Como Cultivar Orquídeas Especial

For­mas per­fei­tas

- Botany · Ecology · Gardening · Biology · Hobbies · India · Indonesia · Philippines · Nova · Guinea · China · Australia · Porto Alegre · Porto · Futebol Clube do Porto · Sao Paulo · Como · Saab AB

FLO­RES DU­RÁ­VEIS, ARREDONDAD­AS e que com­bi­nam di­fe­ren­tes to­na­li­da­des, das su­tis às in­ten­sas. Es­sas qua­li­da­des cha­mam aten­ção dos ad­mi­ra­do­res das Van­da, que são ori­gi­ná­ri­as da Ín­dia, In­do­né­sia, Fi­li­pi­nas, No­va Gui­né, Chi­na, Aus­trá­lia e Hi­ma­laia.

Pa­ra Ro­sau­ra Le­o­ni, or­qui­dó­fi­la, de Por­to Ale­gre, RS, o mai­or atra­ti­vo é, pri­mei­ra­men­te, a for­ma das flo­res, qua­se sem­pre per­fei­ta e den­tro dos pa­râ­me­tros exi­gi­dos pa­ra jul­ga­men­to (que bus­ca o de­se­nho de um cír­cu­lo). “Ou­tra ca­rac­te­rís­ti­ca é o co­lo­ri­do, que vai do bran­co ao ro­xo mui­to es­cu­ro, pas­san­do por tons de ró­seo, ver­me­lho e ama­re­lo. Nor­mal­men­te, as has­tes apre­sen­tam vá­ri­as flo­res dis­pos­tas de ma­nei­ra har­mo­ni­o­sa.”

O gê­ne­ro é com­pos­to por 70 es­pé­ci­es, den­tre as quais se des­ta­cam V. san­de­ri­a­na, V. co­e­ru­lea, V. de­ni­so­ni­a­na, V. tri­co­lor, V. lu­zo­ni­ca, V. brun­nea, V. su­a­vis, V. pu­mi­la, V. spathu­la­ta e V. te­res. “To­das têm seu en­can­to, so­bre­tu­do pe­las co­res sem­pre tão vi­bran­tes e di­fe­ren­tes”, des­ta­ca a or­qui­dó­fi­la.

Ela aten­ta que al­gu­mas es­tão em ris­co de ex­tin­ção, co­mo a V. co­e­ru­lea. Is­so por­que seu ha­bi­tat es­tá sen­do des­truí­do. “A co­le­ta pre­da­tó­ria e a ex­por­ta­ção in­dis­cri­mi­na­da tam­bém co­o­pe­ram. É uma das plan­tas mais pro­cu­ra­das pe­los co­le­ci­o­na­do­res”, com­ple­ta.

Co­lo­ri­das e exu­be­ran­tes

As Van­da apre­sen­tam cres­ci­men­to mo­no­po­di­al (de­sen­vol­vem-se ao lon­go de um úni­co cau­le do qual sur­gem raí­zes, fo­lhas e has­tes flo­rais) e são bas­tan­te flo­rí­fe­ras, emi­tin­do has­tes com dez a 20 flo­res.

Não é ra­ro que uma plan­ta adul­ta e bem cul­ti­va­da flo­res­ça si­mul­ta­ne­a­men­te com du­as ou três has­tes. “Es­sas es­tru­tu­ras du­ram cer­ca de um mês e, em al­guns ca­sos, per­ma­ne­cem aber­tas por dois a três me­ses. Não há uma épo­ca de­ter­mi­na­da pa­ra de­sa­bro­cha­rem, po­den­do apa­re­cer até qua­tro ve­zes ao ano em re­giões de In­ver­no ame­no”, diz Ar­tur Nor­ber­to He­ger, or­qui­dó­fi­lo, de São Pau­lo, SP. En­tre­tan­to, é pos­sí­vel ob­ser­var mai­or in­ten­si­da­de nos me­ses de fe­ve­rei­ro e mar­ço, em­bo­ra exis­tam exem­pla­res flo­ri­dos o ano in­tei­ro.

Ele co­men­ta que a du­ra­bi­li­da­de e o aro­ma de­pen­dem da es­pé­cie. V. tes­se­la­ta, V. la­mel­la­ta, V. de­ni­so­ni­a­na e V. tri­co­lor (em par­ti­cu­lar, a va­ri­e­da­de su­a­ve) são per­fu­ma­das.

Cu­ri­o­sa­men­te, de­pois de aber­tas, su­as flo­res con­ti­nu­am a cres­cer. “En­tre a do to­po da has­te e a pri­mei­ra que abriu po­de exis­tir uma di­fe­ren­ça de 2 a 3 cm. Es­sa va­ri­a­ção tam­bém ocor­re com a ida­de e o de­sen­vol­vi­men­to da plan­ta. Qu­an­do jo­vem, na pri­mei­ra flo­ra­da apre­sen­ta has­te com se­te ou oi­to flo­res de, por exem­plo, 8 ou 9 cm de di­â­me­tro. A par­tir da quin­ta ou sex­ta, qu­an­do es­tá com­ple­ta­men­te adul­ta, po­de emi­tir até 20 uni­da­des com 10 a 12 cm de di­â­me­tro”, ex­pli­ca o es­pe­ci­a­lis­ta.

Além dis­so, têm cau­les ro­bus­tos e lon­gos e flo­res acha­ta­das com um es­po­rão cur­to no la­be­lo. “Co­mo to­das as or­qui­dá­ce­as, con­tam com três sé­pa­las, du­as pé­ta­las e um la­be­lo. O que mu­da é o co­lo­ri­do, o for­ma­to, a dis­po­si­ção na has­te e o ta­ma­nho do la­be­lo”, des­ta­ca a or­qui­dó­fi­la de Por­to Ale­gre.

“Nor­mal­men­te, as Van­da são pin­tal­ga­das por­que mui­tos hí­bri­dos co­mer­ci­a­li­za­dos pos­su­em a V. Doc­tor Anek co­mo um dos pa­ren­tais, con­fe­rin­do as­sim man­chas em tons do ró­seo-pink ao azul-ín­di­go”, com­ple­men­ta Mi­re­ne Ka­zue Ha­ga Sa­ab, pro­pri­e­tá­ria do Or­qui­dá­rio Ori­en­tal, de Mo­gi das Cru­zes, SP.

Se­gun­do ela, os cru­za­men­tos fei­tos a par­tir da V. san­de­ri­a­na pro­du­zem flo­res com a par­te su­pe­ri­or de to­na­li­da­de mais es­cu­ra que a in­fe­ri­or. Já os cru­za­men­tos com V. co­e­ru­lea têm co­mo mar­ca o de­se­nho de te­ce­la­das.

Com re­la­ção à pre­fe­rên­cia, a mai­o­ria dos co­le­ci­o­na­do­res gos­ta de exem­pla­res com co­lo­ri­do di­fe­ren­ci­a­do, por es­te mo­ti­vo, os hí­bri­dos são, mui­tas ve­zes, a me­lhor op­ção.

Cui­da­dos

En­con­tra­das em re­giões pan­ta­no­sas, on­de, mes­mo qu­an­do não cho­ve, a umi­da­de re­la­ti­va do ar du­ran­te a noi­te bei­ra 100%, es­te gru­po de plan­tas uti­li­za as ár­vo­res co­mo su­por­te, mas não se fi­xa fir­me­men­te, man­ten­do sem­pre a mai­o­ria das raí­zes sol­ta.

As ca­rac­te­rís­ti­cas de seu ha­bi­tat evi­den­ci­am que pre­ci­sam de ca­lor, lu­mi­no­si­da­de e ven­ti­la­ção. “Tam­bém apre­ci­am bas­tan­te água e umi­da­de, po­rém, não po­dem per­ma­ne­cer mo­lha­das por mui­to tem­po, o que pro­vo­ca o apo­dre­ci­men­to das raí­zes”, re­ve­la He­ger.

Ro­sau­ra re­co­men­da co­lo­car no chão, em­bai­xo dos exem­pla­res, uma ba­cia com água pa­ra pro­por­ci­o­nar to­da a umi­da­de ne­ces­sá­ria. “Pa­ra que te­nham um bom de­sen­vol­vi­men­to, o ide­al é o cul­ti­vo em re­giões quen­tes. Nos es­ta­dos on­de o In­ver­no é ri­go­ro­so, de­vem ser pro­te­gi­das do frio e da ge­a­da, se­não, po­dem mor­rer.”

Se­gun­do o or­qui­dó­fi­lo, o de­sen­vol­vi­men­to ra­di­cu­lar é um bom in­di­ca­ti­vo da umi­da­de am­bi­en­te e da ir­ri­ga­ção. “Ex­ces­so de raí­zes sig­ni­fi­ca lo­cal um pou­co se­co ou re­gas in­su­fi­ci­en­tes. Raí­zes cur­tas em plan­tas sau­dá­veis e com bom de­sen­vol­vi­men­to de­mons­tram umi­da­de ade­qua­da. Já a per­da de fo­lhas de bai­xo pa­ra ci­ma é si­nal de fal­ta de água, o que po­de acar­re­tar sua mor­te”, en­si­na, ao com­ple­men­tar que em lu­gar com pou­ca lu­mi­no­si­da­de cos­tu­mam cres­cer de­pres­sa, en­tre­tan­to, di­fi­cil­men­te flo­res­cem e su­as fo­lhas fi­cam flá­ci­das. A al­ti­tu­de não cos­tu­ma re­pre­sen­tar um pro­ble­ma de cul­ti­vo, des­de que não es­te­ja as­so­ci­a­da a cli­mas fri­os.

Uma par­ti­cu­la­ri­da­de é que dis­pen­sam subs­tra­to, po­den­do ser plan­ta­das em cai­xas de ma­dei­ra ou pe­que­nos va­sos de ce­râ­mi­ca ou plás­ti­co. “Pa­ra as orquí­de­as, o subs­tra­to tem du­as fun­ções: dar su­por­te às raí­zes e re­ter umi­da­de. As Van­da gos­tam de su­as raí­zes sol­tas no ar e sem umi­da­de de­ma­si­a­da, por­tan­to, o subs­tra­to não tem fun­ção”, ex­pli­ca o es­pe­ci­a­lis­ta pau­lis­ta.

Uma ex­ce­len­te ma­nei­ra de cul­ti­vá-las é res­pei­tan­do sua na­tu­re­za, fi­xan­do-as em tron­cos de ár­vo­res, vol­ta­das pa­ra o la­do Nor­te.

Em re­la­ção à adu­ba­ção, He­ger re­co­men­da que se­ja se­ma­nal ou, no mí­ni­mo, quin­ze­nal, usan­do adu­bo fo­li­ar di­luí­do e apli­ca­do nas fo­lhas, po­den­do atin­gir as raí­zes. “Co­mo sua flo­ra­da é lon­ga e acon­te­ce di­ver­sas ve­zes no ano, po­de-se uti­li­zar tam­bém adu­bo de flo­ra­ção (com mai­or te­or de fós­fo­ro)”, ori­en­ta.

Qu­an­do ex­pos­tas a tem­pe­ra­tu­ras abai­xo dos 15°C por al­gu­mas se­ma­nas, po­dem en­trar em re­pou­so ou es­tag­na­ção por vá­ri­os me­ses. No en­tan­to, se atin­gir 30°C ou mais, é im­pres­cin­dí­vel man­ter o chão mo­lha­do pa­ra au­men­tar a umi­da­de re­la­ti­va do ar.

Hi­bri­da­ção

As Van­da são mui­to usa­das na pro­du­ção de hí­bri­dos por or­qui­dá­ri­os co­mer­ci­ais, po­den­do ser cru­za­das com plan­tas do mes­mo gê­ne­ro ou de ou­tros, por exem­plo, As­co­cen­trum. Co­mo re­sul­ta­do, são ob­ti­dos exem­pla­res de flo­res gran­des, tal qual as das Van­da, ou bem co­lo­ri­das, co­mo as dos As­co­cen­trum, que na­tu­ral­men­te apa­re­cem em tons mui­to vi­bran­tes de la­ran­ja e ver­me­lho.

“En­quan­to hou­ver or­qui­dó­fi­los e pro­du­to­res de orquí­de­as sem­pre exis­ti­rão cru­za­men­tos vi­san­do flo­res ca­da vez mais bo­ni­tas e per­fei­tas. A V. Prin­cess Mi­ka­sa, por exem­plo, é uma das mais pro­cu­ra­das pe­la to­na­li­da­de in­ten­sa­men­te azul”, con­clui a es­pe­ci­a­lis­ta de Por­to Ale­gre.

 ??  ?? V. Happy Smi­le x V. Mi­mi Pal­mer
V. Happy Smi­le x V. Mi­mi Pal­mer
 ?? Tex­to Renata Pu­ti­nat­ti e Si­mo­ne Ki­ku­chi Edi­ção Renata Pu­ti­nat­ti ??
Tex­to Renata Pu­ti­nat­ti e Si­mo­ne Ki­ku­chi Edi­ção Renata Pu­ti­nat­ti
 ??  ?? V. Ro­bert’s De­light
V. Ro­bert’s De­light
 ??  ??
 ??  ?? V. Ori­en­tal Ara­bes­co
V. Ori­en­tal Ara­bes­co
 ??  ?? V. Ori­en­tal Car­mim
V. Ori­en­tal Car­mim
 ??  ?? V. Kul­ta­na Blue
V. Kul­ta­na Blue

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil