ON­DE TEM PRO­DU­TOS PA­RA DIABÉTICOS

Correio da Bahia - - Mais -

To­dos os di­as, a apo­sen­ta­da Vi­val­da Con­cei­ção de Aguiar, 67 anos, usa uma se­rin­ga pa­ra fa­zer de dois a três fu­ros na bar­ri­ga e in­je­tar do­ses de in­su­li­na. Com di­ag­nós­ti­co de di­a­be­tes há mais de 30 anos, ela diz que às ve­zes fica to­da do­lo­ri­da, mas que pre­ci­sa re­pe­tir es­se ri­tu­al re­li­gi­o­sa­men­te pa­ra con­tro­lar o açú­car no san­gue. Ela já ou­viu fa­lar da ca­ne­ta de in­su­li­na, que dói me­nos, mas ain­da não con­se­guiu ter aces­so.

Só ago­ra a in­su­li­na aná­lo­ga rá­pi­da em ca­ne­ta – um ti­po mo­der­no, pro­du­zi­do a par­tir da in­su­li­na hu­ma­na e com ação mais cur­ta - se­rá dis­tri­buí­da pa­ra os pa­ci­en­tes diabéticos pe­lo Sis­te­ma Úni­co de Saú­de (SUS). Em­bo­ra a tec­no­lo­gia já es­te­ja dis­po­ní­vel no mer­ca­do há du­as dé­ca­das, o pri­mei­ro lo­te em ca­ne­ta ad­qui­ri­do pe­lo Mi­nis­té­rio de Saú­de (MS) foi en­vi­a­do ago­ra, no em­ba­lo da Cam­pa­nha No­vem­bro Di­a­be­tes Azul, pa­ra ser dis­tri­buí­do gra­tui­ta­men­te nos es­ta­dos, in­clu­si­ve a Bahia. Um pa­ci­en­te que usa re­gu­lar­men­te che­ga a con­su­mir três ca­ne­tas por mês. Se ti­ver que pa­gar por elas, o cus­to fi­xo men­sal é de R$ 90.

O Bra­sil é o quar­to país em nú­me­ro de diabéticos. A es­ti- ma­ti­va é que 425 mi­lhões de pes­so­as vi­vam com a do­en­ça no mun­do, mas só 50% sa­be. São 14 mi­lhões de diabéticos no Bra­sil. Se­gun­do da­dos do Mi­nis­té­rio da Saú­de, a do­en­ça afe­ta 5% dos bai­a­nos e 6,6% da po­pu­la­ção de Sal­va­dor. Há uma es­ti­ma­ti­va ain­da que 90% dos pa­ci­en­tes têm o ti­po 2 e só 10% o ti­po 1, que é qu­an­do o pân­cre­as não pro­duz in­su­li­na su­fi­ci­en­te e é pre­ci­so in­je­tar in­su­li­na pa­ra aten­der as ne­ces­si­da­des do or­ga­nis­mo.

O anún­cio da dis­tri­bui­ção da ca­ne­ta é con­si­de­ra­do um avan­ço na re­de pú­bli­ca. Mas a por­ta­ria do MS ain­da dei­xa de fo­ra pa­ci­en­tes co­mo do­na Vi­val­da. O do­cu­men­to es­ta­be­le­ce que o me­di­ca­men­to vai ser dis­tri­buí­do só pa­ra qu­em tem o di­a­be­tes ti­po 1 e que cum­pra al­guns pré-re­qui­si­tos: uso pré­vio de in­su­li­na re­gu­lar por pe­lo me­nos três me­ses e qua­dro de hi­po­gli­ce­mia no­tur­na re­pe­ti­da, gra­ve ou não gra­ve, nos úl­ti­mos três me­ses. A es­ti­ma­ti­va é que, no país, há pe­lo me­nos 400 mil pes­so­as com es­se per­fil. Não há da­dos por es­ta­do.

O pri­mei­ro lo­te en­vi­a­do à Bahia tem 2.160 ca­ne­tas. Se­gun­do a Se­cre­ta­ria de Saú­de do Es­ta­do da Bahia (Se­sab), em­bo­ra a ca­ne­ta de in­su­li­na aná­lo­ga rá­pi­da só te­nha si­do ado­ta­da ago­ra pe­lo SUS, na Bahia ela já é uma re­a­li­da­de des­de 2012. “A Se­sab pas­sou a re­a­li­zar o for­ne­ci­men­to aos pa­ci­en­tes ava­li­a­dos pe­lo Ce­de­ba (Cen­tro de Di­a­be­tes e En­do­cri­no­lo­gia da Bahia) pe­los cri­té­ri­os es­ta­be­le­ci­dos pe­lo nos­so pro­to­co­lo”, in­for­ma. Se­gun­do a pas­ta, são, apro­xi­ma­da­men­te, dois mil pa­ci­en­tes ca­das­tra­dos e, por mês, dis­tri­buí­das 7.139,4 am­po­las em ca­ne­ta.

A ad­vo­ga­da La­ris­sa Ro­sa­do, que tem o ti­po 1 e con­vi­ve com a do­en­ça há mais de 30 anos, to­dos os me­ses vai ao Ce­de­ba bus­car su­as ca­ne­tas de in­su­li­na e re­co­nhe­ce os avan­ços no tra­ta­men­to. “Sou do tem­po que a gen­te ti­nha que fer­ver a se­rin­ga pa­ra es­te­ri­li­zar. A ca­ne­ta a gen­te jo­ga na bol­sa e apli­ca em qual­quer lu­gar. Uso até en­quan­to es­tou di­ri­gin­do”.

Pa­ra a co­or­de­na­do­ra de ações es­tra­té­gi­cas do Ce­de­ba, a en­do­cri­no­lo­gis­ta Ode­li­sa Ma­tos, a ca­ne­ta é mais prá­ti­ca pa­ra o pa­ci­en­te, tem me­nos ris­cos de er­ro de do­sa­gem, é de fá­cil ma­nu­seio pa­ra pes­so­as com al­gu­ma de­fi­ci­ên­cia vi­su­al - já que emi­te som qu­an­do é gi­ra­da -, além de do­er me­nos, já que a agu­lha é me­nor.

Pri­mei­ra-se­cre­tá­ria da So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Di­a­be­tes (SBD), Kar­la Me­lo, que par­ti­ci­pou da ela­bo­ra­ção do dos­siê en­ca­mi­nha­do ao MS pa­ra rei­vin­di­car a in­clu­são no SUS, de­fen­de que ele tem um efei­to mais rá­pi­do e du­ra me­nos tem­po no or­ga­nis­mo. “No ca­so da in­su­li­na hu­ma­na re­gu­lar, o pa­ci­en­te tem que to­mar 30 mi­nu­tos an­tes das re­fei­ções e ela tem uma ação mais pro­lon­ga­da. O ali­men­to che­ga no or­ga­nis­mo, a gli­co­se au­men­ta e a in­su­li­na ain­da es­tá sen­do pro­du­zi­da. Há um des­com­pas­so en­tre a in­ges­tão de ali­men­tos e o tem­po de ação da in­su­li­na”, ex­pli­ca. Ela te­ve o di­ag­nós­ti­co na in­fân­cia e con­vi­ve com a do­en­ça há 40 anos.

O dos­siê da SDB mos­tra que a in­su­li­na re­gu­lar au­men­ta em 45% a chan­ce de o pa­ci­en­te ter uma hi­po­gli­ce­mia no­tur­na e em 32% o ris­co de ter uma hi­po­gli­ce­mia gra­ve. A ex­pec­ta­ti­va da re­pre­sen­tan­te da SDB é que a dis­tri­bui­ção gra­tui­ta da ca­ne­ta me­lho­re a ade­são ao tra­ta­men­to. “Con­si­de­ro um ga­nho mui­to gran­de pa­ra o pa­ci­en­te, que vai ser tra­du­zi­do em um me­lhor con­tro­le da do­en­ça”.

Rua Pi­auí, 140, lo­ja 4, Pi­tu­ba. Tel: 71-3240

8196

Rua Mi­nas Ge­rais, 227, Pi­tu­ba. Tel: 713354-0604

Ave­ni­da Pau­lo VI, 355, Pi­tu­ba. Tel: 71 -3240-8554

In­su­li­na aná­lo­ga rá­pi­da em ca­ne­ta pas­sa a ser dis­tri­buí­da gra­tui­ta­men­te pe­lo SUS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.