“Acre­di­to no que fa­ço”

Contigo Novelas - - ENTREVISTA - POR ANA BARDELLA, BAARBARA MARTINEZ E FABRICIO PELLEGRINO FO­TOS: BLAD MENEGHEL

Xuxa es­treia no­va tem­po­ra­da do Dan­cing Bra­sil, na Re­cordtv, se­gue fir­me co­mo em­pre­sá­ria e fa­la com fran­que­za so­bre to­dos os as­sun­tos: apa­rên­cia (de­la e dos ou­tros), fu­ga do pi­la­tes e uma pos­sí­vel reu­nião com Eli­a­na e An­gé­li­ca

EM POU­CO ME­NOS DE UMA SE­MA­NA, A apre­sen­ta­do­ra Xuxa Meneghel con­vo­cou du­as co­le­ti­vas de im­pren­sa pa­ra fa­lar de su­as em­prei­ta­das mais re­cen­tes. A pri­mei­ra de­las, no dia de 25 de ju­nho, em São Pau­lo, pa­ra inau­gu­rar a pri­mei­ra lo­ja com o no­vo con­cei­to da

Es­pa­ço­la­ser. A re­de de de­pi­la­ção a la­ser da qual a Rai­nha é só­cia mu­dou o layout pe­la pri­mei­ra vez des­de que ini­ci­ou ati­vi­da­des em 2002. Ho­je já são mais de 450 lo­jas es­pa­lha­das pe­lo Bra­sil in­tei­ro. O se­gun­do en­con­tro com os jor­na­lis­tas ocor­reu na úl­ti­ma se­gun­da-fei­ra, dia 1º de ju­lho.

Des­ta vez nos es­tú­di­os da Re­cordtv, no Rio de

Ja­nei­ro. Na oca­sião, a loi­ra fa­lou so­bre a es­treia

– e as no­vi­da­des – da quin­ta tem­po­ra­da do ta­lent show Dan­cing Bra­sil, além de apre­sen­tar os no­vos con­cor­ren­tes que dis­pu­ta­rão R$ 500 mil na pis­ta de dan­ça te­le­vi­si­va. A loi­ra es­tá à fren­te do pro­gra­ma que vol­ta às te­li­nhas nes­ta quar­ta-fei­ra, dia 3, às 10h45, des­de 2017. O pa­po com a im­pren­sa, po­rém, foi além dos as­sun­tos em pau­ta.

Con­fi­ra os prin­ci­pais tre­chos das de­cla­ra­ções de

Xuxa, que re­ve­lou qu­ais ca­rac­te­rís­ti­cas gos­ta­ria de ter da fi­lha Sasha, ace­nou so­bre a pos­si­bi­li­da­de de fa­zer plás­ti­ca quan­do che­gar aos 60 anos de ida­de (ela es­tá com 56) e con­tou so­bre um pos­sí­vel en­con­tro com Eli­a­na e An­gé­li­ca.

NO­VA TEM­PO­RA­DA DO DAN­CING BRA­SIL

“Ago­ra, o pú­bli­co se­rá o quar­to ju­ra­do. En­tão, as no­tas se­rão da­das lo­go de­pois da apre­sen­ta­ção. Os ame­ri­ca­nos e in­gle­ses já es­ta­vam fa­zen­do des­sa for­ma e va­mos tra­zer is­so pa­ra o Bra­sil tam­bém.”

ESTICADINH­A AO 60

“As pes­so­as te­rão que se acos­tu­mar a me ver en­ru­ga­di­nha. Já pen­sou se fa­ço al­go no ros­to e fi­ca aque­la coi­sa sem ex­pres­são? Co­mo sou mui­to ex­pres­si­va, te­nho me­do. Po­rém, ho­je exis­tem má­qui­nas de es­té­ti­ca e sou fã, pois não mu­dam a pe­le, só es­ti­mu­lam o co­lá­ge­no. Em­bo­ra eu te­nha me­do de pro­ce­di­men­tos es­té­ti­cos mais in­va­si­vos, dis­se a to­do mun­do que fa­ria aos 60 anos. En­tão, po­de ser que me ve­jam um pou­co esticadinh­a [ri­sos].”

A BE­LE­ZA DO OU­TRO

“Al­gu­mas pes­so­as per­dem a mão, usam pro­du­tos de­mais, fi­cam de­for­ma­das. Por ou­tro la­do, se es­tão fe­li­zes, quem so­mos nós pa­ra jul­gar? Fa­ça tu­do o que pu­der pa­ra fi­car fe­liz. Se in­co­mo­da ou­tros, pro­ble­ma dos ou­tros. Não de­ve­mos nos in­co­mo­dar se al­guém tem bo­che­cha de­mais, bum­bum de­mais...

Acei­tem os ou­tros co­mo são! Só acho que, às ve­zes, al­gu­mas pes­so­as não têm ami­gas [ri­sos]. Fal­ta al­guém pa­ra di­zer que ela per­deu a mão.”

“Fa­ça tu­do o que pu­der pa­ra fi­car fe­liz. Se in­co­mo­da os ou­tros, pro­ble­ma dos ou­tros”

RES­PEI­TO E ACEI­TA­ÇÃO

“So­bre me acei­tar do jei­to que sou... Tal­vez, o fa­to de ter per­to de mim pes­so­as que me amam e me acei­tam te­nha me aju­da­do nis­so. O Ju [Jun­no, na­mo­ra­do da Rai­nha, que di­vi­di­rá a apre­sen­ta­ção do

Dan­cing Bra­sil com ela pe­la se­gun­da vez], a mi­nha fi­lha, meus ami­gos... Nun­ca ti­ve mui­to ca­be­lo, por exem­plo. Quan­do ras­pei, mui­ta gen­te foi con­tra.

Ho­je, acho li­ber­ta­dor! Se as pes­so­as me acei­ta­rem as­sim fi­ca­ria mais fá­cil pa­ra elas. Por me ex­por na te­le­vi­são des­de os 16 anos de ida­de, mui­ta gen­te se sen­te no di­rei­to de di­zer ‘gos­to de vo­cê as­sim’, ‘não gos­to as­sim’. O que fal­ta é res­pei­to, não só co­mi­go, mas com mui­ta gen­te.”

LI­VRE DE FIL­TROS

“Mui­ta gen­te se pre­o­cu­pa com fil­tro, ma­qui­a­gem, tu­do mui­to bo­ni­ti­nho. Mas te­nho al­guém em ca­sa que, se acor­do com a bo­ca in­cha­da, fa­la pa­ra mim: ‘bo­qui­nha lin­da in­cha­da’, ‘mi­nha ca­re­qui­nha lin­da’.

De tan­to ou­vir o Ju fa­lar es­se ti­po de coi­sa, aca­bo me acei­tan­do. É bem le­gal ter al­guém que te acei­te da ma­nei­ra que vo­cê é. Se ele gos­ta, es­tá tu­do cer­to. Sin­ce­ra­men­te, quan­do olho no es­pe­lho, mui­tas ve­zes não gos­to. É di­fí­cil ver a pe­le di­fe­ren­te. Mas lo­go de­pois, re­ce­bo um elo­gio: ‘Tá gos­to­sa, hein?’.

En­tão, tá tu­do bem!”

Che­guei a uma ida­de em que pos­so di­zer: acre­di­to no que fa­ço. An­tes me en­ga­na­vam mais fá­cil. Ho­je di­go que não é bem por aí”

VER­SÃO EM­PRE­SÁ­RIA

“Pa­ra em­pres­tar o meu no­me e a mi­nha ima­gem pa­ra al­gum pro­du­to, pre­ci­so re­al­men­te acre­di­tar na­qui­lo. A Es­pa­ço­la­ser, por exem­plo, só acei­tei de­pois de co­nhe­cer bem do que se tra­ta­va. Pro­vei a má­qui­na de de­pi­la­ção na mi­nha pró­pria ca­sa pa­ra ver se fun­ci­o­na­va. Fiz na Sasha, fun­ci­o­nou.

Se acre­di­to, en­tro de ca­be­ça. Mas te­nho re­ceio de mer­gu­lhar por­que não de­pen­de ape­nas de mim.

Se al­guém er­rar, vão di­zer que foi na lo­ja da Xuxa.

Sei que er­ros po­dem acon­te­cer, mas os ris­cos são mí­ni­mos, por­que os fun­ci­o­ná­ri­os da Es­pa­ço­la­ser são mui­to bem trei­na­dos.”

PA­RA MAR­CAR UM X

“Pa­ra uma mar­ca me con­quis­tar de fa­to pre­ci­sa ser bas­tan­te ver­da­dei­ra. Não cor­re­rei o ris­co de pas­sar pa­ra as pes­so­as al­go que não se­ja ver­da­de. An­ti­ga­men­te, ne­ga­va ape­nas cam­pa­nhas de be­bi­da e ci­gar­ro. Ho­je já fa­lo que se ti­ver bi­cho en­vol­vi­do no pro­ces­so, não pre­ci­sa nem me pro­cu­rar. Ou se­ja, es­tou ca­da vez mais se­le­ti­va. Pa­ra quan­tas coi­sas já em­pres­tei meu no­me, pe­lo mo­dis­mo, e me ar­re­pen­di mais tar­de? Che­guei a uma ida­de em que pos­so di­zer: ‘acre­di­to no que fa­ço’. An­tes, me en­ga­na­vam mais fa­cil­men­te. Ho­je, di­go ‘não é por aí’, di­go que não dá.”

“So­bre me acei­tar co­mo sou... O fa­to de ter pes­so­as per­to de mim que me amam e me acei­tam, tal­vez te­nha me aju­da­do”

RAI­NHA EM AÇÃO

“Pro­fis­si­o­nal­men­te, che­go a ser cha­ta. Di­zem que me me­to em coi­sas que não de­ve­ria. En­ten­do um pou­co de ce­no­gra­fia, fo­to, rou­pa... Coi­sas que de­ve­ria dei­xar pa­ra ou­tros fa­ze­rem, mas fa­ço. Não por­que sei mais do que os ou­tros, mas por­que são 40 anos de pro­fis­são, sem­pre li­dan­do com a mi­nha ima­gem, bus­can­do, apren­den­do. Sem­pre ba­ti o pé pe­lo que acre­di­to. Mas tam­bém de­ve­mos apren­der com quem sa­be.”

DI­FE­REN­ÇAS EN­TRE MÃE E FI­LHA

“Fi­si­ca­men­te, a Sasha tem tu­do o que eu gos­ta­ria de ter: uma cor mais dou­ra­da, mais ca­be­lo [ri­sos], uma bo­ca que, quan­do acor­da, pa­re­ce já es­tar com ba­tom, cí­li­os gran­des... Pa­re­ce que es­tá sem­pre ma­qui­a­di­nha. Em ou­tros as­pec­tos, ela tem um co­ra­ção ma­ra­vi­lho­so, gos­ta de bi­cho, de cri­an­ça, de ve­lho.

Veio mais ca­pri­cha­da do que eu. Só con­si­go ba­bar.”

LON­GE DA ACA­DE­MIA

“Era pa­ra eu pra­ti­car ati­vi­da­de fí­si­ca. Fa­zia pi­la­tes du­as ve­zes por se­ma­na, que é o mais in­di­ca­do pa­ra mim, mas pa­rei. Te­nho pro­ble­ma no pé, jo­e­lho, lom­bar... En­tão, tu­do o que fi­zer er­ra­do, co­mo dan­çar mui­to sem me aque­cer, pa­ga­rei um pre­ço por is­so.”

“Fi­si­ca­men­te, a Sasha tem tu­do que eu gos­ta­ria de ter: uma cor mais dou­ra­da, mais ca­be­lo, uma bo­ca que, quan­do acor­da, pa­re­ce já es­tar de ba­tom”

FE­LI­CI­DA­DE VEGANA

“Não co­mo car­ne ver­me­lha des­de os 13 anos. Mais tar­de, pa­rei com fran­go e há dois anos com o pei­xe, que co­mia por achar que pre­ci­sa­va da pro­teí­na ani­mal. Quan­do des­co­bri que a pro­teí­na não vi­nha do ani­mal, mas do ve­ge­tal, virei vegana. Não sou cem por cen­to vegana, por­que não po­de­ria usar rou­pas de cou­ro nem cer­tos cos­mé­ti­cos. Não pa­ro com is­so por­que tra­ba­lho em TV. Mas na mi­nha ali­men­ta­ção não tem mor­te. Es­sa ener­gia não vai pa­ra o meu pra­to. A mi­nha pe­le me­lho­rou e fi­quei mais fe­liz.”

PAZ EN­TRE DIS­CUR­SO E AÇÃO

“Po­de­mos aju­dar mais a na­tu­re­za, o mun­do, a nos­sa saú­de e se sen­tir me­lhor. Os be­ne­fí­ci­os são tan­tos.

Não só fi­si­ca­men­te, mas men­tal­men­te, quan­do vo­cê sa­be que não es­tá fa­zen­do mal a al­guém. Sem­pre le­van­tei a ban­dei­ra do amor aos bi­chos, mas co­mia.

Não ca­sa­va o que eu fa­la­va com o que fa­zia. Ho­je es­tou em har­mo­nia com o que sem­pre acre­di­tei.”

ELI­A­NA, XUXA E AN­GÉ­LI­CA JUN­TAS

“Gra­va­ría­mos um co­mer­ci­al jun­tas, mas in­fe­liz­men­te acon­te­ceu o aci­den­te com o Be­ní­cio.

Es­ta­mos ten­tan­do es­se re­en­con­tro en­tre as três, que já acon­te­ceu al­gu­mas ve­zes, mas as agen­das não se ca­sam. Que­re­mos mui­to!”

“Coi­sas que de­ve­ria dei­xar pa­ra os ou­tros, eu mes­ma fa­ço. Não por sa­ber mais que eles, mas por­que são 40 anos de pro­fis­são, sem­pre li­dan­do com a mi­nha ima­gem, bus­can­do, apren­den­do”

Xuxa gra­vou a aber­tu­ra do Dan­cing em uma es­ta­ção de me­trô de São Pau­lo

Com Jun­no An­dra­de, seu par na vi­da e na apre­sen­ta­ção do Dan­cing Bra­sil

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.