Como Cultivar Orquídeas Especial

Apa­rên­cia sin­gu­lar!

- Animals · Botany · Ecology · Gardening · Wildlife · Biology · Hobbies · Sao Carlos · Brazil · Sao Paulo

Cul­ti­vo

Se­gun­do Sa­bi­no, o gê­ne­ro agru­pa apro­xi­ma­da­men­te 80 es­pé­ci­es. Em sua mai­o­ria, são plan­tas ter­res­tres e ru­pí­co­las de cres­ci­men­to mo­no­po­di­al que apre­sen­tam em mé­dia 15 cm de al­tu­ra, su­as an­te­ras (ór­gãos mas­cu­li­nos) não pos­su­em pó­len e não apre­sen­tam pseu­do­bul­bo.

Por cau­sa des­ta úl­ti­ma ca­rac­te­rís­ti­ca, os Paphi­o­pe­di­lum não são ca­pa­zes de ar­ma­ze­nar água. Em vir­tu­de dis­so, pre­ci­sam que o subs­tra­to per­ma­ne­ça úmi­do. No en­tan­to, de­ve-se evi­tar o acú­mu­lo de água nas fo­lhas. Tam­bém é im­por­tan­te que se­jam man­ti­dos em lu­ga­res bem ven­ti­la­dos, pre­ve­nin­do o sur­gi­men­to de pra­gas e do­en­ças.

Pa­ra Clau­dio Vis­ma­ra, pro­pri­e­tá­rio do Or­qui­dá­rio Vis­ma­ra, de São Car­los, no in­te­ri­or pau­lis­ta, são bas­tan­te adap­tá­veis, po­den­do ser cul­ti­va­dos em to­do o Bra­sil. Mas re­que­rem aten­ção, já que são exi­gen­tes. Por is­so, é nor­mal que sur­jam al­gu­mas di­fi­cul­da­des.

“Há es­pé­ci­es que pe­dem ex­tre­mo cui­da­do, pois exi­gem mui­to do subs­tra­to. O pH de­le é um fa­tor es­sen­ci­al. Pa­ra a mai­o­ria, de­ve-se evi­tar os áci­dos. Po­de-se op­tar por uma mis­tu­ra de pro­du­tos que man­te­nha o meio mais al­ca­li­no. O uso de do­lo­mi­ta tam­bém ofe­re­ce um bom re­sul­ta­do”, con­fir­ma o es­pe­ci­a­lis­ta de São Pau­lo.

No en­tan­to, res­sal­ta que há ex­ce­ções. “O Paph. de­le­na­tii, por exem­plo, po­de ser cul­ti­va­do em subs­tra­tos mais áci­dos. Nes­te ca­so, em es­pe­ci­al, po­de-se uti­li­zar fi­bra do co­co e mi­ne­rais de ori­gem áci­da pa­ra com­por um subs­tra­to ade­qua­do.”

Vis­ma­ra lem­bra ain­da a im­por­tân­cia de con­ser­vá-los bem ae­ra­dos, já que aju­da­rão na ma­nu­ten­ção da umi­da­de, evi­tan­do o en­char­ca­men­to – con­di­ção fun­da­men­tal pa­ra o bom de­sen­vol­vi­men­to des­tas plan­tas. Ele su­ge­re uma mis­tu­ra de cas­ca de pi­nus e es­fag­no. “Es­te é o gran­de se­gre­do pa­ra um bom cul­ti­vo”, des­ta­ca.

“Pa­ra adu­bar, ho­je há o Cal-Mag, pro­du­to com­pos­to por cál­cio e mag­né­sio que ofe­re­ce me­lho­res re­sul­ta­dos. No en­tan­to, de­ve-se usar tam­bém o NPK 20-20-20 na do­sa­gem re­co­men­da­da pe­lo fa­bri­can­te”, ori­en­ta o pro­pri­e­tá­rio do Or­qui­dá­rio Imi­rim.

Qu­an­to às do­en­ças, o es­pe­ci­a­lis­ta de São Car­los afir­ma que as mais co­muns nos Paphi­o­pe­di­lum são aque­las cau­sa­das por di­fe­ren­tes fun­gos. Em re­la­ção às pra­gas, acres­cen­ta que po­dem ser vi­ti­ma­dos por co­cho­ni­lhas e áca­ros. No en­tan­to, se­gun­do ele, apa­re­cem qu­an­do o cul­ti­vo é fei­to de for­ma ina­de­qua­da.

Re­pre­sen­tan­tes no Bra­sil

De acor­do com Sa­bi­no, os Paphi­o­pe­di­lum não são tão dis­se­mi­na­dos nas co­le­ções bra­si­lei­ras co­mo as plan­tas dos gê­ne­ros Cat­tleya e La­e­lia, ha­ven­do ape­nas uma ex­ce­ção, o Paph. de­le­na­tii, que é pro­du­zi­do por aqui, sen­do, as­sim, en­con­tra­do com mais frequên­cia. Paph. spi­ce­ri­a­num e Paph. ve­nus­tum tam­bém são bas­tan­te cul­ti­va­dos.

En­tre as cer­ca de 80 es­pé­ci­es do gê­ne­ro, ele ci­ta co­mo ver­da­dei­ras ra­ri­da­des Paph. ani­tum, Paph. pa­pu­a­num e Paph. san­de­ri­a­num. “Te­mos va­ri­e­da­des que po­dem pas­sar as ci­fras de mi­lha­res de dó­la­res. Há vá­ri­as no­tí­ci­as de plan­tas com va­lo­res por vol­ta de US$ 15 mil”, res­sal­ta.

As­sim co­mo acon­te­ce com as es­pé­ci­es, ain­da há pou­cos hí­bri­dos no

Bra­sil, no en­tan­to, os en­con­tra­dos são de óti­ma qua­li­da­de. O mais co­nhe­ci­do é o Paph. Le­e­a­num, que re­sul­ta do cru­za­men­to en­tre Paph. spi­ce­ri­a­num x Paph. in­sig­ne. Po­rém, Paph. Ad­dic­ted Phi­lip (phi­lip­pi­nen­se x ad­duc­tum), Paph. An­gel Hair (Saint Swithin x san­de­ri­a­num), Paph. Ar­me­ni-Whi­te (de­le­na­tii x ar­me­ni­a­cum), Paph. Be­re­ni­ce (lowii x phi­lip­pi­nen­se), Paph. Del­ro­si (de­le­na­tii x roths­chil­di­a­num) e Paph. Flying Ti­ger (go­de­froyae x Onyx) são ou­tros exem­plos de hí­bri­dos co­mu­men­te cul­ti­va­dos por co­le­ci­o­na­do­res bra­si­lei­ros.

Pa­ra aque­les que que­rem cultivar plan­tas des­te gê­ne­ro, os hí­bri­dos são uma op­ção mais fá­cil de li­dar do que as es­pé­ci­es. “De­vi­do à se­le­ção nos la­bo­ra­tó­ri­os, são mais re­sis­ten­tes”, con­clui Vis­ma­ra.

 ?? Tex­to Fer­nan­da Oli­vei­ra ?? Paphi­o­pe­di­lum
Tex­to Fer­nan­da Oli­vei­ra Paphi­o­pe­di­lum
 ??  ?? Paph. [(Fla­me Ar­row x Wa­ter­co­lor Ar­tist) x (Vo­o­doo Ma­gic x Eric Meng)]
Paph. [(Fla­me Ar­row x Wa­ter­co­lor Ar­tist) x (Vo­o­doo Ma­gic x Eric Meng)]
 ??  ?? Paph. in­sig­ne
Paph. in­sig­ne
 ??  ?? Paph. li­e­mi­a­num
Paph. li­e­mi­a­num

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil