Como Cultivar Orquídeas Especial

Zy­go­pe­ta­lum

-

FE­LIZ­MEN­TE, O Zy­go­pe­ta­lum ES­TÁ DEN­TRO DO GRU­PO con­si­de­ra­do de fá­cil cul­ti­vo, so­bre­tu­do por­que das cer­ca de 22 es­pé­ci­es que com­põem o gê­ne­ro, a mai­o­ria é na­ti­va da re­gião de Ma­ta Atlân­ti­ca do Sul e Su­des­te do Bra­sil. As outras são ori­gi­ná­ri­as de áre­as tro­pi­cais de paí­ses da Amé­ri­ca do Sul, co­mo Bo­lí­via, Pa­ra­guai, Pe­ru e Ar­gen­ti­na.

A de­no­mi­na­ção gre­ga zy­go é uma re­fe­rên­cia à fu­são das es­tru­tu­ras da ba­se do la­be­lo, cri­an­do uma sa­li­ên­cia si­mi­lar a uma saia e con­fe­rin­do à flor um de­se­nho bas­tan­te inu­si­ta­do e ex­cên­tri­co. “É uma plan­ta de be­le­za ra­ra, exó­ti­ca e pou­co cul­ti­va­da pe­los or­qui­dó­fi­los”, re­su­me An­sel­mo B. Fer­rei­ra, pro­pri­e­tá­rio do Or­qui­dá­rio 4 Es­ta­ções, de Mauá, SP.

Den­tre as va­ri­e­da­des mais co­nhe­ci­das no País es­tão Z. cri­ni­tum, Z. mac­kayi, Z. ma­xil­la­re, Z. tris­te e Z. sin­co­ra­num. Es­te úl­ti­mo, de acor­do com Ro­gé­rio Di­as da Sil­va, co­nhe­ce­dor de orquí­de­as, de São Pau­lo, SP, re­ce­beu es­se no­me por ter si­do des­co­ber­to na Ser­ra do Sin­co­rá, na Bahia. Já as co­res es­cu­ras das sé­pa­las e pé­ta­las ba­ti­za­ram o Z. tris­te.

En­con­tra­das em al­ti­tu­de mé­dia de 800 m, as plan­tas des­te gê­ne­ro nor­mal­men­te são epí­fi­tas, ve­ge­tan­do em ro­chas e de­tri­tos ve­ge­tais, mas exis­tem al­gu­mas ter­res­tres. São con­si­de­ra­das de gran­de por­te, com ri­zo­mas en­tre os bul­bos tan­to es­pa­ça­dos co­mo agru­pa­dos e pseu­do­bul­bos com for­ma­to ovoi­de.

As flo­res me­dem em tor­no de 5 cm de di­â­me­tro e têm as­pec­to ce­ro­so, to­na­li­da­de vi­bran­te pu­xa­da pa­ra o azul e boa du­ra­bi­li­da­de, per­ma­ne­cen­do aber­tas por até 30 di­as. “Elas pos­su­em la­be­lo gran­de e has­te flo­ral de apro­xi­ma­da­men­te 50 cm”, ex­pli­ca Ro­nal­do Sa­bi­no, pro­pri­e­tá­rio do Or­qui­dá­rio Imi­rim, de São Pau­lo, SP.

Sil­va afir­ma que as ris­cas ro­xas no la­be­lo e as fo­lhas lan­ce­o­la­das (em for­ma­to de lan­ça) tam­bém são par­ti­cu­la­ri­da­des no­ta­das no gê­ne­ro. “Mes­mo os hí­bri­dos pos­su­em o la­be­lo ro­xo com ver­de, ex­ce­to o Z. ma­xil­la­re, que lem­bra um On­ci­dium.”

No en­tan­to, de acor­do com ele, a flo­ra­ção va­ria con­for­me a es­pé­cie. “O Z. tris­te flo­res­ce no iní­cio do Ou­to­no, o Z. ma­xil­la­re de­sa­bro­cha na Pri­ma­ve­ra-Ve­rão e as flo­res do Z. tri­ni­tum apa­re­cem no In­ver­no.”

Ele tam­bém diz que al­gu­mas es­pé­ci­es são per­fu­ma­das, co­mo o Z. cri­ni­tum, que pos­sui aro­ma ado­ci­ca­do mui­to agra­dá­vel e mar­can­te e ain­da con­tém pe­que­nos pe­los no la­be­lo, se­me­lhan­tes à cri­na de ca­va­lo, com a fun­ção de atrair in­se­tos po­li­ni­za­do­res.

Cul­ti­vo

Sil­va re­ve­la que o cres­ci­men­to das plan­tas des­te gê­ne­ro é rá­pi­do, des­de que exis­ta um equi­lí­brio en­tre lu­mi­no­si­da­de e umi­da­de, além da tro­ca de subs­tra­to a ca­da dois anos, o que evi­ta a mu­dan­ça de pH e me­lho­ra seu de­sen­vol­vi­men­to.

Já a fa­ci­li­da­de de cul­ti­vo es­tá re­la­ci­o­na­da ao fa­to de ser um gê­ne­ro na­ti­vo, ou se­ja, to­tal­men­te adap­ta­do às con­di­ções cli­má­ti­cas da mai­o­ria das re­giões bra­si­lei­ras.

Co­mo na na­tu­re­za é en­con­tra­do em meio à ma­ta tro­pi­cal, apre­cia ca­lor e mui­ta umi­da­de am­bi­en­te. “As re­gas de­vem ser cons­tan­tes, mas com in­ter­va­los pa­ra a se­ca­gem par­ci­al do subs­tra­to, que pre­ci­sa es­tar sem­pre úmi­do”, apon­ta Sa­bi­no. “As raí­zes gos­tam de umi­da­de, por is­so, re­co­men­do ir­ri­gar de du­as a três ve­zes por se­ma­na no iní­cio da ma­nhã, por­que em al­guns es­ta­dos as noi­tes têm tem­pe­ra­tu­ras ame­nas e o subs­tra­to fi­ca mo­lha­do por mais tem­po, fa­ci­li­tan­do a pro­li­fe­ra­ção de bac­té­ri­as”, emen­da Sil­va.

Pa­ra man­ter a boa ae­ra­ção das raí­zes e a dre­na­gem ade­qua­da, Fer­rei­ra e Sa­bi­no re­co­men­dam for­mu­lar o subs­tra­to com uma mis­tu­ra de fi­bra de co­co, car­vão e cas­ca de pi­nus.

Em re­la­ção à lu­mi­no­si­da­de, o co­nhe­ce­dor de orquí­de­as in­di­ca que po­de ser man­ti­do em som­bre­a­men­to de 50 a 60%, em­bo­ra pre­ci­se de mui­ta ilu­mi­na­ção, en­tre­tan­to, sem a in­ci­dên­cia so­lar di­re­ta, que po­de quei­mar su­as fo­lhas.

Por ser pro­ve­ni­en­te da fai­xa li­to­râ­nea, o Zy­go­pe­ta­lum não to­le­ra frio em de­ma­sia, por is­so, no In­ver­no, es­pe­ci­al­men­te no Cen­tro-Sul do Bra­sil, é im­por­tan­te aten­ção pa­ra não dei­xá-lo ex­pos­to à ge­a­da.

O pro­pri­e­tá­rio do Or­qui­dá­rio 4 Es­ta­ções lem­bra que es­te gê­ne­ro não é mui­to exi­gen­te qu­an­to à adu­ba­ção. “Po­de-se usar fer­ti­li­zan­te fo­li­ar ba­lan­ce­a­do NPK na for­mu­la­ção 20-20-20 a ca­da 15 di­as e, ca­so quei­ra com­ple­men­tar, co­lo­car uma co­lher (chá) de bo­kashi (adu­bo or­gâ­ni­co de li­be­ra­ção len­ta) a ca­da dois me­ses, pró­xi­mo da bor­da do va­so.”

De acor­do com Sil­va, es­se pro­ce­di­men­to de­ve ser per­ma­nen­te, pois o con­su­mo de nu­tri­en­tes é gran­de na épo­ca de flo­ra­ção e no sur­gi­men­to de no­vas has­tes.

Os três es­pe­ci­a­lis­tas ga­ran­tem que as plan­tas não são mui­to sus­ce­tí­veis a do­en­ças, mas, mes­mo as­sim, pre­ve­nir é me­lhor do que re­me­di­ar. “É im­por­tan­te aten­tar pa­ra o apa­re­ci­men­to de fun­gos nas fo­lhas, pois são bas­tan­te finas”, su­ge­re Fer­rei­ra.

O co­nhe­ce­dor pau­lis­ta adi­ci­o­na que po­de acon­te­cer o ata­que de co­cho­ni­lhas e pul­gões, so­bre­tu­do qu­an­do o am­bi­en­te pos­sui pou­ca ven­ti­la­ção ou os exem­pla­res es­tão mui­to pró­xi­mos. “Qu­an­do a has­te flo­ral é no­va, con­tém mui­ta sei­va e se tor­na ado­ci­ca­da, sen­do um atra­ti­vo pa­ra es­tes in­se­tos”, as­se­gu­ra, ao afir­mar que o pul­gão é com­ba­ti­do com a ca­ta ma­nu­al e tan­to ele qu­an­to a co­cho­ni­lha são afu­gen­ta­dos com in­se­ti­ci­da à ba­se de nim. Ou­tra téc­ni­ca é co­lo­car pla­cas ade­si­vas nas co­res azul e ama­re­la, que ser­vem co­mo is­ca pa­ra es­sas pra­gas.

O pro­pri­e­tá­rio do Or­qui­dá­rio Imi­rim ad­ver­te que um dos mai­o­res pro­ble­mas no cul­ti­vo do Zy­go­pe­ta­lum é man­ter a fo­lha­gem vis­to­sa e sem pin­tas es­cu­ras. “É um pou­co com­pli­ca­do, já que en­vol­ve o con­tro­le de tem­pe­ra­tu­ra e umi­da­de ade­qua­das.” Ele ain­da es­cla­re­ce que, em­bo­ra se­jam es­pé­ci­es be­lís­si­mas, as fo­lhas são ca­du­cas (ca­em du­ran­te o In­ver­no) e des­va­lo­ri­zam a plan­ta vi­su­al­men­te.

Hí­bri­dos

Ou­tro fa­to a ser des­ta­ca­do, se­gun­do Fer­rei­ra, é que as na­ti­vas do Es­ta­do de São Pau­lo, ge­ral­men­te, são en­con­tra­das na na­tu­re­za ve­ge­tan­do na ár­vo­re de xa­xim (sa­mam­bai­a­çu) e, co­mo es­se ma­te­ri­al es­tá proi­bi­do de ser co­mer­ci­a­li­za­do de­vi­do ao ris­co de ex­tin­ção, qu­an­do o co­le­ci­o­na­dor ten­ta re­ti­rá-las do ha­bi­tat pa­ra le­vá-las pa­ra o or­qui­dá­rio, en­con­tra mui­tos con­tra­tem­pos pa­ra cul­ti­vá-las, por cau­sa da sen­si­bi­li­da­de e da di­fi­cul­da­de de adap­ta­ção. “Pa­ra re­ver­ter es­se qua­dro, nas úl­ti­mas dé­ca­das, os pro­fis­si­o­nais es­tão fa­zen­do a pro­du­ção in vi­tro de es­pé­ci­es e hí­bri­dos, tan­to pri­má­ri­os co­mo in­ter­ge­né­ri­cos.”

Ele con­ta que, atu­al­men­te, exis­te mais de uma cen­te­na de hí­bri­dos de Zy­go­pe­ta­lum pe­lo mun­do afo­ra. Há exem­pla­res de be­le­za e co­lo­ri­do que agra­dam a qua­se to­dos os co­le­ci­o­na­do­res. “Mui­tos se ade­qua­ram tão bem que cres­cem mais rá­pi­do que uma Cat­tleya”, fri­sa, ao adi­ci­o­nar que o Z. Red Val­le ‘Pretty Ann’, por exem­plo, é um hí­bri­do de mui­to su­ces­so en­tre os or­qui­dó­fi­los por apre­sen­tar co­lo­ra­ção acen­tu­a­da e de­sen­vol­vi­men­to vi­go­ro­so, che­gan­do a fi­car mais de 30 di­as com a flor aber­ta.

Sa­bi­no res­sal­ta que os hí­bri­dos des­ta plan­ta são mui­to ex­plo­ra­dos no mer­ca­do eu­ro­peu, on­de é fá­cil en­con­trar uma vas­ta di­ver­si­da­de de cru­za­men­tos. “Es­se in­te­res­se se de­ve à be­le­za da has­te flo­ral, à du­ra­bi­li­da­de e quan­ti­da­de das flo­res e ao lin­do la­be­lo, que en­can­ta qual­quer um”, fi­na­li­za.

 ??  ?? Z. la­bi­o­sum x Z. ma­xil­la­re
Z. la­bi­o­sum x Z. ma­xil­la­re
 ??  ?? Z. Red­va­le ‘Fi­re Kiss’
Z. Red­va­le ‘Fi­re Kiss’
 ?? Tex­to Renata Pu­ti­nat­ti Fo­tos Ta­ti­a­na Vil­la ?? Zy­go­pe­ta­lum
Tex­to Renata Pu­ti­nat­ti Fo­tos Ta­ti­a­na Vil­la Zy­go­pe­ta­lum
 ??  ?? Z. tris­te
Z. tris­te
 ??  ?? Z. Jum­pin Jack ‘Big Be­ans’
Z. Jum­pin Jack ‘Big Be­ans’
 ??  ?? Z. in­ter­me­dium x Z. cri­ni­tum
Z. in­ter­me­dium x Z. cri­ni­tum
 ??  ?? Z. ma­xil­la­re
Z. ma­xil­la­re
 ??  ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil