PT con­tes­ta es­co­lha do juiz pa­ra mi­nis­té­rio

Correio da Bahia - - Mais -

de pre­si­diá­ri­os a or­ga­ni­za­ções criminosas.

O juiz tam­bém quer em­pre­gar as cha­ma­das Dez Me­di­das con­tra Cor­rup­ção apre­sen­ta­das pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral e que fo­ram des­fi­gu­ra­das pe­lo Congresso em 2016 e o pa­co­te de me­di­das apre­sen­ta­das pe­lo mo­vi­men­to Trans­pa­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal em parceria com a Fun­da­ção Ge­tú­lio Var­gas. En­tre as pro­pos­tas con­si­de­ra­das de di­fí­cil im­ple­men­ta­ção que es­tão no pa­co­te, o juiz apon­tou a re­gu­la­men­ta­ção do lobby.

Sér­gio Mo­ro apro­vei­tou pa­ra ga­ran­tir que a de­ci­são de as­su­mir o su­per­mi­nis­té­rio “não é um pro­je­to de po­der”. “A ideia aqui não é um pro­je­to de po­der, mas sim um pro­je­to de fa­zer a coi­sa cer­ta num ní­vel mais ele­va­do, em uma po­si­ção que se pos­sa re­al­men­te fa­zer a di­fe­ren­ça e se afas­tar de vez a sombra des­ses re­tro­ces­sos”, re­ve­lou.

“O ob­je­ti­vo é no go­ver­no fe­de­ral re­a­li­zar o que não foi fei­to, com to­do res­pei­to, nos úl­ti­mos anos e bus­car im­plan­tar uma for­te agen­da an­ti­cor­rup­ção, e aqui eu agre­ga­ria, por­que é uma ame­a­ça na­ci­o­nal, uma for­te agen­da tam­bém an­ti­cri­me or­ga­ni­za­do”, acres­cen­tou.

O fu­tu­ro mi­nis­tro tam­bém afir­mou que não tem pre­ten­são de con­cor­rer a car­gos ele­ti­vos, mes­mo ten­do acei­to o con­vi­te de Bol­so­na­ro. Se­gun­do ele, a de­ci­são de acei­tar o car­go não con­tra­ria as de­cla­ra­ções que deu ao jor­nal O Es­ta­do de S. Pau­lo, quan­do dis­se que não en­tra­ria pa­ra a vi­da po­lí­ti­ca. “Na mi­nha pers­pec­ti­va, es­te é um car­go téc­ni­co. Co­mo juiz, não te­nho pre­ten­são em con­cor­rer a car­gos ele­ti­vos. Não é es­sa a vi­são que te­nho des­te car­go”, es­cla­re­ceu.

Quan­do foi per­gun­ta­do so­bre di­ver­gên­ci­as com Bol­so­na­ro, Mo­ro res­pon­deu que es­tá cla­ro a re­la­ção de su­bor­di­na­ção que te­rá em re­la­ção ao pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, mas que tan­to um quan­to ou­tro po­dem mu­dar de opinião com de­ter­mi­na­dos as­sun­tos. Caso Bol­so­na­ro dis­cor­de com al­gu­ma pro­pos­ta sua, Sér­gio Mo­ro dis­se que “aí vou to­mar de­ci­são se vou con­ti­nu­ar ou não con­ti­nu­ar” no car­go.

Mo­ro foi lem­bra­do que o fu­tu­ro mi­nis­tro-che­fe da Ca­sa Ci­vil, Onyx Lo­ren­zo­ni, ad­mi­tiu ter re­ce­bi­do di­nhei­ro de cai­xa dois na cam­pa­nha elei­to­ral pa­ra de­pu­ta­do fe­de­ral em 2014. O juiz dis­se que is­so já foi es­cla­re­ci­do pe­lo par­la­men­tar e que ad­mi­ra Lo­ren­zo­ni pe­lo fa­to de ele ter de­fen­di­do as me­di­das con­tra cor­rup­ção apre­sen­ta­das pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF) no Congresso.

Quan­do qu­es­ti­o­na­do so­bre a pos­si­bi­li­da­de de ser in­di­ca­do pe­lo pre­si­den­te elei­to pa­ra uma va­ga no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), o fu­tu­ro mi­nis­tro ne­gou que a acei­ta­ção do con­vi­te pa­ra ocu­par a pas­ta te­nha si­do con­di­ci­o­na­da a uma in­di­ca­ção ao Su­pre­mo. “Eu ja­mais es­ta­be­le­ce­ria con­di­ções pa­ra qual­quer car­go pú­bli­co”, dis­pa­rou. O juiz dis­se que, “se hou­ver pos­si­bi­li­da­de” de uma va­ga aber­ta na Cor­te, is­so tem que ser dis­cu­ti­do no con­tex­to pró­prio.

Mo­ro de­ve­rá fa­zer par­te da equi­pe de tran­si­ção, que co­me­çou a tra­ba­lhar, an­te­on­tem, no Cen­tro Cul­tu­ral Ban­co do Bra­sil (CCBB), em Bra­sí­lia, in­for­mou a as­ses­so­ria da equi­pe de tran­si­ção.

Os pri­mei­ros no­mes da equi­pe, que te­rá 50 in­te­gran­tes re­mu­ne­ra­dos, fo­ram di­vul­ga­dos an­te­on­tem. O no­me de Mo­ro, po­rém, de­ve­rá es­tar em uma das úl­ti­mas lis­tas ain­da não há con­fir­ma­ção de da­ta de pu­bli­ca­ção. No en­tan­to, o juiz, que es­tá de fé­ri­as, em­bar­ca ho­je pa­ra Bra­sí­lia pa­ra as pri­mei­ras reu­niões com o fu­tu­ro go­ver­no.

Des­de a quin­ta-fei­ra pas­sa­da, quan­do acei­tou o car­go de su­per­mi­nis­tro da Jus­ti­ça e Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, Mo­ro tem con­ver­sa­do com ali­a­dos e es­tu­da­do os da­dos so­bre a pas­ta, que vol­ta a abri­gar a Po­lí­cia Fe­de­ral, re­ti­ra­da em 2017 por de­ci­são do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer (MDB), que cri­ou a Se­cre­ta­ria Es­pe­ci­al de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca - que se­rá fun­di­da no no­vo go­ver­no. Par­la­men­ta­res do Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res (PT) aci­o­na­ram, on­tem, o Con­se­lho Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça (CNJ) pa­ra que se­ja apu­ra­da a es­co­lha do juiz fe­de­ral Sér­gio Mo­ro pa­ra as­su­mir o co­man­do do su­per­mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça no go­ver­no de Jair Bol­so­na­ro (PSL). O PT tam­bém pe­diu que Mo­ro se­ja im­pe­di­do de as­su­mir ou­tro car­go pú­bli­co até o CNJ con­cluir a in­ves­ti­ga­ção de sua con­du­ta no epi­só­dio.

O CNJ já apu­ra a atu­a­ção de Mo­ro em al­guns epi­só­di­os, co­mo a de­ci­são de di­vul­gar par­ci­al­men­te tre­cho da de­la­ção pre­mi­a­da do ex-mi­nis­tro An­to­nio Pa­loc­ci, a pou­cos di­as do pri­mei­ro tur­no da elei­ção pre­si­den­ci­al des­te ano.

Du­ran­te a co­le­ti­va, Mo­ro afir­mou que o con­vi­te pa­ra ser mi­nis­tro não tem “na­da a ver” com o pro­ces­so que en­vol­ve o ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va. Se­gun­do ele, o pro­ces­so de Lu­la foi jul­ga­do quan­do “não ha­via qual­quer ex­pec­ta­ti­va de que o en­tão de­pu­ta­do Bol­so­na­ro fos­se elei­to pre­si­den­te”. O juiz ain­da dis­se que não po­de pau­tar a vi­da de­le “com ba­se em fantasia, em áli­bi fal­so de per­se­gui­ção po­lí­ti­ca”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.