Contigo Novelas

“Adoro cheiro de fêmea”

-

Vaidoso, sedutor e assediado, o sertanejo Zezé Di Camargo faz confissões inacreditá­veis sobre seu passatempo predileto: mulheres

ACREDITEM: ELE É QUASE UM QUARENTÃO, mas está com um corpinho de 20! O sertanejo Zezé Di Camargo, 37 anos, não conta apenas com a natureza para estar enxuto. Sem tendência a engordar, ele jura que mantém o mesmo desempenho sexual da juventude. Não bebe, não fuma e atualmente investe em roupas mais modernas e na musculação para perder o ar franzino dos tempos “magros”.

“Hoje não deixo nada a desejar a nenhum garotão”, diz. A mulherada já percebeu. Tanto que o assédio feminino cresce a cada espetáculo e, na academia ou fora dela, o que mais Zezé ouve é: “Tá melhorando o que já é gostoso, hein!” O sucesso do cantor – que junto com o irmão, Luciano, já vendeu 2 milhões de cópias do último CD, Zezé Di Camargo e Luciano ao Vivo, em apenas dois meses – para o martírio de sua esposa, Zilu, também é grande no meio artístico. “As fãs ela perdoa, mas odeia quando mulheres famosas ficam papeando comigo no camarim.” Na entrevista a seguir, no entanto, Zezé não se acanha em falar picantemen­te em fêmeas que o atraem e dá a medida do que seria o seu paraíso conjugal.

O que as mulheres veem em você?

Ultimament­e, elas têm falado do meu braço, do meu peito, que estou mais fortinho. As fãs gostavam do meu bumbum e das pernas, porque eu usava calças muito agarradas. Eram tão apertadas que, quando tirava, o bichinho falava: “Ufa!”

Você é machão?

Sou macho. Não no sentido de querer brigar com todo mundo, mas no sentido de que macho é quem gosta de mulher. Gosto pra caramba de mulher. Com homem, não quero nem beijinho de boa-noite, mas com mulher topo qualquer parada. O cheiro da fêmea me atrai muito. Me seduz. Sou assim.

Mas casado com a Zilu e falando desse jeito dá a impressão de que vive um casamento aberto. É verdade?

Nunca escondi minha situação civil nem os meus filhos. Tem muito artista que faz isso, banca o solteirinh­o e esconde a família para não perder as fãs. Garanto que, se fosse solteiro, com certeza daria muito trabalho para a mulherada, porque não sou fácil, não! Mesmo casado tenho de pensar muito na minha família, porque gosto demais dessa relação macho e fêmea.

Casamento deveria ser um vale-tudo, então?

A gente poderia ser casado, amar os filhos e a mulher,

e também poder fazer outras coisas. Seria o ápice. Daí, se me perguntass­em onde é o céu, eu responderi­a: “É aqui!”

Que tipo de mulher balança você?

Existem dois tipos de beleza: tem a mulher linda e maravilhos­a, que parece o quadro Monalisa, com tudo certinho, e tem a mulher que não é tão perfeita, mas passa sensualida­de, dá tesão.

Exemplo.

A Xuxa é maravilhos­a, mas não tem a imagem da mulher fatal. Ela é desenhada, linda, meiga, doce...

Uma deusa, que não me atrai como fêmea.

Parece com miss, uma beleza que não dá vontade de tocar. Não é daquelas mulheres que a gente olha e pensa “naquilo”.

E quem seria o outro tipo?

A Demi Moore é um tesão. Olho para ela e já me dá uma vontade de morder a orelha, puxar o cabelo, dar tapa na bunda. É diferente.

Brasileira, nenhuma?

Tem várias, mas se eu falar [risos]... Você quer me pegar, né? A Luiza Brunet me passa essa coisa da beleza que dá vontade de pegar, de tocar.

A Zilu tem ciúme?

Das fãs, não! Elas podem pular em cima de mim, rasgar minha roupa, puxar meu cabelo, que ela não interfere. Ela tem ciúme do que ocorre nos bastidores, de outras artistas. Mas é desnecessá­rio, porque já provei que ela é a mulher da minha vida.

E voce é ciumento?

A Zilu sempre foi muito certinha e a atenção dela sempre foi voltada para mim. Às vezes, quando a ouço elogiando um cara na televisão, fico me remoendo. Mas não demonstro.

Já teve brigas?

Agressão nunca, mas já discutimos e já dormi no sofá muitas vezes. Mas depois começa tudo de novo, um encosta o pé no outro, põe a mão, de repente estamos no maior love e com uma intensidad­e maior do que antes. Briguinhas apimentam a relação.

Como é ter uma relação a distância por tanto tempo?

A ida para Miami foi um mal que veio para o bem. Foi uma questão de segurança, mas depois descobri outras vantagens. Vejo meu filho, Igor, falando inglês, adquirindo outra cultura... A Zilu e as meninas também cresceram muito morando lá.

Eles estão gostando?

Nos três primeiros meses, choramos muito. Imagina uma criança de 5 anos numa sala de aula onde todos só falam inglês. Quando ele queria ir ao banheiro, tinha de pedir em inglês. Foi um trauma que passou.

O segredo de um casamento feliz é a distância?

Quando você gosta do fundo do coração, a distância não atrapalha. Meu pensamento, meu coração, minha alma estão com ela. Só nossos corpos estão separados.

Então a distância lhes fez bem?

Ajudou a nos conhecermo­s melhor, a saber que nosso casamento tem estrutura. Chegaram a ligar para a minha mulher, dizendo que eu tinha outra, mas ultrapassa­mos tudo isso.

Às vezes dizem que seu casamento não é sólido...

É pura fofoca. Estou a 7 mil km da minha mulher e a gente se fala todos os dias. Já transei nesse período com ela por telefone. Um casamento de 18 anos em que acontece isso até hoje não é sólido?

Já traiu a Zilu?

O que é traição, pensar é? Se estiver me perguntand­o nesse sentido, já traí.

Estou perguntand­o no sentido do macho e da fêmea. [Risos] Se tivesse traído, jamais falaria. Não sou louco. Essa resposta você nunca vai tirar de mim e nem de outro homem.

O que levaria você a trair?

A tentação é um teste diário. Eu lhe digo que não estou morto. O homem tem o instinto de ser um eterno predador. A mulher é a caça.

A carne é fraca?

O homem sempre tem dois olhares para a mulher. Enxerga o normal e também como ela seria assim ou assado. Sempre tem o olhar que as despe.

Sente ciúme de suas filhas, Wanessa e Camilla?

Já senti mais. Quando a Wanessa começou a namorar, nem dormia. Queria que os três filhos fossem homens. Mas a minha preocupaçã­o atual é em relação a drogas. Tenho medo disso.

Quer que seus filhos sejam artistas?

Ficaria feliz, mas não interfiro. Acho que a Wanessa vai ser cantora. Ela tem talento e musicalmen­te está bem à frente de mim. Ela faz parte de um coral respeitadí­ssimo na Flórida [Estados Unidos], já fez várias apresentaç­ões e não está lá porque é filha do Zezé Di Camargo.

Como lida com o sucesso?

Fui um cara que não tinha nada e passava despercebi­do em todos os lugares. De repente, tudo mudou. As pessoas que eu via na televisão são as mesmas que hoje vejo na plateia dos meus shows. Passar por esse teste sem me deslumbrar é um mérito meu e da Zilu.

Foi o amor que segurou a sua onda?

A Zilu é um projeto da minha vida até o último minuto.

Você sempre foi vaidoso?

Vaidade é essencial na vida do ser humano, faz parte do bem-estar. Mas não pode ser excessiva, do tipo andar com espelhinho no bolso. Daí vira doença.

Levanto cedo, tomo banho e passo um gelzinho no cabelo. Troco de roupa três ou quatro vezes por dia.

Mas se acha lindo, não?

Claro, se não me achar, quem vai achar? Faz parte do prazer de estar vivo. Se você olhar no espelho e não gostar do que está vendo, nada mais faz sentido. Tem de se dar valor!

Quantas horas de ginástica faz por dia?

De uma hora e meia a duas horas. Não pratico a parte aeróbica [bicicleta, esteira...] porque tenho tendência a perder peso. Já nos exercícios localizado­s pego

firme para ganhar massa muscular. Aumentei meu peso em 3 kg e estou gostando de treinar pesado.

Já levanto 60 kg no peito.

Sua preocupaçã­o estética tem a ver com a idade?

Não é a idade, é o bem-estar. Me sinto privilegia­do pelo meu biótipo. Nunca pintei o cabelo e não tenho nem um fio branco. Também não engordo fácil e as pessoas sempre me acham mais novo do que sou.

Faria lipoaspira­ção?

Não. É uma agressão muito grande ao corpo. Sou diferente dos outros sertanejos [ele refere-se a Leonardo, Chitãozinh­o e ao próprio irmão, Luciano, que passaram recentemen­te pela cirurgia]. Prefiro fazer dieta, ginástica aeróbica ou correr.

E plástica, o que mudaria em seu corpo?

Para quem depende da imagem para sobreviver, a plástica é inevitável. Terei de pensar nisso, mas só em 15 anos. Sinto vontade de corrigir uma cicatriz que tenho do lado esquerdo do rosto. Não é pé de galinha, não! Quando criança, sofri um acidente de carro e fiquei com um caco de vidro no rosto.

Usa produtos de beleza?

Nenhum. Nunca passei um creme no rosto, no corpo ou na mão. Não sou chegado a essas frescuras.

E problemas de queda de cabelo?

Graças a Deus, não tenho. E olha que lavo a cabeça com o primeiro xampu que encontrar. Hoje mesmo lavei com sabonete. Estava molhado e o xampu, longe, pensei: não vou pegar nem a pau.

Preguiçoso, hein! Qual a sua rotina quando não tem show?

Em geral, fico compondo até de madrugada. Daí durmo até o meio-dia, levanto, almoço e saio para fazer ginástica. Quando volto para casa, vejo televisão.

A que você assiste na TV?

Só gosto de esportes e jornalismo. Sou o inverso do meu irmão, Luciano, não suporto novela. Também não aguento programas infantis e culinários, porque a gente engorda só de assistir.

Qual a fonte de inspiração na hora de compor?

A última música que fiz, Sem Você, resume bem a falta que a Zilu me faz. A letra diz: “Sem você não tem amor de madrugada/ Sem você não tem chamego, luz apagada/sem você só fica o trapo, homem de rua/estou morrendo e a culpa é sua”.

E esse seu novo visual, mais moderno, sem aqueles cintos de fivela grande e calças agarradinh­as?

Minha mulher, a Zilu, é a responsáve­l por essa grande mudança. Em julho vai fazer um ano que ela se mudou com nossos três filhos [Wanessa, 17 anos, Camila, 14, Igor, 6] para Miami. Então ela começou a viajar, ter acesso às melhores grifes e comprar minhas roupas. Me ajudou muito.

Quais são os novos projetos da dupla?

Vamos gravar uma música em espanhol com o Julio Iglesias. Temos também a intenção de lançar um disco em espanhol.

Como é trabalhar com o Luciano?

Muito bom, porque somos irmãos. Já tivemos desavenças, mas nada que causasse traumas. São divergênci­as superáveis.

Por ser mais velho, você o controla?

Sim, mas quando estou errado volto atrás.

O dinheiro traz felicidade?

Quem fala que não, mente. Dinheiro foi feito para trazer coisas boas, é uma consequênc­ia do trabalho. Mas a melhor coisa é poder dar estabilida­de para a minha família. Quando sonhei que meu pai, na velhice, ia ter essa tranquilid­ade? Isso é felicidade!

 ??  ?? Zezé ao lado do inseparáve­l irmão, Luciano. Em breve, a dupla completa 30 anos de estrada na música sertaneja
Zezé ao lado do inseparáve­l irmão, Luciano. Em breve, a dupla completa 30 anos de estrada na música sertaneja
 ??  ?? “A Zilu sempre foi muito certinha e a atenção dela sempre foi voltada para mim”
“A Zilu sempre foi muito certinha e a atenção dela sempre foi voltada para mim”
 ??  ??
 ??  ?? “Fui um cara que não tinha nada e passava despercebi­do em todos os lugares”
“Fui um cara que não tinha nada e passava despercebi­do em todos os lugares”
 ??  ?? “Nunca passei um creme no rosto, no corpo ou na mão.
Não sou chegado nessas frescuras”
“Nunca passei um creme no rosto, no corpo ou na mão. Não sou chegado nessas frescuras”
 ??  ?? Em geral, fico compondo até de madrugada.
Daí durmo até o meio-dia, levanto, almoço e saio para fazer ginástica.
Em geral, fico compondo até de madrugada. Daí durmo até o meio-dia, levanto, almoço e saio para fazer ginástica.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil