Ca­ra a ta­pa

De vol­ta à no­ve­la Bom Su­ces­so (Glo­bo) co­mo Vir­gí­nia Al­cân­ta­ra, Su­za­na Pi­res fa­la so­bre se ar­ris­car co­mo atriz, au­to­ra de fo­lhe­tim e, ago­ra, em­pre­en­de­do­ra so­ci­al. Tu­do sem per­der a mar­ca re­gis­tra­da: o lar­go sor­ri­so

Contigo Novelas - - ENTREVISTA - POR AN­DRÉ ROMANO | FO­TOS GUS­TA­VO NO­GUEI­RA BE­LE­ZA: GU­TO MORAES

Sua par­ti­ci­pa­ção es­ta­va pre­vis­ta na tra­ma?

Não. Gos­to mui­to de no­ve­la e nos úl­ti­mos três anos me de­di­quei ape­nas a es­cre­ver. Aí, pin­tou um es­pa­ço na agen­da pa­ra eu en­trar em uma tra­ma. Sou mui­to pró­xi­ma da Ro­sa­ne [Svart­man, au­to­ra de Bom Su­ces­so], ela é uma men­to­ra, al­guém em quem me ins­pi­ro… En­fim, con­ver­sa­mos e eu meio que me ofe­re­ci. Per­gun­tei: “Não tem na­da pa­ra eu fa­zer lá na no­ve­la? Pos­so pas­sar cor­ren­do atrás”. Além do mais, ado­ro e es­tou acom­pa­nhan­do a tra­ma. Dois di­as de­pois ela e o Pau­lo [Halm, au­tor da tra­ma tam­bém] me avi­sa­ram: “A gen­te já es­cre­veu”.

Vo­cê faz fal­ta na TV…

Fi­co mui­to gra­ta pe­las pessoas não es­que­ce­rem de mim [ri­sos] e me di­ze­rem: “Eu sei que vo­cê es­tá sem fa­zer no­ve­la por­que di­ri­ge, pro­duz, mas faz fal­ta”. Ou se­ja, elas sa­bem que fa­ço ou­tras coi­sas den­tro da TV, mas fi­co feliz por sen­ti­rem a mi­nha fal­ta e por ter es­pa­ço pa­ra voltar. Tam­bém sin­to mui­ta fal­ta.

Co­mo vo­cê vê a Vir­gí­nia?

A Vir­gí­nia Al­cân­ta­ra, as­sim co­mo a Sil­va­na No­las­co [In­grid Gui­ma­rães], é uma atriz, mas é de um ou­tro ex­tre­mo. A Sil­va­na é mais ce­le­bri­da­de e a Vir­gí­nia é mais do te­a­tro, com­ple­xa. As du­as se acham gran­des estrelas, mas Vir­gí­nia se con­si­de­ra mais ca­be­ça.

“O mai­or pe­ri­go des­ta pro­fis­são é se per­der na vaidade. To­do mun­do me per­gun­ta co­mo co­me­çar um cur­so de te­a­tro e sem­pre di­go ‘co­me­ce com uma te­ra­pia’”

Exis­te uma re­la­ção de amor e ódio en­tre as du­as. Eu e In­grid já fi­ze­mos um gran­de su­ces­so jun­tas no ci­ne­ma, so­mos ami­gas há anos, en­tão o jo­go é rá­pi­do.

Vo­cê as­sis­tia à tra­ma an­tes de en­trar na his­tó­ria?

Sim! Eu até tui­ta­va ‘‘Fa­biu­la [Nas­ci­men­to], a She­ron [Me­nez­zes] es­tá te train­do”. Bem a ca­ra de es­pec­ta­dor. Até o pú­bli­co acha­va que eu já es­ta­va na no­ve­la, mas eu só as­sis­tia. A tra­ma to­ca em um te­ma de­li­ca­do que é o in­cen­ti­vo à lei­tu­ra, tem uma mu­lher pro­ta­go­nis­ta que é re­al­men­te re­al. A Gra­zi Mas­sa­fe­ra es­tá mui­to bem e a no­ve­la me en­can­tou des­de o iní­cio. É ti­po fé­ri­as, é su­a­ve. O dia a dia de uma au­to­ra é mui­to di­fe­ren­te. Vir gra­var é re­no­var os ares e voltar a cri­ar com mais gás.

Fez al­gu­ma pre­pa­ra­ção pa­ra a per­so­na­gem?

Fiz. Es­sa re­la­ção de amor e ódio de du­as atri­zes é al­go mui­to anos 1950. É uma re­la­ção en­gra­ça­da que não exis­te mais. Ho­je, com o fe­mi­nis­mo, a gen­te ten­ta evi­tar es­sa si­tu­a­ção de com­pe­ti­ção, mas es­sas du­as ain­da não en­ten­de­ram is­so. Elas es­tão lon­ge de en­ten­der o que é uma cons­ci­ên­cia atu­a­li­za­da.

Co­mo não dei­xar o ego da ar­tis­ta es­tou­rar?

Te­ra­pia, meu amor. Acho des­lum­bre ca­fo­na. Nin­guém é me­lhor do que nin­guém. To­dos vi­vem coi­sas que nem ima­gi­na­mos, en­tão pre­ci­sa­mos res­pei­tar as pessoas.

“Não dei­xo de ir ao mer­ca­do, fa­zer fei­ra, pe­gar me­trô... Es­ses di­as fui ao Nor­des­te, con­ver­sei com to­do mun­do: des­de o ven­de­dor de re­de ao do­no de ho­tel. Es­tar per­to de gen­te é bom pa­ra cri­ar re­per­tó­rio”

Nas pou­cas ve­zes que me vi per­to dis­so, já não gos­tei, fiz uma pi­a­da co­mi­go mes­ma pa­ra não acre­di­tar tan­to. O mai­or pe­ri­go des­sa pro­fis­são é se per­der na vaidade. To­do mun­do me per­gun­ta co­mo co­me­çar um cur­so de te­a­tro e sem­pre di­go “co­me­ce com uma te­ra­pia”.

Quan­tas ve­zes por se­ma­na faz te­ra­pia?

Uma vez por se­ma­na só, mas já fiz três! Não te­nho a me­nor ver­go­nha de con­tar is­so.

Vo­cê che­gou a so­frer pre­con­cei­to por se tor­nar dra­ma­tur­ga, né?

Sim. Os jor­na­lis­tas me co­nhe­cem há um tem­pão, sa­bem co­mo sou, e nós, ar­tis­ta e im­pren­sa, te­mos uma pro­fis­são em que nos ali­men­ta­mos do tra­ba­lho um do ou­tro. Não te­nho tre­ta se um jor­na­lis­ta qui­ser es­cre­ver crí­ti­cas; tu­do bem. Se me acres­cen­tar al­go, vou ou­vir. Nun­ca ti­ve me­do, sem­pre me ar­ris­quei. É por is­so que vou em fren­te. Ao ar­ris­car, po­de fra­cas­sar, mas is­so po­de te dar uma cou­ra­ça. De­pois vo­cê con­se­gue che­gar ao co­ra­ção das pessoas. Es­se é o meu ob­je­ti­vo co­mo atriz e co­mo au­to­ra. Te­nho que es­tar com es­se ca­nal mui­to lim­po e, pa­ra is­so, não sou tre­tei­ra. Es­cre­vo e, se al­guém ti­ver uma crí­ti­ca boa, eu vou ou­vir. Se per­ce­bo que é des­pei­to, dis­pen­so.

“Acho des­lum­bre ca­fo­na. Nin­guém é me­lhor do que nin­guém. To­do mun­do vi­ve coi­sas que nem ima­gi­na­mos, en­tão pre­ci­sa­mos res­pei­tar as pessoas. Nas pou­cas ve­zes que me vi per­to dis­so, já não gos­tei, fiz uma pi­a­da co­mi­go mes­ma pa­ra não acre­di­tar tan­to”

O Silvio de Abreu (di­re­tor e che­fe do nú­cleo de no­ve­las da Glo­bo) fa­lou que vo­cê é cria de­le. Ou­vir is­so é co­mo le­var um Os­car…

Um Os­car pe­sa­do! [Ri­sos] Vem pres­são jun­to. O tra­ba­lho da au­to­ria é com­ple­xo. Quem me en­si­nou a es­cre­ver foi o Wal­ter Ne­grão. Tra­ba­lhei com ele por mui­tos anos. Apren­di com a pes­soa que pra­ti­ca­men­te in­ven­tou is­so, cri­ei mi­nha ma­nei­ra de fa­zer, sem­pre me sen­ti va­lo­ri­za­da nas du­as fun­ções. Sem­pre sen­ti que ti­nha uma empresa que me apoi­a­va a ser o má­xi­mo que eu pu­des­se ser.

Mes­mo em ce­na, vo­cê não abre mais mão do ofí­cio de au­to­ra, né?

De ma­nei­ra al­gu­ma. Abrir mão de es­cre­ver é im­pos­sí­vel. Nem o mer­ca­do abri­ria. Te­nho um pro­je­to, mas que só a Glo­bo po­de di­vul­gar. Ano que vem tem o filme De Per­to Ela Não É Nor­mal, uma adap­ta­ção da mi­nha pe­ça pa­ra o ci­ne­ma, com um elen­co ma­ra­vi­lho­so: An­gé­li­ca, He­loí­sa Pé­ris­sé, Ive­te San­ga­lo, Gaby Ama­ran­tos… To­das co­mo atri­zes. Elas se pre­pa­ra­ram, já ti­nham vis­to a pe­ça, são mi­nhas ami­gas e vi­e­ram com von­ta­de de fa­zer aqui­lo dar cer­to. A In­grid não pô­de fa­zer, mas tem uma par­ti­ci­pa­ção es­pe­ci­al hi­lá­ria. Vo­cês vão gos­tar.

“É um pe­río­do de evo­lu­ção, de en­ten­der co­mo é a mi­nha voz”

No no­vo pro­je­to com a Glo­bo, tem al­gu­ma par­ce­ria?

Es­tou so­zi­nha. É um pe­río­do de de­sen­vol­vi­men­to, de en­ten­der co­mo é a mi­nha voz, qual é mi­nha pe­ga­da... Quan­do o Ne­grão fi­cou do­en­te em Sol Nas­cen­te [2016], to­quei com o Jú­lio [Fis­cher, ou­tro au­tor da tra­ma]. Ago­ra é o exer­cí­cio da mi­nha voz co­mo au­to­ra. Se fi­car bom, óti­mo. Se fi­car ruim, a gen­te vol­ta e es­cre­ve de no­vo... É uma car­rei­ra de lon­go pra­zo e eu ain­da sou no­va.

Não tem me­do de se ar­ris­car?

Às ve­zes, ou­ço “co­mo es­sa mu­lher não tem me­do de fa­zer is­so? Co­mo con­se­gue?”. Se eu er­rar, pos­so pa­gar um mi­cão. Dou a ca­ra a ta­pa, mas o fa­rei de­pois de ter es­tu­da­do mui­to.

Em Sol Nas­cen­te deu sua ca­ra a ta­pa de­pois que o Ne­grão fi­cou do­en­te, e vo­cê te­ve mui­to su­ces­so, in­clu­si­ve em Por­tu­gal.

Dei uma sor­te da­na­da ali, por­que ti­nha co­mo di­re­tor o Le­o­nar­do No­guei­ra, ma­ri­do da atriz Gi­o­van­na An­to­nel­li, que é meu ami­go. Era um gru­po de­se­jan­do que tu­do desse mui­to cer­to di­an­te de um pro­ble­ma ex­tre­ma­men­te sé­rio. O Ne­grão fi­cou do­en­te e o meu pai tam­bém ado­e­ceu na­que­la mes­ma se­ma­na. Foi um pe­río­do bas­tan­te lou­co e pre­ci­sei li­dar com tu­do is­so. Foi uma pro­va de que tu­do po­de­ria dar er­ra­do, mas eu po­de­ria fa­zer dar cer­to. As­su­mi o meu la­do vul­ne­rá­vel, fi­quei sem meus dois pais.

“Fi­co mui­to gra­ta pe­las pessoas não es­que­ce­rem de mim [ri­sos] e di­ze­rem ‘eu sei que vo­cê es­tá sem fa­zer no­ve­la por­que di­ri­ge, pro­duz, mas faz fal­ta’. Ou se­ja, elas sa­bem que fa­ço ou­tras coi­sas den­tro da TV”

De re­pen­te, um caiu pa­ra um la­do e o ou­tro caiu do ou­tro. Ho­je, os dois es­tão óti­mos, mas foi um de­sa­fio. Em ne­nhum mo­men­to fin­gi que es­ta­va tu­do bem. Eu es­ta­va em car­ne vi­va, mas gos­tei que pas­sou e a no­ve­la se re­cu­pe­rou.

É mais di­fí­cil ser uma atriz dra­ma­tur­ga com mui­tos ami­gos ato­res?

Não... Não ro­la pe­di­do de va­gas. A gen­te es­tá den­tro de uma empresa e exis­tem ins­tân­ci­as pa­ra um elen­co ser apro­va­do. É a empresa que man­da. Pos­so dar um pal­pi­te, in­di­car al­guém, mas é um pro­ces­so. Co­mo co­nhe­ço mui­to bem o set, sou uma pes­soa da­li, na ho­ra de es­cre­ver is­so fa­ci­li­ta tan­to pa­ra o di­re­tor quan­to pa­ra o elen­co. Quan­do eu vi­nha ao set de Sol Nas­cen­te, sa­bia qual era a an­gús­tia. Vo­cê tem um do­mí­nio me­lhor do ta­bu­lei­ro e do que é fa­zer te­le­vi­são. Es­tou lou­ca pa­ra uma ou­tra atriz co­me­çar a es­cre­ver no­ve­la. Não é le­gal es­tar nes­te lu­gar so­zi­nha.

Tem al­guém que es­cre­ve tam­bém?

A He­loí­sa Pé­ris­sé es­cre­ve, mas não no­ve­la. A gen­te já con­ver­sou so­bre is­so. Tem mui­tas atri­zes que es­cre­vem, eu as in­cen­ti­vo e elas fa­zem o mes­mo. Mas ne­nhu­ma nes­se dia a dia da tra­ma aber­ta... Mi­nha vi­da ru­mou pa­ra es­se la­do.

“Não ro­la pe­di­do de va­ga. A gen­te es­tá den­tro de uma empresa e exis­tem ins­tân­ci­as pa­ra um elen­co ser apro­va­do”

Quem vem pri­mei­ro: a atriz ou a au­to­ra?

Acho que a au­to­ra.

A Glo­bo es­tá tes­tan­do co­me­çar as no­ve­las com 60 ca­pí­tu­los de fren­te. Exis­te uma an­gús­tia em es­cre­ver tu­do is­so an­tes de ir ao ar...

E de­pois mu­dar? Já fiz is­so. Não dá an­gús­tia... É ou­tra coi­sa. É sen­tar e es­cre­ver! Te­nho uma equi­pe.

De on­de vêm su­as ins­pi­ra­ções?

De tu­do! De gen­te e de en­ten­der o mun­do. A mi­nha for­ma­ção é de en­ten­der fenô­me­nos. É is­so que fa­ço. A gen­te pre­ci­sa en­ten­der o que es­tá acon­te­cen­do, pa­ra on­de es­tá in­do, pa­ra cri­ar os per­so­na­gens.

Gos­ta de an­dar de me­trô?

Ado­ro! Tem di­as que cau­so, as pessoas me amam. Em ou­tros, me olham de ra­bo de olho. É ma­ra­vi­lho­so! Não dei­xo de ir ao mer­ca­do, fa­zer fei­ra, pe­gar me­trô... Es­ses di­as fui ao Nor­des­te, con­ver­sei com to­do mun­do: des­de o ven­de­dor de re­de ao do­no de ho­tel. Es­tar per­to de gen­te é bom pa­ra cri­ar re­per­tó­rio.

Vi­a­jar tam­bém aju­da?

Sim! In­clu­si­ve, fil­mei em Cui­a­bá (MS). En­tão, pa­ra 2020 tam­bém tem o filme Eva, que é um dra­ma. Nes­se, tra­ba­lho co­mo atriz.

“A mi­nha for­ma­ção é de en­ten­der fenô­me­nos. A gen­te pre­ci­sa en­ten­der o que es­tá acon­te­cen­do, pa­ra on­de es­tá in­do, pa­ra cri­ar per­so­na­gens”

Fa­le so­bre o Ins­ti­tu­to Do­na de Si.

Aca­bei de me tor­nar em­pre­en­de­do­ra so­ci­al. A par­tir da mi­nha mar­ca, a Do­na de Si, abri o Ins­ti­tu­to Do­na de Si, que é um ace­le­ra­dor de ta­len­tos fe­mi­ni­nos em cin­co áre­as da eco­no­mia cri­a­ti­va: au­di­o­vi­su­al, mo­da, ga­mes, gas­tro­no­mia e li­te­ra­tu­ra. Ti­ve­mos gran­des pro­je­tos es­te ano, co­mo um con­cur­so na­ci­o­nal de ro­tei­ros em que re­ve­la­mos cin­co gran­des au­to­ras bra­si­lei­ras, uma de ca­da re­gião. O con­cur­so fi­na­li­zou-se sen­do uma cam­pa­nha so­ci­al pa­ra a mar­ca Arez­zo. Tam­bém ti­ve­mos um pro­je­to gran­de pa­ra a Bra­zil Foun­da­ti­on: nos­sas ace­le­ra­das fi­ze­ram a cri­a­ção da ga­la des­te ano.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.