Como Cultivar Orquídeas Especial

Pai­xão de co­le­ci­o­na­dor

- Tex­to Eri­ka Na­kaha­ta Edi­ção Renata Pu­ti­nat­ti Animals · Ecology · Wildlife · Rio de Janeiro · Rio de Janeiro · Americas · Colombia · Ecuador · Venezuela · Peru · Brazil · South America · United States of America · Ronaldo · Sao Paulo · Como · Mary J. Blige

FA­LAR SO­BRE On­ci­dium é re­me­ter ime­di­a­ta­men­te a orquí­de­as pe­que­nas, de­li­ca­das e per­fu­ma­das, de ama­re­lo in­ten­so. E não é pa­ra me­nos: o gê­ne­ro – de­fi­ni­do pe­lo bo­tâ­ni­co su­e­co Olof Swartz em 1800 – in­clui, em sua mai­or par­te, plan­tas cu­jas flo­res pos­su­em mes­mo es­tas ca­rac­te­rís­ti­cas.

Ain­da as­sim, há va­ri­e­da­des ró­se­as, bran­cas e cas­ta­nhas, ca­da uma com sua pró­pria be­le­za. Ba­si­ca­men­te, são epí­fi­tas, em­bo­ra al­gu­mas se­jam ter­res­tres. Em re­la­ção ao pseu­do­bul­bo, tam­bém es­tá pre­sen­te na mai­o­ria, mas não em to­das elas.

De seu no­me, o na­tu­ra­lis­ta e es­tu­di­o­so das or­qui­dá­ce­as Ro­ber­to A. Kautsky, de Do­min­gos Mar­tins, ES, em seu li­vro A Be­le­za Exó­ti­ca das Orquí­de­as e Bro­mé­li­as, ci­ta: “sig­ni­fi­ca ‘sa­li­ên­cia’, ‘bo­jo’ ou ‘pro­tu­be­rân­cia’, nu­ma re­fe­rên­cia ao ca­lo do la­be­lo”.

Se­gun­do Car­los Edu­ar­do de Brit­to Pe­rei­ra, or­qui­dó­fi­lo, do Rio de Ja­nei­ro, RJ, tra­ta-se de um gê­ne­ro das Amé­ri­cas, exis­tin­do mais de cem es­pé­ci­es bra­si­lei­ras. Es­tu­dos apon­tam Colôm­bia, Equa­dor, Ve­ne­zu­e­la, Pe­ru e Bra­sil co­mo os paí­ses com mai­or di­ver­si­da­de. Qu­an­to ao to­tal, os nú­me­ros di­ver­gem de 330 a mais de mil, dis­tri­buí­das prin­ci­pal­men­te na Amé­ri­ca do Sul, mas tam­bém en­con­tra­das nas Amé­ri­cas Central e An­di­na e em al­gu­mas re­giões dos Es­ta­dos Uni­dos.

Tais di­ver­gên­ci­as de­ri­vam de pes­qui­sas re­cen­tes com ba­se em es­tu­dos ge­né­ti­cos. “Es­tão re­clas­si­fi­can­do e di­vi­din­do os gru­pos, sub­gru­pos e sub­gê­ne­ros. Is­so ain­da é mui­to atu­al”, ex­pli­ca Ro­nal­do Sa­bi­no, pro­pri­e­tá­rio do Or­qui­dá­rio Imi­rim, de São Pau­lo, SP. Co­mo exem­plo, ele ci­ta o Onc. lan­ce­a­num, cu­ja de­no­mi­na­ção se tor­nou Lophi­a­ris lan­ce­a­na; e Onc. fus­ca­tum, ago­ra Cha­ma­e­le­or­chis wars­cewic­zii; além de Onc. sar­co­des que pas­sou a ser Bap­tis­to­nia sar­co­des.

As inú­me­ras es­pé­ci­es pro­vêm de di­ver­sos ecos­sis­te­mas. A gran­de mai­o­ria é de cli­ma frio ou de cam­pos de al­ti­tu­de, co­mo apon­ta Pe­rei­ra. Ele diz que pou­cas ocor­rem em re­giões se­cas, co­mo no Cer­ra­do e no Nor­des­te, mas que não se­ria im­pos­sí­vel en­con­trar exem­pla­res à bei­ra de um rio e em outras áre­as de al­ta umi­da­de. “Al­gu­mas re­que­rem mais água, en­quan­to outras, me­nos”, co­men­ta.

Fa­ma

Am­pla­men­te co­nhe­ci­das, as es­pé­ci­es mais co­muns po­dem ser en­con­tra­das nas flo­ri­cul­tu­ras. São a Onc. va­ri­co­sum, po­pu­lar­men­te cha­ma­da de chu­va-de-ou­ro, e a Onc. fle­xu­o­sum, o pin­go-de-ou­ro. “As flo­res da pri­mei­ra são mai­o­res que as da se­gun­da, mas am­bas são mui­to du­rá­veis e de­co­ra­ti­vas, apre­sen­tan­do tom in­ten­so de ama­re­lo”, de­ta­lha Sa­bi­no.

Con­tu­do, qu­an­do exe­cu­ta­das hi­bri­da­ções, po­dem ser ob­ti­das flo­res mai­o­res e mais vis­to­sas, além de ser pos­sí­vel pro­mo­ver a fa­ci­li­da­de no cul­ti­vo e até mes­mo a re­du­ção do tem­po de de­sen­vol­vi­men­to das plan­tas. “Te­mos o Onc. Aloha Iwa­na­ga e o Onc. Swe­et Su­gar, com flo­res gran­des e de boa du­ra­bi­li­da­de. Mas o car­ro-che­fe, sem dú­vi­da, é a fa­mo­sa Cho­co­la­te ou Onc. Shar­ry Baby, que pos­sui um in­con­fun­dí­vel per­fu­me de cho­co­la­te”, re­ve­la o pro­pri­e­tá­rio do Or­qui­dá­rio Imi­rim.

De acor­do com Pe­rei­ra, as hi­bri­da­ções cos­tu­mam ser fei­tas com es­pé­ci­es mais pró­xi­mas dos gê­ne­ros Mil­to­nia, Ro­dri­gue­zia e Odon­to­glos­sum.

Em re­la­ção à quan­ti­da­de, boa par­te con­ta com 30 a 50 flo­res. No en­tan­to, exis­tem as que che­gam a ofe­re­cer mais de cem, por exem­plo, o Onc. pu­mi­lum e o Onc. pul­vi­na­tum. É di­fí­cil di­zer exa­ta­men­te a épo­ca que des­bro­cham, ten­do em vis­ta que ca­da uma se com­por­ta de ma­nei­ra di­fe­ren­te.

Cui­da­dos

O or­qui­dó­fi­lo flu­mi­nen­se diz que a mai­o­ria das es­pé­ci­es do gê­ne­ro On­ci­dium pre­ci­sa de umi­da­de no­tur­na, com né­voa. “Se for cul­ti­va­da no Rio de Ja­nei­ro, por exem­plo, não vai so­bre­vi­ver. Po­de até con­se­guir nos pri­mei­ros anos, mas irá de­fi­nhar aos pou­cos.”

Ele ex­pli­ca que o ide­al é ofe­re­cer às plan­tas uma di­fe­ren­ça en­tre as tem­pe­ra­tu­ras diur­na e no­tur­na. “Por is­so, os hí­bri­dos pos­su­em cul­ti­vo mais fá­cil. Até es­ta­rem pron­tos pa­ra ven­da, são man­ti­dos em es­tu­fas, on­de a am­pli­tu­de tér­mi­ca é me­nor do que em am­bi­en­te na­tu­ral”, justifica.

Qu­an­to ao subs­tra­to, Sa­bi­no ob­ser­va que mui­tas orquí­de­as se adap­tam às op­ções do mer­ca­do, mas que a mai­or par­te se de­sen­vol­ve bem em cas­ca de pe­ro­ba. “Pro­mo­ve bom are­ja­men­to ra­di­cu­lar e per­fei­ta dre­na­gem, evi­tan­do o acú­mu­lo de água du­ran­te a bro­ta­ção. Is­so po­de­ria ‘me­lar’ o bro­to”, apon­ta.

Al­gu­mas es­pé­ci­es pos­su­em raí­zes mui­to finas, sen­do me­lhor plan­tá­las em mus­go bem sol­to. Tam­bém é pos­sí­vel uti­li­zar pe­dra bri­ta ta­ma­nho ze­ro bem la­va­da, pre­ci­san­do ir­ri­gar di­a­ri­a­men­te, pois es­se ma­te­ri­al não con­ser­va umi­da­de.

Pa­ra as de fo­lhas finas, in­di­ca man­ter adu­ba­ção quí­mi­ca, pois, se­gun­do ele, no ca­so de pro­du­to or­gâ­ni­co de ori­gem du­vi­do­sa, há pos­si­bi­li­da­de de fi­ca­rem “pin­ta­das”. Com adu­ba­ção fo­li­ar equilibrad­a – a su­ges­tão é NPK 20-20-20 –, so­ma­da à ven­ti­la­ção ade­qua­da e ao subs­tra­to no­vo e de boa qua­li­da­de, ocor­re tam­bém a pre­ven­ção a se­res no­ci­vos, co­mo fun­gos e bac­té­ri­as. “O ide­al é uti­li­zar cal­da bor­da­le­sa, so­bre­tu­do no pe­río­do de chu­vas”, re­co­men­da Sa­bi­no.

Pe­rei­ra aler­ta pa­ra a in­ci­dên­cia de co­cho­ni­lhas e pul­gões. “Os On­ci­dium são mais sus­ce­tí­veis a es­sas pra­gas do que ou­tros gê­ne­ros, co­mo Cat­tleya, por su­as fo­lhas se­rem me­nos co­riá­ce­as.” Em sua co­le­ção, o or­qui­dó­fi­lo dá pre­fe­rên­cia ao uso de pre­da­do­res na­tu­rais em vez de pes­ti­ci­das.

Ain­da as­sim, a úni­ca di­fi­cul­da­de no cul­ti­vo, tan­to pa­ra Sa­bi­no co­mo pa­ra Pe­rei­ra, é ofe­re­cer às plan­tas uma tem­pe­ra­tu­ra ade­qua­da – daí a im­por­tân­cia de co­nhe­cer su­as ca­rac­te­rís­ti­cas e ne­ces­si­da­des.

 ??  ?? Onc. equi­tan­te
Onc. equi­tan­te
 ??  ?? Onc. Shar­ry Baby 'But­ter­cup'
Onc. Shar­ry Baby 'But­ter­cup'
 ??  ??
 ??  ??
 ??  ?? Onc. cro­e­sus
Onc. cro­e­sus
 ??  ?? Onc. lo­gi­pes
Onc. lo­gi­pes
 ??  ?? Os On­ci­dium pre­ci­sam ser cul­ti­va­dos em re­giões com boa di­fe­ren­ça en­tre as tem­pe­ra­tu­ras diur­na e no­tur­na
Onc. cartha­ge­nen­se
Os On­ci­dium pre­ci­sam ser cul­ti­va­dos em re­giões com boa di­fe­ren­ça en­tre as tem­pe­ra­tu­ras diur­na e no­tur­na Onc. cartha­ge­nen­se
 ??  ??
 ??  ??
 ??  ?? Onc. va­ri­co­sum 'Bal­din'
Onc. trul­li­fe­rum
Onc. Swe­et Su­gar
Onc. va­ri­co­sum 'Bal­din' Onc. trul­li­fe­rum Onc. Swe­et Su­gar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil