Um to­que pa­ra se li­gar e evi­tar o pi­or

Correio da Bahia - - Mais - Alexandre Lyrio, Fer­nan­da Va­re­la e João Ga­bri­el Gal­dea

Quan­do se busca aju­da, é co­mum se pedir uma mão­zi­nha. Mas nem pre­ci­sa de uma mão in­tei­ra pa­ra con­se­guir au­xí­lio na de­tec­ção do ti­po de do­en­ça que mais ma­ta os bai­a­nos: o cân­cer de prós­ta­ta, res­pon­sá­vel por três óbi­tos por dia no es­ta­do. Nes­se ca­so, é ne­ces­sá­rio ape­nas um de­do e o mí­ni­mo ins­tin­to de so­bre­vi­vên­cia pa­ra fre­ar o avan­ço da ne­o­pla­sia ma­lig­na no ór­gão re­pro­du­tor mas­cu­li­no, que vi­ti­mou 14,4% a mais num in­ter­va­lo de se­te anos e re­gis­tra acrés­ci­mo de 8% no nú­me­ro de in­ter­na­ções na Bahia, en­tre 2016 e 2017.

São tan­tas mor­tes que não dá pra con­tar nos de­dos, co­mo mos­tram os da­dos ob­ti­dos jun­to à Se­cre­ta­ria da Saú­de do Es­ta­do (Se­sab). Em to­do o ano pas­sa­do, 1.254 bai­a­nos per­de­ram a guer­ra pa­ra a do­en­ça. Em 2018, até o último dia 5, já ti­nham si­do con­ta­bi­li­za­dos 895 óbi­tos, mui­tos dos ca­sos cer­ta­men­te evi­tá­veis, não fos­se o ta­bu que en­vol­ve um sim­ples exa­me que não dói e du­ra, no má­xi­mo, se­te se­gun­dos: o to­que re­tal.

E se mui­ta gen­te não gos­ta de bo­tar o de­do na fe­ri­da, no No­vem­bro Azul, mês em que se lem­bra da im­por­tân­cia do exa­me pre­co­ce, pre­ci­sa­mos fa­lar so­bre es­sas de­da­das que sal­vam vi­das. “É im­por­tan­te ex­pli­car que a cam­pa­nha não é de pre­ven­ção, por­que não exis­te is­so pa­ra cân­cer de prós­ta­ta. A cam­pa­nha é a ne­ces­si­da­de de fa­zer o di­ag­nós­ti­co pre­co­ce, por­que, com is­so, te­mos mais de 90% de chan­ce de cu­ra”, ex­pli­ca o uro­lo­gis­ta Wag­ner Coê­lho Por­to, ex-vi­ce-pre­si­den­te da So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Uro­lo­gia (SBU).

Ele ex­pli­ca que, na verdade, an­tes do exa­me fí­si­co, há ain­da du­as eta­pas a ser cum­pri­das por to­do ho­mem a par­tir dos 50 anos - em al­guns ca­sos, ci­ta­dos ao lado, a par­tir dos 45 anos: a con­sul­ta uro­ló­gi­ca, que in­clui a con­ver­sa com o mé­di­co, e de­pois o exa­me de PSA, com aná­li­se san­guí­nea.

O cum­pri­men­to de so­men­te du­as das três eta­pas le­vou o ope­ra­dor de má­qui­nas apo­sen­ta­do Carlos Oli­vei­ra, 67 anos, a só des­co­brir a do­en­ça quan­do ela já es­ta­va ins­ta­la­da. O pri­mei­ro exa­me de to­que ele só fez há três anos, após mais de dez anos achan­do que bas­ta­va o exa­me de san­gue. “Só fa­zia o PSA. Fui fa­zer o de to­que há três anos, por­que o mé­di­co já sen­tiu que ti­nha al­gu­ma coi­sa”, co­men­tou o mo­ra­dor de Si­mões Fi­lho, que ope­rou a prós­ta­ta há três me­ses no Hos­pi­tal San­to Antô­nio, em Sal­va­dor.

Mas, seu Carlos, por que o se­nhor não fa­zia o exa­me de to­que? En­xer­ga­va al­gum pro­ble­ma na si­tu­a­ção? “Não. Eu não te­nho ne­nhum ti­po de pre­con­cei­to. Se for pra des­co­brir al­go que faz bem pra gen­te, eu acho que não tem pro­ble­ma”, des­ta­cou o apo­sen­ta­do, que faz fi­si­o­te­ra­pia em casa, na ci­da­de de Si­mões Fi­lho.

En­quan­to seu Carlos, por ser um ca­so me­nos gra­ve, se tra­ta na pró­pria re­si­dên­cia, a in­ter­na­ção é com­pul­só­ria pa­ra mui­tos pa­ci­en­tes com a do­en­ça,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.