Como Cultivar Orquídeas Especial

Be­le­zas com­bi­na­das

- Tex­to Pau­la An­dra­de Botany · Ecology · Gardening · Biology · Hobbies · Porto Alegre · Porto · Futebol Clube do Porto · Como · Carl Linnaeus · Santa Catarina · Rio Grande

La­e­lia E Cat­tleya. Su­as flo­res gran­des e co­lo­ri­das fa­zem des­tes dois gê­ne­ros os mais po­pu­la­res da fa­mí­lia Or­chi­da­ce­ae. Jun­tos, eles so­mam mais de cem es­pé­ci­es que en­can­tam uma le­gião de or­qui­dó­fi­los. No en­tan­to, não são ape­nas as plan­tas pu­ras que con­tam com ad­mi­ra­do­res. Oriun­das de cru­za­men­tos na­tu­rais ou cri­a­dos em la­bo­ra­tó­rio, as La­e­li­o­cat­tleya fa­zem su­ces­so en­tre os mais di­ver­sos pú­bli­cos.

Por pos­suí­rem fá­cil ca­pa­ci­da­de de hi­bri­da­ção e abar­ca­rem um gran­de nú­me­ro de va­ri­e­da­des, os cru­za­men­tos en­tre os dois gru­pos che­gam aos mi­lha­res, re­sul­tan­do em plan­tas com as­pec­tos bem di­fe­ren­tes en­tre si. “Por is­so, não exis­tem ca­rac­te­rís­ti­cas mor­fo­ló­gi­cas pró­pri­as. Es­tes hí­bri­dos po­dem reu­nir tra­ços das mais de 50 es­pé­ci­es de Cat­tleya e 60 de La­e­lia”, des­ta­ca Sér­gio Iná­cio En­glert, en­ge­nhei­ro agrô­no­mo e pro­pri­e­tá­rio da Ric­sel Orquí­de­as e Bro­mé­li­as, de Por­to Ale­gre, RS.

A for­ma de su­as flo­res e sua fra­grân­cia va­ri­am de acor­do com as ma­tri­zes. Ape­sar dis­so, se­gun­do Ro­ge­rio Dui­lio Ge­na­ri, bió­lo­go e pro­pri­e­tá­rio da RF Orquí­de­as, de Cam­po Lar­go, PR, as La­e­li­o­cat­tleya têm em co­mum a pre­co­ci­da­de e a flo­ra­ção abun­dan­te. “Tra­ta-se de plan­tas epí­fi­tas, bi­fo­li­a­das ou mo­no­fo­li­a­das e sim­po­di­ais (com cres­ci­men­to la­te­ral, for­man­do tou­cei­ras). As flo­res du­ram em mé­dia 15 di­as e po­dem ou não ser per­fu­ma­das. Afi­nal, nos cru­za­men­tos fo­ram pri­vi­le­gi­a­dos seu for­ma­to e sua co­lo­ra­ção. O aro­ma foi uma ca­rac­te­rís­ti­ca se­cun­dá­ria no pro­ces­so de me­lho­ra­men­to”, com­ple­ta.

O nú­me­ro de uni­da­des por has­te flo­ral tam­bém mu­da, mas, ge­ral­men­te, as La­e­li­o­cat­tleya apre­sen­tam du­as ou três, sen­do que aque­las com me­nor di­â­me­tro apa­re­cem mais, che­gan­do a dez. “Tu­do de­pen­de das plan­tas ori­gi­ná­ri­as. Se for, por exem­plo, uma Cat­tleya bi­fo­li­a­da, co­mo a C. amethys­to­glos­sa ou a C. gut­ta­ta, seus des­cen­den­tes se­rão me­no­res e com nu­me­ro­sas flo­res, com per­fu­me ca­rac­te­rís­ti­co de uma de­las”, ex­pli­ca Hum­ber­to Epipha­nio, pro­pri­e­tá­rio do Or­qui­dá­rio Epipha­nio, de Rio Cla­ro, in­te­ri­or pau­lis­ta.

Não exis­te uma épo­ca de­fi­ni­da pa­ra a flo­ra­ção des­tes hí­bri­dos. “Is­to é uma in­cóg­ni­ta, já que po­dem flo­rir acom­pa­nhan­do qual­quer um dos 'pais' ou ain­da em datas di­fe­ren­tes mes­mo se tra­tan­do de cru­za­men­tos idên­ti­cos. En­tão, quan­do se de­se­ja que flo­res­çam em de­zem­bro, de­ve-se hi­bri­dar uma La­e­lia e uma Cat­tleya cu­jas flo­ra­ções acon­te­çam nes­te pe­río­do do ano”, in­for­ma o es­pe­ci­a­lis­ta de Rio Cla­ro. Co­mo exis­te um gran­de in­te­res­se co­mer­ci­al, su­as in­flo­res­cên­ci­as são vis­tas mais fa­cil­men­te nas pro­xi­mi­da­des de datas co­me­mo­ra­ti­vas, co­mo Dia das Mães, quan­do há mai­or pro­cu­ra.

De acor­do com Ge­na­ri, den­tre as va­ri­e­da­des mais co­bi­ça­das atu­al­men­te es­tão as com flo­res graú­das e exu­be­ran­tes com co­lo­ra­ção ver­me­lha ou ama­re­la co­mo a Lc. Tro­pi­cal Poin­ter. No en­tan­to, além dos hí­bri­dos pro­du­zi­dos em la­bo­ra­tó­rio, há tam­bém os na­tu­rais que acon­te­cem es­pon­ta­ne­a­men­te nas ma­tas, sen­do a Lc. ele­gans uma das mais apre­ci­a­das. Cru­za­men­to en­tre a L. pur­pu­ra­ta ea C. ti­gri­na,é mui­to en­con­tra­da no li­to­ral de Santa Catarina e Rio Gran­de do Sul.

Cul­ti­vo

En­glert afir­ma que su­as con­di­ções de cul­ti­vo são pra­ti­ca­men­te as mes­mas exi­gi­das pe­las La­e­lia e Cat­tleya. “De­ve-se for­ne­cer lu­mi­no­si­da­de en­tre 50 e 70%, boa ven­ti­la­ção e alta umi­da­de re­la­ti­va do ar. As plan­tas só te­rão pro­ble­mas se re­ce­be­rem pou­ca luz, fo­rem man­ti­das com ex­ces­so de umi­da­de ou per­ma­ne­ce­rem em lo­cais mui­to quen­tes ou fri­os.” Pa­ra ter cer­te­za de que a lu­mi­no­si­da­de es­tá cor­re­ta, é im­por­tan­te ob­ser­var as fo­lhas. Ca­so apre­sen­tem co­lo­ra­ção ver­de-es­cu­ra, há fal­ta de luz e se es­ti­ve­rem mui­to cla­ras, é si­nal de ex­ces­so.

Ain­da de acor­do com ele, o subs­tra­to ide­al é a mis­tu­ra de cas­ca de pi­nus tra­ta­do e car­vão pe­nei­ra­do com di­â­me­tro de até 2 cm. O bió­lo­go e pro­pri­e­tá­rio da RF Orquí­de­as in­di­ca o acrés­ci­mo de fi­bra de co­co. “Uti­li­zar xa­xim e es­fag­no é um er­ro, pois são re­ti­ra­dos de for­ma ex­tra­ti­vis­ta de áre­as com gran­de im­por­tân­cia am­bi­en­tal. Já os três ele­men­tos da mis­tu­ra re­co­men­da­da são pro­ve­ni­en­tes da agri­cul­tu­ra. Des­sa for­ma, não há im­pac­to so­bre a na­tu­re­za.”

Em re­la­ção à ir­ri­ga­ção, Ge­na­ri es­cla­re­ce que va­ria con­for­me o subs­tra­to. “Qu­an­to mais po­ro­so, mais se­co ele fi­ca e, por­tan­to, as re­gas de­vem ser fei­tas com mai­or frequên­cia. Ge­ral­men­te, é su­fi­ci­en­te o for­ne­ci­men­to de água uma vez na se­ma­na. Ape­nas no Ve­rão é in­di­ca­do mo­lhar du­as ve­zes.” Quan­do não há fi­bra de co­co, En­glert acon­se­lha re­ga diá­ria sem­pre que a tem­pe­ra­tu­ra es­ti­ver aci­ma de 15ºC.

Pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to sau­dá­vel e a flo­ra­ção abun­dan­te, a adu­ba­ção é in­dis­pen­sá­vel. A me­lhor op­ção é o adu­bo ba­lan­ce­a­do e com ma­cro­nu­tri­en­tes (NPK), que de­ve ser apli­ca­do de acor­do com o por­te e a ida­de das plan­tas. “Pa­ra cres­ce­rem, as mu­das de­vem re­ce­ber NPK na pro­por­ção 30-10-10. Quan­do adul­tas, 18-18-18 e pa­ra in­du­ção do sur­gi­men­to de flo­res, 10-30-20. Po­de-se usar sem­pre a quan­ti­da­de de 1 g/l de água, nor­mal­men­te a ca­da 15 di­as. O adu­bo or­gâ­ni­co não é re­co­men­da­do, pois de­gra­da o subs­tra­to ra­pi­da­men­te e não tem cons­tân­cia na sua fór­mu­la”, re­la­ta o es­pe­ci­a­lis­ta de Cam­po Lar­go.

Qu­an­to ao re­plan­te dos exem­pla­res, de­ve ser fei­to após a flo­ra­ção, quan­do as raí­zes es­ti­ve­rem cres­cen­do pa­ra fo­ra dos va­sos, for­man­do as­sim no­vos bro­tos.

Sem pro­ble­mas

A co­cho­ni­lha e a po­dri­dão-ne­gra são as mai­o­res ini­mi­gas das La­e­li­o­cat­tleya. “A pri­mei­ra é uma pra­ga que su­ga a sei­va das plan­tas e po­de in­fes­tar o or­qui­dá­rio. Já a se­gun­da é uma do­en­ça fún­gi­ca cau­sa­da pe­lo ex­ces­so de umi­da­de, tan­to no subs­tra­to co­mo no am­bi­en­te”, en­fa­ti­za o bió­lo­go e pro­pri­e­tá­rio da RF Orquí­de­as.

Pa­ra evi­tar que a saú­de das orquí­de­as se­ja afe­ta­da por es­tas e ou­tras mo­lés­ti­as, co­mo ten­te­co­ris bi­co­lor, áca­ros, tri­pes, be­sou­ros, ves­pas, les­mas e ca­ra­mu­jos, a lim­pe­za do es­pa­ço de cul­ti­vo é fun­da­men­tal.

“De­ve-se ins­pe­ci­o­nar di­a­ri­a­men­te os exem­pla­res pa­ra iden­ti­fi­car lo­go no iní­cio qual­quer in­fes­ta­ção. Se hou­ver ata­que de co­cho­ni­lhas, lim­pe as plan­tas com sa­bão neu­tro usan­do uma es­co­va de den­tes ma­cia. No ca­so de fun­gos, em­pre­gue fun­gi­ci­das en­con­tra­dos fa­cil­men­te no co­mér­cio. Mas o ide­al é sem­pre con­tar com a su­per­vi­são de um profission­al ha­bi­li­ta­do”, acon­se­lha Epipha­nio.

Os três es­pe­ci­a­lis­tas des­ta­cam que pa­ra ga­ran­tir o bom de­sen­vol­vi­men­to das La­e­li­o­cat­tleya os cui­da­dos de­vem ser fei­tos de for­ma con­tí­nua e não ape­nas em uma de­ter­mi­na­da épo­ca do ano.

 ??  ?? Lc. Re­mo Pra­da
Lc. Re­mo Pra­da
 ??  ??
 ??  ?? Small Hills
Por apre­sen­ta­rem fá­cil ca­pa­ci­da­de de hi­bri­da­ção, são fei­tos mi­lha­res de cru­za­men­tos en­tre La­e­lia e Cat­tleya, que, em ge­ral, re­sul­tam em plan­tas com ca­rac­te­rís­ti­cas bas­tan­te di­fe­ren­tes
Small Hills Por apre­sen­ta­rem fá­cil ca­pa­ci­da­de de hi­bri­da­ção, são fei­tos mi­lha­res de cru­za­men­tos en­tre La­e­lia e Cat­tleya, que, em ge­ral, re­sul­tam em plan­tas com ca­rac­te­rís­ti­cas bas­tan­te di­fe­ren­tes
 ??  ?? Ne­tra­si­ri Waxy ʻJai­rugʼ
Ne­tra­si­ri Waxy ʻJai­rugʼ
 ??  ?? No­bi­leʼs Con­fet­ti ʻLit­tle Starʼ
No­bi­leʼs Blue Star ʻS­tri­pesʼ
No­bi­leʼs Con­fet­ti ʻLit­tle Starʼ No­bi­leʼs Blue Star ʻS­tri­pesʼ
 ??  ?? Prism Pa­let­te ʻRain­bowʼ
Prism Pa­let­te ʻRain­bowʼ
 ??  ??
 ??  ?? A adu­ba­ção é fun­da­men­tal pa­ra o cres­ci­men­to sau­dá­vel e a flo­ra­ção abun­dan­te. No en­tan­to, ela de­ve ser fei­ta de acor­do com as ca­rac­te­rís­ti­cas de ca­da plan­ta, co­mo por­te e ida­de
Fi­re Dan­ce ʻB­lan­cheʼ
A adu­ba­ção é fun­da­men­tal pa­ra o cres­ci­men­to sau­dá­vel e a flo­ra­ção abun­dan­te. No en­tan­to, ela de­ve ser fei­ta de acor­do com as ca­rac­te­rís­ti­cas de ca­da plan­ta, co­mo por­te e ida­de Fi­re Dan­ce ʻB­lan­cheʼ
 ??  ?? Haw Yu­an An­gel ʻS­now Pinkʼ
Haw Yu­an An­gel ʻS­now Pinkʼ

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil