É mais pa­ra as­se­gu­rar o que a gen­te tem, em ques­tão ju­di­ci­al. A gen­te não sa­be co­mo vai ser a par­tir de ja­nei­ro Mi­cha­el Car­do­so

Correio da Bahia - - Mais - CO­LA­BO­ROU NIL­SON MA­RI­NHO

No Car­tó­rio de São Ca­e­ta­no, que abran­ge 26 bair­ros de Sal­va­dor, co­mo Ca­bu­la e Per­nam­bués, ao me­nos seis ca­sais de­ram en­tra­da nos pe­di­dos de ca­sa­men­to des­de 28 de ou­tu­bro, após o re­sul­ta­do das elei­ções. Nor­mal­men­te, são dois por mês. Em al­guns me­ses, não há pe­di­do al­gum.

Em to­da Sal­va­dor, de ja­nei­ro a ou­tu­bro, de acor­do com o Tri­bu­nal de Jus­ti­ça do Es­ta­do da Bahia (TJ-BA), hou­ve 19 ca­sa­men­tos LGBTs. No Car­tó­rio de Pi­ra­já, a di­re­ção apon­ta um au­men­to “dis­cre­to” na pro­cu­ra. Na se­ma­na pas­sa­da, hou­ve ape­nas uma so­li­ci­ta­ção. Es­sa se­ma­na, já fo­ram três. No Car­tó­rio da Vi­tó­ria, so­men­te on­tem de ma­nhã fo­ram três pe­di­dos.

A mo­bi­li­za­ção co­me­çou de­pois de uma de­cla­ra­ção da pre­si­den­te da Co­mis­são Es­pe­ci­al da Di­ver­si­da­de Se­xu­al e de Gê­ne­ro do Con­se­lho Fe­de­ral da Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil (OAB), Ma­ria Be­re­ni­ce Di­as, após a elei­ção de Jair Bol­so­na­ro (PSL) pa­ra a Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca.

Na se­ma­na pas­sa­da, ela acon­se­lhou que ca­sais LGBTs cor­ram aos car­tó­ri­os e ga­ran­tam, ago­ra, o que po­de não es­tar tão cer­to no fu­tu­ro.

Pa­ra Ma­ria Be­re­ni­ce, o pre­si­den­te elei­to não tem com­pro­mis­so

com os di­rei­tos dos gays. Ela de­cla­rou es­tar pre­o­cu­pa­da com a pos­si­bi­li­da­de de que um Con­gres­so mais con­ser­va­dor pu­des­se vir a apro­var leis mais res­tri­ti­vas.

O di­rei­to ao ca­sa­men­to LGBT foi as­se­gu­ra­do pe­la Jus­ti­ça. Pri­mei­ro, em 2011, o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) re­co­nhe­ceu o di­rei­to à união es­tá­vel en­tre pes­so­as do mes­mo se­xo. De­pois, em ou­tu­bro de 2012, o TJ-BA per­mi­tiu o ca­sa­men­to ho­mo­a­fe­ti­vo no es­ta­do – a Bahia foi o ter­cei­ro es­ta­do a re­co­nhe­cer e per­mi­tir o ca­sa­men­to LGBT.

Mas foi só em 2013, após uma re­so­lu­ção do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça (CNJ), que to­dos os car­tó­ri­os do país fo­ram obri­ga­dos a re­a­li­zar ca­sa­men­tos LGBTs.

Di­an­te do qua­dro, Fe­li­pe e Mi­cha­el per­ce­be­ram que não da­va mais pa­ra adi­ar. No dia 1º, Fe­li­pe foi ao Car­tó­rio da Vi­tó­ria pa­ra se in­for­mar do pro­ces­so. Os dois já de­ci­di­ram: de ja­nei­ro não pas­sa.

A ideia é que se­ja no dia 10 de ja­nei­ro, quan­do ofi­ci­al­men­te com­ple­tam no­ve anos. Pa­ra a fes­ta, já pla­ne­jam um ca­sa­men­to drag, ce­le­bra­do por uma drag qu­e­en.

“O ca­sa­men­to é mais pa­ra as­se­gu­rar o que a gen­te tem, em ques­tão ju­di­ci­al. São no­ve anos e a gen­te não sa­be co­mo vai ser a bu­ro­cra­cia a par­tir de ja­nei­ro”, diz Mi­cha­el.

A ca­da ca­sal que en­tra­va pe­las por­tas do Car­tó­rio de Re­gis­tro Ci­vil de São Ca­e­ta­no, em Per­nam­bués, pa­ra dar en­tra­da no pro­ces­so, o co­or­de­na­dor de ca­sa­men­to, Le­o­nar­do Gon­çal­ves, ob­ser­va­va a mu­dan­ça. Em pou­cos di­as, ti­nha re­ce­bi­do o do­bro de pe­di­dos de ca­sais LGBTs do que em to­do o mês an­te­ri­or.

Além do amor e da von­ta­de de tro­car ali­an­ças, to­dos os ca­sais que fo­ram em São Ca­e­ta­no nos úl­ti­mos 15 di­as ti­nham al­go em co­mum: o dis­cur­so. “Eles já che­gam di­zen­do is­so. Fa­lam do no­vo go­ver­no, di­zem que vão per­der di­rei­tos. Te­ve um au­men­to mui­to gran­de, por­que eles não têm cos­tu­me de vir. Mui­tos ca­sais pre­fe­rem união es­tá­vel”, ex­pli­ca Le­o­nar­do.

O CORREIO pro­cu­rou 11 car­tó­ri­os de re­gis­tro ci­vil de Sal­va­dor on­tem. Em pe­lo me­nos três, hou­ve au­men­to. Em qua­tro, não hou­ve res­pos­ta. Nos car­tó­ri­os do Pe­lou­ri­nho e da Con­cei­ção da Praia, não hou­ve pe­di­dos de ca­sa­men­to – nem mes­mo en­tre ca­sais he­te­ros­se­xu­ais nos úl­ti­mos me­ses. Já no car­tó­rio de Ama­ra­li­na, hou­ve dois pe­di­dos, o que foi con­si­de­ra­do den­tro da mé­dia men­sal.

A pro­fes­so­ra Ana*, 34 anos, e a psi­có­lo­ga Vi­tó­ria*, 31, se co­nhe­ce­ram há um ano. Du­ran­te es­se pe­río­do, Ana apre­sen­tou um pro­ble­ma de saú­de. Vi­tó­ria, no en­tan­to, não pô­de­a­com­pa­nhar a na­mo­ra­da aos tra­ta­men­tos mé­di­cos.

O ca­sa­men­to já es­ta­va nos pla­nos, mas pre­ci­sou ser adi­an­ta­do so­bre­tu­do por con­ta da saú­de de Ana. O de­se­jo sur­ge em um mo­men­to em que cres­ce a ame­a­ça às ga­ran­ti­as dos di­rei­tos LGBTs.

“Os ca­sais he­te­ros­se­xu­ais têm es­se re­co­nhe­ci­men­to pe­ran­te à so­ci­e­da­de e is­so é im­por­tan­te pa­ra a gen­te, pa­ra a nos­sa cons­tru­ção en­quan­to su­jei­to”, diz Vi­tó­ria.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.