Cros­s­fit, um es­por­te pa­ra to­dos

Correio da Bahia - - Front Page - FERNANDA SURIAN É ATLE­TA DE AL­TA PER­FOR­MAN­CE

Se, quan­do ou­ve fa­lar em Cros­s­fit, vo­cê já pen­sa lo­go na­que­las pes­so­as su­per sa­ra­das e for­tes er­guen­do bar­ras co­mo se fos­sem gra­ve­tos, e mor­re de me­do de se aven­tu­rar no es­por­te, eu te con­vi­do a re­con­si­de­rar. Tal­vez a mi­nha his­tó­ria te dê um no­vo im­pul­so pa­ra se per­mi­tir co­nhe­cer ou­tra fa­ce do Cros­s­fit.

Em­bo­ra pos­sa pa­re­cer con­tra­di­tó­rio, Cros­s­fit é um es­por­te pa­ra to­dos. Bai­xos, al­tos, ma­gros, gor­dos, pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia, jo­vens, ve­lhos, qual­quer pes­soa po­de (e eu di­ria que até de­ve) pra­ti­car Cros­s­fit. Eu di­go que pa­re­ce con­tra­di­tó­rio por­que as ima­gens que ve­mos do Cros­s­fit, que ge­ral­men­te são de com­pe­ti­do­res e even­tos mun­di­ais, mos­tram pes­so­as ex­tre­ma­men­te for­tes, que pa­re­cem mui­to fo­ra da nos­sa re­a­li­da­de diá­ria.

O que é o Cros­s­fit, afi­nal? O Cros­s­fit nas­ceu de uma mis­tu­ra de es­por­tes com o ob­je­ti­vo de trei­nar as pes­so­as pa­ra o que elas já fa­zem to­dos os di­as. Co­mo as­sim? Pen­se em to­dos os mo­vi­men­tos que vo­cê já tem que fa­zer, com me­nor ou mai­or grau de di­fi­cul­da­de, na sua vi­da: co­lo­car al­go em uma es­tan­te, er­guer um mó­vel pa­ra lim­par ou tro­cá-lo de lu­gar, car­re­gar compras no su­per­mer­ca­do. Pa­ra tu­do pre­ci­sa de aju­da? De­pois do Cros­s­fit, is­so se tor­na fá­cil e na­tu­ral. Es­sa é a ideia. E dá cer­to, viu?

A mis­tu­ra de exer­cí­ci­os ae­ró­bi­cos, gi­nás­ti­cos e de for­ça que são fei­tos com pou­cos ele­men­tos, co­mo cai­xas, bo­las, hal­te­res, nas­ceu em 2000 e pe­gou ve­lo­ci­da­de aqui no Bra­sil lá por 2009, só pa­ra con­tex­tu­a­li­zar. Ho­je, são mais de mil bo­xes, que é co­mo se cha­mam as aca­de­mi­as, só no Bra­sil.

O Cros­s­fit, pa­ra qu­em não sa­be, tem o no­me re­gis­tra­do e é va­li­da­do e fis­ca­li­za­do pe­la Cros­s­fit, em­pre­sa que fi­ca em San­ta Cruz, Ca­li­fór­nia. Pois, re­cen­te­men­te, eles mu­da­ram as re­gras das com­pe­ti­ções in­ter­na­ci­o­nais, in­clu­si­ve pa­ra dar mais va­lor aos pra­ti­can­tes do dia a dia dos bo­xes do que aos su­per me­ga atle­tas. Não que eles não vão mais exis­tir. Atle­tas re­no­ma­dos são en­deu­sa­dos, vi­de a ma­ra­vi­lho­sa Bro­ke En­ce, que es­te­ve re­cen­te­men­te no Bra­sil.

O que a mi­nha ex­pe­ri­ên­cia diz:

Cros­s­fit é, sim, pa­ra to­das as pes­so­as. Te dá em­po­de­ra­men­to no dia a dia. Mas, pa­ra fa­zer bem fei­to, não se ma­chu­car e se­guir os seus pró­pri­os ob­je­ti­vos, é pre­ci­so ter um cer­to cuidado. Co­nhe­ça vá­ri­os lu­ga­res, ve­ja o que ofe­re­cem, co­nhe­ça treinadores ho­mo­lo­ga­dos e qua­li­fi­ca­dos e es­co­lha o lu­gar, e a pes­soa que vai te trei­nar, con­for­me as su­as me­tas pes­so­ais. Não pre­ci­sa en­trar achan­do que vai ter que vi­rar um su­per ho­mem ou uma su­per mu­lher. Dá pa­ra pra­ti­car co­mo es­por­te, dá pa­ra usar pa­ra ema­gre­cer e ga­nhar mas­sa ma­gra, dá pa­ra fa­zer do seu jei­to. É só ter es­sa cons­ci­ên­cia e se per­mi­tir es­co­lher bem.

Su­per im­por­tan­te: o Cros­s­fit é um es­por­te em gru­po, mas que po­de e de­ve ser adap­ta­do pa­ra ca­da um dos in­te­gran­tes. A bar­ra po­de ser fei­ta com elás­ti­co, pu­lan­do da cai­xa ou só na for­ça, co­mo eu fiz re­cen­te­men­te, quan­do ma­chu­quei o pul­so e não con­se­guia fa­zer o ba­lan­ço do mo­vi­men­to ori­gi­nal. Mas, pa­ra is­so, é pre­ci­so ter um co­a­ch a fim de te aju­dar, en­tão, de­fi­na ob­je­ti­vos e se iden­ti­fi­que com o pro­fes­sor. Cros­s­fit é vi­ci­an­te por­que tem es­sa coi­sa de ter sem­pre al­guém te apoi­an­do, te ani­man­do, vo­cê se sen­te ven­cen­do obs­tá­cu­los, me­lho­ran­do em equi­lí­brio, for­ça, agi­li­da­de, re­sis­tên­cia car­di­o­vas­cu­lar. Afi­nal, a gen­te sem­pre tem al­go a me­lho­rar, cer­to?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.