País já saiu da UTI, afir­ma eco­no­mis­ta

Correio da Bahia - - Mais -

lhor re­sul­ta­do nes­te ano, as­sim co­mo o de­sem­pe­nho dos in­ves­ti­men­tos.

Já pe­lo la­do da ofer­ta, a agro­pe­cuá­ria re­gis­trou cres­ci­men­to de 0,7%, ao pas­so em que a in­dús­tria te­ve al­ta de 0,4% nes­te ter­cei­ro tri­mes­tre. En­tre as ati­vi­da­des in­dus­tri­ais, hou­ve al­ta de 0,8% nas in­dús­tri­as de trans­for­ma­ção. Tan­to as ex­tra­ti­vas quan­to a cons­tru­ção re­gis­tra­ram va­ri­a­ção po­si­ti­va de 0,7%.

A úni­ca va­ri­a­ção ne­ga­ti­va fi­cou com ele­tri­ci­da­de e gás, com re­cuo de 1,1%. Na com­pa­ra­ção com o tri­mes­tre an­te­ri­or, o re­sul­ta­do da in­dús­tria é a pri­mei­ra ex­pan­são do ano.

O co­mér­cio, com ex­pan­são de 1,1% fren­te ao tri­mes­tre ime­di­a­ta­men­te an­te­ri­or, te­ve a mai­or al­ta des­de o se­gun­do tri­mes­tre de 2017, quan­do ha­via cres­ci­do 1,6%, as­sim co­mo os ser­vi­ços. “A al­ta nes­te in­di­ca­dor es­tá atre­la­da à me­lho­ra no con­su­mo das fa­mí­li­as”, in­di­cou a co­or­de­na­do­ra de Con­tas Tri­mes­trais do IB­GE. A eco­no­mia bra­si­lei­ra vol­tou a cres­cer no ter­cei­ro tri­mes­tre des­te ano, mas os ana­lis­tas econô­mi­cos fa­zem a res­sal­va: a ba­se de com­pa­ra­ção é bai­xa, já que o de­sem­pe­nho do tri­mes­tre an­te­ri­or foi mui­to pre­ju­di­ca­do pe­la gre­ve dos ca­mi­nho­nei­ros em maio pas­sa­do.

“É um ce­ná­rio em que o pa­ci­en­te já saiu da UTI e ago­ra ins­pi­ra me­nos cui­da­dos”, re­su­miu o eco­no­mis­ta-che­fe da Aus­tin Ra­ting, Alex Agos­ti­ni. O re­sul­ta­do anun­ci­a­do on­tem pe­lo IB­GE não foi su­fi­ci­en­te pa­ra mu­dar as pro­je­ções pa­ra a eco­no­mia es­te ano e no ano que vem.

Se­gun­do pes­qui­sa fei­ta pe­lo Pro­je­ções Bro­ad­cast, a es­ti­ma­ti­va ain­da é de al­ta de 1,3% nes­te ano e de 2,5% em 2019. Os mais oti­mis­tas até apos­tam em avan­ço aci­ma de 3% do ano que vem. Mas a res­sal­va é que is­so de­pen­de da apro­va­ção de re­for­mas lo­go no iní­cio do go­ver­no Jair Bol­so­na­ro.

“O ce­ná­rio ain­da é de cau­te­la. O cres­ci­men­to de­ve ser cer­ta­men­te me­lhor do que es­te ano, mas há dois ris­cos pre­sen­tes ano que vem, não tri­vi­ais”, afir­mou Ser­gio Va­le, eco­no­mis­ta-che­fe da MB As­so­ci­a­dos, ci­tan­do o ce­ná­rio ex­ter­no e a Pre­vi­dên­cia So­ci­al.

Pa­ra o eco­no­mis­ta Jo­sé Luís Orei­ro, pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de de Bra­sí­lia (UnB), a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia e seu re­sul­ta­do so­bre as con­tas pú­bli­cas são o fa­tor mais im­por­tan­te. “O cres­ci­men­to po­de ser um pou­co mai­or em 2019, mas vai de­pen­der mui­to dos três pri­mei­ros me­ses de go­ver­no”, dis­se.

Es­tru­tu­ral­men­te, sem as re­for­mas, o PIB man­te­ria ta­xas de cres­ci­men­to me­dío­cres. Se­ria uma mé­dia de 0,5% ao ano, no pe­río­do en­tre 2020 e 2031, com pos­sí­veis pe­río­dos de re­ces­são, con­for­me ce­ná­ri­os cal­cu­la­dos pe­lo Ins­ti­tu­to de Pes­qui­sa Econô­mi­ca Apli­ca­da (Ipea).

Com as re­for­mas, a ta­xa mé­dia de cres­ci­men­to su­bi­ria a 2,2% ao ano. “A pri­o­ri­da­de mai­or, sem dú­vi­da ne­nhu­ma, é uma re­for­ma da Pre­vi­dên­cia que, de fa­to, con­si­ga con­ter o cres­ci­men­to dos gas­tos pú­bli­cos”, dis­se Jo­sé Ro­nal­do de Cas­tro Sou­za Jú­ni­or, di­re­tor do Ipea.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.