Como Cultivar Orquídeas Especial

Rhyn­chosty­lis

- Botany · Ecology · Gardening · Biology · Hobbies · Laos · Cambodia · China · Borneo · Philippines · Vietnam · Malaysia · Myanmar · Thailand · Mary J. Blige · Sao Paulo · Pella · Vale

CO­NHE­CI­DAS E APRE­CI­A­DAS pe­lo vis­to­so ca­cho pen­den­te de flo­res, as es­pé­ci­es do gê­ne­ro Rhyn­chosty­lis têm co­mo des­ta­que a du­ra­bi­li­da­de da flo­ra­ção, que po­de che­gar a 60 di­as. Além dis­so, são plan­tas rús­ti­cas, de fá­cil cul­ti­vo e bas­tan­te re­sis­ten­tes.

De gran­de va­lor or­na­men­tal, são na­ti­vas da Ásia, sen­do co­mu­men­te en­con­tra­das em paí­ses co­mo La­os, Cam­bo­ja, Chi­na, Bor­néu, Fi­li­pi­nas, Vi­et­nã, Ma­lá­sia e Mi­an­mar, além da Tai­lân­dia, mai­or pro­du­tor mun­di­al de es­pé­ci­es des­te gê­ne­ro.

As con­di­ções cli­má­ti­cas bra­si­lei­ras tam­bém são fa­vo­rá­veis ao seu cul­ti­vo, uma vez que apre­ci­am ca­lor e umi­da­de. Nas re­giões Nor­te e Nor­des­te do País, apre­sen­tam óti­mo de­sen­vol­vi­men­to, já no Sul e Su­des­te, on­de as tem­pe­ra­tu­ras são mais bai­xas, po­dem ter cres­ci­men­to mais len­to.

“Adap­tam-se bem em lo­cais que pos­su­em cli­ma de mon­ções, co­mo é o ca­so da Amazô­nia bra­si­lei­ra, ri­ca em umi­da­de e ca­lor, po­rém com pou­ca lu­mi­no­si­da­de”, ex­pli­ca Rei­nal­do Ila­ci, pro­pri­e­tá­rio do Or­qui­dá­rio Pau­lis­ta, de São Pau­lo, SP.

Ain­da se­gun­do ele, pa­ra que per­ma­ne­çam sau­dá­veis e com flo­ra­ção cons­tan­te, é ne­ces­sá­rio man­tê-las sob tem­pe­ra­tu­ras que va­ri­am de 15 a 35ºC e som­bre­a­men­to em tor­no de 50 a 70%. Com o ma­ne­jo ade­qua­do, as flo­res sur­gi­rão no In­ver­no e na Pri­ma­ve­ra, uma ou du­as ve­zes ao ano.

Ca­rac­te­rís­ti­cas

As es­pé­ci­es epí­fi­tas des­te gru­po têm ca­rac­te­rís­ti­cas mor­fo­ló­gi­cas bas­tan­te pe­cu­li­a­res. A in­flo­res­cên­cia den­sa e cur­va é com­pos­ta por mui­tas flo­res de lon­ga du­ra­ção. Ela se apre­sen­ta pen­den­te em for­ma de ca­chos.

As flo­res, es­pe­ci­fi­ca­men­te, pos­su­em di­men­sões de cer­ca de 3 x 3 cm, a has­te flo­ral po­de me­dir até 30 cm e a plan­ta po­de al­can­çar apro­xi­ma­da­men­te 30 cm de al­tu­ra. Seu cres­ci­men­to é mo­no­po­di­al, ou se­ja, de­sen­vol­ve-se pa­ra ci­ma e não pa­ra os la­dos, e su­as fo­lhas são se­mir­rí­gi­das.

“As Rhyn­chosty­lis são plan­tas que to­do or­qui­dó­fi­lo de­ve­ria ter. É mui­to gra­ti­fi­can­te cul­ti­vá-las. As flo­ra­das são en­can­ta­do­ras, bo­ni­tas e bas­tan­te du­rá­veis”, diz Edu­ar­do Nas­ci­men­to, pro­pri­e­tá­rio do Or­qui­dá­rio do Sol, de Sal­to, SP.

Ila­ci afir­ma que se tra­ta de um gru­po re­du­zi­do. “A Rhy. gi­gan­tea éa mais co­mum e va­lo­ri­za­da. Em­bo­ra o no­me pos­sa su­ge­rir o con­trá­rio, é uma orquí­dea de mé­dio e pe­que­no por­te. Em re­la­ção às outras es­pé­ci­es, as flo­res são mai­o­res e em me­nor quan­ti­da­de e se apre­sen­tam nas co­res bran­ca, ró­sea e ver­me­lha”.

E con­ti­nua: “A Rhy. co­e­les­te tem co­mo prin­ci­pal ca­rac­te­rís­ti­ca a has­te flo­ral ere­ta com mais de 25 uni­da­des de to­na­li­da­de azul-vi­o­lá­cea. Além dis­so, seu per­fu­me ado­ci­ca­do é bas­tan­te apre­ci­a­do. Já a Rhy. re­tu­sa, por ser pen­den­te com flo­res me­no­res, é pou­co pro­cu­ra­da.”

Pe­la be­le­za, tex­tu­ra e ta­ma­nho das flo­res, exu­be­rân­cia das co­res e boa du­ra­bi­li­da­de, en­tre to­das as es­pé­ci­es, se­gun­do o es­pe­ci­a­lis­ta de São Pau­lo, a Rhy. gi­gan­tea é a mais uti­li­za­da co­mo ma­triz pa­ra hi­bri­da­ção.

Cul­ti­vo sim­ples

Por se­rem rús­ti­cas, o cul­ti­vo das es­pé­ci­es des­te gê­ne­ro é con­si­de­ra­do fá­cil. No en­tan­to, são plan­tas que apre­sen­tam cres­ci­men­to len­to.

De acor­do com o pro­pri­e­tá­rio do Or­qui­dá­rio Pau­lis­ta, as Rhyn­chosty­lis se de­sen­vol­vem bem em lo­cais de cli­ma quen­te, com boa umi­da­de e som­bre­a­men­to. Va­le lem­brar que am­bi­en­te úmi­do não é o mes­mo que cons­tan­te­men­te mo­lha­do. O ex­ces­so de umi­da­de po­de ma­tá-las. “A re­ga ex­ces­si­va cria acú­mu­lo de água no api­cal (fo­lhas ini­ci­ais). Des­sa for­ma, a tem­pe­ra­tu­ra se ele­va em de­ma­sia, os fun­gos apa­re­cem e as orquí­de­as não re­sis­tem.”

Ele afir­ma que o ide­al é re­gá-las du­as ve­zes ao dia, pe­la ma­nhã e à noi­te. Sem­pre mo­lhan­do fo­lhas e raí­zes, pre­ser­van­do a se­ca­gem do subs­tra­to e evi­tan­do o en­char­ca­men­to. No In­ver­no, es­pe­ci­fi­ca­men­te, a ir­ri­ga­ção de­ve ser re­du­zi­da, sem dei­xar os exem­pla­res se­ca­rem por com­ple­to pa­ra que não de­si­dra­tem.

O som­bre­a­men­to tam­bém me­re­ce aten­ção. Nas­ci­men­to diz que se as plan­tas fi­ca­rem di­re­ta­men­te ex­pos­tas ao sol, têm ten­dên­cia a apre­sen­tar as­pec­to ama­re­la­do e o cres­ci­men­to po­de so­frer al­te­ra­ções. O cor­re­to é dei­xá-las em lo­cal de lu­mi­no­si­da­de me­di­a­na.

Ele ain­da afir­ma que a me­lhor for­ma de cultivar as Rhyn­chosty­lis é em ca­chepôs de ma­dei­ra. Em re­la­ção ao subs­tra­to, o es­fag­no é mui­to uti­li­za­do já que man­tém o con­tro­le da re­ga com su­ces­so. As orquí­de­as de­vem ser ma­nu­se­a­das com bas­tan­te cui­da­do, uma vez que su­as raí­zes são frá­geis. Qu­an­do os ca­chepôs se tor­nam pe­que­nos, é pre­ci­so trans­fe­ri-las pa­ra um mai­or, evi­tan­do o ma­ne­jo brus­co.

O pro­pri­e­tá­rio do Or­qui­dá­rio do Sol in­di­ca adu­ba­ção com NPK 2020-20, sen­do que os exem­pla­res in­tei­ros de­vem ser pul­ve­ri­za­dos a ca­da 15 di­as pa­ra um de­sen­vol­vi­men­to sau­dá­vel. In­se­ti­ci­das ou fun­gi­ci­das po­dem ser apli­ca­dos em pe­río­dos de mai­or umi­da­de. No en­tan­to, um es­pe­ci­a­lis­ta de­ve ser con­sul­ta­do an­tes da uti­li­za­ção de pro­du­tos quí­mi­cos.

“O re­plan­tio dos exem­pla­res de­ve ser fei­to qu­an­do há a emis­são de no­vas raí­zes. É pos­sí­vel per­ce­bê-las atra­vés das pon­ti­nhas ver­des nas ex­tre­mi­da­des das raí­zes já exis­ten­tes. Qu­an­do elas sur­gi­rem, é ho­ra de re­plan­tar”, fi­na­li­za Nas­ci­men­to.

 ??  ?? Rhy. gi­gan­tea
Rhy. gi­gan­tea
 ??  ?? Rhy. gi­gan­tea
Rhy. gi­gan­tea
 ??  ?? Rhy. gi­gan­tea
Rhy. gi­gan­tea
 ??  ?? Rhy. re­tu­sa Spot
Rhy. re­tu­sa Spot

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil