24h Pro­tes­to por paz

Correio da Bahia - - Vida -

No do­min­go em que se com­ple­ta­ram 30 di­as da mor­te da pro­fes­so­ra de ba­lé Ge­o­van­na Le­mos, 41 anos, ami­gos e fa­mi­li­a­res fi­ze­ram uma ca­mi­nha­da pe­din­do paz no trân­si­to e jus­ti­ça. A ma­ni­fes­ta­ção acon­te­ceu na mes­ma re­gião on­de a pro­fes­so­ra mor­reu no dia 15 de mar­ço, ví­ti­ma de um aci­den­te na Ave­ni­da ACM, Pi­tu­ba, pró­xi­mo ao Pos­to dos Na­mo­ra­dos.

“Es­se mo­vi­men­to é uma ho­me­na­gem a Ge­o­van­na. Es­ta­mos tra­zen­do amor pa­ra on­de acon­te­ceu a dor mai­or, ten­tan­do res­sig­ni­fi­car es­ta per­da que foi bru­ta de uma ma­nei­ra que a co­mu­ni­da­de se sen­si­bi­li­ze no res­pei­to às leis de trân­si­to”, afir­ma a pri­ma de Ge­o­van­na e uma das or­ga­ni­za­do­ras da ca­mi­nha­da, Ca­ro­li­ne Al­mei­da.

No dia do aci­den­te, a mo­to­ci­cle­ta pi­lo­ta­da pe­lo mo­to­ta­xis­ta Luciano Lo­pes em que Ge­o­van­na es­ta­va na ga­rou­pa - foi atin­gi­da pe­lo car­ro da mé­di­ca Rute Nu­nes Oli­vei­ra Qu­ei­roz, 49. Au­tu­a­da em fla­gran­te por ho­mi­cí­dio, ela pa­gou uma fi­an­ça de R$ 4 mil e foi li­be­ra­da. Se­gun­do a fa­mí­lia de Ge­o­van­na, tes­te­mu­nhas afir­ma­ram que a mé­di­ca es­ta­va ao ce­lu­lar qu­an­do di­ri­gia o Kia Spor­ta­ge, per­deu o con­tro­le da di­re­ção e ar­ras­tou a mo­to até o can­tei­ro, se cho­can­do em um blo­co de con­cre­to.

“A pes­soa que di­ri­ge usan­do o ce­lu­lar per­de a con­cen­tra­ção, as­sim co­mo al­guém que está al­co­o­li­za­do. A aten­ção não é mes­ma, fi­ca com­pro­me­ti­da. Não que­re­mos aqui in­ci­tar o ódio, nem ne­nhum sen­ti­men­to de re­ta­li­a­ção. Mas, as pes­so­as pre­ci­sam se cons­ci­en­ti­zar com re­la­ção às leis de trân­si­to”, acres­cen­ta Ca­ro­li­ne.

Ain­da de acor­do com ela, até o mo­men­to, a mé­di­ca que con­du­zia o veí­cu­lo não fez ne­nhum con­ta­to com a fa­mí­lia da pro­fes­so­ra. O mo­to­boy tam­bém está sem po­der tra­ba­lhar, já que per­deu a mo­to no aci­den­te: “Nes­ta se­gun­da-fei­ra (hoje), o nos­so ad­vo­ga­do vai até a de­le­ga­cia sa­ber se saiu o lau­do da pe­rí­cia. Ne­nhum con­ta­to foi fei­to por parte de­la e o que nós ten­ta­mos ela não acei­tou nos­sas li­ga­ções. A si­tu­a­ção de seu Luciano é mui­to di­fí­cil. Ele está sem po­der tra­ba­lhar por con­ta da mo­to. É um pro­fis­si­o­nal res­pon­sá­vel que pres­ta­va ser­vi­ço pra Ge­o­van­na a mui­to tem­po”.

Emo­ci­o­na­da, Do­na Vi­di­nha, mãe de Ge­o­va­na, plan­tou gi­ras­sol

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.