No­vas car­nes no es­pe­to

Correio da Bahia - - Mais - Georgina May­nart

Cos­te­la, pi­ca­nha, fi­lé mig­non, e mais 28 cor­tes es­pe­ci­ais che­gam a cus­tar 30% mais ca­ro do que as car­nes co­muns. São os cor­tes di­fe­ren­ci­a­dos de car­nei­ros e ca­bri­tos que es­tão mo­vi­men­tan­do a co­o­pe­ra­ti­va re­gi­o­nal de ali­men­tos da ci­da­de de Pin­ta­das, no Ter­ri­tó­rio da Ba­cia de Ja­cuí­pe.

O pro­je­to fun­ci­o­na há três anos e já ren­de bons fru­tos. Ano pas­sa­do, a ven­da dos cor­tes vol­ta­dos pa­ra o mer­ca­do gour­met ge­rou pa­ra a co­o­pe­ra­ti­va R$ 3,8 mi­lhões. Es­te ano, os pro­du­to­res ain­da não fe­cha­ram as con­tas, mas es­ti­mam que a ven­da to­tal de­va al­can­çar R$ 5 mi­lhões.

O ne­gó­cio co­me­çou com 300 pro­du­to­res em 2016. Atu­al­men­te já con­ta com 900 cri­a­do­res de ca­pri­nos de 56 mu­ni­cí­pi­os do se­miá­ri­do bai­a­no, prin­ci­pal­men­te do ter­ri­tó­rio da Ba­cia do Ja­cuí­pe. Mas re­ce­be ain­da car­nes for­ne­ci­das pe­las re­giões de Ju­a­zei­ro, Pau­lo Afon­so e Bru­ma- do, áre­as que tra­di­ci­o­nal­men­te con­cen­tram gran­des re­ba­nhos da es­pé­cie.

Pa­ra aten­der o mer­ca­do es­pe­ci­al, eles mu­da­ram a for­ma e a fa­se do aba­te. “O mer­ca­do quer ani­mais pre­co­ces. Por que quan­to mais no­vos, mais ma­cia é a car­ne. Nós con­se­gui­mos mu­dar o ma­ne­jo pa­ra pro­du­zir ani­mais que atin­gem en­tre 15 e 20 qui­los em ape­nas 11 me­ses de ida­de”, ex­pli­ca Valcyr Al­mei­da, pre­si­den­te da co­o­pe­ra­ti­va re­gi­o­nal de ali­men­tos de Pin­ta­das, que de­tém a mar­ca “Fi­no Ser­tão, Car­nes Es­pe­ci­ais”. O gru­po fun­ci­o­na atra­vés da FrigBahia, uma co­o­pe­ra­ti­va que reú­ne ou­tras co­o­pe­ra­ti­vas me­no­res. O ni­cho de mer­ca­do tam­bém exi­giu do gru­po mu­dan­ças na for­ma de aba­te. “Nós fa­ze­mos o aba­te hu­ma­ni­za­do, no qual o ani­mal não so­fre, des­de a for­ma de ti­rar a pe­le, até o mo­do do ma­ga­re­fe ma­nu­se­ar a ma­té­ria pri­ma. Ele nem to­ca na car­ne. Is­so faz to­da a di­fe­ren­ça no re­sul­ta­do, pa­ra que a car­ne não fi­que com aque­le ran­ço”, acres­cen­ta Valcyr.

O car­ré fran­cês é o cor­te mais va­lo­ri­za­do e tam­bém o mais pro­cu­ra­do. Che­ga a cus­tar en­tre R$ 60 e R$ 70 o qui­lo. O ne­gó­cio cres­ceu tan­to que das 5 to­ne­la­das pro­du­zi­das no pri­mei­ro ano, a pro­du­ção atu­al já che­ga a 20 to­ne­la­das de cor­tes es­pe­ci­ais por mês. E mes­mo as­sim, o gru­po não tem con­se­gui­do aten­der à de­man­da. Por is­so a ex­pec­ta­ti­va é de cres­ci­men­to nos pró­xi­mos anos.

“Ho­je nós te­mos qua­tro cor­tes que a gen­te não con­se­gue aten­der a de­man­da, o

Pre­si­den­te da co­o­pe­ra­ti­va de ali­men­tos de Pin­ta­das, Valcyr Al­mei­da mos­tra pro­du­tos de mar­ca 100% bai­a­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.