Fu­tu­ro go­ver­no dis­cu­te re­for­ma ‘light’

Correio da Bahia - - Mais -

in­te­res­se do nos­so Bra­sil con­ti­nu­em fluin­do den­tro da nor­ma­li­da­de”.

“Tem mui­ta coi­sa que con­ti­nu­a­rá. O Bra­sil não po­de se fur­tar do co­nhe­ci­men­to da­que­les que pas­sa­ram pe­la Pre­si­dên­cia e se­rá útil a to­dos nós”, dis­se. Em se­gui­da, Te­mer re­a­fir­mou a dis­po­si­ção de co­la­bo­rar “in­ten­sa­men­te”, in­clu­si­ve, com a ten­ta­ti­va de vo­tar pro­je­tos de in­te­res­se de Bol­so­na­ro no Con­gres­so ain­da es­te ano.

Bol­so­na­ro tem di­to que se­ria im­por­tan­te que o Con­gres­so pu­des­se vo­tar pe­lo me­nos uma par­te da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia (leia ao la­do). Par­la­men­ta­res, no en­tan­to, acre­di­tam que não há tem­po há­bil pa­ra que is­so acon­te­ça

Te­mer con­tou ain­da que con­vi­dou o seu su­ces­sor pa­ra acom­pa­nhá-lo em vi­a­gens in­ter­na­ci­o­nais que re­a­li­za­rá até o fim do ano, co­mo a que fa­rá pa­ra par­ti­ci­par do en­con­tro do G-20. Bol­so­na­ro, po­rém, pas­sa­rá por uma no­va ci­rur­gia em de­zem­bro e seu es­ta­do de saú­de po­de in­vi­a­bi­li­zar uma vi­a­gem in­ter­na­ci­o­nal nes­se mo­men­to.

Te­mer tam­bém res­sal­tou que, pas­sa­da a elei­ção, o Bra­sil pas­sa por um mo­men­to “po­lí­ti­co-ad­mi­nis­tra­ti­vo” em que os bra­si­lei­ros de­vem se unir em prol do país. O pre­si­den­te con­tou ain­da que en­tre­gou, sim­bo­li­ca­men­te, as cha­ves de on­de se­rá o ga­bi­ne­te do fu­tu­ro man­da­tá­rio.

Bol­so­na­ro dis­se, on­tem, que o Ministério do Tra­ba­lho se­rá ex­tin­to, sem de­ta­lhar co­mo fi­ca­rá, e que o to­tal de pas­tas de­ve che­gar a 18. “O Ministério do Tra­ba­lho vai ser in­cor­po­ra­do a al­gum ministério”.

Uma das pos­si­bi­li­da­des de­fen­di­das pe­lo se­tor pro­du­ti­vo é que a pas­ta se­ja in­te­gra­da ao Ministério da In­dús­tria, Co­mér­cio Ex­te­ri­or e Ser­vi­ços (MDIC), mas ain­da não há de­fi­ni­ção. O jor­nal O Glo­bo apu­rou, con­tu­do, que o Ministério do Tra­ba­lho de­ve­rá ser des­mem­bra­do em três par­tes. A par­te que en­vol­ve di­rei­tos tra­ba­lhis­tas, o com­ba­te ao tra­ba­lho in­fan­til e ao tra­ba­lho es­cra­vo mi­gra­rá pa­ra o ministério da área so­ci­al.

O FGTS e o FAT de­vem ir pa­ra o ministério da Eco­no­mia de Pau­lo Guedes. Já as áre­as responsáveis por re­gis­tros sin­di­cais e qua­li­fi­ca­ção de tra­ba­lha­do­res po­de­rão mi­grar pa­ra o Ministério da Edu­ca­ção ou ou­tra pas­ta.

Ao fa­lar da possibilidade de au­men­tar pa­ra 18 pas­tas, Bol­so­na­ro afir­mou que a Con­tro­la­do­ria-Ge­ral da União (CGU), que se­ria agru­pa­da ao Ministério da Justiça e Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, de­ve man­ter o sta­tus atu­al.

Além dis­so, o Meio Am­bi­en­te fi­ca­rá se­pa­ra­do da Agri­cul­tu­ra. “O que não po­de é ter bri­ga en­tre eles. Is­so não po­de con­ti­nu­ar acon­te­cen­do. Que­re­mos pre­ser­var meio am­bi­en­te, mas não po­de ter atri­to”, afir­mou. Di­an­te das evi­den­tes di­fi­cul­da­des no Con­gres­so pa­ra apro­var, ain­da es­te ano, a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, o pre­si­den­te elei­to, Jair Bol­so­na­ro, tra­ba­lha nu­ma ver­são “light”, for­ma­da por pro­pos­tas que in­de­pen­dam de al­te­ra­ções na Cons­ti­tui­ção. “Nós te­mos de ver aque­la (pro­pos­ta) que pas­sa na Câ­ma­ra e no Se­na­do”, dis­se. “Amanhã (ho­je), vou re­ce­ber al­guns par­la­men­ta­res em ca­sa com pro­pos­tas pa­ra dar um pas­so na re­for­ma da Pre­vi­dên­cia sem ser por pro­pos­ta de emen­da à Cons­ti­tui­ção”.

Sem al­te­rar a Cons­ti­tui­ção, não são al­te­ra­dos pon­tos sim­bó­li­cos, co­mo a ins­ti­tui­ção de uma ida­de mí­ni­ma pa­ra apo­sen­ta­do­ria. Mas a mu­dan­ça de leis po­de ter efei­to im­por­tan­te so­bre a tra­je­tó­ria de cres­ci­men­to dos gas­tos com be­ne­fí­ci­os pre­vi­den­ciá­ri­os. Es­sa estratégia foi ten­ta­da pe­lo atu­al go­ver­no, mas aca­bou aban­do­na­da.

Uma emen­da à Cons­ti­tui­ção pre­ci­sa do apoio de dois ter­ços dos 513 de­pu­ta­dos e 81 se­na­do­res, em dois tur­nos de vo­ta­ção. “Não tem pren­sa. O que acon­te­ce com al­guns do meu la­do é que não tem a vi­vên­cia po­lí­ti­ca. Eu ape­sar de ter, le­vo, tan­tas ve­zes, cas­cu­do de vo­cês. Ima­gi­na quem não tem es­sa ex­pe­ri­ên­cia. A pa­la­vra não é pren­sa, é con­ven­ci­men­to”, dis­se Bol­so­na­ro em en­tre­vis­ta. O fu­tu­ro mi­nis­tro da Justiça, Sér­gio Moro, de­fen­deu, on­tem, a apro­va­ção no Con­gres­so da me­di­da pro­vi­só­ria que pre­vê a des­ti­na­ção de re­cur­sos de lo­te­ri­as fe­de­rais pa­ra a Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca.

O juiz fe­de­ral es­te­ve reu­ni­do por cer­ca de três ho­ras, em Bra­sí­lia, com o atu­al mi­nis­tro da Se­gu­ran­ça, Raul Jung­mann. Fo­ram de­ba­ti­dos or­ça­men­to, re­es­tru­tu­ra­ção fi­nan­cei­ra do se­tor e com­ba­te ao cri­me or­ga­ni­za­do. Moro des­ta­cou que, “sem re­cur­sos, não é pos­sí­vel de­sen­vol­ver pro­je­tos”.

“É mui­to im­por­tan­te que (a MP) se­ja apro­va­da. Acre­di­to que o Con­gres­so te­nha a sen­si­bi­li­da­de de apro­var es­sa me­di­da pro­vi­só­ria e con­so­li­dar es­sa po­si­ção pa­ra que nós possamos se­guir as­sim adi­an­te”, dis­se Moro, em bre­ve pro­nun­ci­a­men­to após a reu­nião.

Edi­ta­da pe­lo go­ver­no fe­de­ral no pri­mei­ro se­mes­tre, a me­di­da pro­vi­só­ria es­tá em tra­mi­ta­ção no Con­gres­so e, se­gun­do fon­tes no Ministério da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, foi acer­ta­do on­tem que se­ria co­lo­ca­da em vo­ta­ção. Se­gun­do es­se acor­do, do di­nhei­ro que vem de to­das as lo­te­ri­as, a Se­gu­ran­ça fi­ca­ria com 13%, em vez dos 15% que es­ta­vam pre­vis­tos ini­ci­al­men­te. Os 2% aba­ti­dos iri­am pa­ra a área de Es­por­te, após pres­são de par­la­men­ta­res

Moro re­for­çou du­ran­te reu­nião com Raul Jung­mann, que a trans­fe­rên­cia do Con­se­lho de Con­tro­le de Atividades Fi­nan­cei­ras (Co­af) do Ministério da Fa­zen­da pa­ra o da Justiça é “fun­da­men­tal”. O ór­gão atua em in­ves­ti­ga­ções que envolvem la­va­gem de di­nhei­ro. Se­gun­do uma pes­soa pre­sen­te ao en­con­tro, Moro dis­se que o fu­tu­ro mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Guedes, não quer o ór­gão e que, no Ministério da Justiça, o Co­af po­de­rá ter uma im­por­tân­cia mui­to mai­or.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.