Nor­des­te com bar­bas de mo­lho

Correio da Bahia - - Front Page - GA­BRI­EL GA­LO É ES­CRI­TOR.

As dis­cus­sões em tor­no da re­or­ga­ni­za­ção da Co­pa do Nor­des­te to­ma­ram con­ta do no­ti­ciá­rio es­por­ti­vo nos úl­ti­mos di­as. A pau­ta, ca­pi­ta­ne­a­da pe­los clu­be mai­o­res, é a de se­gre­ga­ção. Aos grandes qua­se tu­do; aos pe­que­nos, mi­ga­lhas. O Sport, au­toi­so­la­do, fi­cou de fo­ra nes­te ano e com­prou seu tí­que­te ex­pres­so pa­ra a mín­gua.

Pois ca­lha que exa­ta­men­te qu­an­do atin­ge sua mai­or par­ti­ci­pa­ção no Bra­si­lei­rão da Sé­rie A dos pon­tos cor­ri­dos, o Nor­des­te co­mo um to­do sin­ta o ven­to ge­la­do de tem­pes­ta­des se apro­xi­man­do. Lu­ta ár­dua do bar­co miú­do contra na­tu­re­za opres­so­ra. Se os or­ça­men­tos já são fra­ção dos mai­o­res mais ao Sul, é na ca­pa­ci­da­de mi­cros­có­pi­ca de nos­sos di­ri­gen­tes que re­si­de a nos­sa mai­or de­fi­ci­ên­cia. Aju­da­mos a ca­var um abis­mo ain­da mai­or en­tre lá e cá.

Ce­gos por um clu­bis­mo ama­dor con­ta­gi­an­te – e even­tu­al­men­te por uma ar­ro­gân­cia in­fun­da­da – nos dei­xa­mos le­var por hash­tags e pe­lo mi­mi­mi de mau per­de­dor. Em al­guns mo­men­tos, nu­ma evi­dên­cia da era obs­cu­ra pe­la qual pas­sa­mos, pe­lo cho­ro in­com­pre­en­sí­vel dos ven­ce­do­res.

Nun­ca há mé­ri­to. A der­ro­ta é sem­pre cul­pa de ou­trem, de um ele­men­to ex­ter­no in­con­tro­lá­vel. Fa­bri­cam-se fes­tas e guer­ras à mer­cê da vai­da­de de di­ri­gen­tes e da ne­ces­si­da­de be­li­ge­ran­te de pre­ten­sos tor­ce­do­res. “Às ar­mas, por­que o mun­do está contra nós!” A tá­ti­ca é o ca­da um por si e se­ja o que Deus qui­ser.

Só que Deus e o mun­do que­rem ou­tras coi­sas, di­fe­ren­tes de nos­sos an­sei­os. Mas não do jei­to que os do­nos das ca­ne­tas nos clu­bes ima­gi­nam. O mun­do está contra to­dos aque­les que sim­bo­li­zam o atra­so. O mun­do tem um ape­ti­te vo­raz por des­truir in­com­pe­ten­tes. O mun­do es­tra­ça­lha os to­los com ini­ci­a­ti­va e po­der.

A pri­mei­ra ro­da­da do Bra­si­lei­rão dei­xou às cla­ras o que fin­gi­mos não ver. Alhei­os ao fa­to de que fa­zer cres­cer o cer­ta­me re­gi­o­nal e es­ti­mu­lar a com­pe­ti­ti­vi­da­de de ad­ver­sá­ri­os é pi­lar obri­ga­tó­rio pa­ra fo­men­tar o for­ta­le­ci­men­to de seus clu­bes, não per­ce­bem o ób­vio: es­ta­mos sain­do um pas­so atrás do res­to do Brasil.

O úni­co pon­to ob­ti­do veio de uma equi­pe que não te­ve ím­pe­to, mes­mo em ca­sa, pa­ra ba­ter um ad­ver­sá­rio gra­ve­men­te pre­ju­di­ca­do pe­la ar­bi­tra­gem. Os ou­tros três pa­de­ce­ram em der­ro­tas aca­cha­pan­tes: ne­nhum gol mar­ca­do, se­te so­fri­dos e ne­nhu­ma es­pe­ran­ça de que al­gum re­sul­ta­do di­fe­ren­te fos­se cons­truí­do, do­mi­na­dos que fo­ram sem di­fi­cul­da­de por equi­pes que pas­sa­rão lon­ge de dis­pu­tar o tí­tu­lo.

Se­rá que, es­pe­lho do ser­ta­ne­jo – es­te, sim, mui­to mais hon­ra­do e dig­no, es­pe­ci­al­men­te com­pa­ra­do aos car­to­las do nos­so ar­re­me­do de fu­te­bol –, nos res­ta al­me­jar se­não a so­bre­vi­vên­cia? Se por um la­do foi ape­nas a pri­mei­ra ro­da­da, por ou­tro de­ve-se acen­der a luz ama­re­la de aten­ção. Não há na­da de no­vo no front, a não ser a im­pos­si­bi­li­da­de de se var­rer a su­jei­ra pa­ra de­bai­xo do ta­pe­te. A ma­dei­ra­da na­ci­o­nal can­ta em 600 idi­o­mas e não há cou­ro que su­por­te. Os pro­ble­mas de ca­da um são evi­den­tes há mui­to tem­po. Es­cor­rem den­tro e fo­ra das qua­tro li­nhas.

En­tre o mi­la­gre da redenção “contra tu­do e contra to­dos” e uma com­bi­na­ção pro­fis­si­o­na­lis­mo + com­pe­tên­cia, es­ta­rei sem­pre mi­li­tan­do pe­la se­gun­da op­ção. Pa­re­ce, con­tu­do, que es­ta úl­ti­ma é vo­to ven­ci­do por cá. Ou ha­ve­mos de co­lo­car as bar­bas de mo­lho, am­pli­an­do as li­nhas de co­mu­ni­ca­ção com o mun­do re­al, ou es­ta­mos des­ti­na­dos aos po­rões das di­vi­sões na­ci­o­nais, tor­cen­do por um mi­la­gre. Por um no­vo Ma­ri­nho, por uma no­va fa­se go­le­a­do­ra de Edi­gar Ju­nio, pe­lo sprint fi­nal de um ti­me que se li­vrou de cer­to téc­ni­co gar­gan­te­a­dor qu­an­do qua­se não ha­via mais vol­ta, pe­la equi­pe que cres­ceu “no gri­to da tor­ci­da”.

Acen­da­mos uma ve­la em ora­ção. O im­pon­de­rá­vel por ve­zes acon­te­ce. De­pen­der de­le, no en­tan­to, é es­tu­pi­dez.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.