Re­gras ser­vi­rão de aler­ta ao mo­to­ris­ta

Correio da Bahia - - Mais -

A mu­dan­ça no Có­di­go de Trân­si­to Bra­si­lei­ro (CTB) é vis­ta com bons olhos por quem en­ten­de do as­sun­to. Na ava­li­a­ção do ad­vo­ga­do es­pe­ci­a­lis­ta em trân­si­to Cle­zer Sou­za, con­sul­tor da Fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal das As­so­ci­a­ções de De­tran (Fe­nas­de­tran), quan­do as pe­nas co­me­ça­rem a ser apli­ca­das, vão ser­vir pa­ra aler­tar os con­du­to­res.

“An­tes mes­mo de en­trar em vi­gor, a gen­te per­ce­beu que as pes­so­as es­ta­vam pre­o­cu­pa­das. Quan­do apa­re­cer o pri­mei­ro ca­so de con­du­tor que fi­car na ca­deia por um tem­po, as pes­so­as vão co­me­çar a se po­li­ci­ar com a di­re­ção”, acre­di­ta Cle­zer.

Pa­ra ele, a Lei Se­ca é be­né­fi­ca pa­ra di­mi­nuir aci­den­tes – es­pe­ci­al­men­te nas ro­do­vi­as. No en­tan­to, de­vi­do à de­mo­ra nos jul­ga­men­tos dos pro­ces­sos de sus­pen­são da Car­tei­ra Na­ci­o­nal de Ha­bi­li­ta­ção (CNH), ele acre­di­ta que ela po­de ser as­so­ci­a­da so­men­te ao pa­ga­men­to da mul­ta de R$ 2.934,70.

“A par­tir do mo­men­to que a pes­soa é au­tu­a­da, pri­mei­ro ela pa­ga a mul­ta e de­pois o De­tran tem até cin­co anos pa­ra ins­tau­rar um pro­ces­so. Is­so faz com que o ci­da­dão ache que po­de só pa­gar a mul­ta, sem as ou­tras pe­na­li­da­des, que in­clu­em pas­sar um ano sem di­ri­gir”, ex­pli­ca o ad­vo­ga­do.

Além do pra­zo de cin­co anos pa­ra ins­tau­rar um pro­ces­so, o De­tran tem até cin­co anos pa­ra jul­gá-lo pe­la Jun­ta Ad­mi­nis­tra­ti­va de Re­cur­sos de In­fra­ções (Ja­ri). O ca­pi­tão Már­cio San­tos, co­or­de­na­dor de fis­ca­li­za­ção de veí­cu­los do De­tran-BA, ad­mi­te que o ór­gão tem uma de­man­da gran­de, mas que ten­ta cum­prir o pra­zo de­ter­mi­na­do pe­la lei.

No en­tan­to, se a infração não for jul­ga­da pe­la Ja­ri em um pra­zo in­ter­cor­ren­te de até três anos, ela aca­ba pres­cre­ven­do, in­for­mou o ca­pi­tão Már­cio San­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.