No­vo lo­te sai­rá em fe­ve­rei­ro

Correio da Bahia - - Mais - *A JOR­NA­LIS­TA VI­A­JOU PA­RA MI­NAS GE­RAIS A CON­VI­TE DA NO­VO NORDISK

de En­do­cri­no­lo­gia da Bahia, Jo­a­quim Custódio da Sil­va Jú­ni­or ex­pli­ca que o usuá­rio de­ve cal­cu­lar a quan­ti­da­de de car­boi­dra­tos e, a par­tir daí, de­fi­nir a do­sa­gem. “Se vai comer um pão fran­cês de 30 gra­mas, a uni­da­de de in­su­li­na con­se­gue com­pen­sar 15 gra­mas, en­tão tem que to­mar du­as uni­da­des”.

Ain­da se­gun­do ele, a ali­men­ta­ção tem um pa­pel cha­ve no tra­ta­men­to do di­a­be­tes e é ne­ces­sá­rio um con­tro­le das ca­lo­ri­as e dos car­boi­dra­tos, que vi­ram açú­car e au­men­tam a gli­ce­mia mais rá­pi­do. “A gen­te es­ti­mu­la o pa­ci­en­te a apren­der co­mo o or­ga­nis­mo re­a­ge aos ali­men­tos pa­ra que ele pos­sa fa­zer os ajus­tes de acor­do com es­sa re­a­li­da­de. Não exis­te uma re­cei­ta de bolo pron­to”.

Com cer­te­za vo­cê já ou­viu aque­le di­ta­do que diz que vo­cê é o que vo­cê co­me. No ca­so dos pa­ci­en­tes com di­a­be­tes, o que ele co­me vai im­pac­tar di­re­ta­men­te na for­ma co­mo a do­en­ça se ma­ni­fes­ta. “Um le­ma que eu es­ta­be­le­ci é que o que nos ma­ta não é a ex­ce­ção, é a ro­ti­na. To­do mun­do tem di­rei­to a ter seus di­as de ex­ce­ção e comer um bri­ga­dei­ro, o que qui­ser, mas quan­to me­lhor ele faz o ajus­te de dose de in­su­li­na pa­ra aque­la co­mi­da, me­nos im­pac­to vai ter”.

A re­pre­sen­tan­te da SBD res­sal­ta que, ho­je, além da in­su­li­na, os pa­ci­en­tes do SUS têm aces­so a 100 fi­tas por mês pa­ra me­dir a gli­ce­mia. “Às ve­zes ele fu­ra o de­do três ve­zes ao dia e não sa­be que ati­tu­de to­mar di­an­te do gli­co­sí­me­tro”.

Ela diz que é pre­ci­so ha­ver ações mais di­dá­ti­cas pa­ra es­ses pa­ci­en­tes, su­ge­rin­do, por exem­plo, uma ta­be­la com a quan­ti­da­de de re­fei­ção fi­xa e a do­sa­gem de in­su­li­na in­di­ca­da, que vai au­men­tan­do de acor­do com a gli­ce­mia. “Ele vai fu­rar o de­do, olhar a ta­be­li­nha e fa­zer o que es­tá pre­vis­to. É pos­sí­vel me­lho­rar o con­tro­le com coi­sas que a gen­te já tem dis­po­ní­vel. Os pa­ci­en­tes mais ela­bo­ra­dos fa­zem a con­ta­gem do car­boi­dra­to. Exis­tem apli­ca­ti­vos gra­tui­tos pa­ra con­tar os car­boi­dra­tos e es­ti­mar a dose de in­su­li­na”, in­for­ma. Em uma área de 64 mil me­tros qua­dra­dos, equi­va­len­te a se­te cam­pos de fu­te­bol, em Mon­tes Cla­ros, Mi­nas Ge­rais, as má­qui­nas pra­ti­camen­te não des­can­sam. Pa­ram ape­nas du­as ve­zes no ano: no Na­tal e no Ré­veil­lon. É na fá­bri­ca, con­si­de­ra­da a mai­or uni­da­de de pro­du­ção de in­su­li­nas da Amé­ri­ca La­ti­na, que mil fun­ci­o­ná­ri­os se des­do­bram dia e noi­te pa­ra dar con­ta de uma pro­du­ção que re­pre­sen­ta 15% da in­su­li­na con­su­mi­da no mun­do e 25,8% de to­da a ex­por­ta­ção na­ci­o­nal de me­di­ca­men­tos.

Tra­ta-se da fá­bri­ca da No­vo Nordisk, a res­pon­sá­vel por pro­du­zir a in­su­li­na aná­lo­ga rá­pi­da em ca­ne­ta ad­qui­ri­da pe­lo Mi­nis­té­rio da Saú­de que es­tá sen­do dis­tri­buí­da, pe­la pri­mei­ra vez, gra­tui­ta­men­te, pe­lo SUS. Em ja­nei­ro de 2018, a Agência Na­ci­o­nal de Vi­gi­lân­cia Sa­ni­tá­ria (An­vi­sa) con­ce­deu à fá­bri­ca au­to­ri­za­ção pa­ra for­ne­ci­men­to da in­su­li­na aná­lo­ga de ação ul­tra-rá­pi­da – in­su­li­na as­par­te – ao mer­ca­do bra­si­lei­ro.

O edi­tal do MS de­fi­niu a aqui­si­ção de, apro­xi­ma­da­men­te, 8 mi­lhões de ca­ne­tas. Se­gun­do a di­re­to­ra de Aces­so a Mer­ca­do, Re­la­ções Ins­ti­tu­ci­o­nais e Co­mu­ni­ca­ção da mar­ca, Si­mo­ne Tcher­ni­a­kovsky, o pri­mei­ro lo­te foi en­tre­gue em no­vem­bro e o se­gun­do se­rá em fe­ve­rei­ro. Ca­da ca­ne­ta foi ven­di­da pa­ra o SUS no pro­ces­so li­ci­ta­tó­rio por R$ 12.70.

“O fa­to de o go­ver­no for­ne­cer é uma evo­lu­ção, em­bo­ra es­te­ja no mer­ca­do pri­va­do há mais tem­po. Pa­ra o SUS, a gen­te tem que olhar o im­pac­to or­ça­men­tá­rio pa­ra a po­pu­la­ção co­mo um to­do. Nes­se ca­so, ele olhou só pa­ra os pa­ci­en­tes do ti­po 1, que já é uma po­pu­la­ção gran­de”, con­si­de­ra Si­mo­ne.

Atu­al­men­te, há três ti­pos de in­su­li­nas pro­du­zi­das pe­la No­vo Nordisk na plan­ta de Mon­tes Cla­ros que são ad­qui­ri­das pe­lo MS e dis­tri­buí­das pe­lo SUS: a ul­trar­rá­pi­da em ca­ne­ta, a NPH e a re­gu­lar, tan­to em fras­co quan­to em ca­ne­ta. A par­tir de ja­nei­ro, a fá­bri­ca co­me­ça a for­ne­cer tam­bém a in­su­li­na NPH em ca­ne­ta, que até ho­je só vi­nha sen­do for­ne­ci­da em fras­co. A quan­ti­da­de vai re­pre­sen­tar 15% da de­man­da ho­je da NPH.

Vi­ce-pre­si­den­te e ge­ren­te ge­ral da No­vo Nordisk no Bra­sil, Al­lan Fin­kel re­co­nhe­ce que o percentual ain­da é pe­que­no, mas ele acre­di­ta que es­sa aqui­si­ção de­ve cres­cer no fu­tu­ro. “Se vo­cê olha anos atrás, qu­an­do o Mi­nis­té­rio da Saú­de pa­dro­ni­zou a in­su­li­na NPH ain­da em fras­co, era uma quan­ti­da­de mui­to me­nor. Em 2007 se fa­la­va em 9 mi­lhões de fras­cos. Ho­je o mi­nis­té­rio com­pra 20 mi­lhões, ago­ra vai com­prar as ca­ne­tas. O pro­ces­so ago­ra de­ve ser exa­ta­men­te o mes­mo. Ele es­tá ini­ci­an­do, até por­que não faz sen­ti­do com­prar pra fa­zer um es­to­que, mas o pró­prio mi­nis­té­rio dei­xa cla­ro que a ideia é su­prir uma quan­ti­da­de ca­da vez mai­or de pa­ci­en­tes do SUS”.

Na ava­li­a­ção de Fin­kel, o pro­gra­ma do Mi­nis­té­rio da Saú­de já é con­si­de­ra­do bom, mas ao dar es­sa fle­xi­bi­li­da­de pa­ra o pa­ci­en­te, ele con­si­de­ra que es­tá dan­do um pu­lo ca­da vez mai­or pa­ra que ha­ja um me­lhor con­tro­le do di­a­be­tes e, con­se­quen­te­men­te, uma me­lhor qua­li­da­de de vi­da dos pa­ci­en­tes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.