Como Cultivar Orquídeas Especial

De­li­ca­das e per­fu­ma­das

-

PA­RA AQUE­LES QUE CO­NHE­CEM um pou­co das orquí­de­as do gê­ne­ro Ency­clia, sua prin­ci­pal ca­rac­te­rís­ti­ca é o ta­ma­nho re­du­zi­do das flo­res. No en­tan­to, for­mas e co­res, as­sim co­mo o por­te, va­ri­am bas­tan­te de acor­do com as es­pé­ci­es, que che­gam a apro­xi­ma­da­men­te 200.

“Em ge­ral, as flo­res apre­sen­tam di­â­me­tros me­no­res do que 4 cm. As pé­ta­las e sé­pa­las apa­re­cem em tons que vão do ama­re­lo ao ver­de­mus­go, com man­chas púr­pu­ras e bran­cas. Mas tam­bém há ró­se­as, púr­pu­ras, mar­rons e al­vas. A du­ra­bi­li­da­de é pro­lon­ga­da, per­du­ran­do en­tre 20 e 30 di­as”, de­ta­lha Creu­za Mül­ler, pro­pri­e­tá­ria do Or­qui­dá­rio da Ma­ta, da ca­pi­tal pau­lis­ta.

Ain­da em re­la­ção a es­sas es­tru­tu­ras, a es­pe­ci­a­lis­ta afir­ma que elas com­põem in­flo­res­cên­ci­as (con­jun­to de flo­res) api­cais, ar­que­a­das, del­ga­das, ri­jas e pa­ni­cu­la­das (que for­mam ca­chos ou es­pi­gas) ou ra­ce­mo­sas, sur­gin­do, na mai­o­ria dos ca­sos, em gran­de quan­ti­da­de. Ou­tra ca­rac­te­rís­ti­ca marcante é o aro­ma. “Gran­de par­te das es­pé­ci­es é per­fu­ma­da”, adi­ci­o­na.

A po­li­ni­za­ção acon­te­ce por meio de abe­lhas e pás­sa­ros. Os lo­bos la­te­rais dos la­be­los se ajus­tam de ma­nei­ra que, quan­do há o pou­so de um in­se­to, pas­sam pa­ra o la­do in­fe­ri­or da co­lu­na, im­pe­din­do que o la­be­lo vol­te pa­ra sua po­si­ção an­te­ri­or. Tra­ta­se de uma pe­cu­li­a­ri­da­de das Ency­clia.

Mor­fo­lo­gi­ca­men­te, Creu­za ain­da apon­ta as­pec­tos ge­rais des­tas plan­tas. “São ro­bus­tas e apre­sen­tam pseu­do­bul­bos es­fé­ri­cos ou cô­ni­co­ci­lín­dri­cos e fo­lhas lon­gas, em ge­ral, co­riá­ce­as e lan­ce­o­la­das tam­bém. Há es­pé­ci­es com ape­nas pou­cos cen­tí­me­tros até mai­o­res, atin­gin­do cer­ca de 1 m.”

Quan­do não apre­sen­tam flo­res é di­fí­cil dis­tin­gui-las en­tre si. Há ca­sos em que mes­mo com flo­ra­ção, a iden­ti­fi­ca­ção é com­pli­ca­da. En­tre­tan­to, quan­do é pre­ci­so sa­ber ape­nas o gê­ne­ro, é mais sim­ples, pois as ca­rac­te­rís­ti­cas co­muns das Ency­clia (des­cri­tas aci­ma) são bas­tan­te evi­den­tes.

Ori­gi­ná­ri­as do Mé­xi­co e da Fló­ri­da (Es­ta­dos Uni­dos) à Ar­gen­ti­na, se­gun­do Vi­to­ri­no Pai­va Cas­tro Ne­to, or­qui­dó­fi­lo e or­qui­dó­lo­go, de São Ber­nar­do do Cam­po, SP, po­dem ser en­con­tra­das des­de o ní­vel do mar até 1.500 m de al­ti­tu­de e da Amazô­nia de cli­ma quen­te e úmi­do até o Cer­ra­do de cli­ma se­co.

Das cer­ca de 200 es­pé­ci­es do gê­ne­ro, es­ti­ma­se que 47 po­dem ser en­con­tra­das em ter­ri­tó­rio bra­si­lei­ro. No en­tan­to, em um pri­mei­ro mo­men­to, to­das eram clas­si­fi­ca­das co­mo plan­tas do gru­po Epi­den­drum. Tam­bém hou­ve es­tu­dos que re­clas­si­fi­ca­ram al­gu­mas, dis­pon­do-as nos gê­ne­ros Prosthe­chea e Di­ne­ma.

“Foi o bo­tâ­ni­co in­glês Wil­li­am Jack­son Ho­o­ker que cri­ou o gê­ne­ro Ency­clia, em 1830. Mas, lo­go em 1831, John Lin­dley vol­tou à clas­si­fi­ca­ção an­te­ri­or, de­fi­nin­do as es­pé­ci­es co­mo Epi­den­drum. En­tão, em 1975, o ta­xo­no­mis­ta bra­si­lei­ro Guido Fre­de­ri­co João Pabst, em sua obra Or­chi­da­ce­ae Bra­si­li­en­ses, re­to­mou o Ency­clia, que é ado­ta­do por to­dos des­de en­tão”, con­ta Cas­tro Ne­to.

A prin­ci­pal di­fe­ren­ça en­tre os dois gru­pos es­tá no la­be­lo de su­as flo­res. Os Epi­den­drum pos­su­em o la­be­lo to­do fun­di­do à co­lu­na e nas Ency­clia ele é li­vre, sen­do ape­nas ar­ti­cu­la­do le­ve­men­te junto à ba­se da co­lu­na. Além dis­so, os pri­mei­ros não apre­sen­tam pseu­do­bul­bos, mas têm mui­tas fo­lhas em for­ma­to del­ga­do, en­quan­to as úl­ti­mas pos­su­em pseu­do­bul­bos e pou­cas fo­lhas lon­gas, co­riá­ce­as e lan­ce­o­la­das.

Cul­ti­vo

Es­tas plan­tas po­dem ser fa­cil­men­te en­con­tra­das nas co­le­ções de orquidófil­os bra­si­lei­ros. De acor­do com a pro­pri­e­tá­ria do Or­qui­dá­rio da Ma­ta, as es­pé­ci­es mais co­muns são Enc. brac­te­a­ta, Enc. cor­di­ge­ra, Enc. di­ch­ro­ma e Enc. ran­dii.

Am­bos os es­pe­ci­a­lis­tas sa­li­en­tam a im­por­tân­cia de mui­ta lu­mi­no­si­da­de pa­ra seu bom de­sen­vol­vi­men­to, afir­man­do que os ou­tros cui­da­dos são se­me­lhan­tes aos dis­pen­sa­dos às Cat­tleya. Creu­za es­pe­ci­fi­ca que umi­da­de ele­va­da, água em abun­dân­cia a ca­da três di­as, boa dre­na­gem e bas­tan­te ven­ti­la­ção tam­bém são ne­ces­sá­ri­as.

E su­ge­re: “A adu­ba­ção de­ve ser ri­ca em ni­tro­gê­nio (N) quan­do os pseu­do­bul­bos es­ti­ve­rem em fa­se de cres­ci­men­to. An­te­ci­pan­do a flo­ra­ção, po­de­se op­tar por fer­ti­li­zan­te ri­co em fós­fo­ro (P) quin­ze­nal­men­te.”

Co­mo a mai­o­ria é epí­fi­ta (ha­ven­do ru­pí­co­las e ter­res­tres, mas em me­nor nú­me­ro), po­dem ser cul­ti­va­das em pla­cas, po­rém, tam­bém cos­tu­mam ser dis­pos­tas em va­sos. Em re­la­ção ao subs­tra­to, de­pen­de­rá da es­pé­cie. “É pos­sí­vel usar uma mis­tu­ra de tur­fa com pe­dra po­ro­sa (co­mo a mi­nei­ra), as­sim co­mo ou­tros ma­te­ri­ais, por exem­plo, a com­bi­na­ção de car­vão, cas­ca de pi­nus e pe­dris­cos”, com­ple­ta Creu­za.

Qu­an­to ao re­plan­tio, ela con­ti­nua afir­man­do que es­se pro­ce­di­men­to se faz ne­ces­sá­rio no mo­men­to em que o exem­plar en­cos­tar na bor­da do va­so ou quan­do o subs­tra­to en­trar em de­com­po­si­ção. “Ao re­a­li­zá-lo, os pseu­do­bul­bos de­vem ser dis­pos­tos no cen­tro do re­ci­pi­en­te, pois o cres­ci­men­to da plan­ta ocor­re por to­dos os la­dos.”

Co­mo acon­te­ce com gran­de par­te das or­qui­dá­ce­as, as Ency­clia cos­tu­mam ser ata­ca­das por pra­gas e do­en­ças de­vi­do ao cul­ti­vo ina­de­qua­do. Por exem­plo, quan­do há fal­ta de ven­ti­la­ção, fa­ci­li­ta-se o sur­gi­men­to de co­cho­ni­lhas e car­ra­pa­tos. Ex­ces­so de água e fal­ta de dre­na­gem po­dem ser res­pon­sá­veis por do­en­ças fún­gi­cas. Lo­go, é fun­da­men­tal cau­te­la no ma­ne­jo.

En­tre­tan­to, no ge­ral, não é pre­ci­so exa­ge­ros, já que são pou­co exi­gen­tes. “São orquí­de­as de fá­cil cul­ti­vo des­de que su­as ne­ces­si­da­des se­jam aten­di­das”, des­ta­ca a es­pe­ci­a­lis­ta.

Cu­ri­o­si­da­des

Não é co­mum en­con­trar cru­za­men­tos que ado­tem es­pé­ci­es do gê­ne­ro Ency­clia. “Re­al­men­te, não são mui­to uti­li­za­das em hi­bri­da­ção por apre­sen­ta­rem flo­res re­la­ti­va­men­te pe­que­nas, sal­vo Enc. cor­di­ge­ra e Enc. ran­dii”, re­la­ta Creu­za. Ela ci­ta co­mo exem­plo dos pou­cos hí­bri­dos exis­ten­tes a Enc. Sum­mer Per­fu­me, que re­sul­ta do cru­za­men­to Enc. mo­o­re­a­na x Enc. han­duryi.

Ou­tra cu­ri­o­si­da­de é o fa­to da Enc. vi­ri­di­flo­ra, co­le­ta­da no Rio de Ja­nei­ro por W. Har­ri­son, em 1828, e ado­ta­da co­mo es­pé­cie ti­po pa­ra a cri­a­ção do gê­ne­ro por Ho­o­ker, nun­ca mais ter si­do en­con­tra­da. Tra­ta-se de uma orquí­dea ra­rís­si­ma. Ho­je, só exis­te um de­se­nho.

O no­me Ency­clia vem da la­ti­ni­za­ção de um ver­bo gre­go que sig­ni­fi­ca con­tor­nar, ro­de­ar, uma re­fe­rên­cia aos lo­bos la­te­rais do la­be­lo que en­vol­vem a co­lu­na da flor das es­pé­ci­es des­te gê­ne­ro. Po­pu­lar­men­te, es­tas plan­tas tam­bém são co­nhe­ci­das co­mo orquí­de­as-ma­ri­po­sa.

 ??  ?? Enc. ar­gen­ti­nen­se
Enc. ar­gen­ti­nen­se
 ??  ?? Enc. in­ver­sa
Enc. in­ver­sa
 ??  ?? Enc. cor­di­ge­ra
Enc. cor­di­ge­ra
 ??  ?? Enc. ma­de­roi x Enc. ran­dii
Enc. ma­de­roi x Enc. ran­dii
 ??  ?? Enc. ran­dii x Enc. atro­pur­pu­rea
Enc. ran­dii x Enc. atro­pur­pu­rea

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil