O se­gre­do é cui­dar do jar­dim

Correio da Bahia - - Front Page -

Já ou­viu fa­lar aque­la ex­pres­são que o se­gre­do é cui­dar do jar­dim pa­ra que as bor­bo­le­tas vol­tem e quei­ram fi­car? Eu acre­di­to que ela po­de mui­to bem ser em­pre­ga­da em qu­al­quer si­tu­a­ção da vi­da, in­clu­si­ve, den­tro das or­ga­ni­za­ções.

Nun­ca con­cor­dei com o ter­mo “re­ter ta­len­tos”, ape­sar de sa­ber que é mui­to uti­li­za­do no mun­do cor­po­ra­ti­vo. Mi­nha opi­nião de­ri­va da se­guin­te con­clu­são: “re­ten­ção” lem­bra pren­der, pri­são e apri­si­o­nar. E nin­guém gos­ta de sen­tir-se en­car­ce­ra­do de al­gu­ma for­ma.

Além dis­so, o que po­de­ria de­fi­nir “ta­len­to” den­tro de uma or­ga­ni­za­ção? En­xer­go co­mo ta­len­to tan­to o mais al­to di­re­tor da em­pre­sa co­mo a “tia” que pre­pa­ra e ser­ve o ca­fé en­quan­to es­ta­mos em reu­nião.

In­de­pen­den­te­men­te do car­go ocu­pa­do e fun­ções re­a­li­za­das, am­bos são extremamente im­por­tan­tes pa­ra o ne­gó­cio. Qu­al­quer pro­fis­si­o­nal que de­sen­vol­va sua ati­vi­da­de com de­di­ca­ção e ca­ri­nho se tor­na um ta­len­to es­pe­ci­al pa­ra a em­pre­sa.

Pen­san­do sob es­sa ló­gi­ca, to­dos os co­la­bo­ra­do­res da em­pre­sa são ta­len­tos que po­dem agre­gar mui­to va­lor ao ne­gó­cio. E se to­dos são im­por­tan­tes, te­mos que ten­tar man­tê-los ao nos­so la­do. Mas co­mo fa­zer is­so? Co­mo evi­tar que seus olha­res se­jam atraí­dos pa­ra o la­do de fo­ra da or­ga­ni­za­ção, fa­zen­do com que es­co­lham o mer­ca­do?

Ao lon­go dos anos de ex­pe­ri­ên­cia co­mo ges­to­ra de RH, apren­di que não tra­ba­lha­mos de for­ma crua com re­cur­sos hu­ma­nos. Es­se já é o pri­mei­ro er­ro en­con­tra­do na área: a no­men­cla­tu­ra. Na ver­da­de, tra­ba­lha­mos com de­sen­vol­vi­men­to de pes­so­as. E, além de tra­ba­lhar o po­ten­ci­al das pes­so­as, é pre­ci­so tam­bém de­sen­vol­ver o am­bi­en­te pa­ra que es­ses pro­fis­si­o­nais quei­ram fa­zer par­te da em­pre­sa e op­tem por per­ma­ne­cer.

É aí que po­de­mos as­si­mi­lar com a ex­pres­são “o im­por­tan­te é cui­dar do jar­dim”. Quan­do a or­ga­ni­za­ção cria um am­bi­en­te sau­dá­vel, com ações que va­lo­ri­zem, de­sen­vol­vam e in­te­grem seus pro­fis­si­o­nais, além de se mos­trar aber­ta pa­ra ou­vir su­as ne­ces­si­da­des, au­to­ma­ti­ca­men­te ela se des­ta­ca pe­ran­te ou­tras ins­ti­tui­ções do mer­ca­do e se tor­na mais atra­en­te.

Mas co­mo fa­zer is­so? É fá­cil. O sim­ples fun­ci­o­na! É im­por­tan­te bus­car con­quis­tar os co­ra­ções, cri­ar re­la­ções com os pro­fis­si­o­nais de for­ma ver­da­dei­ra e não fi­car na su­per­fi­ci­a­li­da­de ou no dis­cur­so. É pre­ci­so in­ves­tir em ações que fa­çam o co­la­bo­ra­dor se sen­tir va­lo­ri­za­do.

Ações des­se ti­po fa­zem com que o pro­fis­si­o­nal se sin­ta par­te im­por­tan­te do ne­gó­cio. E is­so re­fle­te di­re­ta­men­te na pro­du­ti­vi­da­de e com­pro­me­ti­men­to. Quan­do es­ses dois fa­to­res es­tão po­si­ti­vos na em­pre­sa, é pos­sí­vel ob­ter au­men­to no re­sul­ta­do fi­nan­cei­ro, re­du­ção de gas­tos e bai­xos ín­di­ces de tur­no­ver.

Por ser o lo­cal no qual os pro­fis­si­o­nais pas­sam mais tem­po, até mes­mo do que na pró­pria ca­sa, cri­ar es­sa at­mos­fe­ra harmô­ni­ca e in­te­res­san­te faz com que se sin­tam bem, en­tu­si­as­ma­dos e fe­li­zes.

É pre­ci­so fa­zer­mos da em­pre­sa uma gran­de fa­mí­lia. Di­vi­di­mos as ba­ta­lhas do dia a dia, mas tam­bém com­par­ti­lha­mos as gló­ri­as. Ce­le­bra­mos jun­tos ca­da con­quis­ta. E com is­so, cui­da­mos do nos­so jar­dim. As­sim, cons­truí­mos la­ços com nos­sos pro­fis­si­o­nais. Ou se­ja, nos­sas bor­bo­le­tas pre­fe­rem fi­car.

Por­tan­to, cui­de do seu jar­dim!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.