So­lu­ção pa­ra cri­se do em­pre­go es­tá no apren­di­za­do con­tí­nuo

Correio da Bahia - - Mais - PERLA RI­BEI­RO

Se vo­cê es­tá no fi­nal­zi­nho da gra­du­a­ção, con­tan­do as ho­ras pa­ra aca­bar o cur­so, in­gres­sar no mer­ca­do de tra­ba­lho e se ver lo­go li­vre dos es­tu­dos, es­que­ça. Di­ga­mos que vo­cê foi um pou­qui­nho mais lon­ge, ter­mi­nou a pós-gra­du­a­ção e ago­ra acha que já po­de apo­sen­tar os li­vros. Es­que­ça tam­bém! Em­bai­xa­dor da Sin­gu­la­rity Uni­ver­sity Ca­pí­tu­lo São Pau­lo e um dos fun­da­do­res da Af­fe­ro Lab, mai­or em­pre­sa de Apren­di­za­gem Cor­po­ra­ti­va do Bra­sil, Conrado Sch­lo­chau­er diz que o pro­ces­so de apren­di­za­gem é con­tí­nuo e de­ve ser man­ti­do ao lon­go de to­da uma vi­da, prin­ci­pal­men­te em tem­pos de re­vo­lu­ção di­gi­tal, quan­do tu­do mu­da o tem­po in­tei­ro e de for­ma ve­loz e ex­po­nen­ci­al.

Ele per­gun­ta a uma pla­teia de 600 pes­so­as se al­guém ali “aca­bou os es­tu­dos”. An­tes do pú­bli­co se ma­ni­fes­tar, já res­pon­de: “Não, vo­cê não aca­bou. Vo­cê não acaba nun­ca. A ques­tão é que a gen­te não foi fei­to pa­ra apren­der ao lon­go da vi­da. Nos­sa ló­gi­ca é apren­der bas­tan­te até os 20, 24 anos, e de­pois usar es­se apren­di­za­do, faz uma pós-gra­du­a­ção”. Ele diz ain­da que até quem se or­gu­lha de ter 25 anos de es­tu­dos ain­da não po­de se dar por satisfeito.

“Apren­di­za­gem não é a mes­ma coi­sa que ad­qui­rir con­teú­do. É fa­zer me­lhor. É ex­pe­ri­men­tar. Peço des­cul­pas, mas aqui vo­cês não es­tão apren­den­do. Vão apren­der quan­do fi­ze­rem al­go di­fe­ren­te na vi­da. Apren­di­za­gem é a ex­pli­ci­ta­ção do co­nhe­ci­men­to por meio de uma per­for­man­ce me­lho­ra­da. A gen­te tem que ter es­se olhar de apren­di­za­do ao lon­go da vi­da”, fa­lou.

E pa­ra vo­cê que dei­xou ador­me­cer pro­je­tos e sonhos por­que achou que o tem­po de vi­ver aqui­lo já pas­sou, é ho­ra de rever con­cei­tos. “Odeio gen­te que fa­la que ter­mi­nou o tem­po. Co­mo as­sim, seu tem­po não é ho­je? Vo­cê mor­reu? Seu tem­po é ho­je. Se quer uma li­de­ran­ça, vo­cê vai ser lí­der mes­mo sem ser ges­tor. Por­que ca­pa­ci­da­de de se adap­tar, per­sis­tên­cia, gar­ra, ini­ci­a­ti­va e cu­ri­o­si­da­de são to­das ha­bi­li­da­des que a gen­te po­de de­sen­vol­ver e vai ser no dia a dia que a gen­te vai fa­zer is­so”.

Ao pro­je­tar o olhar pa­ra o fu­tu­ro e bus­car mei­os de se pre­pa­rar pa­ra não fi­car de fo­ra des­se mer­ca­do cheio de ino­va­ções, o es­pe­ci­a­lis­ta ad­ver­te que “ca­da um vai ser ca­da vez mais res­pon­sá­vel pe­lo pro­ces­so de mu­dan­ças nas em­pre­sas e nas pró­pri­as vi­das”. “Há du­as ten­dên­ci­as: a lon­ge­vi­da­de e as mu­dan­ças de tec­no­lo­gia. En­tão vo­cê vai pre­ci­sar tra­ba­lhar mais. Va­mos tra­ba­lhar em pro­fis­sões que não exis­tem e es­ta­mos no mer­ca­do de tra­ba­lho meio sem sa­ber o que fa­zer. Por is­so, mais do que pen­sar em es­tra­té­gi­as, é en­ten­der pri­mei­ro que não vai ter um lí­der que vai sal­var o mun­do. A so­lu­ção é o apren­di­za­do ao lon­go da vi­da”, re­for­çou.

Ou­tro aler­ta: em meio às mu­dan­ças e às no­vas tec­no­lo­gi­as, não po­de ha­ver bar­rei­ras nem frei­os no pro­ces­so de apren­di­za­gem. Conrado aler­ta que é pre­ci­so es­tar aten­to à per­cep­ção so­ci­al e cul­tu­ral e olhar o mun­do com o olhar de an­tro­pó­lo­go. “O an­tro­pó­lo­go não jul­ga. Se vo­cê es­tá jul­gan­do, vo­cê es­tá er­ra­do. Tem que ex­pe­ri­men­tar no­vas tec­no­lo­gi­as, no­vas re­des so­ci­ais, sem jul­ga­men­to”, pro­põe.

Ele tam­bém recorre a uma me­tá­fo­ra pa­ra di­men­si­o­nar es­se mo­vi­men­to que as no­vas tec­no­lo­gi­as vão de­man­dar dos pro­fis­si­o­nais no fu­tu­ro. Se­gun­do ele, a me­lhor me­tá­fo­ra pa­ra tra­du­zir is­so é a bi­ci­cle­ta, que foi fei­ta pa­ra es­tar em mo­vi­men­to. “Is­so é im­por­tan­te pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da vi­da. Vo­cê vai ter que aban­do­nar co­nhe­ci­men­tos e ex­pe­ri­ên­ci­as pa­ra fa­zer coi­sas no­vas. Pa­ra se hu­ma­ni­zar, sem se es­pe­ci­a­li­zar por um cur­so, mas en­ten­den­do o dia a dia vai con­se­guir se man­ter vi­vo e ati­vo nes­se mun­do de­li­ci­o­so que es­tá mu­dan­do”, ava­lia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.