Vi­da

Correio da Bahia - - Mais - Laura Fernandes*

Da ja­ne­la da van era pos­sí­vel ver o per­so­na­gem prin­ci­pal da no­va su­per­sé­rie da Globo, On­de Nas­cem os For­tes: o ser­tão da Pa­raí­ba. “Olha o bo­de!”, apon­tou, en­can­ta­do, um jor­na­lis­ta, en­quan­to des­co­bria aque­le ce­ná­rio que já é ve­lho co­nhe­ci­do de qu­em cos­tu­ma vi­a­jar pe­lo in­te­ri­or bai­a­no. Es­tra­da de bar­ro, cac­tos, ga­lhos se­cos, cer­cas de ara­me far­pa­do e ga­do no pas­to. O ser­tão nor­des­ti­no é o gran­de pro­ta­go­nis­ta da tra­ma que es­treia dia 23, na Globo/TV Bahia, e ama­nhã, para as­si­nan­tes do Globo Play.

À me­di­da que aden­tra­va a es­tra­da de bar­ro a ca­mi­nho das lo­ca­ções da sé­rie, que tem di­re­ção ar­tís­ti­ca de Jo­sé Luiz Vil­la­ma­rim e di­re­ção de Walter Car­va­lho, Isa­bel­la Tei­xei­ra e Lui­sa Li­ma, a equi­pe de jor­na­lis­tas se des­co­nec­ta­va do mun­do di­gi­tal e fi­ca­va aten­ta aos de­ta­lhes da­que­le Bra­sil pro­fun­do, pou­co mos­tra­do na te­le­vi­são.

A vi­si­ta era uma pe­que­na amos­tra do que foi ex­pe­ri­men­ta­do pe­lo elen­co com­pos­to por no­mes de pe­so co- mo Ale­xan­dre Ne­ro, Pa­tri­cia Pil­lar, Fá­bio As­sun­ção, Je­suí­ta Bar­bo­sa, Irandhir San­tos e Ali­ce Weg­mann. Du­ran­te os cin­co me­ses de gra­va­ção, os ato­res fi­ca­ram hos­pe­da­dos no in­te­ri­or pa­rai­ba­no para res­pi­rar aque­la at­mos­fe­ra ser­ta­ne­ja e dar vi­da a uma his­tó­ria de amor, ódio, pai­xões e per­dões.

“A ideia de fa­zer uma imer­são no uni­ver­so que a gen­te quer re­tra­tar - co­mo fi­ze­mos em O Can­to da Se­reia e Amo­res Rou­ba­dos - é boa por­que ti­ra to­do mun­do da zo­na de con­for­to”, des­ta­ca o au­tor per­nam­bu­ca­no Ge­or­ge Mou­ra, 54 anos, que as­si­na o tex­to de On­de Nas­cem os For­tes com Sergio Gol­den­berg.

Nos 53 epi­só­di­os que se­rão exi­bi­dos de se­gun­da a sex­ta­fei­ra, do dia 23 ao dia 14 de ju­nho, o te­les­pec­ta­dor vai en­con­trar um ser­tão an­ces­tral e, ao mes­mo tem­po, con­tem­po­râ­neo. Ou se­ja, a ima­gem do ser­ta­ne­jo ma­tu­to es­tá lon­ge de ser a pro­pos­ta da no­va su­per­sé­rie que te­ve 60% das ce­nas ro­da­das no se­miá­ri­do pa­rai­ba­no, além de sequên­ci­as no Pi­auí e em Per­nam­bu­co. No lu­gar do es­te­reó­ti­po, a re­a­li­da­de glo­ba­li­za­da con­tra­ce­na com a tra­di­ção.

“A gen­te es­tá ten­tan­do fa­zer o ser­tão que exis­te ago­ra: o ser­tão de ho­je é con­tem­po­râ­neo, é glo­ba­li­za­do. As mo­tos che­ga­ram, o bo­né do Ney­mar... Só que tem a ques­tão ar­cai­ca que tam­bém es­tá aqui. O ar­cai­co e o con­tem­po­râ­neo dão um fres­cor, uma ca­ra no­va”, des­ta­ca o mi­nei­ro Jo­sé Luiz Vil­la­ma­rim, 55 anos, que tam­bém di­ri­giu sé­ri­es co­mo Jus­ti­ça (2016), Amo­res Rou­ba­dos (2014) e O Can­to da Se­reia (2013), além da no­ve­la Ave­ni­da Bra­sil (2012).

Ge­or­ge Mou­ra con­cor­da e re­for­ça que o ob­je­ti­vo era con­tar uma his­tó­ria de fic­ção que re­fle­tis­se a re­a­li­da­de con­tem­po­râ­nea. Por is­so, a es­co­lha por gra­var ce­nas na in­dús­tria Ben­to­nit União Nor­des­te, na ci­da­de de Boa Vis­ta, que não pa­rou sua pro­du­ção para as gra­va­ções e te­ve os pró­pri­os fun­ci­o­ná­ri­os co­mo fi­gu­ran­tes. “Is­so aqui é uma in­dús­tria de ben­to­ni­ta, um mi­né­rio não fer­ro­so, re­sul­ta­do de la­vas vul­câ­ni­cas. Aqui se en­con­tram pin­tu­ras ru­pes­tres e, ao mes­mo tem­po, é uma em­pre­sa de po­tên­cia in­crí­vel que ex­por­ta para to­do o Bra­sil”, con­tra­põe Ge­or­ge, du­ran­te vi­si­ta à fá­bri­ca.

É nes­se con­tex­to que a su­per­sé­rie apre­sen­ta a his­tó­ria do em­pre­sá­rio Pe­dro Gou­veia (Ale­xan­dre Ne­ro), do­no da mai­or fá­bri­ca de ben­to­ni­ta da re­gião e sím­bo­lo do po­der econô­mi­co, já que fez for­tu­na com a ex­tra­ção de mi­né­rio. Co­mo po­der atrai in­ve­ja, Pe­dro co­le­ci­o­na ini­mi­gos co­mo o juiz Ra­mi­ro (Fá­bio As­sun­ção) e o jo­vem No­na­to (Mar­co Pi­gos­si), que bri­ga com Pe­dro e aca­ba su­min­do do mapa.

“O Pe­dro é um ho­mem mui­to po­de­ro­so eco­no­mi­ca­men­te e so­ci­al­men­te. É mui­to res­pei­ta­do, é pra­ti­ca­men­te o do­no da ci­da­de, o pre­fei­to que não é pre­fei­to. Mas, por um mo­men­to, ele per­de o con­tro­le des­se po­der e aca­ba fa­zen­do uma gran­de bur­ra­da, bri­gan­do com es­se ra­paz”, co­men­ta o ator cu­ri­ti­ba­no Ale­xan­dre Ne­ro, 48 anos.

Com o de­sa­pa­re­ci­men­to de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.