CLN vai re­cor­rer con­tra atos na Es­tra­da do Co­co

Correio da Bahia - - Mais -

ida e a vin­da de pes­so­as, is­so me cons­tran­ge”, con­clui ela.

Já o pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção das Câ­ma­ras de Di­ri­gen­tes Lo­jis­tas da Bahia (FCDL), An­toi­ne Tawil, des­ta­ca que o ma­ni­fes­to le­va em con­ta qual­quer ti­po de ma­ni­fes­ta­ção – in­clu­si­ve uma co­mo a dos ro­do­viá­ri­os do Sub­sis­te­ma de Trans­por­te Es­pe­ci­al Com­ple­men­tar (Stec), que acon­te­ceu no mês pas­sa­do e tra­vou a ci­da­de por se­te ho­ras. Se­gun­do ele, 80% das ati­vi­da­des econô­mi­cas da ca­pi­tal es­tão con­cen­tra­das no ei­xo en­tre a Bar­ra e a Pi­tu­ba. “Se vo­cê fe­char aqui­lo ali, vo­cê es­tá im­pe­din­do a ge­ra­ção de ren­da e em­pre­go”.

Mas não são só os gran­des cen­tros co­mer­ci­ais que so­frem com as in­ter­di­ções. O pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção da Agri­cul­tu­ra e Pe­cuá­ria da Bahia (Fa­eb), Hum­ber­to Mi­ran­da, in­for­ma que qual­quer ma­ni­fes­ta­ção que en­vol­va o blo­queio de es­tra­das e ru­as traz im­pac­tos di­re­tos tam­bém pa­ra o se­tor agro­pe­cuá­rio. Is­so por­que to­da a pro­du­ção é es­co­a­da por ro­do­vi­as e pre­ci­sa atra­ves­sar ci­da­des pa­ra che­gar ao des­ti­no fi­nal.

“Mes­mo aque­les pro­du­tos des­ti­na­dos à ex­por­ta­ção – que se­gui­rão em na­vi­os, por exem­plo – sa­em das pro­pri­e­da­des e em­pre­sas ru­rais atra­vés das BAs e BRs que cor­tam a Bahia. E é im­por­tan­te lem­brar que boa par­te da pro­du­ção é pe­re­cí­vel, po­de es­tra­gar. En­tão, qual­quer tem­po que se per­ca a mais do que o pla­ne­ja­do po­de ser de­ter­mi­nan­te pa­ra a car­ga”, exem­pli­fi­ca Mi­ran­da.

Ele afir­ma tam­bém que a en­ti­da­de en­ten­de to­do ti­po de ma­ni­fes­ta­ção pú­bli­ca e que acre­di­ta que to­dos têm o di­rei­to de se ex­pres­sar. No en­tan­to, as­sim co­mo as ou­tras en­ti­da­des, de­fen­de que is­so acon­te­ça de uma for­ma que não in­ter­fi­ra no di­rei­to de ir e vir.

“Blo­que­ar es­tra­das, ru­as e ave­ni­das é um des­ser­vi­ço pa­ra a ci­da­de e atra­pa­lha a vi­da de to­do mun­do, não ape­nas do se­tor pro­du­ti­vo. Vi­mos, por exem­plo, em re­por­ta­gens di­vul­ga­das pe­la mí­dia so­bre a úl­ti­ma ma­ni­fes­ta­ção, am­bu­lân­ci­as pre­sas no pro­tes­to, com pa­ci­en­tes den­tro. Es­se ti­po de ma­ni­fes­ta­ção, in­de­pen­den­te da ide­o­lo­gia de­fen­di­da, de­ve ser evi­ta­da”, co­men­ta Mi­ran­da.

Pa­ra Ce­dro Sil­va, pre­si­den­te da Cen­tral Úni­ca dos Tra­ba­lha­do­res (CUT), uma das en­ti­da­des que têm con­vo­ca­do as úl­ti­mas ma­ni­fes­ta­ções con­tra a pri­são do ex-pre­si­den­te Lu­la, a di­vul­ga­ção do ma­ni­fes­to é uma ten­ta­ti­va de in­flu­en­ci­ar a opi­nião pú­bli­ca.

Ele acre­di­ta que é uma for­ma de fa­zer com que a po­pu­la­ção em ge­ral se po­si­ci­o­ne con­tra os mo­vi­men­tos so­ci­ais – que, se­gun­do Sil­va, es­tão rei­vin­di­can­do a de­mo­cra­cia, mais em­pre­gos e a de­fe­sa das es­ta­tais. A Con­ces­si­o­ná­ria Li­to­ral Nor­te (CLN), que ad­mi­nis­tra a ro­do­via BA-099 ou Es­tra­da do Co­co, vai re­cor­rer da de­ci­são da juí­za plan­to­nis­ta An­to­nia Ma­ri­na Apa­re­ci­da de Pau­la Fa­lei­ros, que li­be­rou os in­te­gran­tes do Mo­vi­men­to Sem Ter­ra (MST) a se ma­ni­fes­tar a fa­vor do ex-pre­si­den­te Lu­la, mes­mo blo­que­an­do a es­tra­da.

A Con­ces­si­o­ná­ria ha­via so­li­ci­ta­do a proi­bi­ção des­se ti­po de ma­ni­fes­ta­ção na via, com o ar­gu­men­to de que os pro­tes­tos im­pe­dem que ou­tras pes­so­as uti­li­zem a ro­do­via.

Pa­ra a ma­gis­tra­da, não ca­be ao Es­ta­do de­ci­dir so­bre tal as­sun­to. A juí­za afir­ma ain­da que “to­dos po­dem se reu­nir pa­ci­fi­ca­men­te, sem ar­mas, em lo­cais aber­tos ao pú­bli­co, in­de­pen­den­te­men­te de au­to­ri­za­ção, des­de que não frus­trem ou­tra reu­nião an­te­ri­or­men­te con­vo­ca­da pa­ra o mes­mo lo­cal, sen­do ape­nas exi­gi­do pré­vio avi­so à au­to­ri­da­de com­pe­ten­te”.

Mas a CLN in­for­mou, por meio de no­ta, que “res­pei­ta o di­rei­to à li­ber­da­de de ex­pres­são, a de­mo­cra­cia e a rei­vin­di­ca­ção de qual­quer ci­da­dão, mas re­pu­dia qual­quer ato que aten­te con­tra o di­rei­to cons­ti­tu­ci­o­nal de ir e vir dos seus usuá­ri­os”. Por is­so, a em­pre­sa diz que vai re­cor­rer da de­ci­são da juí­za e que se­gue mo­ni­to­ran­do a ro­do­via pa­ra ga­ran­tir o ple­no fun­ci­o­na­men­to da BA-099.

Em São Pau­lo, o Ju­di­ciá­rio aten­deu ao pe­di­do da Au­to Ra­po­so Ta­va­res, proi­bin­do o blo­queio na sex­ta (6), um dia an­tes de Lu­la se en­tre­gar. O juiz es­cre­veu que o “di­rei­to de ma­ni­fes­ta­ção não pre­va­le­ce so­bre o dos usuá­ri­os da ro­do­via”. Além da Au­to Ra­po­so Ta­va­res, a Au­to­vi­as

S/A, a Vi­aOes­te e a Ro­do­a­nel Oes­te, to­das ad­mi­nis­tra­do­ras de ro­do­vi­as em São Pau­lo, con­se­gui­ram li­mi­na­res pa­ra im­pe­dir o blo­queio em pro­tes­to con­tra a pri­são do ex-pre­si­den­te Lu­la.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.