GAÇÃO

Correio da Bahia - - Esporte -

re­cu­sa a cor­tar pa­ra pa­re­cer com o pai. Se­gun­do por­que, em to­do fi­nal de par­ti­da, Edu cor­re pa­ra pe­gar o fi­lho no co­lo e le­var pa­ra a qua­dra.

“Eu vi­vo pra ele. Ho­je, an­tes de qual­quer coi­sa, pen­so ne­le e fa­ço por ele. Ten­to cur­tir ao má­xi­mo com ele ago­ra por­que não sei o dia de ama­nhã. A gen­te deixa nos­sa vi­da nas mãos de ou­tras pes­so­as, en­tão tal­vez não pos­sa fi­car perto da mi­nha fa­mí­lia”, diz Edu. “Meu so­nho era meu fi­lho po­der me ver jo­gan­do e ba­ter bo­la com ele. Ho­je, eu pos­so fa­zer is­so”, ex­pli­ca.

De vol­ta a agos­to de 2015. Com uma no­va tem­po­ra­da do NBB pa­ra co­me­çar, Edu te­ve que to­mar uma im­por­tan­te de­ci­são: bus­car um novo ti­me ou fi­car em Salvador com o fi­lho re­cém-nas­ci­do? O ala se man­te­ve na ca­pi­tal bai­a­na, ain­da que aqui­lo pu­des­se comprometer a car­rei­ra.

Ho­je, ele con­fes­sa: “O que mais co­lo­quei na mi­nha ca­be­ça foi fi­car com a mi­nha fa­mí­lia. E es­ta­va de­ci­di­do a pa­rar, a não ser que sur­gis­se uma pro­pos­ta mui­to boa e que va­les­se a pe­na a gen­te ir jun­tos. O tra­ba­lho de­la é cer­to; o meu, in­cer­to. Ela po­de fi­car em Salvador por dois, três anos e ga­ran­tir o em­pre­go. Eu, não. Pe­la ida­de, tem gen­te que nem acre­di­ta mais”.

“Ele che­gou a fa­lar em pa­rar e eu fi­quei pre­o­cu­pa­da”, afir­ma Gar­dê­nia. “Ele faz is­so des­de os 13 anos, en­tão não sei co­mo se­ria Edu fo­ra do bas­que­te, se se­ria fe­liz. É um pre­ço mui­to al­to. Cla­ro que tem a res­pon­sa­bi­li­da­de de as­su­mir uma fa­mí­lia, o amor pe­lo fi­lho, mas se­ria mui­to ruim ele pa­rar na­que­le mo­men­to da car­rei­ra”, de­ta­lha.

Pa­ra­do, Edu ti­nha em men­te con­cluir o cur­so de Edu­ca­ção Fí­si­ca. Ha­via co­me­ça­do em 2000 e tran­ca­do di­ver­sas ve­zes por cau­sa das

Era um ti­me ama­dor. Ou se­ja, Edu con­ti­nu­a­ria em bus­ca de um em­pre­go e de um es­tá­gio, mas pe­lo me­nos ma­ta­ria a sau­da­de do bas­que­te. Foi jo­gan­do en­quan­to ten­ta­va de­sen­ro­lar a vi­da. Uma se­ma­na de­pois, Ives te­le­fo­na­ria. O re­ca­do: a fa­cul­da­de Uni­ver­so es­ta­va tra­zen­do seu ti­me do NBB, que ti­nha se­de em Uber­lân­dia-MG, pa­ra Salvador. E ha­via per­gun­ta­do por jo­ga­do­res do Vi­tó­ria.

Edu não acre­di­tou. “Pro­cu­rei na in­ter­net, no si­te da Uni­ver­so, e não acha­va na­da. Olha­va no si­te do NBB e na­da tam­bém”, lem­bra o ala, so­bre a afli­ção. “Uns me­ses de­pois do Ives me li­gar, Wel­ling­ton Sal­ga­do (pre­si­den­te da Uni­ver­so) deu entrevista con­fir­man­do a mu­dan­ça pa­ra cá. Mas aí eu já es­ta­va adi­an­ta­do, né? Pa­rei um mês de fa­zer qual­quer ou­tra coi­sa, era só bas­que­te, bas­que­te e bas­que­te”, con­ta.

Com o in­ter­mé­dio de Ives e a de­di­ca­ção aos trei­nos, Edu foi um dos seis atle­tas do ti­me ama­dor do Vi­tó­ria se­le­ci­o­na­dos pe­lo Uni­ver­so/Vi­tó­ria. Na ver­da­de, foi uma es­co­lha fá­cil pa­ra a equi­pe re­cém-cri­a­da. Edu era o úni­co com vas­ta ex­pe­ri­ên­cia no NBB, ten­do dis­pu­ta­do to­das as se­te edições re­a­li­za­das até en­tão. Além dis­so, ha­via si­do vi­ce-cam­peão pe­lo Ara­ra­qua­ra no an­ti­go Bra­si­lei­ro, em 2002.

Foi um pre­sen­te pa­ra a fa­mí­lia. “Eu di­go que o Uni­ver­so/Vi­tó­ria veio pra mim, né? Eu re­zo ‘meu Deus, qu­e­ro mui­to que Edu se apo­sen­te nes­se ti­me!’”, diz Gar­dê­nia. “Por que mo­rar dis­tan­te com fi­lho pe­que­no se­ria mui­to com­pli­ca­do, né? Não me ve­jo mais lon­ge de­le. Pas­so o dia de sal­to al­to, di­ri­gin­do nes­se trân­si­to lou­co, mas quan­do che­ga 18h pe­go o ca­mi­nho de Ca­ja­zei­ras. Es­tou lá sem­pre, por­que a pre­sen­ça de Du­du é mui­to im­por­tan­te pa­ra o Edu. Ele gos­ta de olhar pa­ra a ar­qui­ban­ca­da e ver que a gen­te es­tá lá, dan­do for­ças”.

Edu em ação con­tra o Mi­nas: jo­go de três pror­ro­ga­ções

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.