Mí­ni­mo de­ve pas­sar de R$ 1 mil em 2019

Correio da Bahia - - Mais - Do­nald­son Go­mes e agên­ci­as

O sa­lá­rio mí­ni­mo vai rom­per pe­la pri­mei­ra vez a mar­ca dos R$ 1 mil em 2019, de acor­do com o Pro­je­to de Lei de Di­re­tri­zes Or­ça­men­tá­ri­as (PL­DO) apre­sen­ta­do on­tem pe­lo Mi­nis­té­rio do Pla­ne­ja­men­to. O go­ver­no vai en­ca­mi­nhar o pro­je­to ho­je ao Con­gres­so Na­ci­o­nal. Atu­al­men­te, o va­lor do mí­ni­mo es­tá em R$ 954 e de­ve su­bir pa­ra R$ 1.002 a par­tir do pró­xi­mo ano, uma al­ta de 5%.

Es­se va­lor, no en­tan­to, pode mu­dar, por­que o go­ver­no só ba­te o mar­te­lo so­bre o va­lor no fim do ano. O re­a­jus­te pa­ra o pró­xi­mo ano se­rá bem su­pe­ri­or ao ob­ti­do pe­los tra­ba­lha­do­res em 2018, quan­do o au­men­to do mí­ni­mo foi de ape­nas 1,81% (de R$ 937 pa­ra R$ 954) - o me­nor por­cen­tu­al de acrés­ci­mo em 24 anos.

O re­a­jus­te mai­or em 2019 acon­te­ce por­que a eco­no­mia vol­tou a cres­cer no ano pas­sa­do e por­que a in­fla­ção es­pe­ra­da pa­ra este ano de­ve ser mai­or que a de 2017.

Des­de 2012, a fórmula pa­ra a cor­re­ção do sa­lá­rio mí­ni­mo pre­vê a apli­ca­ção da so­ma da va­ri­a­ção do Ín­di­ce Na­ci­o­nal de Pre­ços ao Con­su­mi­dor (INPC) do ano an­te­ri­or, so­ma­da ao cres­ci­men­to do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) de dois anos an­tes.

O go­ver­no es­ti­ma que o INPC en­cer­ra­rá este ano em 3,8%. Por is­so, ape­nas a apli­ca­ção da fórmula re­sul­ta­ria em um au­men­to de 4,8%, o que ainda se­ria in­su­fi­ci­en­te pa­ra ul­tra­pas­sar a bar­rei­ra dos R$ 1 mil de sa­lá­rio. Mas, co­mo no ano pas­sa­do o go­ver­no pro­je­tou um INPC in­fe­ri­or ao da­do re­al, o re­a­jus­te 2018 fi­cou abai­xo da in­fla­ção no pe­río­do, o que se­rá com­pen­sa­do ago­ra.

Mes­mo se con­fir­ma­da a pro­pos­ta pa­ra o sa­lá­rio mí­ni­mo aci­ma de R$ 1 mil pa­ra 2019, o va­lor ainda fi­ca­rá dis­tan­te do con­si­de­ra­do co­mo “ne­ces­sá­rio” pe­lo De­par­ta­men­to In­ter­sin­di­cal de Es­ta­tís­ti­ca e Es­tu­dos Socioeconômicos (Di­e­e­se). De acor­do com o ór­gão, pa­ra su­prir as des­pe­sas de uma fa­mí­lia de qua­tro pes­so­as, se­ri­am ne­ces­sá­ri­os R$ 3.706,44 ao mês, com ba­se nas des­pe­sas no úl­ti­mo mês de mar­ço.

O ano de 2019 é úl­ti­mo de vi­gên­cia des­sa me­to­do­lo­gia, que ga­ran­te ga­nhos re­ais aos tra­ba­lha­do­res sem­pre que há cres­ci­men­to da eco­no­mia. Ca­be­rá ao pró­xi­mo go­ver­no de­ci­dir se man­tém a atu­al fórmula, so­li­ci­tan­do a sua pror­ro­ga­ção ao Con­gres­so.

Mes­mo as­sim, a equi­pe econô­mi­ca pro­je­tou a tra­je­tó­ria do mí­ni­mo pa­ra os anos se­guin­tes, ca­so a me­to­do­lo­gia se­ja man­ti­da. Des­sa for­ma, a re­mu­ne­ra­ção men­sal bá­si­ca do trabalhador bra­si­lei­ro che­ga­ria a R$ 1.076 em 2020 e R$ 1.153 em 2021.

O re­a­jus­te do sa­lá­rio mí­ni­mo tem im­pac­to nos gas­tos do go­ver­no. Is­so por­que os be­ne­fí­ci­os pa­gos pe­lo Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal do Se­gu­ro So­ci­al (INSS) aos apo­sen­ta­dos não po­dem ser me­no­res do que um sa­lá­rio mí­ni­mo.

Com o au­men­to de R$ 48 no sa­lá­rio mí­ni­mo no pró­xi­mo ano, de R$ 954 pa­ra R$ 1.002, os nú­me­ros da área econô­mi­ca in­di­cam que ha­ve­rá um au­men­to nos gas­tos pú­bli­cos de mais de R$ 14 bi­lhões so­men­te por con­ta des­se re­a­jus­te. Na Lei de Di­re­tri­zes Or­ça­men­tá­ri­as (LDO) de 2018, en­vi­a­da ao Con­gres­so no ano pas­sa­do, o go­ver­no in­for­mou que ca­da R$ 1 de au­men­to no sa­lá­rio mí­ni­mo ge­ra um in­cre­men­to de cer­ca de R$ 300 mi­lhões ao ano nas des­pe­sas do go­ver­no.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.