Como Cultivar Orquídeas Especial

De­se­nhos inu­si­ta­dos e co­res vi­bran­tes

- Tex­to Si­mo­ne Ki­ku­chi Edi­ção Renata Pu­ti­nat­ti Ecology · Gardening · Hobbies · Americas · Southern Brazil · Brazil · Peru · Colombia · Ecuador · Venezuela · Santa Catarina · Brasilia · Spain · Atlantic Forest · Como · Vale · Andes

AS ORQUÍ­DE­AS DO GÊ­NE­RO Mas­de­val­lia são na­ti­vas das Amé­ri­cas Central e do Sul, in­clu­si­ve do Bra­sil, mas a mai­o­ria ocor­re nos An­des, em paí­ses co­mo Pe­ru, Colôm­bia, Equa­dor e Ve­ne­zu­e­la.

O gru­po abran­ge cer­ca de 500 es­pé­ci­es, que se des­ta­cam de­vi­do ao for­ma­to e às co­res das flo­res. “Sua prin­ci­pal ca­rac­te­rís­ti­ca é a for­ma tri­an­gu­lar, de­cor­ren­te da fu­são das sé­pa­las, que com­põem a par­te mais vis­to­sa”, ex­pli­ca Ri­car­do Sca­ran­te Lo­pes, de Blu­me­nau, SC.

São plan­tas de cli­ma mais frio, de por­te pe­que­no ou mé­dio e ge­ral­men­te epí­fi­tas. Na na­tu­re­za, ve­ge­tam em ga­lhos fi­nos de ár­vo­res co­ber­tos por mus­gos, mas há as ru­pí­co­las e tam­bém as que cres­cem so­bre ser­ra­pi­lhei­ra (amon­to­a­do de de­tri­tos ve­ge­tais no so­lo das flo­res­tas). “Sua mai­or con­cen­tra­ção ocor­re en­tre a Ve­ne­zu­e­la e o Pe­ru, sem­pre ha­bi­tan­do ma­tas em re­giões mon­ta­nho­sas. Pou­cas es­tão clas­si­fi­ca­das co­mo bra­si­lei­ras, sen­do en­con­tra­das na Flo­res­ta Amazô­ni­ca e nas ser­ras do Su­des­te”, afir­ma o or­qui­dó­fi­lo Adil­son Kli­er Pé­res Jú­ni­or, de Brasília, DF.

A pri­mei­ra es­pé­cie foi des­cri­ta pe­lo bo­tâ­ni­co espanhol Ruiz y Pa­vón, em 1794, re­ce­ben­do o no­me de Masd. uni­flo­ra em ho­me­na­gem a Jo­se Mas­de­val, ci­en­tis­ta da cor­te da Es­pa­nha do sé­cu­lo 18.

Se­gun­do o or­qui­dó­fi­lo Mau­ro Peixoto, de Mo­gi das Cru­zes, SP, a mais cul­ti­va­da no Bra­sil é a Masd. in­frac­ta, na­ti­va da Ma­ta Atlân­ti­ca. “Fo­ra do País, as an­di­nas, co­mo Masd. coc­ci­nea e Masd. veit­chi­a­na, fa­zem su­ces­so de­vi­do ao por­te mai­or e ao co­lo­ri­do in­ten­so de su­as flo­res”, re­la­ta.

Há ain­da outras es­pé­ci­es bas­tan­te co­nhe­ci­das, den­tre elas, Masd. cau­da­ta, Masd. ig­nea, Masd. tri­an­gu­la­ris, Masd. ca­e­sia, Masd. aya­ba­ca­na, Masd. co­los­sus, Masd. ma­no­loi e Masd. to­va­ren­sis.

De acor­do com Peixoto, as plan­tas do gê­ne­ro são bas­tan­te usa­das em cru­za­men­tos. “Os in­te­res­pe­cí­fi­cos de Mas­de­val­lia sem­pre têm o in­tui­to de apro­vei­tar as co­res bri­lhan­tes e os de­ta­lhes su­tis de pin­tas e es­tri­as. In­ter­ge­ne­ri­ca­men­te, são co­mu­men­te cru­za­das com Dra­cu­la, dan­do ori­gem ao Dra­cu­val­lia.”

Sca­ran­te con­ta que, em­bo­ra no Bra­sil os cru­za­men­tos en­tre Mas­de­val­lia se­jam pou­co ex­plo­ra­dos em fun­ção da di­fi­cul­da­de de adap­ta­ção ao cli­ma quen­te, os hí­bri­dos pos­su­em cul­ti­vo mais sim­ples, prin­ci­pal­men­te qu­an­do es­pé­ci­es de re­giões de tem­pe­ra­tu­ras ele­va­das in­te­gram a ge­ne­a­lo­gia, co­mo a Masd. in­frac­ta.

For­mas di­fe­ren­ci­a­das

Co­mo ca­rac­te­rís­ti­ca do gê­ne­ro, Pé­res Jú­ni­or des­ta­ca o ri­zo­ma ras­te­jan­te, de on­de sur­ge um ra­mi­cau­le cur­to, que dá ori­gem a uma fo­lha es­trei­ta e co­riá­cea de ta­ma­nho va­riá­vel. “A in­flo­res­cên­cia ge­ral­men­te é ere­ta ou se­mi­pen­du­lar. Al­gu­mas es­pé­ci­es as apre­sen­tam pen­den­tes, por exem­plo, Masd. ca­e­sia.”

Elas apa­re­cem na Pri­ma­ve­ra e no Ve­rão e sur­gem so­li­tá­ri­as em ca­da uma das di­ver­sas has­tes. O di­â­me­tro das flo­res fi­ca en­tre 2 e 4 cm, no en­tan­to, há va­ri­e­da­des que po­dem atin­gir até 8 cm.

O es­pe­ci­a­lis­ta de Brasília ex­pli­ca que pos­su­em sé­pa­las fun­di­das (co­na­das), com­pon­do um tu­bo que en­vol­ve as pé­ta­las e o la­be­lo e se abre, ori­gi­nan­do uma es­tru­tu­ra de for­ma­to tri­an­gu­lar se­me­lhan­te a um co­po. “As pon­tas das sé­pa­las se con­tra­em for­man­do cau­das que po­dem ser bem lon­gas, che­gan­do a 20 cm de com­pri­men­to. As pé­ta­las são pe­que­nas e gros­sas e têm o de­se­nho de um ca­lo na mar­gem in­fe­ri­or. Já o la­be­lo, além de pe­que­no e sim­ples, con­ta com for­ma de lín­gua e se pren­de à por­ção in­fe­ri­or da co­lu­na, sen­do que em al­guns ca­sos po­de apre­sen­tar ru­go­si­da­des.”

As flo­res sur­gem em di­ver­sas va­ri­e­da­des: con­co­lo­res, es­tri­a­das e com ve­na­ções e man­chas. Outras ca­rac­te­rís­ti­cas in­te­res­san­tes são que du­ram cer­ca de um mês e co­mu­men­te nas­cem em su­ces­são, ga­ran­tin­do flo­ra­das con­tí­nu­as du­ran­te me­ses.

Umi­da­de e mui­ta ven­ti­la­ção

Cultivar Mas­de­val­lia não é fá­cil. São plan­tas sen­sí­veis, que apre­sen­tam bom de­sen­vol­vi­men­to em am­bi­en­tes som­bre­a­dos, com al­ta umi­da­de re­la­ti­va do ar, ex­ce­len­te ven­ti­la­ção e tem­pe­ra­tu­ra ame­na. “Man­te­nho meus exem­pla­res no lo­cal mais fres­co e ven­ti­la­do do or­qui­dá­rio, com bas­tan­te umi­da­de e som­bre­a­men­to de cer­ca de 80%”, con­ta Sca­ran­te.

Se­gun­do Pé­res Jú­ni­or, no Bra­sil, seu de­sen­vol­vi­men­to po­de ser di­fí­cil em áre­as li­to­râ­ne­as ou nas re­giões Nor­te, Nor­des­te e Cen­tro-Oes­te, on­de pre­va­le­cem mé­di­as ele­va­das de tem­pe­ra­tu­ra du­ran­te o ano to­do. ”So­ma­do a is­so, exis­te o pe­río­do se­co du­ran­te o In­ver­no. Os co­le­ci­o­na­do­res des­ses lu­ga­res que qui­se­rem ar­ris­car de­ve­rão ins­ta­lar equi­pa­men­tos co­mo umi­di­fi­ca­dor, ven­ti­la­dor e ter­mos­ta­to.”

Por não pos­suir pseu­do­bul­bos pa­ra o ar­ma­ze­na­men­to de água e ali­men­to, a ma­nu­ten­ção cons­tan­te da umi­da­de é vi­tal. O ide­al é cul­ti­vá­las em va­sos pe­que­nos e dei­xar o subs­tra­to sem­pre úmi­do, sem se­car en­tre uma re­ga e ou­tra, po­rém, nun­ca en­char­can­do. “Mais im­por­tan­te do que a ir­ri­ga­ção é con­ser­var o lu­gar úmi­do e com umi­da­de cir­cu­lan­do jun­to com o ar”, acon­se­lha o es­pe­ci­a­lis­ta de Brasília.

Tam­bém são exi­gen­tes qu­an­to à qua­li­da­de da água, que de­ve ter pH le­ve­men­te áci­do (de 5 a 6) e pou­cos sais mi­ne­rais dis­sol­vi­dos, as­sim co­mo a água mi­ne­ral, da chu­va ou des­ti­la­da. Se o lí­qui­do não for ade­qua­do as su­as ne­ces­si­da­des, ma­ta­rá as raí­zes ra­pi­da­men­te.

“Co­mo a mai­o­ria das Mas­de­val­lia ve­ge­ta en­tre 1.500 e 3 mil m de al­ti­tu­de, não cos­tu­mam su­por­tar tem­pe­ra­tu­ras aci­ma de 25°C por mui­to tem­po, prin­ci­pal­men­te se a ven­ti­la­ção for in­su­fi­ci­en­te”, aler­ta Peixoto.

Em­bo­ra es­tas plan­tas re­quei­ram cli­ma ame­no, al­gu­mas to­le­ram con­di­ções in­ter­me­diá­ri­as e outras ne­ces­si­tam de noi­tes mui­to fri­as. En­tão, pa­ra um bom de­sen­vol­vi­men­to, re­co­men­da-se que à noi­te se­jam pro­por­ci­o­na­das tem­pe­ra­tu­ras en­tre 12 e 15,5°C e, du­ran­te o res­tan­te do dia, em tor­no de 25°C.

Com re­la­ção ao subs­tra­to, o or­qui­dó­fi­lo de Mo­gi das Cru­zes ex­pli­ca que cos­tu­ma usar mus­go mis­tu­ra­do à fi­bra de co­co ou co­ne de pi­nus pi­ca­do, na pro­por­ção de um pa­ra um. “São ma­te­ri­ais com pH le­ve­men­te áci­do. Areia de quart­zo tam­bém po­de ser uti­li­za­da, mas por ter pH neu­tro, de­ve-se pro­vi­den­ci­ar a aci­dez ne­ces­sá­ria por meio da re­ga”, co­men­ta.

Va­le lem­brar que o subs­tra­to não po­de ser com­pac­ta­do pa­ra ga­ran­tir a ae­ra­ção, pois as raí­zes des­tas orquí­de­as são de­li­ca­das e têm di­fi­cul­da­de de pe­ne­tra­ção.

Uma di­ca dos es­pe­ci­a­lis­tas é cultivar as es­pé­ci­es de flo­res pen­den­tes ou se­mi­pen­den­tes em va­sos com fu­ros nas la­te­rais su­pe­ri­o­res pa­ra que man­te­nham a que­da.

Peixoto res­sal­ta que uma das con­di­ções mais im­por­tan­tes é o re­plan­tio anu­al das re­pre­sen­tan­tes des­te gê­ne­ro. Ain­da é pre­ci­so aten­ção com a adu­ba­ção, a qual ele acon­se­lha o uso quin­ze­nal de NPK nas pro­por­ções 10-10-10 ou 20-20-20 di­luí­do pe­la me­ta­de da con­cen­tra­ção in­di­ca­da pe­lo fa­bri­can­te.

Sca­ran­te re­co­men­da cau­te­la com a adu­ba­ção or­gâ­ni­ca, pois são bas­tan­te sen­sí­veis, por is­so, su­ge­re ape­nas a quí­mi­ca. Ele fi­na­li­za di­zen­do que o con­tro­le de pra­gas de­ve ser igual­men­te cui­da­do­so, pois as Mas­de­val­lia não to­le­ram óle­os mi­ne­ral e ve­ge­tal, ge­ral­men­te em­pre­ga­dos co­mo re­pe­len­tes e in­se­ti­ci­das.

 ??  ?? Masd. fo­e­tens
Masd. fo­e­tens
 ??  ?? Masd. glan­du­lo­sa
Masd. glan­du­lo­sa
 ??  ??
 ??  ?? Masd. An­gel Frost
Masd. An­gel Frost
 ??  ?? Masd. pu­mi­la
Masd. pu­mi­la
 ??  ?? Masd. Oran­ge De­light
Masd. Oran­ge De­light
 ??  ?? Masd. dis­coi­dea
Masd. dis­coi­dea
 ??  ??
 ??  ??
 ??  ?? Masd. flo­ri­bun­da
Masd. flo­ri­bun­da
 ??  ?? Masd. frac­ti­fle­xa
Masd. frac­ti­fle­xa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil