Sem la­cra­ção

Can­sa­do de ou­vir pon­tos de vis­ta, Fá­bio Por­chat cri­ou uma atra­ção em que fa­mo­sos e anô­ni­mos con­tam ‘cau­sos’ in­te­res­san­tes. “Que His­tó­ria É Es­sa, Por­chat? [GNT] é pa­ra se di­ver­tir e es­que­cer a opi­nião”, avi­sa o mul­ti­mí­dia. E ele ain­da des­co­briu uma tá­ti­ca

Contigo Novelas - - ENTREVISTA - POR AN­DRÉ RO­MA­NO FO­TOS JU­LI­A­NA COU­TI­NHO

Co­mo foi a cons­tru­ção do pro­gra­ma?

Gra­va­mos dois epi­só­di­os por dia e fi­ca­re­mos no ar até de­zem­bro. Nes­sa de con­tar his­tó­ri­as, quan­do vê, tem vá­ri­as le­gais e eu não gos­to de cor­tar no meio por­que as his­tó­ri­as pre­ci­sam ser na­tu­rais. Se vo­cê faz uma his­tó­ria to­da cer­ti­nha, cor­ta­di­nha, per­de a na­tu­ra­li­da­de. Te­mos pes­qui­sa­do­res tra­ba­lhan­do com nos­sa equi­pe de ro­tei­ro pa­ra achar­mos es­sas his­tó­ri­as. Eles man­dam pa­ra os ro­tei­ris­tas, nós apro­va­mos, man­da­mos pa­ra o GNT. Mas al­gu­mas tam­bém sur­gem na ho­ra da gra­va­ção.

Co­mo qual, por exem­plo?

A de uma mu­lher que tro­pe­çou no Da­lai Lama [ri­sos]. Fa­lei pa­ra o GNT que que­ria um pro­gra­ma no canal, e eles per­gun­ta­ram se era um talk show. Res­pon­di: “Não, que­ro fa­zer o que acho o mais le­gal de um pro­gra­ma des­ses que são as his­tó­ri­as con­ta­das pe­las pes­so­as”. Quan­do a gen­te as­sis­tia ao Jô So­a­res, o ca­ra ia lá se apre­sen­tar, mas o que as pes­so­as lem­bra­vam mes­mo eram as his­tó­ri­as.

E o pro­gra­ma es­tá do jei­to que vo­cê pen­sou?

Co­me­cei a cri­ar e que­ria que fos­se só con­ta­ção de his­tó­ria. Não tem qua­dro, brin­ca­dei­ra, na­da.

“Es­tá to­do mun­do dan­do opi­nião o tem­po to­do nas redes sociais. O Fa­ce­bo­ok vi­rou um inferno. É uma cha­ti­ce tão gran­de as pes­so­as dan­do opi­nião...”

Por quê?

Não pre­ci­sa, só his­tó­ria fun­ci­o­na. Es­ta­va as­sis­tin­do a Ga­me of Th­ro­nes e o Ty­ri­on fa­lou: ‘Não exis­te na­da co­mo uma boa his­tó­ria pa­ra con­tar. No fim das con­tas o que so­bra é uma fo­guei­ra com um pes­so­al em vol­ta, con­tan­do uma his­tó­ria’. É nis­so que eu acre­di­to e quis fa­zer.

E co­mo es­co­lhem as his­tó­ri­as que se­rão con­ta­das na atra­ção?

A gen­te pe­de op­ções pa­ra os fa­mo­sos, o que é di­fí­cil, pois com al­guns não te­mos in­ti­mi­da­de. Do Lú­cio Mau­ro Fi­lho eu co­nhe­cia uma his­tó­ria e pe­di pa­ra ele con­tar. Mas a Clau­dia Raia, por exem­plo, vi du­as ve­zes na vi­da, não te­nho in­ti­mi­da­de com ela, mas li­guei pa­ra con­vi­dar e ela foi um amor. Ela man­dou um áu­dio de 4 mi­nu­tos con­tan­do que to­mou um so­co de uma ín­dia no meio do Xin­gu, caiu des­mai­a­da, pu­xa­ram ela pe­la per­na, uma his­tó­ria ma­ra­vi­lho­sa. En­tão, pa­ra al­gu­mas pes­so­as pe­di­mos pa­ra man­dar o áu­dio das his­tó­ri­as pa­ra ter­mos no­ção.

E qu­an­tas his­tó­ri­as ca­da um pre­ci­sa con­tar?

Se ca­da um con­tar bem uma his­tó­ria, já é su­fi­ci­en­te. Mas, cu­ri­o­sa­men­te, quan­do co­me­ça­mos a gra­var, ca­da con­vi­da­do ti­nha três his­tó­ri­as.

Co­mo sei quais são as his­tó­ri­as, pu­xo o gan­cho de um pa­ra o ou­tro, pa­ra fa­zer um link e a coi­sa fluir. As­sim não fi­ca aque­la coi­sa de “ago­ra con­te a sua”.

Vo­cê con­ta his­tó­ri­as su­as tam­bém?

Ló­gi­co que as es­tre­las são os con­vi­da­dos, mas tam­bém te­nho o po­der de con­tar a his­tó­ria que eu qui­ser e di­zer o que acon­te­ceu co­mi­go.

Co­mo sa­ber que a his­tó­ria é boa?

Quan­do a pes­soa que es­tá ou­vin­do fa­la “men­ti­ra”. Se ela diz is­so é por­que tem um tro­ço mui­to doi­do na sua his­tó­ria.

Quem gos­ta­ria que par­ti­ci­pas­se?

Mui­ta gen­te. No GNT o mar ver­me­lho foi aber­to de ver­da­de [ri­sos]. Aqui, se eu qui­ser, até Moi­sés vem! Na Recordtv, em dois anos e meio, en­tre­vis­tei qua­se mil pes­so­as. Aqui, du­ran­te a reu­nião, fa­la­vam no­mes e eu di­zia “já en­tre­vis­tei”, mas não é pro­ble­ma re­pe­tir. Quan­do o Lú­cio Mau­ro Fi­lho ter­mi­nou a his­tó­ria ma­ra­vi­lho­sa de­le, per­gun­tou quan­do vol­ta­va. A Clau­dia Raia dis­se: “na se­ma­na que vem vol­to pa­ra con­tar uma que não fa­lei ain­da”.

“Não en­ten­do na­da de música, mas tem du­as pes­so­as das quais co­nhe­ço to­das as can­ções: Ri­ta Lee e Ro­ber­to Car­los. Se­ria ma­ra­vi­lho­so [en­tre­vis­tá-los]!”

Quem mais?

Por mim, te­ria a Da­ni Ca­la­bre­sa no pro­gra­ma to­da se­ma­na, por­que ela con­ta his­tó­ria bem, é mui­to en­gra­ça­da. Sen­tia que o talk show era um for­ma­to in­crí­vel, mas era eu em fun­ção do for­ma­to. Aqui é o for­ma­to em mi­nha fun­ção. Pa­ra cri­ar, me per­gun­tei o que eu sa­bia fa­zer. Eu sei ba­ter pa­po, con­tar his­tó­ria e im­pro­vi­sar. E es­se pro­gra­ma é is­so!

O ce­ná­rio tem vá­ri­as fo­tos de sua vi­da...

Tem fo­to mi­nha com a tri­sa­vó Ali­ce, eu pe­la­do nu­ma ca­ver­na na Is­lân­dia, on­de foi gra­va­do Ga­me of Th­ro­nes e fa­zia 5 graus ne­ga­ti­vos ao la­do de fo­ra. Fa­lei pa­ra a mi­nha es­po­sa: ‘Acho que es­sa água é quen­te. É pa­ra na­dar, es­sa é a gra­ça des­sa ca­ver­na’. Ti­rei a roupa, mer­gu­lhei, a água es­ta­va com 50 graus! Fui an­dan­do e era co­mo se fi­zes­sem um chá de mim. Mi­nha mu­lher se re­cu­sou, mas foi o má­xi­mo. Pa­ra quem as­sis­te a Ga­me of Th­ro­nes, foi ali que Jon Snow per­deu a vir­gin­da­de.

Vo­cê fa­lou que com es­te pro­gra­ma que­ria fu­gir da cul­tu­ra da la­cra­ção…

Es­tá to­do mun­do dan­do opi­nião o tem­po to­do nas redes sociais. O Fa­ce­bo­ok vi­rou um inferno.

“Sem­pre ten­to ar­tis­ti­ca­men­te ir con­tra a cor­ren­te ou ten­tar pen­sar no que vai acon­te­cer. Quan­do to­do mun­do vai pa­ra um ca­mi­nho, ten­to ir pa­ra o ou­tro pa­ra ver o que acon­te­ce.”

É uma cha­ti­ce tão gran­de as pes­so­as dan­do opi­nião... Um lei­tor pe­diu pa­ra o jor­na­lis­ta de uma co­lu­na de cul­tu­ra não fa­lar de Bol­so­na­ro por­que ele já lia o no­me do pre­si­den­te em to­das as pá­gi­nas do jor­nal e, no ca­der­no de cul­tu­ra, que­ria ler ou­tra coi­sa. Achei tão bo­ni­ti­nho e é is­so aqui. Va­mos só con­tar his­tó­ria, pois não que­ro sa­ber a opi­nião de nin­guém. Sem con­tar que, às ve­zes, as pes­so­as dão opi­niões so­bre aqui­lo que elas nem sa­bem. É um pro­gra­ma pa­ra pen­sar na di­ver­são, es­que­cen­do a opi­nião. Cla­ro, po­dem sur­gir his­tó­ri­as po­li­ti­za­das, mas sem opi­nião nem la­cra­ção.

O for­ma­to talk show se es­go­tou?

Acho que não, por­que nos Es­ta­dos Uni­dos têm mui­to mais talk shows do que nós. Pa­ra eles, es­se for­ma­to é co­mo a no­ve­la pa­ra a gen­te. Mas co­mo no Bra­sil vi­ve­mos es­sa po­la­ri­za­ção e pes­so­as com mui­ta von­ta­de de dar opi­niões, che­ga­mos a um pon­to as­sim de pre­ci­sar pe­dir pa­ra, por exem­plo, em uma determinad­a oca­sião, ti­po ani­ver­sá­rio do so­bri­nho, não fa­lar do Pau­lo Gu­e­des.

Ain­da gos­ta de talk shows?

Gos­to. Es­ti­ve no do Bi­al, é gos­to­so, le­gal. Fui no da Mai­sa tam­bém. Sem­pre ten­to ar­tis­ti­ca­men­te ir con­tra a cor­ren­te ou ten­tar pen­sar no que vai acon­te­cer. Quan­do to­do mun­do vai pa­ra um ca­mi­nho, ten­to ir pa­ra o ou­tro pa­ra ver o que acon­te­ce.

“Às ve­zes, as pes­so­as dão opi­niões so­bre aqui­lo que elas nem sa­bem. É um pro­gra­ma pa­ra pen­sar na di­ver­são, es­que­cen­do a opi­nião. Cla­ro, po­dem sur­gir his­tó­ri­as po­li­ti­za­das, mas sem opi­nião nem la­cra­ção”

As pes­so­as tra­zem his­tó­ri­as que não se­jam en­gra­ça­das?

A do Es­co­bar, por exem­plo, ele qua­se mor­reu. Não é exa­ta­men­te uma his­tó­ria fe­liz. Co­mo é um pro­gra­ma com cu­nho de hu­mor, po­de con­tar his­tó­ria tris­te, mas tal­vez aque­las coi­sa “fui abu­sa­do pe­lo meu tio” não se­ja o ide­al pa­ra tra­zer aqui. Mas te­ve a his­tó­ria en­gra­ça­da de uma anô­ni­ma que ti­nha fei­to mas­tec­to­mia, saiu pa­ra um pri­mei­ro en­con­tro e tran­sou com o ca­ra sem ma­mi­lo. É mui­to doi­do, mas ao mes­mo tem­po vo­cê pen­sa “ca­ram­ba, ela te­ve cân­cer e ti­rou o seio”. Ela con­tou de for­ma en­gra­ça­da por­que não achou que ia tran­sar. Pen­sou que ia dar uns bei­jos, mas co­me­çou a rolar e ela fi­cou com as mãos no pei­to. O ca­ra pe­din­do pa­ra ela ti­rar e ela com ver­go­nha. Aí, ele ti­rou um olho pos­ti­ço e per­gun­tou: ‘e ago­ra tu­do bem?’. E ela dis­se: ‘Tá, vem lo­go’. E são ca­sa­dos até ho­je. É uma his­tó­ria lin­da, qua­se emocionant­e, mas tu­do mui­to sim­pá­ti­co.

Vo­cê pa­re­ce mui­to mais hu­ma­no nes­se pro­gra­ma, co­mo a Oprah...

Amo a El­len De­ge­ne­res, que é a no­va Oprah. Ela é em quem me ins­pi­ro pa­ra ter es­se con­ta­to. A Re­gi­na [Ca­sé] é a nos­sa Oprah, ela fa­la com a pla­teia, vai pa­ra o meio da ga­le­ra…

Se vo­cê pu­des­se ser ou­tra pes­soa por um dia, quem gos­ta­ria de ser?

Gos­ta­ria de ser o Oba­ma por um dia, mas gos­ta­ria de ser a Ma­la­la por um dia tam­bém.

Que no­mes gos­ta­ria de tra­zer?

Já apren­di a tá­ti­ca: fa­lar os no­mes das pes­so­as que vo­cê quer que ve­nha e es­tá sen­do di­fí­cil, por­que aí sai no jor­nal, a pes­soa vê e vem. A Mai­sa vem… E ago­ra só vou a um lu­gar se a pes­soa vir aqui tam­bém. Não en­ten­do na­da de música, mas tem du­as pes­so­as que co­nhe­ço to­das as mú­si­cas: Ri­ta Lee e Ro­ber­to Car­los. Se­ria ma­ra­vi­lho­so! Faus­tão tam­bém se­ria in­crí­vel, bo­ta aí pa­ra ele ver [ri­sos]. Vou pen­sar um di­fí­cil... Wil­li­am Bon­ner, pron­to

Na pla­teia da atra­ção, Por­chat ou­ve his­tó­ria do pú­bli­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.