­pes é um in­se­to mui­to pe­que­no que ataca prin­ci­pal­men­te as flo­res, pro­vo­can­do o se­ca­men­to das bor­das e, em ca­sos se­ve­ros, o bo­tão não de­sa­bro­cha. “Sua eli­mi­na­ção po­de ser fei­ta com a apli­ca­ção de in­se­ti­ci­das quí­mi­cos de uso do­més­ti­co à ba­se de água ou por meio de ar­ma­di­lhas co­lo­ri­das en­con­tra­das em lo­jas de jar­di­na­gem”, su­ge­re o es­pe­ci­a­lis­ta de Ana­lân­dia.

A co­cho­ni­lha é mais di­fí­cil de con­tro­lar, pois tem uma ca­ra­pa­ça ce­ro­sa que di­fi­cul­ta a fi­xa­ção do in­se­ti­ci­da. “Lim­par as plan­tas com es­co­va de den­tes e sa­bão de co­co re­duz a in­fes­ta­ção. Tam­bém é pos­sí­vel usar óleo mi­ne­ral na do­sa­gem in­di­ca­da na bu­la do pro­du­to”, adi­ci­o­na. É vá­li­do lem­brar que to­do in­se­ti­ci­da de­ve ser ad­mi­nis­tra­do sob ori­en­ta­ção de um pro­fis­si­o­nal qua­li­fi­ca­do.

Me­di­das pre­ven­ti­vas afas­tam o ris­co de in­ci­dên­cia de se­res no­ci­vos, co­mo evi­tar o ex­ces­so de água, ofe­re­cer boa cir­cu­la­ção de ar e es­te­ri­li­zar as fer­ra­men­tas em­pre­ga­das no tra­to das orquí­de­as.

 ?? Tex­to Renata Pu­ti­nat­ti ?? Po­ti­na­ra
Tex­to Renata Pu­ti­nat­ti Po­ti­na­ra
 ??  ?? Pot. Lit­tle Toshie ‘H&R’
Pot. Lit­tle Toshie ‘H&R’
 ??  ?? Pot. Twenty Four Ca­rat ‘Lea’
Pot. Twenty Four Ca­rat ‘Lea’
 ??  ?? Pot. Red Crab
Pot. Red Crab

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil