Sa­lá­ri­os mais gor­dos

Correio da Bahia - - Mais - Mo­ni­que Lô­bo, com agên­ci­as

Após uma ar­ti­cu­la­ção re­lâm­pa­go fei­ta pe­lo pre­si­den­te do Se­na­do, Eu­ní­cio Oli­vei­ra (MDB-CE), o re­a­jus­te de 16,38% nos sa­lá­ri­os de mi­nis­tros do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) foi apro­va­do, na noi­te de on­tem, pe­los se­na­do­res e segue pa­ra san­ção pre­si­den­ci­al. Com is­so, o te­to do fun­ci­o­na­lis­mo pú­bli­co pas­sa de R$ 33.763,00 pa­ra R$ 39.293,32.

O ple­ná­rio do Se­na­do deu o si­nal ver­de pa­ra o au­men­to, ape­sar do ape­lo do pre­si­den­te elei­to, Jair Bol­so­na­ro (PSL), que ma­ni­fes­tou pre­o­cu­pa­ção com a vo­ta­ção on­tem. O re­a­jus­te te­rá um efei­to em cas­ca­ta pa­ra a União e, so­bre­tu­do, pa­ra os es­ta­dos, que já en­fren­tam gra­ve cri­se fi­nan­cei­ra e cor­rem ris­co de in­sol­vên­cia jus­ta­men­te de­vi­do ao ele­va­do com­pro­me­ti­men­to de su­as re­cei­tas com o pa­ga­men­to da fo­lha de pes­so­al.

A de­ci­são de Eu­ní­cio de pau­tar o pro­je­to do re­a­jus­te pe­gou de sur­pre­sa as li­de­ran­ças dos par­ti­dos. O pre­si­den­te do Se­na­do to­mou a de­ci­são de­pois de uma con­ver­sa, an­te­on­tem, com o pre­si­den­te do STF, mi­nis­tro Di­as Tof­fo­li. Eu­ní­cio não con­vo­cou a reu­nião de lí­de­res pa­ra tra­tar do as­sun­to, o que é pra­xe.

A ma­té­ria es­ta­va parada na Co­mis­são de As­sun­tos Econô­mi­cos (CAE) do Se­na­do com pa­re­cer con­trá­rio do re­la­tor, Ri­car­do Fer­ra­ço (PSDB-ES). Mas o pre­si­den­te do Se­na­do de­sig­nou um no­vo re­la­tor, o se­na­dor Fer­nan­do Be­zer­ra Co­e­lho (MDB-PE), que deu pa­re­cer fa­vo­rá­vel ao au­men­to.

Fer­ra­ço foi o pri­mei­ro se­na­dor a discutir o pro­je­to no ple­ná­rio. Ele ad­ver­tiu que con­sul­to­res do Con­gres­so cal­cu­la­ram um im­pac­to nas con­tas de União e es­ta­dos em tor­no de R$ 6 bi­lhões de­vi­do ao efei­to em cas­ca­ta.

Den­tro des­se va­lor, o im­pac­to es­ti­ma­do do re­a­jus­te é de R$ 2,77 mi­lhões pa­ra o STF e de R$ 717,1 mi­lhões pa­ra o Po­der Ju­di­ciá­rio, mas o pro­ble­ma mai­or é o efei­to cas­ca­ta pa­ra es­ta­dos, por­que o sa­lá­rio dos mi­nis­tros do Su­pre­mo fun­ci­o­na co­mo te­to do fun­ci­o­na­lis­mo pú­bli­co. Há ca­sos co­mo o do Rio de Ja­nei­ro em que a Cons­ti­tui­ção es­ta­du­al pre­vê o re­a­jus­te au­to­má­ti­co.

O pre­si­den­te do Se­na­do re­ba­teu as re­cla­ma­ções de que foi pou­co trans­pa­ren­te na ar­ti­cu­la­ção pa­ra pau­tar o pro­je­to. “Os re­a­jus­tes es­ta­vam pau­ta­dos, não é ver­da­de que não es­ta­vam, hou­ve pe­di­do de ur­gên­cia”, afir­mou. Se­gun­do ele, os re­que­ri­men­tos fo­ram apro­va­dos pe­lo ple­ná­rio, o que abriu ca­mi­nho pa­ra a vo­ta­ção fei­ta on­tem. O pre­si­den­te do Se­na­do dis­se ain­da que “ja­mais” fa­ria uma ne­go­ci­a­ção às es­con­di­das.

Eu­ní­cio res­sal­tou ain­da que os pro­je­tos já ha­vi­am si­do apro­va­dos pe­la Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos e que o au­men­to não pro­vo­ca­rá mu­dan­ça no te­to de gas­tos do Ju­di­ciá­rio ou do Ministério Pú­bli­co, que se­gui­rão res­pei­tan­do a re­gra que li­mi­ta o avan­ço das des­pe­sas à in­fla­ção. “Há com­pro­mis­so for­mal do pre­si­den­te da Su­pre­ma Corte, mi­nis­tro Di­as Tof­fo­li, e de Ra­quel Dod­ge (procuradora-ge­ral da Re­pú­bli­ca), com quem me en­con­trei ho­je [on­tem], de que não ha­ve­rá au­men­to do te­to de gas­to dos ór­gãos”, afir­mou o se­na­dor.

O pre­si­den­te do Se­na­do, Eu­ní­cio Oli­vei­ra (cen­tro), de­sig­nou um no­vo re­la­tor pa­ra con­se­guir a apro­va­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.