108

Correio da Bahia - - Mais -

nes­sa Ro­cha, 38 anos, que tem uma fi­lha ma­tri­cu­la­da na uni­da­de, fun­da­da há mais de 50 anos.

Ela diz que a es­co­la, que era uti­li­za­da pe­la co­mu­ni­da­de nos fi­nais de semana pa­ra ati­vi­da­de de la­zer, so­fre com a de­gra­da­ção há anos. “Não fa­zem re­for­mas, não in­ves­tem na in­fra­es­tru­tu­ra. Ago­ra, sim­ples­men­te, que­rem fe­char”, quei­xa-se.

A am­bu­lan­te Mag­da Con­cei­ção, 26 anos, vê a dis­tân­cia co­mo pro­ble­ma mai­or. “Aqui (em Ama­ra­li­na), pos­so le­var e bus­car meu fi­lho na es­co­la. A gen­te tam­bém po­dia fi­car de olho ne­les, por­que a es­co­la é per­to. Se fe­cha­rem, te­re­mos que pa­gar ôni­bus. Por is­so que tem eva­são. Até on­de eu sei, a es­co­la tem que es­tar pró­xi­ma do alu­no”, cri­ti­ca.

O pro­fes­sor de ci­ên­ci­as na­tu­rais Jo­sé Car­los Sil­va, 63 anos, 27 de­les le­ci­o­nan­do na es­co­la, la­men­ta a me­di­da. “Foi de ci­ma pa­ra bai­xo, não fo­mos ou­vi­dos, nem con­sul­ta­ram pais e alu­nos. No co­me­ço, fa­la­ram que já es­ta­va de­fi­ni­do. Ago­ra, co­mo caí­mos pa­ra den­tro, eles re­cu­a­ram e que­rem dis­cu­tir”, dis­se.

Lhi­rill San­ta­na, 15 anos, estuda no oi­ta­vo ano do Cu­per­ti­no de La­cer­da e diz que a es­co­la ofer­ta uma sé­rie de ati­vi­da­des. “Não é só au­la. Te­mos ati­vi­da­des es­por­ti­vas, jo­gos e ofi­ci­nas de arte”, con­ta o alu­no.

Gleid­son Se­a­ra, 16 anos, tam­bém alu­no do oi­ta­vo ano da uni­da­de, con­cor­da e vai além: “Vim pa­ra cá es­te ano e te­nho pra­zer de es­tu­dar. Os pro­fes­so­res, mais do que mes­tres, são ami­gos”.

Já Ma­ria Ri­os, 16 anos, do no­no ano do Hen­ri­que Bri­to, lem­bra que a es­co­la fun­ci­o­na em tur­no in­te­gral, o que per­mi­te a con­vi­vên­cia mai­or com co­le­gas e pro­fes­so­res. “Co­mo to­dos so­mos da mes­ma co­mu­ni­da­de, cri­a­mos mui­to vín­cu­lo. Aqui, pa­ra nós, é uma se­gun­da ca­sa”, afir­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.