Re­mé­dio ou te­ra­pia: o que aju­da mais?

Correio da Bahia - - Mais -

O uso de an­ti­de­pres­si­vos é um pon­to de ten­si­o­na­men­to, e mui­tas ve­zes de dis­cor­dân­cia en­tre psi­qui­a­tras e psi­có­lo­gos que li­dam com pa­ci­en­tes em de­pres­são.

En­quan­to do­en­ça – que po­de se ma­ni­fes­tar tam­bém no fí­si­co do paciente, por meio de do­res no cor­po –, re­mé­di­os são es­sen­ci­ais e a cu­ra po­de ser al­can­ça­da. Mas, em quais ca­sos é pre­ci­so re­cor­rer a eles e qual é a quan­ti­da­de ne­ces­sá­ria? Aí re­si­de a ques­tão, cu­ja res­pos­ta cos­tu­ma va­ri­ar de pro­fis­si­o­nal para pro­fis­si­o­nal.

O pro­ble­ma é o ex­ces­so, de­fen­de o psi­qui­a­tra Mar­ce­lo Ve­ras, au­tor do li­vro A Lou­cu­ra En­tre Nós – que ins­pi­rou o fil­me de mes­mo no­me, ro­da­do em Sal­va­dor e lan­ça­do três anos atrás. “Ho­je em dia, a de­pres­são é um ni­cho enor­me para me­di­ca­men­ta­ção. Nem sem­pre a pes­soa es­tá de­pres­si­va, ela po­de es­tar em re­a­ção de lu­to, de tris­te­za”, es­cla­re­ce.

Jus­ta­men­te para evi­tar con­sequên­ci­as ne­ga­ti­vas, foi cri­a­do o Tes­te Far­ma­co­ge­né­ti­co do Sis­te­ma Ner­vo­so Cen­tral. A par­tir da co­le­ta da sa­li­va, é pos­sí­vel pre­ver se o me­di­ca­men­to pres­cri­to po­de cau­sar re­a­ções ad­ver­sas e se a do­sa­gem é ade­qua­da, o que evi­ta ex­ces­sos. O pro­ce­di­men­to cus­ta R$ 3,9 mil e é ofe­re­ci­do em ape­nas uma clí­ni­ca de Sal­va­dor – a Ho­lis­te, em Pi­tu­a­çu.

No cam­po da te­ra­pia, a lo­go­te­ra­pia tem se des­ta­ca­do no tra­ta­men­to da do­en­ça. Cri­a­da por Vik­tor Fran­kl após a Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al, a lo­go­te­ra­pia che­gou à ca­pi­tal bai­a­na ape­nas na úl­ti­ma dé­ca­da.

Es­sa for­ma de tra­tar a do­en­ça, que é uma das cor­ren­tes da psi­co­te­ra­pia, aju­da o paciente de­pres­si­vo a en­con­trar o sig­ni­fi­ca­do da vi­da - al­go com­ple­xo ape­nas na des­cri­ção. “O tra­ta­men­to acon­te­ce na ba­se do sen­ti­do do en­con­tro, o en­con­tro do sen­ti­do. Tra­ta­mos das ques­tões exis­ten­ci­ais que não es­tão em evi­dên­cia. Tra­ba­lha­mos com o des­per­tar de dons, po­ten­ci­ais, da li­ber­da­de”, ex­pli­ca a psi­có­lo­ga Re­be­ca Pi­na.

Tam­bém tem se tor­na­do ca­da vez mais re­cor­ren­te, e com­pro­va­da, a efi­cá­cia da ali­men­ta­ção ade­qua­da e de exer­cí­ci­os fí­si­cos no tra­ta­men­to da do­en­ça. A du­pla, ex­pli­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta or­to­mo­le­cu­lar Ka­ri­ne Lins, con­tri­bui para ele­var o ní­vel de hormô­ni­os co­mo a en­dor­fi­na, as­so­ci­a­da ao pra­zer, e a se­ro­to­ni­na, re­gu­la­do­ra do hu­mor e do so­no. Rom­per o es­tig­ma, no fi­nal das con­tas, é o que va­le. E o re­sul­ta­do po­de ser trans­for­ma­dor.

Ofe­re­ce, on­li­ne, apoio emo­ci­o­nal. Fun­ci­o­na na Rua Luis Gama, n° 47, Na­za­ré, e aten­de nos te­le­fo­nes 3322-4111 ou no 3244-6936 por 24 ho­ras. Ofe­re­ce apoio psi­co­ló­gi­co, no en­de­re­ço Ave­ni­da Ed­gard San­tos, Na­ran­di­ba, Sal­va­dor. Te­le­fo­ne: 3103-3900.

Ofe­re­ce tra­ta­men­to psi­co­ló­gi­co e te­ra­pia gra­tui­tos na Es­tra­da de São Lá­za­ro, n° 170, São Lá­za­ro. Tel.: 3235-4589.

Ofe­re­ce gra­tui­ta­men­te ses­sões com psi­có­lo­gos na Ave­ni­da Dom João VI, n° 275, em Bro­tas. Tel.: 3276-8259.

Ses­sões de te­ra­pia jun­gui­a­na, ba­se­a­da no in­cons­ci­en­te hu­ma­no, na Ave­ni­da Dom João, Ala­me­da Bons Ares, 15, Can­de­al. Tel.: 3356-1645.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.