UM MÊS DE­POIS

Correio da Bahia - - Mais -

As in­ves­ti­ga­ções do as­sas­si­na­to da ve­re­a­do­ra Marielle Fran­co (Psol) e do mo­to­ris­ta de­la, An­der­son Go­mes, apon­tam pa­ra o en­vol­vi­men­to de mi­li­ci­a­nos, dis­se on­tem o mi­nis­tro da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, Raul Jung­mann, em entrevista à rá­dio CBN.

O mi­nis­tro afir­mou que en­ten­de a ur­gên­cia na so­lu­ção do cri­me, mas lem­brou que ou­tros ca­sos , co­mo o as­sas­si­na­to da juí­za Pa­trí­cia Aci­o­li e a mor­te do pe­drei­ro Ama­ril­do, na Ro­ci­nha (RJ), le­va­ram mais de dois me­ses pa­ra se­rem con­cluí­dos.

“Eles (os in­ves­ti­ga­do­res) es­tão com uma pis­ta fe­cha­da e têm ca­mi­nha­do bas­tan­te”, co­men­tou o mi­nis­tro, res­sal­tan­do o em­pe­nho da po­lí­cia em elu­ci­dar o fa­to.

“O ca­so da Marielle tem 30 di­as. En­ten­do o im­pac­to do que acon­te­ceu, mas lem­bro que o che­fe da po­lí­cia ci­vil, Ri­val­do Bar­bo­sa, era ami­go pes­so­al da Marielle. Ela fa­zia a pon­te en­tre o (de­pu­ta­do es­ta­du­al) Mar­ce­lo Frei­xo e as mi­lí­ci­as”, dis­se.

Per­gun­ta­do se des­car­ta­ria o en­vol­vi­men­to de ve­re­a­do­res no cri­me, o mi­nis­tro dis­se que ne­nhu­ma hi­pó­te­se de­ve ser des­car­ta­da. “Acho que não po­de­mos des­car­tar na­da. So­bre­tu­do se exis­tem áu­di­os, se exis­tem in­for­ma­ções, que pos­sam le­var a qual­quer res­pon­sa­bi­li­za­ção”, des­ta­cou.

Marielle e An­der­son fo­ram mor­tos no dia 14 de mar­ço, no bair­ro do Es­tá­cio, no Rio, quan­do o car­ro em que es­ta­vam foi al­ve­ja­do 13 ve­zes. Os as­sas­si­nos es­ta­vam se­guin­do a ve­re­a­do­ra des­de a La­pa, on­de ela par­ti­ci­pou de seu úl­ti­mo com­pro­mis­so po­lí­ti­co.

A ve­re­a­do­ra era mi­li­tan­te do mo­vi­men­to ne­gro e de di­rei­tos hu­ma­nos. Du­ran­te o seu man­da­to no Rio re­a­li­zou de­nún­ci­as de vi­o­lên­cia po­li­ci­al con­tra mo­ra­do­res de fa­ve­las. Al­guns di­as an­tes de mor­rer, in­clu­si­ve, usou as re­des so­ci­ais pa­ra de­nun­ci­ar a mor­te de dois ado­les­cen­tes. das in­ves­ti­ga­ções so­bre o as­sas­si­na­to, mas a ver­da­de. “En­ten­de­mos que to­dos es­tão afli­tos por uma res­pos­ta, mas nin­guém mais do que a fa­mí­lia. Aguar­da­re­mos o tem­po ne­ces­sá­rio pa­ra ter­mos a ver­da­de. Não te­mos dú­vi­das de que che­ga­re­mos ao re­sul­ta­do cor­re­to e jus­to. São dois mo­men­tos di­fe­ren­tes, o da nos­sa an­gús­tia e o das in­ves­ti­ga­ções”, de­cla­rou, após uma reu­nião com o de­le­ga­do Ri­val­do Bar­bo­sa.

“A gen­te te­ve uma ex­ce­len­te reu­nião. De al­gu­ma for­ma, nos tran­qui­li­za. Es­ta­mos to­dos ci­en­tes de que não é um ca­so fá­cil, mas es­ta­mos di­an­te de uma equi­pe téc­ni­ca al­ta­men­te qua­li­fi­ca­da, que nos ga­ran­tiu o re­sul­ta­do cor­re­to”, acre­di­ta Mô­ni­ca.

Ela foi à reu­nião na Che­fia de Po­lí­cia Ci­vil com os pais de Marielle, An­to­nio e Ma­ri­ne­te, a fi­lha da ve­re­a­do­ra, Luya­ra, e a fa­mí­lia do mo­to­ris­ta An­der­son Go­mes.

O che­fe da Po­lí­cia

Ci­vil afir­mou que só vai di­vul­gar in­for­ma­ções so­bre as in­ves­ti­ga­ções quan­do o inqué­ri­to for con­cluí­do. “Pis­tas so­bre a au­to­ria e a mo­ti­va­ção dos cri­mes não se­rão in­for­ma­das par­ci­al­men­te”, en­fa­ti­zou.

So­bre as de­cla­ra­ções do mi­nis­tro da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca de que a prin­ci­pal li­nha de in­ves­ti­ga­ção da po­lí­cia pa­ra o ca­so é a par­ti­ci­pa­ção de mi­lí­ci­as, Bar­bo­sa ape­nas res­pon­deu que o inqué­ri­to é si­gi­lo­so.

“A gen­te en­ten­de o an­seio da fa­mí­lia e da so­ci­e­da­de pa­ra uma res­pos­ta rá­pi­da. Es­ta­mos li­dan­do com um cri­me bas­tan­te com­ple­xo, que de­man­da apu­ra­ção mais de­ta­lha­da. Traz um de­sa­fio mai­or”, ex­pli­cou o de­le­ga­do. “Es­ta­mos nos em­pe­nhan­do ao má­xi­mo. Te­mos ex­pec­ta­ti­va mui­to boa. A Po­lí­cia Ci­vil já en­ten­deu gran­de par­te do ce­ná­rio do cri­me. Pe­ço que a so­ci­e­da­de en­ten­da que não va­mos des­can­sar en­quan­to não re­sol­ver­mos es­se ca­so”, ga­ran­tiu Bar­bo­sa.

O de­pu­ta­do es­ta­du­al Mar­ce­lo Frei­xo (Psol) tam­bém par­ti­ci­pou da reu­nião e dis­se que não se de­ve es­pe­rar o fim do inqué­ri­to pa­ra bre­ve: “A po­lí­cia en­ten­de que a an­gús­tia da fa­mí­lia é diá­ria, e a fa­mí­lia en­ten­de que o tem­po da in­ves­ti­ga­ção é di­fe­ren­te. Não adi­an­ta a gen­te achar que a in­ves­ti­ga­ção vai aten­der à nos­sa ve­lo­ci­da­de”.

Frei­xo tra­ba­lhou com Marielle du­ran­te 11 anos. Ela co­me­çou a vi­da po­lí­ti­ca em seu ga­bi­ne­te e os dois eram ami­gos pró­xi­mos.

Cri­me Marielle Fran­co e seu mo­to­ris­ta, An­der­son Go­mes, fo­ram mor­tos a ti­ros no dia 14 de mar­ço de 2018. A as­ses­so­ra da ve­re­a­do­ra, que tam­bém es­ta­va no car­ro, so­bre­vi­veu ao ata­que

Câ­me­ras As pri­mei­ras pis­tas fo­ram ima­gens das câ­me­ras de se­gu­ran­ça es­pa­lha­das pe­lo tra­je­to per­cor­ri­do por Marielle e An­der­son até a rua on­de fo­ram mor­tos. Mas, exa­ta­men­te no lo­cal, há um ‘pon­to ce­go’ e as câ­me­ras não gra­va­ram o mo­men­to do as­sas­si­na­to

Ba­las As ba­las re­co­lhi­das no lo­cal do cri­me fo­ram analisadas. Iden­ti­fi­cou-se que a mai­or par­te te­ria si­do rou­ba­da de um car­re­ga­men­to da Po­lí­cia Fe­de­ral há al­guns anos

Di­gi­tais A pe­rí­cia da De­le­ga­cia de Ho­mi­cí­di­os di­vul­gou ter re­co­lhi­do frag­men­tos de di­gi­tais nos car­tu­chos de pis­to­la 9mm en­con­tra­dos no lo­cal on­de Marielle e An­der­son fo­ram mor­tos. Os in­ves­ti­ga­do­res vão com­pa­rar as di­gi­tais de dois ho­mens exe­cu­ta­dos re­cen­te­men­te, na Zo­na Oes­te do Rio, um de­les ex-co­la­bo­ra­dor de um ve­re­a­dor e o ou­tro sub­te­nen­te re­for­ma­do da PM

Co­bran­ças Em no­ta di­vul­ga­da na sex­ta-fei­ra (13), a Anis­tia In­ter­na­ci­o­nal co­brou das au­to­ri­da­des brasileiras a re­so­lu­ção do as­sas­si­na­to de Marielle e An­der­son. Os cri­mes ge­ra­ram co­mo­ção e pro­tes­tos no Bra­sil e ex­te­ri­or.

Car­ro on­de Marielle e An­der­son fo­ram mor­tos pas­sou por di­ver­sas pe­rí­ci­as em bus­ca de pis­tas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.