Por vo­os mais al­tos

Correio da Bahia - - Vida - Bru­no Qu­ei­roz e Ga­bri­el Ro­dri­gues

De con­tra­to re­no­va­do pa­ra 2019, En­der­son Mo­rei­ra re­ce­beu o COR­REIO, fa­lou so­bre o ano e pro­je­tou os pró­xi­mos pas­sos. Con­fi­ra:

Qual o ba­lan­ço que vo­cê faz da atu­al tem­po­ra­da? Cos­tu­mo fa­lar que tu­do dá cer­to e tu­do dá er­ra­do no fu­te­bol. Eu che­gan­do ob­ser­vei a equi­pe, já ti­nha vis­to al­guns jo­gos. Num pri­mei­ro mo­men­to, eu não quis me­xer mui­ta coi­sa, pois a gen­te es­ta­va em uma sequên­cia de fi­nais. Jo­gos da Co­pa do Nor­des­te, se­mi­fi­nais, pos­te­ri­or­men­te as fi­nais, en­tão eu me­xi pou­co. Lo­go em se­gui­da, ti­ve­mos o jo­go de vol­ta da Co­pa do Bra­sil. En­tão as­sim, a par­tir des­se jo­go do Vas­co, a gen­te te­ve uma con­ver­sa mui­to boa lá em Cha­pe­có (an­tes do jo­go con­tra a Cha­pe­co­en­se, dia 19 de ju­lho). Eu ti­ve tem­po de ex­pli­car pa­ra eles o que eu gos­ta­ria a par­tir da­que­le jo­go. Fa­lei com eles de ma­nei­ra cla­ra (...), ten­tei mos­trar pra eles o que eu acha­va que po­de­ria ser o ca­mi­nho di­an­te do que a gen­te ti­nha pe­la fren­te e ali nós co­me­ça­mos a mo­di­fi­car um pou­co a for­ma de jo­gar. Eles co­me­ça­ram a en­ten­der e co­lo­car em prá­ti­ca aqui­lo que era a mi­nha ideia de jo­go pa­ra o Bahia.

Gos­ta de par­ti­ci­par da cons­tru­ção do elen­co?

Acho que num pro­ces­so téc­ni­co, a gen­te tem que unir for­ças de to­das as for­mas. Sem­pre fiz es­se tra­ba­lho por on­de pas­sei, de mon­ta­gem de equi­pe, às ve­zes com uma atu­a­ção até mai­or do que eu re­al­men­te gos­ta­ria. O per­fil aqui é di­fe­ren­te. Di­e­go Cer­ri é um pro­fis­si­o­nal ex­tre­ma­men­te qua­li­fi­ca­do em ter­mos de en­ten­di­men­to de mer­ca­do, jo­ga­do­res. O que nós te­mos fei­to é um en­ten­di­men­to. É cla­ro que a gen­te gos­ta­ria de ter­mi­nar uma tem­po­ra­da man­ten­do gran­de par­te da nos­sa ba­se, me­xen­do mi­ni­ma­men­te. Acho que is­so faz nós ga­nhar­mos mui­to tem­po na tem­po­ra­da se­guin­te. Mas não é a re­a­li­da­de ain­da do fu­te­bol bra­si­lei­ro, que ain­da de­pen­de mui­to des­sas mu­dan­ças. Cla­ro que al­gu­mas bo­as opor­tu­ni­da­des, al­gu­mas apos­tas pre­ci­sam ser fei­tas, pa­ra que a gen­te pos­sa cri­ar um me­ca­nis­mo de que nu­ma apos­ta des­sa, o Bahia tem pos­si­bi­li­da­de de uma ven­da fu­tu­ra.

Qual a so­lu­ção pa­ra evi­tar o des­gas­te al­to dos jo­ga­do­res du­ran­te o ano?

Em lu­gar ne­nhum no mun­do, on­de se tem um fu­te­bol de bom ní­vel, vo­cê vê um acú­mu­lo de jo­gos co­mo no Bra­sil. Aca­ba não va­lo­ri­zan­do o que tem de me­lhor, que é o jo­go. O pro­ble­ma é que a gen­te tem um gran­de cam­pe­o­na­to, que é o Bra­si­lei­ro, que é com­pe­ti­ti­vo, que não se po­de pre­ver quem se­rão as equi­pes que dis­pu­ta­rão o tí­tu­lo, a Li­ber­ta­do­res, a Sul-Ame­ri­ca­na, o re­bai­xa­men­to. Ao mes­mo tem­po nós va­lo­ri­za­mos pou­co a com­pe­ti­ção, por­que fa­ze­mos jo­gos mui­to em sequên­cia, a gen­te pe­ga o pri­mei­ro se­mes­tre e car­re­ga de jo­gos. Is­so vai es­tou­rar mais pra fren­te. Te­mos um pro­ble­ma sé­rio com ca­len­dá­rio. O que eu qu­e­ro pa­ra 2019 é que a gen­te pos­sa ga­ran­tir uma óti­ma pré-tem­po­ra­da. Não tem pro­ble­ma jo­gar. Nós só não po­de­mos jo­gar no iní­cio mui­tas ve­zes se­gui­das, in­ter­rom­pen­do a pre­pa­ra­ção. Um ou­tro pon­to: es­ta­mos com mui­tos atle­tas jo­vens e é im­por­tan­te que a gen­te pos­sa ob­ser­var.

Pre­ten­de usar o ti­me sub-23 no Cam­pe­o­na­to Bai­a­no? Is­so po­de ser uma de­ci­são da di­re­ção, mas não é ba­si­ca­men­te aqui­lo que eu pen­so. Eu acho que a gen­te pre­ci­sa ga­ran­tir es­sa boa pré-tem­po­ra­da, ti­rar um pou­co o nú­me­ro de jo­gos no iní­cio. Nós po­de­mos ter jo­gos nes­ses 30 di­as, a gen­te só não po­de só ter jo­go. Trei­nar dez di­as e co­me­çar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.