Vol­tei pa­ra re­to­mar mi­nha car­rei­ra

Após uma dé­ca­da lon­ge do Brasil, Rita Guedes re­tor­na ao país com pro­je­tos e su­pe­ra­ções na ba­ga­gem

Contigo Novelas - - ENTREVISTA - POR FABRICIO PELLEGRINO FO­TOS: SER­GIO BAIA STYLING: HENRIK DUMONT MAKE: EDILSON FER­REI­RA

HÁ DEZ ANOS, RITA GUEDES DEI­XOU O Brasil pa­ra es­tu­dar nos Es­ta­dos Uni­dos. Nes­se pe­río­do, de­sem­bar­cou por aqui pa­ra tra­ba­lhos pon­tu­ais, co­mo a novela Flor do Ca­ri­be, (Glo­bo, 2013), e as du­as edi­ções do fil­me Qual­quer Ga­to Vi­ra-la­ta (2011 e 2015) , além de par­ti­ci­pa­ções es­pe­ci­ais na TV. De vol­ta à pá­tria ama­da, já acu­mu­la pro­je­tos em di­ver­sas fren­tes: as sé­ri­es Ar­can­jo Re­ne­ga­do (Glo­bo­play) e a no­va tem­po­ra­da de 1 Con­tra To­dos (Fox Pre­mium), o hu­mo­rís­ti­co Tô de Gra­ça (Mul­tishow) e a adap­ta­ção da pe­ça fran­ce­sa Uma Re­la­ção Tão De­li­ca­da. Co­mo di­zem no po­pu­lar, ela che­gou che­gan­do. Com ex­clu­si­vi­da­de à CON­TI­GO!, a es­tre­la fa­la das no­vas per­so­na­gens, as ale­gri­as e tris­te­zas de mo­rar lon­ge do país de ori­gem, as co­bran­ças por ser sol­tei­ra e não ter fi­lhos aos 47 anos.

Por que foi mo­rar nos Es­ta­dos Uni­dos?

Fui es­tu­dar in­glês e fa­zer cur­sos [di­re­ção, atu­a­ção e ro­tei­ro]. Ia fi­car um ano. Es­tu­dei com co­a­ches res­pei­ta­dos, co­mo a Les­lie Kahn e a Bob­bie Chan­ce, co­a­ch de Scar­lett Johans­son, Drew Bar­ry­mo­re, Anthony Hop­kins, Brad Pitt… Fiz cur­so de ro­tei­ro na UCLA e co­lo­quei pro­je­tos no pa­pel. Em Los An­ge­les, pro­du­zi e atu­ei no fil­me Mar In­qui­e­to, pe­la mi­nha pro­du­to­ra, a Guedes Fil­mes. Ele foi bem re­ce­bi­do pe­lo pú­bli­co ame­ri­ca­no no Los An­ge­les Bra­zi­li­an Film Fes­ti­val.

“Gos­to de es­tar apai­xo­na­da. Sou ro­mân­ti­ca e ado­ro cui­dar de quem es­tá co­mi­go”

E aca­bou fi­can­do por lá?

Quan­do vi, pas­sa­ram-se dez anos. Me apai­xo­nei pe­la ci­da­de, cur­sos. E, cla­ro, a edu­ca­ção, se­gu­ran­ça, res­pei­to às leis… En­fim, tu­do que de­ve­ría­mos ter pa­ra vi­ver com dig­ni­da­de, en­con­trei nos Es­ta­dos Uni­dos.

Por que vol­tou pa­ra o Brasil ago­ra?

Por­que amo meu país ape­sar do ca­os, cor­rup­ção po­lí­ti­ca, des­ca­so e des­tra­to. Vol­tei pa­ra re­to­mar mi­nha car­rei­ra e por sau­da­de da fa­mí­lia e ami­gos. De­vo mui­to aos fãs, que me en­vi­a­vam men­sa­gens lin­das e pe­din­do a mi­nha vol­ta. Es­se amor não tem pre­ço.

Em Ar­can­jo Re­ne­ga­do, vo­cê se­rá uma de­pu­ta­da e pre­si­den­te da As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va do Es­ta­do do Rio de Ja­nei­ro (Alerj). Do que tra­ta a série?

É um dra­ma com ação so­bre o uni­ver­so do Bo­pe e da po­lí­ti­ca. Um ro­tei­ro lin­do, for­te e emo­ci­o­nan­te.

E co­mo se­rá o seu pa­pel?

Fa­rei a Ma­nu­e­la Be­rengher, po­lí­ti­ca ho­nes­ta e res­pei­ta­da. Uma ad­vo­ga­da que de­fen­de cau­sas tri­bu­tá­ri­as con­tra o Es­ta­do. Ca­sa­da com um di­plo­ma­ta fran­cês, tem um filho jo­vem. Prag­má­ti­ca e des­te­mi­da. Ela ba­te de fren­te com o go­ver­na­dor do Rio. Os dois são do mes­mo par­ti­do, mas di­ver­gem em mui­tos pon­tos.

“O po­vo não con­fia mais a na­ção a po­lí­ti­cos que a des­truí­ram. Ago­ra exis­te fo­me de co­nhe­ci­men­to pa­ra co­brar di­rei­tos e exer­cer de­ve­res”

Fa­zer uma de­pu­ta­da mu­dou sua vi­são so­bre co­mo se faz po­lí­ti­ca no Brasil?

Co­mo to­do bra­si­lei­ro que de­se­ja um fu­tu­ro me­lhor, co­me­cei a me in­te­res­sar mais por po­lí­ti­ca. Me ins­pi­rei em mu­lhe­res for­tes da po­lí­ti­ca, co­mo as de­pu­ta­das Ta­ba­ta Ama­ral e Lu­ci­nha. Go­ver­nar nos­so país é uma mis­são, pois a cor­rup­ção se ins­ta­lou em to­das as áre­as. Pre­ci­sa­mos con­ti­nu­ar com a “fa­xi­na”, apoi­ar a La­va Ja­to e ór­gãos com­pe­ten­tes que in­ves­ti­gam ir­re­gu­la­ri­da­des. Fa­zer po­lí­ti­ca lim­pa é he­roi­co e te­mos gran­des po­lí­ti­cos que tra­ba­lham ho­nes­ta­men­te.

Em 1 Con­tra To­dos sua per­so­na­gem é uma ex-pros­ti­tu­ta ca­sa­da com um po­lí­ti­co…

A Tel­ma é uma mu­lher for­te. Na ter­cei­ra tem­po­ra­da, ela se se­pa­ra do ma­ri­do e re­a­bre o bor­del on­de o ex fa­zia en­con­tros po­lí­ti­cos. Ela e a Ma­lu [Ju­lia Ia­ni­na] re­to­mam os acor­dos e con­cha­vos. Uma po­lí­ti­ca sua.

Por que, ho­je, tan­tas obras fa­lam de po­lí­ti­ca?

De­vi­do ao ca­os. O po­vo não con­fia mais a na­ção a po­lí­ti­cos que a des­truí­ram. Ago­ra exis­te fo­me de co­nhe­ci­men­to pa­ra co­brar di­rei­tos e exer­cer de­ve­res. O ín­di­ce de de­sem­pre­go é as­sus­ta­dor, a edu­ca­ção e a saú­de so­frem des­ca­so. O po­vo acor­dou e, por es­se pris­ma, é um ga­nho. Afi­nal, ho­je sa­be­mos que po­de­mos lu­tar por um país me­lhor e aju­dar a fa­zer a di­fe­ren­ça.>>

“Bus­co sem­pre ser a me­lhor ver­são de mim, mas não te­nho que pro­var na­da a nin­guém. Já fiz tra­ba­lhos su­fi­ci­en­tes que mos­tra­ram meu ta­len­to”

Qual a im­por­tân­cia da série Tô de Gra­ça e do lon­ga Mar In­qui­e­to na sua car­rei­ra ho­je?

A série é uma de­lí­cia! O Rodrigo San­tan­na é ta­len­to­so e reu­niu um elenco ma­ra­vi­lho­so. A gen­te tem o fe­ed­back na ho­ra com es­sa mis­tu­ra de te­a­tro e TV, pois exis­te in­te­ra­ção com o pú­bli­co. Ado­ro fa­zer co­mé­dia, pois é um es­pa­ço em que o ri­dí­cu­lo vi­ra ar­te e o li­mi­te es­tá na ver­da­de de ca­da ação. É li­ber­ta­dor!

E o fil­me?

Fiz a Ani­ta: uma mu­lher com um pas­sa­do li­ga­do às dro­gas que se li­vra dis­so ao ca­sar com um ho­mem mis­te­ri­o­so. Ele a le­va pa­ra mo­rar em uma praia de­ser­ta, cheia de len­das e mis­té­ri­os. Ani­ta pre­ci­sa so­bre­vi­ver cer­ca­da por ho­mens ma­chis­tas e pe­ri­go­sos.

Vo­cê vai pro­du­zir e pro­ta­go­ni­zar a pe­ça Uma Re­la­ção Tão De­li­ca­da, que fa­la da re­la­ção en­tre mãe e fi­lha. Por que con­tar es­sa his­tó­ria ago­ra?

É uma his­tó­ria lin­da en­tre du­as mu­lhe­res. Ten­tei mon­tá-la há dez anos, mas não ti­nha a ida­de pe­di­da pe­la au­to­ra. Com a in­ter­net, te­mos mui­ta in­for­ma­ção e pou­co tem­po pa­ra as re­la­ções hu­ma­nas. As re­des so­ci­ais tra­ta­ram de min­guá-las. As pes­so­as re­sol­vem tu­do por What­sapp: bri­gas e re­con­ci­li­a­ções... Is­so é frio e des­trói o elo en­tre as pes­so­as.

“As re­des so­ci­ais min­gua­ram as re­la­ções hu­ma­nas. As pes­so­as re­sol­vem tu­do por What­sapp: bri­gas, re­con­ci­li­a­ções...”

E qual o pro­pó­si­to do es­pe­tá­cu­lo?

A pe­ça res­ga­ta es­sa re­la­ção de amor, que en­vol­ve ou­tros sen­ti­men­tos quan­do se tra­ta de mãe e fi­lha [o], da in­fân­cia à ve­lhi­ce. O es­pe­tá­cu­lo pro­vo­ca um pa­ra­le­lis­mo equi­li­bra­do en­tre de­ter­mi­na­das ce­nas que se re­pe­tem com 30 ou 40 anos de in­ter­va­lo, mas com os pa­péis in­ver­ti­dos pe­las cir­cuns­tân­ci­as da vi­da. Um dia, nos tor­na­re­mos, de mui­tos mo­dos, pais de nos­sos pais.

Se sen­te pres­si­o­na­da por não ter, até o mo­men­to, se tor­na­do mãe?

Fui mui­to co­bra­da pe­la fa­mí­lia e pe­lo pú­bli­co pa­ra me ca­sar e ser mãe. Sem­pre dis­se que irei, sim, me ca­sar e se­rei mãe, mas não te­nho pres­sa. Não exis­te ida­de pa­ra is­so. Sem­pre fui in­de­pen­den­te e pre­fe­ri ban­car a vi­da que es­co­lhi pa­ra ser fe­liz. Não acho que, só por ser mu­lher, vo­cê de­va ca­sar e ter fi­lhos pa­ra ser en­qua­dra­da na ca­te­go­ria “mu­lher re­a­li­za­da”. Is­so é um equí­vo­co. Ca­da mu­lher po­de es­co­lher o pró­prio ru­mo. A in­de­pen­dên­cia e as con­quis­tas fe­mi­ni­nas ain­da as­sus­tam os ho­mens e a elas pró­pri­as. Mui­tas mu­lhe­res que es­ti­ve­ram à som­bra da so­ci­e­da­de es­tão re­co­nhe­cen­do o pró­prio va­lor e ca­pa­ci­da­de. Te­mos ain­da mui­to o que lu­tar por igual­da­de, mas es­ta­mos no ca­mi­nho e pre­ci­sa­mos do apoio dos ho­mens nes­sa con­quis­ta de di­rei­tos iguais.

Co­mo é en­ve­lhe­cer pu­bli­ca­men­te em uma so­ci­e­da­de que ca­da vez mais va­lo­ri­za a apa­rên­cia?

Is­so não me pre­o­cu­pa. Te­nho cui­da­dos com ali­men­ta­ção e ex­ce­len­tes der­ma­to­lo­gis­tas. Que­ro en­ve­lhe­cer lin­da e com saú­de [ri­sos]. A be­le­za mai­or vem de den­tro, da sua acei­ta­ção, do amor-pró­prio. Acho uma lou­cu­ra me­ni­nas de 20 anos fa­ze­rem apli­ca­ções no ros­to e ci­rur­gi­as pa­ra se­guir pa­drões. Ja­mais se­rei es­cra­va de na­da, prin­ci­pal­men­te de al­go pas­sa­gei­ro. Acho cer­tas mu­lhe­res mais ve­lhas mais in­te­res­san­tes do que as no­vas. A be­le­za es­tá em ou­tro lu­gar. Me sin­to fe­liz, de bem co­mi­go mes­ma e ja­mais mu­da­ria o que sou ho­je.

Quais per­so­na­gens con­si­de­ra que mu­da­ram o olhar do pú­bli­co em re­la­ção à sua atu­a­ção?

Es­tre­ei na TV aos 20 anos com uma an­ta­go­nis­ta que con­quis­tou o pú­bli­co, a Bi­an­ca de Des­pe­di­da de Sol­tei­ro [1992]. Ela era uma me­ni­na que usa­va a sen­su­a­li­da­de pa­ra con­quis­tar ob­je­ti­vos. De­pois, sem­pre fui con­vi­da­da a fa­zer mu­lhe­res for­tes e pro­vo­can­tes, mas to­das ti­nham um dra­ma ou al­go mais for­te do que a be­le­za. Is­so fez com que me apai­xo­nas­se por ca­da uma. Nun­ca me in­co­mo­dei em fa­zer mu­lhe­res com es­se per­fil. Po­rém, bus­co me me­lho­rar, es­tou em cons­tan­te trans­for­ma­ção e apren­di­za­do. Lo­go, per­so­na­gens di­fe­ren­tes fa­zem par­te des­sa bus­ca.

“Fui mui­to co­bra­da pe­la fa­mí­lia e pe­lo pú­bli­co pa­ra ca­sar e ter fi­lhos. Sem­pre dis­se que irei, sim, me ca­sar e ser mãe, mas não te­nho pres­sa. Não exis­te ida­de pa­ra is­so”

E es­sa bus­ca é cons­tan­te?

Si­go sem­pre bus­can­do ser a me­lhor ver­são de mim, mas não te­nho que pro­var na­da a nin­guém. Já fiz tra­ba­lhos su­fi­ci­en­tes que mos­tra­ram meu ta­len­to.

Qual se­ria o per­fil da per­so­na­gem que a con­ven­ce­ria a vol­tar às no­ve­las?

Uma vi­lã! A vi­lã tem um pas­sa­do ri­co de si­tu­a­ções e trau­mas que a im­pul­si­o­nam ou, en­tão, são ex­tre­ma­men­te cruéis por se­rem psi­co­lo­gi­ca­men­te do­en­tes. São sen­su­ais, apai­xo­nan­te e cruéis. Es­sa di­co­to­mia é ins­ti­gan­te.

Quais são su­as prin­ci­pais vi­tó­ri­as na vi­da?

Ter vi­vi­do exa­ta­men­te co­mo quis vi­ver. Ter mo­ra­do dez anos nos EUA, fei­to cur­sos que tan­to que­ria e me trans­for­ma­ram por vi­ver ou­tra cul­tu­ra. Ter aber­to mi­nha pro­du­to­ra e ter mi­nha fa­mí­lia e ami­gos ao la­do, ape­sar do tem­po e in­tem­pé­ri­es… O que é de ver­da­de, so­bre­vi­ve!

Quais pai­xões a im­pul­si­o­nam?

O amor. Gos­to de es­tar apai­xo­na­da. Sou ro­mân­ti­ca e ado­ro cui­dar de quem es­tá co­mi­go. A na­tu­re­za tam­bém faz par­te de mim, sem­pre bus­co es­tar pró­xi­ma pa­ra me equi­li­brar. Além de vi­a­jar e co­nhe­cer cul­tu­ras e pes­so­as.

“Te­nho uma fé ina­ba­lá­vel em Deus. Bus­co es­tar sem­pre per­to da na­tu­re­za e da fa­mí­lia... E, às ve­zes, pre­ci­so me au­sen­tar de tu­do e fi­car co­mi­go mes­ma”

Vi­veu al­gu­ma der­ro­ta que se trans­for­mou em um be­lo apren­di­za­do?

A per­da do meu noi­vo, o Ge­or­ge Mun­dim, foi um ba­que. Fi­quei sem chão, mas co­mo sou es­pí­ri­ta, te­nho uma com­pre­en­são da vi­da após a mor­te, que na ver­da­de é vi­da após a vi­da, por­que nin­guém mor­re na sua es­sên­cia. Mor­re o cor­po fí­si­co, que não é quem so­mos. Ho­je, dou mais va­lor à vi­da e às pes­so­as que amo, pois ela é bre­ve. Ca­da se­gun­do que pas­sa­mos nes­se pla­ne­ta e ao la­do das pes­so­as é va­li­o­so. Ho­je, pres­to mais aten­ção em fa­zer va­ler meus di­as e va­lo­ri­zar ca­da mo­men­to, ca­da bên­ção.

Quan­do pre­ci­sa, o que faz pa­ra re­no­var a sua fé?

Te­nho uma fé ina­ba­lá­vel em Deus. Bus­co es­tar sem­pre per­to da na­tu­re­za, da fa­mí­lia... E, às ve­zes, pre­ci­so me au­sen­tar de tu­do e fi­car co­mi­go mes­ma. Aliás, ado­ro fa­zer is­so. Fa­zer mi­nhas lei­tu­ras, es­cu­tar mi­nhas mú­si­cas, ver fil­mes e es­cre­ver. Is­so me re­no­va.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.