Ci­rur­gi­as vol­tam aos pou­cos, mas de­fei­to con­ti­nua

Correio da Bahia - - Mais -

não se iden­ti­fi­car, dis­se à re­por­ta­gem que o pro­ble­ma do ar-con­di­ci­o­na­do é an­ti­go. A re­for­ma na sa­la de he­mo­diá­li­se, que fica no 5º an­dar do pré­dio do Hu­pes, tam­bém se ar­ras­ta por seis me­ses, diz.

Os cer­ca de 40 pa­ci­en­tes, es­ti­ma ou­tra fun­ci­o­ná­ria, que ti­nham aten­di­men­to em três tur­nos, pas­sa­ram a fa­zer a he­mo­diá­li­se em ou­tras unidades da ci­da­de. “Co­nhe­ço uma pa­ci­en­te que não re­a­li­za de for­ma pe­rió­di­ca por­que em ou­tros lo­cais a de­man­da é mui­to gran­de”, ci­ta.

Al­guns es­pa­ços den­tro do com­ple­xo, que po­de­ri­am ser uti­li­za­dos pa­ra o aten­di­men­to mé­di­co, ser­vem ape­nas co­mo de­pó­si­to de ma­te­ri­ais. Um fun­ci­o­ná­rio lem­bra que, des­de que os ser­vi­ços de la­van­de­ria e re­fei­ção fo­ram ter­cei­ri­za­dos, a qu­a­li­da­de da co­mi­da e da hi­gi­e­ne das pe­ças no hos­pi­tal es­tá in­fe­ri­or.

“O lo­cal que abri­ga­va a la­van­de­ria es­tá sen­do uti­li­za­do pa­ra ar­ma­ze­nar ferro-ve­lho. Tí­nha­mos mui­to ma­qui­ná­rio que es­ta­va em bo­as con­di­ções, mas que es­tá en­cos­ta­do”, re­ve­la o co­la­bo­ra­dor.

Um de­les é o apa­re­lho de ma­mo­gra­fia. “Não es­tá em fun­ci­o­na­men­to. Es­ta­mos tra­ba­lhan­do ape­nas com uma má­qui­na de raio-x”, com­ple­ta ou­tra fun­ci­o­ná­ria. O Hu­pes foi pro­cu­ra­do pa­ra fa­lar so­bre es­ses pro­ble­mas, mas não res­pon­deu até o fe­cha­men­to des­ta edi­ção. No fi­nal da ma­nhã de on­tem, o Hos­pi­tal Uni­ver­si­tá­rio Professor Ed­gard San­tos (Hu­pes) in­for­mou, por meio da as­ses­so­ria de co­mu­ni­ca­ção, que re­to­ma­ria ain­da on­tem par­te das ci­rur­gi­as que es­ta­vam sus­pen­sas por con­ta de um pro­ble­ma do sis­te­ma de ar-con­di­ci­o­na­do.

A em­pre­sa con­tra­ta­da por li­ci­ta­ção não vi­nha con­se­guin­do so­lu­ci­o­nar a fa­lha, que co­me­çou no dia 1º. Por con­ta dis­so, pa­ci­en­tes que che­ga­vam à uni­da­de não pu­de­ram re­a­li­zar ci­rur­gi­as de ca­ta­ra­ta, car­di­o­vas­cu­lar, di­ges­ti­va, pe­diá­tri­ca, etc.

Ain­da de acor­do com o Hu­pes, os pro­ce­di­men­tos que co­me­ça­ri­am a ser fei­tos on­tem es­ta­vam sen­do ava­li­a­dos e es­co­lhi­dos com ba­se em cri­té­ri­os es­ta­be­le­ci­dos pe­la equi­pe do cen­tro ci­rúr­gi­co – os cri­té­ri­os não fo­ram es­ta­be­le­ci­dos. A tem­pe­ra­tu­ra foi mo­ni­to­ra­da. Às 17h de on­tem, o Hu­pes in­for­mou que fez ci­rur­gi­as, mas não es­pe­ci­fi­cou quan­tas e nem de quais es­pe­ci­a­li­da­des.

O su­pe­rin­ten­den­te, Antô­nio Le­mos, dis­se on­tem ao COR­REIO que o sis­te­ma de ar do hos­pi­tal foi tro­ca­do em mar­ço, de­pois do an­ti­go tam­bém apre­sen­tar pro­ble­mas. Não se sa­be as cau­sas.

Ele lem­bra ain­da que, pa­ra re­a­li­zar qual­quer ci­rur­gia, não co­lo­can­do em ris­co a vi­da dos pa­ci­en­tes com possíveis in­fec­ções, a tem­pe­ra­tu­ra am­bi­en­te ide­al é de 20°C. Com o pro­bel­ma, ela es­ta­va che­gan­do a 24,8°C.

“On­tem (an­te­on­tem), uma equi­pe da em­pre­sa li­ci­ta­da que ins­ta­lou o ar es­te­ve aqui pa­ra ten­tar so­lu­ci­o­nar. Foi ve­ri­fi­ca­do que a tem­pe­ra­tu­ra es­ta­va vol­tan­do ao nor­mal, en­tre 21°C a 21,6°C, o que ain­da não é o re­co­men­da­do, já que, com as lu­zes ace­sas, es­sa tem­pe­ra­tu­ra ten­de au­men­tar, au­men­tan­do tam­bém o ris­co de al­gu­ma in­fec­ção”, dis­se.

Hos­pi­tal in­for­mou on­tem à tar­de que fez ci­rur­gi­as, mas não dis­se quan­tas e nem de quais es­pe­ci­a­li­da­des

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.