Lon­ge da zo­na de con­for­to

Contigo Novelas - - ENTREVISTA - POR AN­DRÉ RO­MA­NO | FO­TOS TV GLO­BO/ VIC­TOR POLLAK

Pres­tes a se des­pe­dir da per­so­na­gem Ali­ne, da no­ve­la das 6 Ór­fãos da Ter­ra (Glo­bo), Si­mo­ne Gu­ti­er­rez fa­la da ex­pe­ri­ên­cia de fa­zer drama na te­le­vi­são com te­mas re­la­ci­o­na­dos à per­da de um fi­lho, ado­ção e de­pres­são. “Não sa­bia se con­se­gui­ria cho­rar”, as­su­me a atriz

Co­mo sen­te a re­per­cus­são da no­ve­la?

Tem si­do uma sur­pre­sa in­crí­vel. Sem con­tar que sou fã da Du­ca Ra­chid e Thel­ma Gu­e­des [au­to­ras da tra­ma]. As pes­so­as se en­vol­ve­ram com a his­tó­ria e ve­jo is­so pe­la mi­nha fa­mí­lia, as pes­so­as na rua. O jei­to co­mo re­ce­be­ram Ór­fãos da Ter­ra foi mui­to di­fe­ren­te de qua­se to­das as ou­tras que fiz. A te­má­ti­ca é mui­to en­vol­ven­te e is­so cau­sou em­pa­tia. Às ve­zes, as pes­so­as fa­lam co­nos­co na es­pe­ran­ça de di­zer al­go pa­ra aju­dar na tra­ma. É mui­to le­gal!

O elen­co ti­nha no­ção do su­ces­so que a tra­ma fa­ria?

Pe­la im­por­tân­cia do as­sun­to, não po­de­ria ser di­fe­ren­te. Vi­ve­mos tem­pos di­fí­ceis. Quan­do vo­cê fa­la de refugiados, se co­lo­car no lu­gar do ou­tro. Pen­sar no que a pes­soa pas­sa pa­ra che­gar aqui [no Bra­sil] quan­do acon­te­ce uma tra­gé­dia no país em que ela vi­ve. Tem mui­to ta­bu, as pes­so­as acham que quem vem de lá é ban­di­do. En­tão eu acho que é ines­go­tá­vel a fon­te de his­tó­ri­as que te­mos pa­ra con­tar des­sas pes­so­as que pas­sam por es­se ti­po de tra­gé­dia.”

A tra­ma da Ali­ne fa­la da ado­ção. O que tem ou­vi­do so­bre is­so?

Mui­ta gen­te diz: “Te­nho al­guém ado­ta­do na fa­mí­lia”; “mi­nha ami­ga foi ado­ta­da”; “vo­cê es­tá con­tan­do a mi­nha his­tó­ria”; “Tam­bém que­ria uma me­ni­na e ado­tei”. Por is­so a no­ve­la faz tan­to su­ces­so, ela é con­tem­po­râ­nea, são as­sun­tos for­tes.

“Tu­do que fa­lam so­bre mim, me ins­ti­ga a que­rer me­lho­rar. O que fa­lam de mim, não me diz res­pei­to”

Co­mo se pre­pa­rou pa­ra a ce­na em que a Ali­ne per­de a fi­lha no par­to?

Ti­ve um tra­ba­lho in­crí­vel com a Ana Kfou­ri, nos­sa pre­pa­ra­do­ra de elen­co. Fa­lei pa­ra ela que es­ta­va em pâ­ni­co. Pois sem­pre que fiz uma ce­na dra­má­ti­ca era di­fe­ren­te por­que ti­nha um tom cô­mi­co. É di­fí­cil di­zer o que pen­sa­mos na gra­va­ção, mas fui fun­do no que me cau­sa­va tris­te­za. Prin­ci­pal­men­te em re­la­ção ao ou­tro. Per­der um pai ou uma mãe já é di­fí­cil. Ago­ra, ima­gi­ne um fi­lho que vo­cê le­vou no­ve me­ses na bar­ri­ga. Não te­nho nem no­ção do ta­ma­nho des­sa dor.

Con­ver­sou com mães da vi­da re­al que pas­sa­ram por es­sa si­tu­a­ção?

Não. Fui mais no lan­ce do meu in­te­ri­or mes­mo. Sou bem re­sol­vi­da em tu­do, mas ain­da não pas­sei por es­sa si­tu­a­ção. En­tão, não sei co­mo re­a­gi­ria, por mais que con­ver­sas­se com al­guém. Uma coi­sa é vo­cê ter um fi­lho e pen­sar em pas­sar por is­so. Ou­tra é ten­tar ima­gi­nar es­sa si­tu­a­ção. Aos 14 anos de ida­de eu já da­va au­la, ao 22 fui mo­rar so­zi­nha. Ou se­ja, sou uma pes­soa que re­sol­ve, en­tão, é di­fí­cil fi­car de­pres­si­va, tris­te. Ten­to re­sol­ver e pas­sar pa­ra frente. Sou mui­to di­fí­cil de cho­rar. Quan­do ter­mi­nei de gra­var a es­sa ce­na, uma me­ni­na da ca­rac­te­ri­za­ção fa­lou: “Nos­sa, sen­ti a sua dor”. Pro­cu­rei pas­sar o má­xi­mo de ver­da­de em re­la­ção à dor que sin­to ao per­der al­go li­ga­do a amor in­con­di­ci­o­nal.

“Sou mui­to li­vre. Não di­go que não te­ria von­ta­de de ca­sar nem ter fi­lhos, mas é uma res­pon­sa­bi­li­da­de tão gran­de... Em­bo­ra se­ja mui­to pé no chão, tam­bém sou so­nha­do­ra”

Após a per­da, a Ali­ne fi­cou três anos em de­pres­são. Co­mo vo­cê se pre­pa­rou pa­ra es­sa fa­se?

Con­ver­sei com a pre­pa­ra­do­ra, por­que não sa­bia se con­se­gui­ria cho­rar. Vi uma en­tre­vis­ta do Tony Ra­mos fa­lan­do que vo­cê não pre­ci­sa cho­rar pa­ra cho­rar. A lá­gri­ma, às ve­zes, é a úl­ti­ma a cair. Aí, de­sa­pe­guei de pre­ci­sar cho­rar e dei­xei vir. Se eu con­se­guir fa­zer is­so bem, te­rei cer­te­za de que es­tou me­lho­ran­do na mi­nha pro­fis­são.

Tem ob­ser­va­do co­men­tá­ri­os das pes­so­as?

Ten­to não pen­sar no que vão achar, mas no que acre­di­to. Co­mo se­ria se eu fos­se es­sa mu­lher? De­pres­são é se­riís­si­mo e a Ali­ne fa­la que não con­se­gue cui­dar dos fi­lhos. A de­pres­são é com­pli­ca­da pa­ra mim, pois saio da tris­te­za mui­to ra­pi­da­men­te, mas não pos­so fa­zer is­so com a per­so­na­gem.

Du­ran­te um tem­po, Ali­ne me­dia a tem­pe­ra­tu­ra pa­ra de­tec­tar o pe­río­do fér­til. Es­se fa­se foi bem di­ver­ti­da. Co­mo fo­ram es­sas gra­va­ções?

Foi di­fí­cil por­que me apro­fun­dei nes­se uni­ver­so, des­co­brir um pou­co das ques­tões da in­se­mi­na­ção e dos tra­ta­men­tos pa­ra en­gra­vi­dar. Co­mo a fa­mí­lia to­da é ára­be, tu­do é um drama, mas uma co­mé­dia tam­bém. A ques­tão é di­fí­cil, mas de re­pen­te al­guém fa­la al­go e vi­ra uma fes­ta. As mi­nhas per­so­na­gens eram sem­pre de hu­mor e eu es­tou ten­do que fa­zer um pou­co de drama, al­go de ver­da­de pa­ra as pes­so­as se re­co­nhe­ce­rem nes­sa mu­lher. Um de­sa­fio ma­ra­vi­lho­so.

“Aos 14 anos eu já da­va au­la, aos 22 fui mo­rar so­zi­nha. Ou se­ja, sou uma pes­soa que re­sol­ve, en­tão, é di­fí­cil fi­car de­pres­si­va, tris­te. Ten­to re­sol­ver e pas­sar pa­ra frente”

Es­sa ca­rac­te­rís­ti­ca mais dra­má­ti­ca da per­so­na­gem é di­fe­ren­te da sua per­so­na­li­da­de?

A mi­nha mãe fa­lou: “Ago­ra eu que­ro ver se vo­cê tra­ba­lha bem. Fa­zer cho­rar é di­fí­cil, fa­zer rir é fá­cil” [ri­sos].

Vo­cê não é mãe ain­da. Ado­ra­ria uma cri­an­ça?

Se um dia qui­ser ter fi­lho e não pu­der, com cer­te­za ado­ta­ria. Fi­lho não pre­ci­sa nas­cer da gen­te, o amor é al­go mui­to mais for­te.

Pen­sa em ca­sar e ter fi­lhos?

Sou mui­to li­vre. Não di­go que não te­ria von­ta­de de ca­sar nem ter fi­lhos, mas é uma res­pon­sa­bi­li­da­de tão gran­de... Em­bo­ra se­ja mui­to pé no chão, tam­bém sou so­nha­do­ra. Por exem­plo, mor­ro de von­ta­de de es­tu­dar mu­si­cal nos Es­ta­dos Uni­dos. En­tão, fi­co me ima­gi­nan­do com uma cri­an­ça. Pre­ci­so apro­vei­tar a mi­nha ju­ven­tu­de pa­ra fa­zer tu­do de que gos­to. Por is­so acho que ado­ta­ria, pois não pre­ci­sa­ria me pre­o­cu­par com a mi­nha ida­de.

O que a le­vou ao pro­ces­so de ema­gre­ci­men­to?

Ti­ve dois cis­tos na ti­re­oi­de e, há três anos, cui­do da ali­men­ta­ção e dos exer­cí­ci­os. Sem­pre en­gor­da­va e ema­gre­cia pa­ra os pa­péis. Com es­se pro­ble­ma, só ti­nha du­as saí­das: ope­rar ou ema­gre­cer. Por ser me­dro­sa, ema­gre­ci. Fo­ram dois anos de tra­ta­men­to com a en­do­cri­no­lo­gis­ta, Elaine Di­as.

“Ti­ve dois cis­tos na ti­re­oi­de e, há mais de três anos, cui­do da ali­men­ta­ção e dos exer­cí­ci­os. Sem­pre en­gor­da­va e ema­gre­cia pa­ra fa­zer os pa­péis. Co­mo ti­ve es­se pro­ble­ma, só ti­nha du­as saí­das: ope­ra­va ou ema­gre­cia. Por ser me­dro­sa, ema­gre­ci”

E 90% do su­ces­so do meu ema­gre­ci­men­to foi por cau­sa da mi­nha ca­be­ça, por não ter aque­la pres­são de pre­ci­sar ema­gre­cer. De­ve­mos cui­dar da saúde pa­ra a gen­te, não pa­ra nin­guém. Não ema­gre­ci por es­té­ti­ca, mas por saúde. Is­so es­tá me fa­zen­do su­per­bem e te­nho uma vi­da mui­to mais sau­dá­vel ago­ra.

Vo­cê foi mui­to cri­ti­ca­da ao fa­lar so­bre o ema­gre­ci­men­to no pro­gra­ma da Fá­ti­ma Ber­nar­des. Os jul­ga­men­tos a in­co­mo­da­ram de al­gu­ma for­ma?

Tu­do que fa­lam so­bre mim, me ins­ti­ga a que­rer me­lho­rar. O que fa­lam de mim, não me diz res­pei­to. Ten­to ex­pli­car de uma ma­nei­ra bem-edu­ca­da e amo­ro­sa o meu pon­to de vis­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.