Como Cultivar Orquídeas Especial

A so­be­ra­na

- Tex­to Renata Pu­ti­nat­ti Botany · Ecology · Gardening · Biology · Hobbies · Santa Catarina · Southern Brazil · Florianopolis · Europe · Rio de Janeiro · Rio de Janeiro · Sao Paulo · Carl Linnaeus · Miguel Jontel Pimentel · Porto Alegre · Porto · Futebol Clube do Porto · Mary J. Blige · Rio Grande · Natal · Como · Brazil · United States of America · England · Germany · Bremen · Switzerland · Novo Hamburgo · Kassel · East Nusa Tenggara · Joinville

ELA É A RAI­NHA DAS ORQUÍ­DE­AS BRA­SI­LEI­RAS. Seus ad­mi­ra­do­res não sa­bem ao cer­to a ra­zão de tan­to fas­cí­nio. Po­de ser o co­lo­ri­do, a for­ma, as va­ri­e­da­des ra­ras, a quan­ti­da­de e o ta­ma­nho das flo­res, ou mes­mo a subs­tân­cia e a tex­tu­ra. Tra­ta-se da La­e­lia pur­pu­ra­ta que, de tão es­pe­ci­al, seus fãs re­ce­bem o ca­ri­nho­so ape­li­do de pur­pu­ra­tei­ros.

Bas­tan­te es­tu­da­da e ex­plo­ra­da co­mer­ci­al­men­te, é mui­to re­pre­sen­ta­ti­va em ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal e se tor­nou a flor sím­bo­lo do Es­ta­do de San­ta Ca­ta­ri­na e de vá­ri­as as­so­ci­a­ções or­qui­dó­fi­las, sen­do tam­bém te­ma de al­gu­mas ex­po­si­ções do Sul e Su­des­te que ocor­rem nos me­ses de no­vem­bro e de­zem­bro pa­ra co­me­mo­rar a flo­ra­ção.

Sua des­co­ber­ta acon­te­ceu em 1847, qu­an­do o fran­cês Fran­çois De­vos a co­le­tou jun­ta­men­te com plan­tas de outras es­pé­ci­es e gê­ne­ros na Ilha de San­ta Ca­ta­ri­na (ho­je, Flo­ri­a­nó­po­lis). A amos­tra foi le­va­da à Eu­ro­pa pa­ra ser ana­li­sa­da pe­lo bo­tâ­ni­co in­glês John Lin­dley que, por vol­ta de 1852, a no­me­ou La­e­lia pur­pu­ra­ta. Des­de en­tão, sua qua­li­da­de es­pe­ta­cu­lar en­can­ta co­le­ci­o­na­do­res do mun­do to­do.

Ca­rac­te­rís­ti­cas ra­ras

Seu ha­bi­tat abran­ge uma ex­ten­sa fai­xa li­to­râ­nea que vai do sul do Rio de Ja­nei­ro até o sul de São Pau­lo, so­fren­do uma in­ter­rup­ção em to­do o Pa­ra­ná, e vol­tan­do a apa­re­cer do nor­te de San­ta Ca­ta­ri­na até a ci­da­de de Vi­a­mão, RS. “A zo­na de ocor­rên­cia fi­ca afas­ta­da, no má­xi­mo, 20 km da praia. Po­rém, sur­giu um nú­cleo a uma dis­tân­cia de cer­ca de 75 km da bei­ra-mar, no dis­tri­to de Lom­ba Gran­de, per­ten­cen­te a No­vo Ham­bur­go, RS. Nes­te lo­cal fo­ram en­con­tra­das plan­tas fa­mo­sas, co­mo L. pur­pu­ra­ta rus­se­li­a­na de­li­ca­ta, L. pur­pu­ra­ta san­gui­nea ‘Mentz’ e L. pur­pu­ra­ta fla­mea ‘Kas­sel’”, afir­ma o or­qui­dó­fi­lo Man­fre­do Hüb­ner, de Ga­ro­pa­ba, SC.

Se­gun­do Mi­guel Ro­dri­gues Lei­te, or­qui­dó­fi­lo, de Por­to Ale­gre, RS, es­ta es­pé­cie cos­tu­ma ve­ge­tar em ro­chas e ma­tas dis­per­sas, ou se­ja, adap­ta-se fa­cil­men­te a am­bi­en­tes dis­tin­tos, des­de que exis­ta al­ta umi­da­de do ar, ven­ti­la­ção e boa lu­mi­no­si­da­de. Nor­mal­men­te é epí­fi­ta, fi­xan­do-se no al­to de gran­des ár­vo­res, mas tam­bém po­de ser ru­pí­co­la e, em al­guns ca­sos, ter­res­tre.

Em re­la­ção à mor­fo­lo­gia, Jo­sé Car­los Budny, pro­pri­e­tá­rio do Or­qui­dá­rio Budny, de Iça­ra, SC, co­men­ta que pos­sui pseu­do­bul­bo ro­bus­to, alon­ga­do em for­ma de fu­so e um pou­co com­pri­mi­do, além de con­tar com a par­te in­fe­ri­or for­te­men­te ar­ti­cu­la­da. “Su­as fo­lhas são gran­des, me­din­do de 25 a 45 cm de com­pri­men­to, ere­tas, rí­gi­das, es­trei­tas (com 4 a 9 cm de lar­gu­ra), le­ve­men­te côn­ca­vas e um pou­co co­riá­ce­as. Na fa­ce su­pe­ri­or são li­sas e in­ten­sa­men­te ver­des”, es­cla­re­ce.

O mai­or atra­ti­vo des­ta plan­ta são as flo­res, na mai­o­ria das ve­zes, bran­cas, ro­sa­das e ver­me­lhas. À pri­mei­ra vis­ta, o que mais cha­ma aten­ção é o ta­ma­nho, atin­gin­do cer­ca de 15 cm de di­â­me­tro. Budny adi­ci­o­na ain­da que são bem pro­je­ta­das e com boa dis­tri­bui­ção, sur­gin­do de qua­tro a dez por pe­dún­cu­lo. O la­be­lo, na par­te in­fe­ri­or, é rí­gi­do, ere­to ou in­cli­na­do e bas­tan­te re­cur­va­do na pon­ta, ten­do en­tre 6 e 8 cm.

Po­rém, o gran­de des­ta­que es­tá no co­lo­ri­do. Em­bo­ra as mais en­con­tra­das se­jam ti­po (ro­sa com púr­pu­ra), car­nea (bran­co com ce­re­ja) e ro­xo­vi­o­le­ta, exis­tem inú­me­ras to­na­li­da­des – al­gu­mas co­muns a outras or­qui­dá­ce­as e outras res­tri­tas ape­nas à L. pur­pu­ra­ta –, co­mo ar­do­sia, rus­se­li­a­na e ca­nhan­du­ba. Há ain­da uma ga­ma de va­ri­e­da­des clas­si­fi­ca­das con­for­me a for­ma do co­lo­ri­do, por exem­plo, ane­la­ta, ar­go­lao, man­daya­na, re­gi­nae, atro, en­tre outras.

Lei­te lis­ta en­tre as mais re­qui­si­ta­das car­nea, san­gui­nea, aço e ru­bra, além das des­cen­den­tes da L. pur­pu­ra­ta stri­a­ta ‘Mi­li­o­na­ria’.

Com o me­lho­ra­men­to ge­né­ti­co, su­as flo­res que du­ra­vam 15 di­as pas­sa­ram a per­ma­ne­cer aber­tas por cer­ca de um mês. A flo­ra­ção é anu­al, con­cen­tran­do-se na Pri­ma­ve­ra e no Ve­rão, mas en­tre os pur­pu­ra­tei­ros é re­cor­ren­te di­vi­di-la em três pe­río­dos. “As plan­tas ‘do ce­do’ fo­ram co­le­ta­das no li­to­ral nor­te de San­ta Ca­ta­ri­na e flo­res­cem em tor­no do dia 15 de no­vem­bro, épo­ca da tra­di­ci­o­nal Fes­ta das Flo­res de Join­vil­le. As cha­ma­das ‘da épo­ca’ são na­ti­vas de uma gran­de área li­to­râ­nea ao sul de San­ta Ca­ta­ri­na e ao nor­te do Rio Gran­de do Sul, com flo­ra­da no iní­cio de de­zem­bro. E, fi­nal­men­te, as ape­li­da­das de na­ta­li­nas sur­gi­ram na re­gião de Lom­ba Gran­de e flo­res­cem do Na­tal até me­a­dos de ja­nei­ro”, de­ta­lha Hüb­ner.

Co­mo se não bas­tas­sem tan­tos di­fe­ren­ci­ais, ele acres­cen­ta que as flo­res ain­da apre­sen­tam uma fra­grân­cia úni­ca e in­com­pa­rá­vel. “Ela é fas­ci­nan­te tan­to pe­los va­ri­a­dos e ra­ros co­lo­ri­dos, co­mo pe­lo agra­dá­vel per­fu­me. É uma plan­ta in­di­ca­da pa­ra co­le­ci­o­na­do­res exi­gen­tes e apai­xo­na­dos.”

Budny acre­di­ta que a L. pur­pu­ra­ta pos­sui uma ex­tra­or­di­ná­ria com­bi­na­ção de be­le­za, ta­ma­nho, aro­ma e cor, fa­zen­do com que se­ja uma das orquí­de­as mais co­bi­ça­das e apre­ci­a­das não só no Bra­sil, mas no mun­do, prin­ci­pal­men­te em paí­ses co­mo Es­ta­dos Uni­dos, In­gla­ter­ra e Ale­ma­nha.

Ga­ran­tia de be­le­za

Co­mo di­to an­te­ri­or­men­te, es­ta es­pé­cie ve­ge­ta em lo­cais com al­ta umi­da­de do ar, ven­ti­la­dos e bem ilu­mi­na­dos. Sen­do as­sim, é im­por­tan­te pro­por­ci­o­nar as mes­mas con­di­ções no am­bi­en­te do­més­ti­co, usan­do-se som­bri­te de 50 a 70%, de­pen­den­do da re­gião, e man­ten­do a cir­cu­la­ção de ar ade­qua­da e com dis­tan­ci­a­men­to en­tre os va­sos. Em pe­río­dos de es­cas­sez de chu­va, re­co­men­da-se mo­lhar o chão do or­qui­dá­rio di­a­ri­a­men­te pa­ra ele­var a umi­da­de.

Lei­te afir­ma que a re­ga po­de ser fei­ta em di­as in­ter­ca­la­dos e, du­ran­te o Ve­rão, in­di­ca bor­ri­far água na plan­ta pa­ra bai­xar a tem­pe­ra­tu­ra.

O pro­fis­si­o­nal do Or­qui­dá­rio Budny re­ve­la que, de mo­do ge­ral, o tra­to é fá­cil, po­rém, de­ve-se res­pei­tar sua exi­gên­cia em re­la­ção ao cli­ma, já que su­por­ta tem­pe­ra­tu­ras en­tre 5 e 35°C, mas pre­ci­sa de uma tem­po­ra­da com noi­tes fri­as (em tor­no de 10°C) pa­ra flo­res­cer bem. Es­ta é uma das ra­zões pa­ra que di­fi­cil­men­te emi­ta flo­res qu­an­do cul­ti­va­da nas re­giões Nor­te e Nor­des­te do Bra­sil.

Em con­tra­par­ti­da, pos­sui óti­mo de­sen­vol­vi­men­to em lu­ga­res fri­os, fi­can­do mais res­tri­ta aos es­ta­dos do Sul, São Pau­lo e par­tes de Mi­nas Ge­rais e Rio de Ja­nei­ro. “Há pou­cos anos fui con­vi­da­do pa­ra dar pa­les­tras so­bre a L. pur­pu­ra­ta na Ale­ma­nha, na ci­da­de de Bre­men, e na Suí­ça, em Zu­ri­que. Foi du­ran­te o mês de maio (Pri­ma­ve­ra na Eu­ro­pa) e fi­quei im­pres­si­o­na­do co­mo eles a cul­ti­va­vam bem. A flo­ra­ção es­ta­va lin­dís­si­ma”, ilus­tra Hüb­ner, ao di­zer que o in­te­res­se era tan­to que foi fun­da­do na Ale­ma­nha um clube com o no­me Pur­pu­ra­tei­ros.

Es­sen­ci­al pa­ra ga­ran­tir be­las flo­ra­das, a adu­ba­ção é uma das pe­ças-cha­ve no cul­ti­vo e ca­da es­pe­ci­a­lis­ta tem seu mé­to­do par­ti­cu­lar. O or­qui­dó­fi­lo de Por­to Ale­gre per­ce­beu que su­as plan­tas não es­ta­vam res­pon­den­do bem ao NPK 20-20-20 e es­tá fa­zen­do uma ex­pe­ri­ên­cia, por en­quan­to bem su­ce­di­da, com a mis­tu­ra de dois adu­bos fo­li­a­res NPK 13-45-13 e 6-12-36, na pro­por­ção de 50%, e apli­ca­do a ca­da 15 di­as. “Se a op­ção for pe­lo 20-2020, po­de-se usar um pro­du­to com al­to te­or de po­tás­sio (K) três me­ses an­tes da flo­ra­ção e ain­da tri­mes­tral­men­te re­a­li­zar adu­ba­ção or­gâ­ni­ca, com uma par­te de fa­ri­nha de os­so, qua­tro de tor­ta de ma­mo­na e uma de cin­za”, elu­ci­da.

Budny acon­se­lha pa­ra exem­pla­res pe­que­nos al­ter­nar fer­ti­li­zan­te pa­ra cres­ci­men­to (por exem­plo, NPK 30-10-10) e de ma­nu­ten­ção, co­mo NPK 20-20-20. Nos adul­tos, é me­lhor apos­tar no de ma­nu­ten­ção in­ter­ca­la­do ao de flo­ra­ção, co­mo NPK 10-30-10. Em am­bos os ca­sos fa­zen­do a apli­ca­ção quin­ze­nal. “Ex­pe­ri­men­tei vá­ri­os ti­pos de adu­bo e o me­lhor re­sul­ta­do até ago­ra foi com o bo­kashi, uti­li­zan­do meia co­lher (so­pa) a ca­da 60 di­as. Ele tem da­do cer­to le­van­do em con­ta que meu or­qui­dá­rio é co­ber­to com plás­ti­co e som­bri­te.”

Ou­tro fa­tor que pre­ci­sa ser con­si­de­ra­do é o subs­tra­to. Mas é vá­li­do es­tu­dar as ca­rac­te­rís­ti­cas do or­qui­dá­rio an­tes de es­co­lher o ma­te­ri­al e ti­po de va­so. “Os re­ci­pi­en­tes de ce­râ­mi­ca ab­sor­vem mais umi­da­de e se­cam mui­to rá­pi­do, en­tão, a orquí­dea ne­ces­si­ta ser ir­ri­ga­da com mais frequên­cia do que qu­an­do es­tá dis­pos­ta nos de plás­ti­co. Nos dois ca­sos é im­por­tan­te co­lo­car bri­ta no fun­do co­mo dre­no e o subs­tra­to po­de ser igual, co­mo cas­ca de pi­nus tra­ta­da mis­tu­ra­da com car­vão e mus­go”, diz Hüb­ner.

Há outras com­bi­na­ções de ma­te­ri­ais nas quais a L. pur­pu­ra­ta po­de ser plan­ta­da, por exem­plo, pe­dris­co com es­fag­no ou pe­dris­co com cas­ca de pi­nus e car­vão ve­ge­tal. “Co­mo meu or­qui­dá­rio tem co­ber­tu­ra im­per­meá­vel, uso va­so de plás­ti­co com qua­tro par­tes de sai­bro, qua­tro de cas­ca de pi­nus mé­dia e du­as de car­vão. Exis­te ain­da a pos­si­bi­li­da­de de fi­xá-la em tron­cos de ár­vo­re, imi­tan­do seu com­por­ta­men­to na na­tu­re­za”, com­ple­ta o es­pe­ci­a­lis­ta gaú­cho.

Em­bo­ra seu sis­te­ma ra­di­cu­lar se­ja ro­bus­to, o ex­ces­so de re­ga po­de cau­sar apo­dre­ci­men­to. Nes­te ca­so, ele dá uma di­ca im­por­tan­te. “Bas­ta plan­tá­la em um re­ci­pi­en­te ce­râ­mi­co com es­fag­no pu­ro, mas sem aper­tar, pois o pri­mor­di­al é man­ter a ae­ra­ção. Em dois me­ses, ela es­ta­rá re­cu­pe­ra­da.”

Mui­ta umi­da­de acar­re­ta tam­bém ou­tro pro­ble­ma: o apa­re­ci­men­to de pra­gas e do­en­ças. Co­cho­ni­lha, ca­ra­mu­jo, pul­gão, bro­ca do ri­zo­ma e ten­te­co­ris são os mais co­muns, sen­do ne­ces­sá­rio em­pre­gar in­se­ti­ci­das, de pre­fe­rên­cia, de bai­xa to­xi­ci­da­de ou na­tu­rais.

Es­ta con­di­ção po­de fa­vo­re­cer o ata­que de bac­té­ri­as que cau­sam an­trac­no­se e po­dri­dão-ne­gra, de­ven­do ser com­ba­ti­das com bac­te­ri­ci­das re­cei­ta­dos por um pro­fis­si­o­nal qua­li­fi­ca­do.

Sa­be-se que uma das pre­o­cu­pa­ções dos co­le­ci­o­na­do­res é o pe­río­do de dor­mên­cia, por­que a mai­o­ria das orquí­de­as não su­por­ta ser ma­nu­se­a­da du­ran­te es­ta fa­se. A L. pur­pu­ra­ta é uma ex­ce­ção, já que po­de ser cor­ta­da e re­plan­ta­da em qual­quer épo­ca do ano, evi­tan­do, é cla­ro, a de flo­ra­ção ou de emis­são de no­vos bro­tos.

O pro­pri­e­tá­rio do Or­qui­dá­rio Budny su­ge­re que o trans­plan­te se­ja re­a­li­za­do cer­ca de 30 di­as após a flo­ra­da. “Pa­ra is­so, é pre­ci­so de­sen­rai­zá­la do va­so, re­ti­rar as raí­zes ve­lhas e lim­par bem a plan­ta. Pa­ra aco­mo­dá-la no no­vo re­ci­pi­en­te, que de­ve con­ter fu­ros no fun­do pa­ra fa­ci­li­tar a dre­na­gem da água, é ne­ces­sá­rio en­cos­tar a par­te tra­sei­ra do ri­zo­ma na pa­re­de do va­so, dei­xan­do a di­an­tei­ra com es­pa­ço li­vre. De­pois, bas­ta pre­en­cher com o subs­tra­to”, en­si­na.

Su­ces­so

Com tan­tos pre­di­ca­dos, não é sur­pre­sa que a L. pur­pu­ra­ta se­ja bas­tan­te co­bi­ça­da em hi­bri­da­ções e me­lho­ra­men­tos. Hüb­ner es­cla­re­ce que seu ma­ne­jo em la­bo­ra­tó­rio te­ve iní­cio na dé­ca­da de 1970, com a in­ten­ção de ob­ter flo­res bem for­ma­das e co­lo­ri­dos acen­tu­a­dos. Al­guns clo­nes fa­mo­sos são L. pur­pu­ra­ta stri­a­ta ‘Mi­li­o­na­ria’, L. pur­pu­ra­ta ro­xo-vi­o­le­ta ‘Cren­te’, L. pur­pu­ra­ta ocu­la­ta ‘Pedreira’ e L. pur­pu­ra­ta jo­sephi­nae ‘Knoll’.

O es­pe­ci­a­lis­ta fi­na­li­za fa­zen­do men­ção ao co­men­tá­rio de Ot­to Ge­org, um pur­pu­ra­tei­ro do Rio Gran­de do Sul: “Es­ta es­pé­cie te­ve du­as gran­des fa­ses. A pri­mei­ra, nos pri­mór­di­os, qu­an­do foi des­co­ber­ta; e a se­gun­da, com o sur­gi­men­to de uma plan­ta ex­tra­or­di­ná­ria co­nhe­ci­da co­mo ‘Mi­li­o­na­ria’”. Den­tre seus prin­ci­pais atri­bu­tos, es­tão o co­lo­ri­do, as es­tri­as, as pé­ta­las re­don­das e uma pe­que­na ca­rac­te­rís­ti­ca de te­tra­ploi­de. Usa­da co­mo ma­triz, deu ori­gem a uma gran­de quan­ti­da­de de flo­res bem for­ma­das e su­as ‘fi­lhas’ con­ti­nu­a­ram evo­luin­do, tor­nan­do-se ca­da vez me­lho­res.

 ??  ?? L. pur­pu­ra­ta x L. pur­pu­ra­ta stri­a­ta ‘Mi­li­o­na­ria’
L. pur­pu­ra­ta x L. pur­pu­ra­ta stri­a­ta ‘Mi­li­o­na­ria’
 ??  ?? L. pur­pu­ra­ta ro­xo-bis­po
L. pur­pu­ra­ta ve­no­sa
L. pur­pu­ra­ta ro­xo-bis­po L. pur­pu­ra­ta ve­no­sa
 ??  ??
 ??  ?? O co­lo­ri­do di­fe­ren­ci­a­do das flo­res é um dos mai­o­res atra­ti­vos da L. pur­pu­ra­ta, sen­do que al­gu­mas va­ri­e­da­des são res­tri­tas ape­nas a es­ta es­pé­cie
L. pur­pu­ra­ta ca­nhan­du­ba
O co­lo­ri­do di­fe­ren­ci­a­do das flo­res é um dos mai­o­res atra­ti­vos da L. pur­pu­ra­ta, sen­do que al­gu­mas va­ri­e­da­des são res­tri­tas ape­nas a es­ta es­pé­cie L. pur­pu­ra­ta ca­nhan­du­ba
 ??  ??
 ??  ?? Co­mo a L. pur­pu­ra­ta ve­ge­ta em ma­tas com al­ta umi­da­de do ar, ven­ti­la­das e bem ilu­mi­na­das, é pre­ci­so ga­ran­tir as mes­mas con­di­ções no or­qui­dá­rio
L. pur­pu­ra­ta fla­mea
Co­mo a L. pur­pu­ra­ta ve­ge­ta em ma­tas com al­ta umi­da­de do ar, ven­ti­la­das e bem ilu­mi­na­das, é pre­ci­so ga­ran­tir as mes­mas con­di­ções no or­qui­dá­rio L. pur­pu­ra­ta fla­mea
 ??  ?? L. pur­pu­ra­ta stri­a­ta
L. pur­pu­ra­ta stri­a­ta
 ??  ?? L. pur­pu­ra­ta fla­mea ma­gen­ta
L. pur­pu­ra­ta fla­mea ma­gen­ta
 ??  ?? L. pur­pu­ra­ta fla­mea
L. pur­pu­ra­ta fla­mea

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil